Resistir ou Cooperar? Analisando os Fatores que Influenciam as Reações Individuais à Mudança Organizacional

ID:
50791
Resumo:
O objetivo desta pesquisa é identificar quais variáveis individuais e organizacionais afetam a reação dos trabalhadores de resistir ou cooperar com a mudança organizacional. Para testar as hipóteses de pesquisa, investigou-se a implantação da avaliação de desempenho individual dos servidores estaduais de Minas Gerais, realizando um survey com uma amostra de 679 servidores públicos das Secretarias de Educação, Saúde e Planejamento. Os resultados indicam que o nível de resistência à implantação da mudança é influenciado principalmente por variáveis individuais como a dificuldade em reconhecer o processo de mudança, a influência do grupo de trabalho e o grau de ameaça ao convívio social percebida pelo servidor. Os fatores organizacionais como experiências prévias com mudanças malsucedidas e a falta de consistência organizacional na implantação da mudança exercem menor influência na decisão individual de resistir às mudanças organizacionais do que os fatores individuais. A pesquisa contribui com o meio acadêmico e organizacional, ao permitir a identificação das principais fontes de resistência à mudança ou cooperação com a variante. Com isso, será possível aprimorar o processo de mudança organizacional no setor público com o intuito de atender as expectativas dos servidores e contribuir com a gestão pública para tentar melhorar a qualidade dos serviços prestados à sociedade.
Citação ABNT:
MARQUES, A. L.; BORGES, R. S. G.; ALMADA, L. Resistir ou Cooperar? Analisando os Fatores que Influenciam as Reações Individuais à Mudança Organizacional. Revista de Administração da UFSM, v. 11, n. 2, p. 195-212, 2018.
Citação APA:
Marques, A. L., Borges, R. S. G., & Almada, L. (2018). Resistir ou Cooperar? Analisando os Fatores que Influenciam as Reações Individuais à Mudança Organizacional. Revista de Administração da UFSM, 11(2), 195-212.
DOI:
10.5902/19834659 16081
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/50791/resistir-ou-cooperar--analisando-os-fatores-que-influenciam-as-reacoes-individuais-a-mudanca-organizacional/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALMADA, L. Reação individual à mudança de servidores do Instituto Federal de Minas Gerais em relação ao processo de fusão. (Dissertação de mestrado). 98p. Belo Horizonte: UFMG, 2014.

ARENDT, C. H.; LANDIS, R. M.; MEISTER, T. B. The human side of change part 4, IEES Solutions, May, p. 22-26, 1995.

ARMENAKIS, A. A.; BEDEIAN, A. G. Organizational change: a review of theory and research in the 1990s. Journal of Management, v.25, p. 293-315, 1999.

AVEY, J.B.; WERNSING, T.S; LUTHANS, F. Can positive employees help positive organizational change? Impact of psychological capital and emotions on relevant attitudes and behaviors. The Journal of Applied Behavioral Science, v.44, n.1, p.48-70, 2008.

BARON, R. A.; GREENBERG, J. Behavior in organizations: understanding and managing the human side of work. 3 ed. Londres: Allyn and Bacon, 1989.

BORGES, R. S. G. Are public officials really less satisfied than private sector workers? A comparative study in Brazil. Revista de Administração Pública, v.47, n.6, p.1477-1496, 2013.

BORGES, R. S. G.; MARQUES, A. L. Gestão da Mudança: uma alternativa para a avaliação do impacto da mudança organizacional. Faces : Revista de Administração, v.10, p.95-113, 2011.

BOVEY, W.H.; HEDE, A. Resistance to organizational change: the role of cognitive and affective processes. Leadership & Organization Development Journal, v.22, n.8, p.372-382, 2001.

CHIN, W. W. Issues and Opinion on Structural Equation Modeling. MIS Quarterly, v.22, n.1, p.viixvi, 1998.

CHOI, M. Employees’ attitudes toward organizational change: a literature review. Human Resource Management, v.50, n.4, p.479-500, 2001.

CHREIM, S. Managerial frames and institutional discourses of change: employee appropriation and resistance. Organizational Studies, v.27, n.9, p.1261-87, 2006.

COGHLAN, D. A person-centered approach to dealing with resistance to change. Leadership and Organization Development Journal, v.14, n.4, p.10-14, 1993.

DENHARDT, R. B.; DENHARDT, J. V. The new public service: Serving rather than steering. Public Administration Review, v.60, n.6, p.549-559, 2000.

