Estrutura de Capital e Assimetria de Informação: Um Estudo em Empresas Brasileiras de Capital Aberto dos Setores Têxtil e de Energia Elétrica

ID:
50795
Resumo:
Diante das diversas teorias a respeito da estrutura de capital e da teoria da Pecking Order, o presente trabalho buscou relacionar a assimetria de informação com a estrutura de capital das empresas, com o intuito de verificar se a assimetria de informação interfere na definição da estrutura do capital nas empresas brasileiras de capital aberto do setor de energia elétrica e têxtil. A pesquisa contou com uma amostra de 53 empresas, sendo 31 do setor de energia elétrica e 22 do setor têxtil, nos anos compreendidos de 2008 a 2012. A metodologia utilizada foi regressão com dados em painel, pois permite que a mesma unidade de corte transversal seja acompanhada ao longo do tempo. Os resultados apontaram que a assimetria de informação é um determinante da estrutura de capital, mas que os setores divergem entre si com relação à teoria da Pecking Order. No caso do setor de energia, a redução da assimetria de informação levou a uma propensão ao endividamento, enquanto no setor de têxtil ocorreu o inverso, visto que empresas menos passíveis de assimetria informacional são avessas ao endividamento.
Citação ABNT:
MEDEIROS, N. C. D.; CARVALHO, F. M.; CHAIN, C. P.; BENEDICTO, G. C.; SILVA, W. S. Estrutura de Capital e Assimetria de Informação: Um Estudo em Empresas Brasileiras de Capital Aberto dos Setores Têxtil e de Energia Elétrica. Revista de Administração da UFSM, v. 11, n. 2, p. 268-289, 2018.
Citação APA:
Medeiros, N. C. D., Carvalho, F. M., Chain, C. P., Benedicto, G. C., & Silva, W. S. (2018). Estrutura de Capital e Assimetria de Informação: Um Estudo em Empresas Brasileiras de Capital Aberto dos Setores Têxtil e de Energia Elétrica. Revista de Administração da UFSM, 11(2), 268-289.
DOI:
10.5902/19834659 13257
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/50795/estrutura-de-capital-e-assimetria-de-informacao--um-estudo-em-empresas-brasileiras-de-capital-aberto-dos-setores-textil-e-de-energia-eletrica/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ABINEE – Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica. Desempenho Setorial. Disponível em: Acesso em: 10 de set. de 2013.

ALBANEZ, T.; VALLE, M. R. D. Impactos da assimetria de informação na estrutura de capital de empresas brasileiras abertas. Revista Contabilidade & Finanças, v. 20, p. 6-27, 2009. ISSN 15197077.

ALMEIDA, R. S. et al. Composição do Conselho de Administração no Setor de Energia Elétrica do Brasil. Revista de Administração da Unimep, v. 11, n. 1, p. 156-180, 2013.

ANDRADE, A; ROSSETTI, J.P. Governança corporativa: fundamentos, desenvolvimento e tendências. São Paulo: Ed. Atlas, 2004.

ASSAF NETO, A. A. Finanças corporativas e valor. São Paulo: Atlas, 2003.

BAHNEMANN, W. BNDES prevê desembolsar R$ 19 bi para elétricas em 2013. Exame.com. Disponível em: . Acesso em: 12 de set. de 2013.

BHARATH, S. T.; PASQUARIELLO, P.; WU, G. Does Asymmetric Information Drive Capital Structure Decisions? Reviewof Financial Studies, v. 22, n. 8, p. 3211-3243, 2009.

BRITO, G. A. S.; CORRAR, L. J.; BATISTELLA, F. D. Fatores determinantes da estrutura de capital das maiores empresas que atuam no Brasil. Revista Contabilidade e Finanças, p. 9-19, 2007.

COASE, R. H. The nature of the firm. Economica, v. 4, n. 16, p. 386-405, 1937.

DA COSTA, A. C. R.; DA ROCHA, E. R. P. Panorama da cadeia produtiva têxtil e de confecções e a questão de inovação. BNDES Setorial, n. 29, p. 159-202, 2009.

DANTAS, R. F.; SOUZA, S. A. Modelo de risco e decisão de crédito baseado em estrutura de capital com informação assimétrica. Pesquisa Operacional, v. 28, n. 2, p. 263-284, 2008.

DIESSE Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócio-Economicos. Boletim do Setor Elétrico. Disponível em: . Acesso em: 10 de set. de 2013.

FAMA, E. F.; FRENCH, K. R. Testing Trade‐Off and Pecking Order predictions about dividends and debt. Review of Financial Studies, v. 15, n. 1, p. 1-33, January 1, 2002.

FAMA, E. F.; JENSEN, M. C. Separation of ownership and control. Journal of Law and Economics, v. 26, n. 2, p. 301-325, 1983.

