Quantas estrelas você vale? Uma análise da gamificação em um episódio da série Black Mirror Outros Idiomas

ID:
50399
Resumo:
Esse artigo teve como objetivo analisar a relação entre a modernidade, sociedade de consumo e gamificação no episódio Queda Livre da série Black Mirror. A sociedade moderna é alimentada pela lógica do novo e do consumo. Nesse contexto, a utilização de games em ambientes organizacionais e educacionais surge como forma de engajar as pessoas, utilizando-se do aspecto lúdico. Entretanto, por meio da análise fílmica desse episódio foi possível refletir sobre a outra face da gamificação, a de dominação do sujeito, que se vê forçado a produzir dados incessantemente, transformando-se em um objeto, uma mercadoria. Esse ciclo vicioso não possui fim, com a imposição da modernidade e da sociedade de consumo ditando as regras e os consumidores numa posição de passividade tentando acompanhar essa dinâmica. Eles investem em seu comportamento mensurável, ao comprar identidades e estilos de vida, tentando alcançar uma felicidade ilusória baseada em quantas estrelas possuem.
Citação ABNT:
MATOS, B. A.; CARMO, L. J. O.; ASSIS, L. B. Quantas estrelas você vale? Uma análise da gamificação em um episódio da série Black Mirror. Farol - Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade, v. 5, n. 13, p. 792-845, 2018.
Citação APA:
Matos, B. A., Carmo, L. J. O., & Assis, L. B. (2018). Quantas estrelas você vale? Uma análise da gamificação em um episódio da série Black Mirror. Farol - Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade, 5(13), 792-845.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/50399/quantas-estrelas-voce-vale--uma-analise-da-gamificacao-em-um-episodio-da-serie-black-mirror/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Jorge, C. F. B. & Sutton, M. J. D. (2016). Games como estratégia na construção e gestão do conhecimento no contexto da inteligência organizacional. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, 6(1), 103-118.

Mattar, J. & Czeszak, W. (2017). Gamificação como um novo componente da indústria cultural. Revista Intersaberes, 12(25), 60-67.

Paes de Paula, A. P. (2000). A corrosão do caráter: consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo. Revista de Administração de Empresas, 40(3), 101-103.

Raftopoulos, M. (2014). Towards gamification transparency: a conceptual framework for the development of responsible gamified enterprise systems. Journal of Gaming & Virtual Worlds, 6(2), 159-178.

Retondar, A. M. (2008). A (re)construção do indivíduo: a sociedade de consumo como "contexto social" de produção de subjetividades. Sociedade e Estado, 23(1), 137-160.

Valadares, J. L.; Vilas-Boas, A. A.; Rezende, D. C.; Morel, A. P. S.; Amâncio, J. M. (2016). O "cidadão hedonista": diálogos sobre consumo e cidadania na sociedade contemporânea. Cadernos EBAPE.BR, 14(4), 966-983.

Adorno, T. W. & Horkheimer, M. (1985). A indústria cultural: o esclarecimento como mistificação das massas. In: T. W. Adorno & M. Horkheimer. Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos (pp. 113-156). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Albornoz, S. G. (2009). Jogo e trabalho: do homo ludens, de Johann Huizinga, ao ócio criativo, de Domenico De Masi. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 12(1), 75-92.

Assis, L. B.; Alves, C. A.; Paula, A. P. P.; Martins, M. G. (2016). Bildung e a nota de 100 dólares: análise do filme “Quem quer ser um Milionário” a partir do sentido de Formação para os Frankfurtianos. Anais do Encontro de Estudos Organizacionais da ANPAD. Belo Horizonte, MG, Brasil, IX.

Bardin, L. (2002). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Baudrillard, J. (2005). A sociedade de consumo. Lisboa: Edições 70.

Bauman, Z. (2001). Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Berman, M. (2007). Tudo que é sólido desmancha no ar. São Paulo: Companhia das Letras.

Burrel, G. & Morgan, G. (1979). Sociological paradigms and organizational analysis. London, Heineman.