ELIAS, S. M. Employee commitment in times of change: assessing the importance of attitudes toward organizational change. Journal of Management, v.35, n.1, p.37-55, 2007

ERVIN, D. G.; GARMAN, A. N. Resistance to organizational change: linking research and practice. Leadership & organization Development Journal, v.31, n.1, p.39-56, 2010.

FORD, J. D.; FORD, L. W.; D’AMELIO, A. Resistance to change: the rest of the story. Academy of Management Review, v.33, n.2, p.362-377, 2008.

GIANGRECO, A.; PECCEI, R. The nature and antecedents of middle manager resistance to change: evidence from the Italian context. International Journal of Human Resource Management, v.16, n.10, p.1812-1829, 2005.

HAIR, J., et al. Multivariate data analysis. 6 ed. New Jersey: Prentice Hall, 2005.

HAIR JR., J. F.; RINGLE, C. M.; SARSTEDT, M. PLS-SEM: Indeed a silver bullet. Journal of Marketing Theory and Practice, v.19, n.2, p.139-151, 2011.

HALTON, W. Some unconscious aspects of organizational life: contributions from psychoanalysis. In: OBHOLZER, A.; ZAGIER R. V. (Eds). The unconscious at work. Routledge, London, 1994.

HERNANDEZ, J. M. C.; CALDAS, M. P. Resistência à mudança: uma revisão crítica. Revista de Administração de Empresas, v.41, n.2, p.31-45, 2001.

HULTMAN, K. E. Scaling the wall of resistance. Training and Development, v.49, n.10, p.15-18, 1995.

ISERN, J.; PUNG, C. Harnessing energy to drive organizational change. McKinsey Quarterly, v.1, p.1-4, 2007.

JACOBS, J. A. The winners know how to change do you? Hospital Material Management Quarterly, v.16, n.4, p.18-24, 1995.

JOHNSON-CRAMER, M. E.; PARISE, S.; CROSS, R. L. Managing change through networks and values. California Management Review, v.49, n.3, p.85-109, 2007.

JUDSON, A. S. Relações humanas e mudanças organizacionais. São Paulo: Atlas, 1980.

KATZ, D.; KAHN, R. L. Psicologia social das organizações. São Paulo: Atlas, 1976.

KRUGLANSKI, A.W et al. “On the move” or “staying put”: locomotion, need for clausure, and reactions to organizational change. Journal of Applied Social Psychology, v.37, n.6, p.1305-1340, 2007.

LEVINE, G. Forging successful resistance. Bobbin, v.39, n.1, p.164-166, 1997.

LEWIS, L. Employee perspectives on implementation communication as predictors of perceptions of success and resistance. Western Journal of Communication, v.70, n.1, p.23-46, 2006.

LINES, R. The structure and function of attitudes toward organizational change. Human Resource Development Review, v.4, n.1, p.8-31, 2005.

MALHOTRA, N. K.; KIM, S. S.; PATIL, A. Common method variance in IS research: a comparison of alternative approaches and a reanalysis of past research. Management Science, v.52, n.12, p.1865-1883, 2006.

MARK, M. L. Workplace recovery after mergers, acquisitions, and dowsizings: facilitating individual adaptation to major organizational transitions. Organizational Dynamics, v.35, n.4, p.384-398, 2006.

MARQUES, A. L.; CHAVES, R. C.; DIAS, A. T. Validando um instrumento de medida de Resistência à Mudança. In: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração (Org.), Anais do IXXX Encontro da Anpad. Brasília: Anpad, 2005.

MCKINSEY & COMPANY. Organizing for successful change management: a McKinsey global survey. McKinsey Quarterly, July, 2011.

MEYER, J. P.; ALLEN, N. J. Commitment in the workplace: theory, research and application. London: Sage Publications, 1997.

MINAS GERAIS. Lei nº 71, de 30 de julho de 2003. Institui a avaliação de Desempenho Individual, disciplina a perda de cargo público e de função pública por insuficiência de desempenho do servidor público estável e do detentor de função pública na Administração Pública Direta, Autárquica e Fundacional do Poder Executivo e outras providencias. Minas Gerais. Belo Horizonte, MG, 2003.

MOTTA, P. R. Transformação organizacional: a teoria e a prática de inovar. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2004.

