Características Econômico-Financeiras e a Intensidade no Reconhecimento de Ativos Intangíveis: Evidências em Empresas Brasileiras e Americanas Outros Idiomas

ID:
50788
Resumo:
Foram investigadas características econômico-financeiras que possam distinguir a intensidade no reconhecimento de ativos intangíveis (AIs) por empresas brasileiras e americanas. Por meio de um estudo empírico-analítico, com abordagem quantitativa, empregou-se a regressão logística, cuja variável dependente (dummy) foi constituída entre empresas com maior (1) ou menor (0) representatividade de AIs (1) em relação aos ativos totais. Foram analisadas 459 empresas (211 brasileiras e 248 americanas), no período entre o primeiro trimestre de 2010 e o último de 2014. Os resultados propõem que a influência do porte na intensidade no reconhecimento de AIs decorre de operações inerentes às grandes empresas, tais como o goodwill decorrente de combinação de negócios, registro de patentes e maior capacidade de investimento em P&D. As empresas americanas tendem a possuir maior representatividade de AIs possivelmente pela facilidade de registro de marcas e patentes, além do fato de serem preponderantes dentre as intensivas no reconhecimento de AIs da amostra.
Citação ABNT:
SILVA, G. R. L.; SOUZA, W. C. O.; MIRANDA, K. F.; SILVA FILHO, A. C. C. Características Econômico-Financeiras e a Intensidade no Reconhecimento de Ativos Intangíveis: Evidências em Empresas Brasileiras e Americanas. Revista Mineira de Contabilidade, v. 19, n. 2, p. 55-67, 2018.
Citação APA:
Silva, G. R. L., Souza, W. C. O., Miranda, K. F., & Silva Filho, A. C. C. (2018). Características Econômico-Financeiras e a Intensidade no Reconhecimento de Ativos Intangíveis: Evidências em Empresas Brasileiras e Americanas. Revista Mineira de Contabilidade, 19(2), 55-67.
DOI:
https://doi.org/10.21714/2446-9114RMC2018v19n2t05
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/50788/caracteristicas-economico-financeiras-e-a-intensidade-no-reconhecimento-de-ativos-intangiveis--evidencias-em-empresas-brasileiras-e-americanas/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ANTOLDI, F.; CERRATO, D.; DEPPERU, D. SMEs export consortia and the development of intangible resources. Journal of Small Business and Enterprise Development, v. 20, n. 3, p. 567-583, 2013.

ARRIGHETTI, A.; LANDINI, F.; LASAGNI, A. Intangible assets and firm heterogeneity: Evidence from Italy. Research Policy, v. 43, n. 1, p. 202-213, 2014.

AVELINO, B. C.; PINHEIRO, L. E. T.; LAMOUNIER, W. M. Evidenciação de ativos intangíveis: estudo empírico em companhias abertas. Revista de Contabilidade e Organizações (RCO), v. 6, n. 14, p. 22-45, 2012.

AXTLE-ORTIZ, M. A. Perceiving the value of intangible assets in context. Journal of Business Research, v. 66, n. 3, p. 417-424, 2013.

BARNEY, J. B. Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of Management, v. 17, n. 1, p. 99-120, 1991.

BEUREN, I. M.; THEISS, V.; SANT’ANA, S. V. Conservadorismo Contábil no reconhecimento de Ativos Intangíveis: um estudo nas empresas da BM&FBOVESPA. Contabilidade, Gestão e Governança, v. 16, n. 1, p. 98-111, 2013.

BOUJELBEN, S.; FEDHILA, H. The effects of intangible investments on future OCF. Journal of Intellectual Capital, v. 12, n. 4, p. 480-494, 2011.

BRITO, E. P. Z.; BRITO, L. A. L.; MORGANTI, F. Inovação e o desempenho empresarial: lucro ou crescimento? RAE Eletrônica, v. 8, n. 1, p. 45-59, 2009.

CABRAL, J. E. Determinantes da propensão para inovar e da intensidade inovativa em empresas da indústria de alimentos do Brasil. RAC Revista de Administração Contemporânea, v. 11, n. 4, p. 87-108, out./dez., 2007.

CABRAL, J. E.; TRAILL, W. B. (2003). Technological innovation profile in the Brazilian food industry. In: INTERNATIONAL CONFERENCE OF THE IBEROAMERICAN ACADEMY OF MANAGEMENT, 3., 2003, São Paulo. Proceedings... São Paulo: EAESP FGV, 2003.