FAMÁ, R.; BARROS, L.; SILVEIRA, A. A Estrutura de Capital é Relevante? Novas Evidências a partir de dados norte-americanos e latino-americanos. Caderno de Pesquisas em Administração, v. 8, n. 2, p. 71-84, 2001.

FAMÁ, R.; GRAVA, J. W. Teoria da estrutura de capital: as discussões persistem. Caderno de Pesquisas em Administração, v. 1, n. 11, p. 27-36, 2000.

FRANK, M. Z.; GOYAL, V. K. Testing the pecking order theory of capital structure. Journal of Financial Economics, v. 67, n. 2, p. 217-248, 2003. ISSN 0304-405X.

GUGLER, K.; YURTOGLU, B. B. Corporate governance and dividend pay-out policy in Germany. European Economic Review, v. 47, n. 4, p. 731-758, 2003.

GUJARATI, D. Econometria Básica. Tradução de Maria José Cyhlar Monteiro: Rio de Janeiro: Elsevier, 2006.

HALOV, N.; HEIDER, F. Capital structure, asymmetric information and risk. NYU Stern School of Business Working Paper, 2003.

HARRIS, M.; RAVIV, A. The theory of capital structure. The Journal of Finance, v. 46, n. 1, p. 297355, 1991.

HSIAO, C. Analysis of panel data. Cambridge: Cambridge University Press, 1986.

IBGC – Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. Código das melhores práticas de governança corporativa. Versão 2010. Disponível em . Acesso em: 02 de fev. de 2013.

IEMI Instituto de Estudos e Marketing Industrial. Relatório Setorial da Indústria Têxtil Brasileira. Brasil Têxtil. São Paulo, 2013.

IQUIAPAZA, R. A.; LAMOUNIER, W. M.; AMARAL, H. F. Assimetria de Informações e Pagamento de Proventos na Bovespa. Munich Personal RePEc Archive. MPRA Paper, n. 1673, nov. 2007.

JENSEN, M. C.; MECKLING, W. H. Theory of the firm: Managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of Financial Economics, v. 3, n. 4, p. 305-360, 1976.

MILGROM, P. R.; ROBERTS, J. Economics, organization and management. Englewood Cliffs, NJ: Prentice-Hall, 1992.

MODIGLIANI, F. Corporate income taxes and the cost of capital: a correction. The American Economic Review, v. 53, n. 3, p. 433-443, 1963.

MODIGLIANI, F.; MILLER, M. H. The cost of capital, corporation finance and the theory of investment. The American Economic Review, v. 48, n. 3, p. 261-297, 1958.

MYERS, S. C. Capital structure. Journal of Economic Perspectives, v. 15, n. 2, p. 81-102, 2001.

MYERS, S. C.; MAJLUF, N. S. Corporate financing and investment decisions when firms have information that investors do not have. Journal of Financial Economics, v. 13, n. 2, p. 187-221, 1984. ISSN 0304-405X.

MYERS, S. C. The Capital Structure Puzzle. The Journal of Finance, v. 39, n. 3, p. 575-592, 1984. ISSN 00221082.

NAKAMURA, W. T. et al. Determinantes de estrutura de capital no mercado brasileiro: análise de regressão com painel de dados no período 1999-2003. Revista Contabilidade e Finanças, p. 72-85, 2007.

NEWEY, W.; WEST, K. A Simple Positive Semi-Definite, Heroskedasticity and Autocorrelation Consistent Covariance Matrix. Econométrica, v.55, p.703-708, 1987.

PROCIANOY, J. L.; SCHNORRENBERGER, A. A influência da estrutura de controle nas decisões de estrutura de capital das companhias brasileiras. Revista Brasileira de Economia, v. 58, p. 122146, 2004. ISSN 0034-7140.

ROSS, S. A. The economic theory of agency: The principal’s problem. The American Economic Review, v. 63, n. 2, p. 134-139, 1973.

SHLEIFER, A.; VISHNY, R. W. A Survey of Corporate Governance. The Journal of Finance, v. 52, n. 2, p. 737-783, 1997.

SILVEIRA, A. D. M. D.; PEROBELLI, F. F. C.; BARROS, L. A. B. D. C. Governança Corporativa e os determinantes da estrutura de capital: evidências empíricas no Brasil. Revista de Administração Contemporânea, v. 12, p. 763-788, 2008.

SILVEIRA, A. D. M. Governança corporativa e estrutura de propriedade: determinantes e relação com o desempenho das empresas no Brasil. 1ª ed. São Paulo: Saint Paul Institute of Finance, 2006.

VENTURA FILHO, A. Energia Elétrica no Brasil: Contexto Atual e Perspectivas. Interesse Nacional, n. 21, abr-jun. 2013. Online. Disponível em: Acesso em: 12 de set. de 2013.

WILLIAMSON, O. E. The Economic Institutions of Capitalism. New York: The Free Press, 1985.

WOOLDRIDGE, J. M. Introdução à econometria: uma abordagem moderna. Pioneira Thomson Learning, 2006.