NADLER, D. A. The effective management of organizational change. In: LORSCH, J. D. (Ed.) Handbook of organizational Behavior. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall, 1987.

NOGUEIRA, G. E. G. et al. O estresse e suas implicações no trabalho policial. Revista de Psicologia: saúde mental e segurança pública, v.1, n.1, p.47-62, 1997.

OCDE, Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico. Modernizando o emprego público. Revista do Serviço Público, v.56, n.4, p.418-428, 2005.

OREG, S. Personality, context, and resistance to organizational change. European Journal of Work and Organizational Psychology, v.15, n.1, p.73-101, 2006.

OREG, S. Resistance to change: developing an individual differences measure. Journal of Applied Psychology, v.88, n.4, p.680-693, 2003.

OREG, S.; VAKOLA, M.; ARMENAKIS, A. Change recipients’ reaction to organizational change: a 60 – year review of quantitative studies. The Journal of Applied Behavioral Science, v.47, n.4, p.461-524, 2011.

ORLIKOWSKI, W. Improvising organizational transformation over time: A situated change perspective. Information Systems Research, v.7, n.1, p.63-92, 1996.

OSBORNE, D.; GAEBLER, T. Reinventando o governo: como o governo empreendedor está transformando o setor público. Brasília: MH Comunicação, 1994.

PAIVA, D.S.; ANDRADE, J.C.S. Resistências à mudança organizacional: Análise do processo de implantação do sistema de gestão integrada no SENAI-BA. ReA UFSM Revista de Administração da UFSM, v.6, n.3, p.614-631, 2013.

PENENGO, M. O papel do gerente público no processo de mudança. Revista do Serviço Público, v.48, n.1, p.81-89, 1997.

PEREIRA, B.A.D.; LOBLER, M.L.; SIMONETTO, E.O. Análise dos modelos de tomada decisão sob o enfoque cognitivo. ReA UFSM Revista de Administração da UFSM, v.3, n.2, p.260-268.

PEREIRA, M. J. L. B.; FONSECA, J. G. M. Faces da decisão: as mudanças de paradigmas e o poder da decisão. São Paulo: Makron Books, 1997.

SALANCIK, G. R.; PFEFFER, J. (1978). A social information processing approach to job attitudes and task design. Administrative Science Quarterly, v.23, p.224-252, 1978.

SCHNEIDER, D. M.; GOLDWASSER, C. Be a model leader of change. Management Review, v.87, n.3, p.41-46, 1998.

SEIJTS, G. H.; ROBERTS, M. The impact of employee perceptions on change in a municipal governement. Leadership & Organization Develpment Journal, v.32, n.2, p.190-213, 2011.

SILVA, F.M.; MELLO, S.P.T.; TORRES, I.A.C. O que se discute sobre gestão por competências no setor público: um estudo preliminar das construções. ReA UFSM Revista de Administração da UFSM, v.6, n.4, p.685-693, 2013.

STEINBURG, C. Taking charge of change. Training and Development, v.46, n.3, p.26-32, 1992.

TSOUKAS, H.; CHIA, R. On organizational becoming: Rethinking organizational change. Organization Science, v.13, n.5, p.567-582, 2002.

VAN DICK, R.; ULRICH, J.; TISSINGTON, P. A. Working Under a black Cloud: how to sustain organizational identification after a merger. British Journal of Management, v.17, n.1, p.69-79, 2006.

VILHENA, R. et al.O choque de gestão em Minas Gerais: políticas de gestão pública para o desenvolvimento. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006.

WALDERSEE, R.; GRIFFITHS, A. Implementing change: matching implementations methods and change type. Leadership & Organization Development Journal, v.25, n.5, p.424-434, 2004.

WANBERG, C.; BANAS, J. Predictors and outcomes of openness to changes in a reorganizing workplace. Journal of Applied Psychology, v.85, n.1, p.132-132, 2000.

WANOUS, J.P.; REICHERS, A.E.; AUSTRIN, J.T. Cynicism about organizational change: measurement, antecedents, and correlates. Group & Organizational Management, v.25, n.2, p.132-153, 2000.

WOOD Jr., T.; CURADO, I. B.; CAMPOS, H. M. Vencendo a crise: mudança organizacional na Rhodia Farma. Revista de Administração de Empresas, v.34, n.5, p.62-79, 1994.

WOOD, W. Attitude change: persuasion and social influence. Annual Review of Psychology, v.51, p.539-570, 2000.