CAMPOS, B.; RUIZ, A. U. Padrões setoriais de inovação na indústria brasileira. Revista Brasileira de Inovação, v. 8, n. 1, p. 167-210, jan./jun. 2009.

CAVALCANTI, M.; PEREIRA, A.; NETO. Inovação tecnológica: há uma pedra no meio do caminho. Liinc em Revista, v. 10, n. 2, p. 726-741, 2014.

CHAN, L. K.; LAKONISHOK, J.; SOUGIANNIS, T. The stock market valuation of research and development expenditures. The Journal of Finance, v. 56, n. 6, p. 2431-2456, dec., 2001.

CHEN, J.; JIANG, C.; LIN, Y. What determine firms’ capital structure in China?. Managerial Finance, v. 40, n. 10, p. 1024-1039, 2014.

CHO, H. J.; PUCIK, V. Relationship between innovativeness, quality, growth, profitability, and market value. Strategic Management Journal, v. 26, n. 6, p. 555-575, 2005.

COCKBURN, I.; GRILICHES, Z. Industry effects and appropriability measures in the stock market’s valuation of R&D and patents. American Economic Review, v. 78, n. 2, p. 419-423, 1987.

COCKBURN, I. I.; HENDERSON, R. M.; STERN, S. Untangling the origins of competitive advantage. Strategic Management Journal, v. 21, n. 10-11, p. 1123-1145, 2000.

COHEN, W. M.; LEVINTHAL, D. A. Innovation and learning: the two faces of R&D. The Economic Journal, v. 99, n. 397, p. 569-596, 1989.

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS. Pronunciamento Técnico CPC 04 (R1) – Ativo intangível, de 05 de novembro de 2010. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2015.

CORRADO, C.; HULTEN, C.; SICHEL, D. Measuring capital in the new economy. National Bureau of Economic Research Studies in Income and Wealth: University of Chicago Press, 2005.

COSTA. T. A.; SILVA, A. H. C.; LAURENCEL, L. C. Escolha de práticas contábeis: um estudo sobre propriedades para investimento em empresas brasileiras não financeiras de capital aberto. Revista Contabilidade e Organizações – RCO, v. 7, n. 18, p. 26-36, 2013.

CRISÓSTOMO, V. L. Ativos Intangíveis: estudo comparativo dos critérios de reconhecimento, mensuração e evidenciação adotados no Brasil e em outros países. Revista Contabilidade, Gestão e Governança, v. 12, n. 1, p. 50-68, 2009.

DECKER, F.; ENSSLIN, S. R.; REINA, D. R. M.; REINA, D. A relação entre os ativos intangíveis e a rentabilidade das empresas listadas no Índice BOVESPA. REUNA, v. 18, n. 4, p. 75-92, 2013.

DIAS FILHO, J. M.; CORRAR, L. J. Análise multivariada: para os cursos de administração, ciências contábeis e economia. São Paulo: Atlas, 2009.

ERNST&YOUNG. US GAAP versus IFRS: the basics. .Net. 2011. Disponível em: . Acesso em 17 jan. 2015.

GOUVEIA, F. Inovação e patentes: o tempo de maturação no Brasil. Inovação Uniemp, v. 3, n. 3, p. 24-25, 2007.

GREENHALGH, C.; ROGERS, M. The value of innovation: the interaction of competition, R&D and IP. Research Policy, v. 35, n. 4, p. 562-580, 2006.

GUJARATI, D. N.; PORTER, D. C. Econometria básica. 5. ed. Porto Alegre: AMGH, 2011.

HOLTHAUSEN, R. W.; WATTS, R. L. The relevance of the value-relevance literature for financial accounting standard setting. Journal of Accounting and Economics, v. 31, p. 3-75, 2001.

KAYO, E. K.; FAMÁ, R. A estrutura de Capital e o Risco das Empresas Tangível-intensivas e Intangível-intensivas. Revista de Administração da Universidade de São Paulo RAUSP, v. 39, n. 2, p. 164-176, 2004.

KAYO, E. K.; TEH, C. C.; BASSO, L. F. C. Ativos intangíveis e estrutura de capital: a influência das marcas e patentes sobre o endividamento. Revista de Administração, v. 41, n. 2, p. 158-168, 2006.

LEDOUX, M. J.; CORMIER, D. Market assessment of intangibles and voluntary disclosure about innovation: the incidence of IFRS. Review of Accounting and Finance, v. 12, n. 3, p. 286-304, 2013.

LEV, B. Intangibles: management, measurement and reporting. Washington: Brookings Institution Press, 2001.

