A Relevância da Eco-Inovação para Resíduos Sólidos na Agroindústria da Fruticultura Outros Idiomas

ID:
50700
Resumo:
Este relato tecnológico analisa o resultado do processo de eco-inovação voltado aos resíduos sólidos industriais (biomassa) de processamento de manga. Dentre as ações técnicoambientais e econômicas empreendidas na empresa investigada a principal foi a adaptação das antigas caldeiras para funcionamento via automação com queimadores de pellets, que substituíram o combustível em uso. A utilização da biomassa vegetal como fonte alternativa de energia limpa, trouxe solução ao problema ambiental do resíduo a partir de um subproduto que passou a ser descartado corretamente e converteu-se em fator de redução de custos pela eficiência de queima dos pellets produzidos. Em adição, apurou-se agregação de valor econômico no aproveitamento das cinzas da caldeiraria como adubo. Entende-se que estas ações são eco-inovações incrementais com potencial de aplicação em outras agroindústrias similares ou empresas com processos equivalentes. Foi possível, ainda, trazer contribuições teóricas ao demonstrar a importância das estratégias de technology-push e demand-pull para o setor.
Citação ABNT:
DONADON, F. A. B.; SANTOS, D. F. L. A Relevância da Eco-Inovação para Resíduos Sólidos na Agroindústria da Fruticultura. Revista Gestão & Tecnologia, v. 18, n. 3, p. 225-246, 2018.
Citação APA:
Donadon, F. A. B., & Santos, D. F. L. (2018). A Relevância da Eco-Inovação para Resíduos Sólidos na Agroindústria da Fruticultura. Revista Gestão & Tecnologia, 18(3), 225-246.
DOI:
10.20397/2177-6652/2018.v18i3.1251
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/50700/a-relevancia-da-eco-inovacao-para-residuos-solidos-na-agroindustria-da-fruticultura/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ABIB (2017). Brasil Biomassa e Energia Renovável. Recuperado em 30 junho, 2017, de https://www.brasilbiomassabioenergia.com.br

Angelo, F. D., Jabbour, C. J., & Galina, S. V. (2012). Environmental innovation: in search of a meaning. World Journal of Entrepreneurship, Management and Sustainable Development 8(2-3), 113-121.

Ben. (2015). Balanço Energético Nacional BEN. Brasília: MME.

Burkot, C. R., & Ahrens, R. B. (2015). Avaliação de Aproveitamento dos resíduos agrícolas para a produção de briquetes ecológicos. Revista Brasileira de Tecnologia Agroindustrial, 9(2), 1860-1874.

Campos, T. M. (2015). Oportunidades de Negócio no Estrangeiro: Um Estudo Sobre o Processo de Internacionalização de PME Fruticultoras. Revista Gestão & Tecnologia, 15(2), 90-112.

Carraschi, J. C. (2013). Caracterização energética de pellets de madeira. Revista da Madeira, 135, 14-18.

Carrilo-Hermosilla, J., Del Río, P., & Könnölä, T. (2010). Diversity of eco-innovations: Reflections from selected case studies. Journal of Cleaner Production, 18(10 – 11), 1073-1083 .

Carroll, J. P., & Finnan, J. (2012). Physical and chemical properties of pellets from energy crops and cereal straws. Biosystems Engineering, 112(2), 151-159.

Castellano, J. M. ( 2015). Study on the effects of raw materials composition and pelletization conditions on the quality and properties of pellets obtained from different woody and non-woody biomasses. Fuel, 139, 629-636.

Ceretta, G. F., Reis, D. R., & Rocha, A. (2016). Inovação e modelos de negócio: um estudo bibliométrico da produção científica na base Web of Science. Gestão & Produção, 23(2), 433-444.

Coelho, E. M., Viana, A. C., & Azevêdo, L. C. (2014). Prospecção Tecnológica para o aproveitamento de resíduos industriais, com foco na indústria de processamento de manga. Cadernos de Prospecção, 7(4), 550-560.

Cordeiro, E. M. (2013). Biocompósitos poliméricos obtidos a partir da fração lignocelulósica e amilácea do caroço de manga (mangifera indica), Tommy atkins. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, Rio Grande do Norte, Brasil.

Cupertino, S. A. (2017). Pellets de Madeira como uma Alternativa para a Geração Termelétrica no Brasil. Recuperado em 25 de maio, 2017, de www.senado.leg.br/estudos

European Commission. (2011). ECO-INNOVATION ACTION PLAN – The Ecoinnovation Action Plan (Eco-AP) (2014 – 2020). Brussels: Commission to the European Parliament.

FAO. (2017). Food and Agriculture Organization of the United Nations. Recuperado em 20 de maio, 2017, de http:www.fas.fao.org.

Faria, W. S., Protásio, T. P., Trugilho, P. F., Pereira, B. L., Carneiro, A. C., Andrade, C. R., & Guimarães, J. B. (2016). Transformação dos resíduos lignocelulósicos da cafeicultura em pellets para geração de energia térmica. Coffee Science 11(1), 137147.

