Estilos de liderança predominantes em uma rede de supermercados do sul do Brasil Outros Idiomas

ID:
50405
Periódico:
Resumo:
O estudo objetiva analisar os estilos de liderança predominantes em uma rede de supermercados do Sul do Brasil. Trata-se de um estudo quantitativo com utilização da técnica de consenso, pesquisa descritiva e de levantamento, envolvendo uma amostra de 126 líderes, com cargos de diretores, gerentes, supervisores, coordenadores e outras atividades com poder de tomada de decisão. Os estilos de liderança predominantes nessa rede de supermercados foram Precisão Preditiva e Persuasão. O líder preditivo é aquele capaz de prever acontecimentos e adiantar resoluções de possíveis problemas; já o líder persuasivo é aquele com alta capacidade de oratória e convencimento. Além desses dois estilos de liderança que predominaram nas empresas analisadas, os estilos Consideração/Relacionamento, Reconciliação, Integração, Estrutura/Tarefa, Tolerância à Incerteza, Tolerância e Liberdade e Representação, respectivamente nessa ordem, também se fizeram presentes. Com isso, conclui-se que, entre os estilos de liderança analisadas nesse estudo, contatou-se a predominância da Precisão Preditiva e Persuasão.
Citação ABNT:
DALLABONA, L. F.; NARDELLI, L. T.; FERNANDES, A. R. V. Estilos de liderança predominantes em uma rede de supermercados do sul do Brasil. Sinergia, v. 22, n. 1, p. 37-50, 2018.
Citação APA:
Dallabona, L. F., Nardelli, L. T., & Fernandes, A. R. V. (2018). Estilos de liderança predominantes em uma rede de supermercados do sul do Brasil. Sinergia, 22(1), 37-50.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/50405/estilos-de-lideranca-predominantes-em-uma-rede-de-supermercados-do-sul-do-brasil/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AULER, D. Os estilos de liderança na gestão dos serviços bancários. Revista de carreiras e pessoas, v. 4, n. 2, p.178187, 2014.

BASS, B. M.; AVOLIO, B. J.; POINTON, J. The implications of transactional and transformational leadership for individual, team, and organization al development. 1990.

BATISTA, N. P. O.; KILIMNIK, Z. M.; REIS NETO, M. T. Influência dos estilos de liderança na satisfação no trabalho: Um estudo em uma entidade de fins não econômicos. Revista Navus, v. 6, n. 3, p. 24-39, 2016.

BOETTINGER, H. M. Is management really an art?. In: Harvard Business Review On Human Relations, Harper & Row, New York, p. 195-206, 1979.

BOURANTAS, Dimitris. Leadership styles, need satisfaction and the organizational commitment of Greek managers. Scandinavian Journal of Management, v. 4, n. 3, p. 121-134, 1988.

BURITI, M. de A. Psicologia do Esporte. Campinas: Alínea, p. 149-173, 1997.

BURNS, J. M. Leadership New York. NY: Harper and Row Publishers, 1978.

CHAGANTI, R.; COOK, R. G.; SMELTZ, W. J. Effects of styles, strategies, and systems on the growth of small businesses. Journal of Developmental Entrepreneurship, v. 7, n. 2, p. 175, 2002.

CHIAVENATO, I. Introdução à teoria geral da administração. Elsevier Brasil, 2003.

CHIAVENATO, I. Teoria geral da administração. São Paulo: McGraw-Hill, 1987.

CLARK, D. Big dog leadership. Retrieved on November, v. 27, p. 2011, 1997.

DIAS, M. A. M. J.; BORGES, R. S. G. Estilos de liderança e desempenho de equipes no setor público. REAd, ed. 80, n. 1, p. 200-221, 2015.

GALBRAITH, J. R. Organization design. Addison Wesley Publishing Company, 1977.

GIRMA, S. The relationship between leadership style, job satisfaction and culture of the organization. International journal of applied research, v. 2, n. 4,p. 35-45, 2016.

GOUVÊA, F. C. A motivação e o esporte: uma análise inicial.

HUNTTER, J. O Monge e o Executivo. Rio de Janeiro: sextante, v. 3, 2004.

LANZA, F. M.; LANA,F. C. F. L. O processo de trabalho em hanseníase: tecnologias e atuação da equipe de saúde da família. Texto and Contexto Enfermagem, v. 20, p. 238, 2011.

LIKERT, R. Novos padrões de administração. Pioneira Editora. Brasil. 1991.

MANSOR, N. N., WAI, C. M., MOHAMED, A., SHAH, I. M. The Relationship between Management Style and Employees’ Well-Being: A Case of Non-Managerial Staffs. Procedia Social and Behavioral Sciences, v. 40, p. 521529, 2012.

ÖZSAHIN, M.; ZEHIR, C.; ACAR, A. Z. Linking leadership style to firm performance: The mediating effect of the learning orientation. Procedia-Social and Behavioral Sciences, v. 24, p. 1546-1559, 2011.

PIERCE, J. L.; DELBECQ, A. L. Organization structure, individual attitudes and innovation. Academy of management review, v. 2, n. 1, p. 27-37, 1977.

PIHIE, Z. A. L.; SADEGHI, A.; ELIAS, H. Analysis of Head of Departments Leadership Styles: Implication for Improving Research University Management Practices. Procedia Social and Behavioral Sciences, v. 29, p. 1081-1090, 2011.

PONTES, C. M. O novo papel da liderança nas organizações. 2008. 60f. Monografia (Curso de Especialização de Administração Judiciária) – Universidade Estadual Vale do Acarajú, 2008.

SANT’ANNA, A. D. S., CAMPOS, M. S., LOTFI, S. Liderança: o que pensam executivos brasileiros sobre o tema?. RAM. Revista de Administração Mackenzie, v. 13, n. 6, p. 48-76, 2012.

SCHLEY, J.; ZAMPIER, M. A.; STEFANO, S. R.; KUHL, M. R. Estilos de liderança: sobre a percepção dos funcionários de um supermercado da mesorregião central do Paraná. Revista de Administração IMED, v. 5, n. 2, p. 139-152, 2015.

STOGDILL, R. M. Manual for the leader behavior description questionnaire-Form XII: An experimental revision. Bureau of Business Research, College of Commerce and Administration, Ohio State University, 1963.

TREWATHA, R. L.; VAUGHT, B. The role of preferred leader behavior, managerial demographics, and interpersonal skills in predicting leadership style. Journal of Behavioral Economics, 1987.

YUKL, G.A. Leadership in Organizations. Four Edition Englewood Cliff, NJ: Prentice Hall, 1998.

YUKL, G. Leadership in Organizations, Fifth Edition, Prentice Hall Inc., New Jersey, 2002.