MACAGNAN, C. B. Evidenciação voluntária: fatores explicativos da extensão da informação sobre recursos intangíveis. Revista Contabilidade & Finanças, v. 20, n. 50, p. 46-61, 2009.

MARROCU, E.; PACI, R.; PONTIS, M. Intangible capital and firm´s productivity. Industrial and Corporate Change, v. 21, n. 2, p. 377-402, 2011.

MARTINS, G. A. Manual para elaboração de monografias e dissertações. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

MIRANDA, K. F.; GALLON, A. V.; NOGUEIRA, L. C. B. Ativos intangíveis e grau de inovação: fatores influentes no desempenho econômico empresarial?. In: SIMPÓSIO DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO – SIMPOI, 14., 2011, São Paulo. Anais... São Paulo: FGV-EASP, 2011. p. 1-17.

MONACO, R. Brasil ocupa penúltima posição em ranking de patentes válidas..Net, Brasília, abr. 2014. Disponível em: . Acesso em: 16 dez. 2014.

MOURA, G. D.; SCARPIN, J. E.; MECKING, D. V. Competitividade de mercado, ativos intangíveis e eficiência nos ativos fixos em companhias abertas na BM&FBovespa. Revista Enfoque, v. 32, n. 3, p. 19-35, 2013.

NISIYAMA, E. K.; OYADOMARI, J. C. T. A busca da inovação e a cadeia de valores. Revista de Administração da Unimep, v. 10, n. 1, p. 189-214, 2012.

PAVITT, K. Sectoral patterns of technical change: towards a taxonomy and a theory. Research Policy, v. 13, p. 343-73, 1984.

PEREZ, M. M.; FAMÁ, M. Ativos intangíveis e o desempenho empresarial. Revista contabilidade e finanças, v. 17, n. 40, p. 7-24, 2006.

PUCCI, S.; CENCI, M.; TUTINO, M.; LULY, R. Intangible assets: current requirements, social statements, integrated reporting, and new models. In: RUSS, M. (Ed.). Value Creation, reporting, and signaling for human capital and human assets. New York: Palgrave Macmillan, 2014. p. 179-211.

REINA, D.; ENSSLIN, S. R.; JORGE, K. P. Reconhecimento e gerenciamento do valor da marca empresarial: investigação junto às empresas pertencentes ao setor de governança corporativa da BM&FBovespa. Revista Gestão Organizacional (RGO), v. 3, n. 1, p. 27-43, 2010.

RITTA, C. O.; ENSSLIN, S. R. Investigação sobre a relação entre ativos intangíveis e variáveis financeiras: um estudo nas empresas brasileiras pertencentes ao Índice IBovespa nos anos de 2007 e 2008. In: CONGRESSO USP DE CONTROLADORIA E CONTABILIDADE, 10., 2010, São Paulo. Anais... São Paulo: USP, 2010. p. 1-16.

RITTA, C.O.; ENSSLIN, S.R.; RONCHI, S. H. A evidenciação dos ativos intangíveis nas empresas brasileiras: empresas que apresentaram informações financeiras à bolsa de valores de São Paulo e Nova York em 2006 e 2007. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, v. 9, n. 1, p. 62-75, 2010.

SÁNCHEZ, P.; CHAMINADE, C.; OLEA, M. Management of intangibles – An attempt to build a theory. Journal of Intellectual Capital, v. 1, n. 4, p. 312-327, 2000.

SANDNER, P. G.; BLOCK, J. The market value of R&D, patents, and trademarks. Research Policy, v. 40, n. 7, p. 969-985, set., 2011.

SCHUMPETER, J. A. Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. 3. ed. São Paulo: Nova Cultural, 1988.

SHAKINA, E.; MOLODCHIK, M. Intangible-driven value creation: supporting and obstructing factors. Measuring Business Excellence, v. 18, n. 3, p. 87-100, 2014.

SORESCU, A.; SPANJOL, J. Innovation’s effect on firm value and risk: insights from consumer packaged goods. Journal of Marketing, v. 72, p. 114-132, 2008.

TEECE, D. J. Intangible Assets and a Theory of Heterogeneous Firms. In: BOUNFOUR, A.; MIYAGAWA, T. (Eds.). Intangibles, market failure and innovation performance. Cham: Springer International Publishing, 2015. p. 217-239.

WATTS, R. L. Conservatism in accounting part I: explanations and implications. Accounting Horizons, v. 17, n. 3, p. 201-221, sept., 2003.