Fernandes, C. R., Augusto, A. P., Santos, I. J., & Souza, S. C. (2013). Produção de briquete industrial: energia limpa e sustentável. Anais Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental, Goiânia, GO, Brasil, 3.

Garcia-Maraver, A., Rodriguez, M. L., Serrano-Bernardo, F., Diaz, L. F., & Zamorando, M. (2015). Factors affecting the quality of pellets made from residual biomass of olive trees. Fuel Processing Technology, 129, 1-7.

Garcia, D. P., Caraschi, J. C., & Ventorim, G. (2017). O setor de pellets de madeira no Brasil. Brazilian Journal of Wood Science, 8(1), 21-28.

Holos, 31(5) 292-306. Tushman, M. L., & O’Reilly III, C. A. (2002). Winning through innovation: a practical guide to leading organizational change and renewal. Boston: Harvard Business School Press.

Horta, C., Lupi, S., & Anjos, O. (2010). Avaliação do potencial fertilizante de dois resíduos da indústria florestal. Revista de Ciências Agrárias, 33(2), 147-159.

IBGE. (2013). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Banco de Dados. Cidades – Lavoura permanente. Recuperado em 10 abril, 2017 de http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/agropecuaria/censoagro/default.sht m/2013

IBGE. (2017). Panorama das Cidades do Estado de São Paulo. Recuperado em 10 abril, 2017 de https://cidades.ibge.gov.br/brasil/sp/taquaritinga/panorama

Jacomossi, R. J., Demajorovic, R., Bernardes, L., & Santiago, A. (2016). Fatores determinantes da eco-inovação: um estudo de caso a partir de uma indústria gráfica brasileira. Gestão & Regionalidade, 32(94), 101-117.

Kaur, M., Singh, N., Sandhu, K. S., & Guraya, H. S. (2004). Physicochemical, morphological, termal, and rheological porperties of starches separated from kernels of some Indian mango cultivars (Mangifera indica L.). Food Chemistry, 85(1), 131-140.

Klewitz, J., Zeyen, A., & Hansen, E. G. (2012). Intermediaries driving eco-innovation in SMEs: a qualitative investigation. . European Journal of Innovation Management, 15(4), 442-467.

Lippel. (2017). Briquetagem e Peletização de Biomassa. Recuperado em 10 de maio, 2017, de http://www.lippel.com.br/br/categorias/compactacao/briquetagem-epeletizacao-de-biomassa/peletizacao

Maçaneiro, B. M., & Cunha, J. C. (2011). Os modelos technology-push e demand-pull e as estratégias de organizações ambidestras: a adoção de inovações tecnológicas por empresas brasileiras. Revista Capital Científico, 9(1), 2741.

MAPA. (2017). Instrução Normativa nº 01, de 07 de Janeiro de 2000. Recuperadoem 10 de maio, 2017, de http://sistemasweb.agricultura.gov.br

Nascimento, B. B. (2013). Efeito da cinza da biomassa florestal na fertilidade e na sorção de imazetapir em solos ácidos. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, Piracicaba, São Paulo, Brasil.

Nones, D. L. (2014). Cadeia produtiva de pellets e briquetes de biomassa residual para geração de energia em Santa Catarina. Dissertação de Mestrado, Universidade do Estado de Santa Catarina, Lages, Santa Catarina, Brasil.

Nones, D. L., Brand, M. A., Ampessan, C. G., & Friederichs, G. (2017). Biomassa residual agrícola e florestal na produção de compactados para geração de energia. Revista de Ciências Agroveterinárias, 16(2), 155-164.

Pereira, B. L. (2014). Propriedade de Pellets: Biomassas, aditivos e tratamento térmico. 74f. Tese de doutorado, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, Minas Gerais, Brasil.

Sander, R. (2011). Viabilidade de implantação de unidade produtora de pellets no extremo sul da Bahia. Trabalho de Conclusão de Curso em Especialização em Gestão Florestal, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Paraná, Brasil.

Santos, D. F. L., Rebelato, M. G., Rodrigues, A. M. (2012). Análise da Viabilidade Econômica de uma Planta para Captura de CO2 na Indústria Alcooleira. Revista Gestão & Tecnologia, 12(2), 64-88.

SBRT. (19 de julho de 2006). SERVIÇO BRASILEIRO DE RESPOSTAS TÉCNICAS – SBRT. Dossiê Polpa de fruta. Recuperado em 14 de março, 2017 de http://www.respostatecnica.org.br>.

Souza, M. E., Santos, C. E., Rezende, A. A., & Meirelles, A. E. (2016). Análise da indústria de polpas de frutas da região sul Baiana – Brasil. Revista Observatorio de la Economía Latinoamericana, 1 1-20.

Tavares, M. A., & Tavares, S. R. (2015). Perspectivas para a participação do Brasil no Mercado internacional de pellets..

Vitti, A., & Boteon, M. (2008). Análise da competitividade da fruticultura brasileira frente a mundial. Anais Congresso da Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural, Rio Branco, AC, Brasil, 46.