Campbell, C. (2006). Eu compro, logo sei que existo: as bases metafísicas do consumo moderno. In: L. Barbosa & C. Campbell (Orgs.). Cultura, consumo e identidade (pp. 47-64). Rio de Janeiro: FGV[

Castro, L. M. A. R. & Monticelli, J. M. (2015). A gamificação como estratégia de capacitação e o estado de flow: um estudo de caso em uma empresa da área de tecnologia da informação (TI) da região sul do Brasil. Anais do SBGames, Teresina, PI, Brasil, XIV.

Csikszentmihalyi, M. (1990). Flow: the psychology of optimal experience. New York: Harper Perennial.

Deterding, S. (2012). Gamification: designing for motivation. Interactions, 19(4), 14-17.

Fardo, M. L. (2013). A gamificação aplicada em ambientes de aprendizagem. Revista Novas Tecnologias na Educação, 11(1), 1-9.

Fridman, L. C. (2002). Reflexividade e frieza. Anais do Encontro Anual da ANPOCS, Caxambu, MG, Brasil, XXVI.

Fridman, L. C. (2014). Próximos ou separados?Ideias de Giddens e Bauman sobre as motivações para a política. Lua Nova, 92, 241-271.

Gaulejac, V. (2007). Gestão como doença social: ideologia, poder gerencialista e fragmentação social. São Paulo: Ideias e Letras..

Hall, S. (2006). A identidade cultural na pós modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2006..

Paes de Paula, A. P. (2016). Para além dos paradigmas nos Estudos Organizacionais: o Círculo das Matrizes Epistêmicas. Cadernos EBAPE. BR, 14(1), 24-46.

Robson, K.; Plangger, K.; Kietzmann, J. H.; Mccarthy, I.; Pitt, L. (2015). Is it all a game? Understanding the principles of gamification. Business Horizons, 58(4), 411-420.

Sennett, R. (1999). A corrosão do caráter: conseqüências pessoais do trabalho no novo capitalismo. Rio de Janeiro, Record.

Simões, J.; Díaz Redondo, R. P.; Fernández Vilas, A.; Aguiar, A. (2013). Proposta de modelo de referência para aplicação de gamification em ambientes de aprendizagem social. Atas da Conferência Internacional de TIC na Educação. Minho, Portugal, VIII.

Vanoye, F. & Goliot-Lété, A. (1994). Ensaio sobre a análise fílmica. Campinas: Papirus.

Zuin, A. (2001). Á. S. Sobre a atualidade do conceito de indústria cultural. Cadernos Cedes, 21(54), 9-18.

Adorno, T. W. (2002). Indústria cultural e sociedade. São Paulo: Paz e Terra.

Bauman, Z. (1999). Modernidade e ambivalência. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Dewinter, J.; Kocurek, C. A.; Nichols, R. (2014). Taylorism 2.0: gamification, scientific management and the capitalist appropriation of play. Journal of Gaming& Virtual Worlds, 6(2), 109-127.

Hamari, J.; Koivisto, J.; Sarsa, H (2014). Does gamification work? - a literature review of empirical studies on gamification. Proceedings of Hawaii International Conference on System Science. Hawaii, USA, 47th.

Huizinga, J. (1999). Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. São Paulo: Perspectiva.

Morin, E. (2003). 1921 - a cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento (8a ed.). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Nakamura, J. & Csikszentmihalyi, M. (2014). The concept of flow. In: M. Csikszentmihalyi. Flow and the foundations of positive psychology (pp. 239-263). Dordrecht: Springer.

Penafria, M. (2009). Análise de filmes - conceitos e metodologia(s). In: Anais do Congresso SOPCOM, Lisboa, Portugal, VI.

Shahri, A.; Hosseini, M.; Phalp, K.; Taylor, J.; Ali, R. Towards a code of ethics for gamification at enterprise. In: IFIP WG 8.1 Working Conference on The Practice of Enterprise Modeling, PoEM 2014, 7.; 2014, Manchester, UK. Proceedings...; Heidelberg: Springer, 2014. p. 235-245