Os Indicadores de Trabalho Decente no Ambiente Corporativo das Mulheres na Polícia Civil do Estado do Rio Grande do Sul

ID:
50799
Resumo:
Este estudo aborda o trabalho da mulher na Polícia Civil do Estado do Rio Grande do Sul, sob a ótica dos critérios do Trabalho Decente da Organização Internacional do Trabalho. A pesquisa classificase no campo da sustentabilidade, na vertente social, relacionada à responsabilidade social corporativa, em busca da necessária gestão pública sustentável. O objetivo foi analisar o ambiente para as mulheres, com base nos critérios do trabalho decente. A coleta de dados foi realizada a partir de diversas fontes de evidência, fazendo-se uso de dados primários e secundários. O estudo tem natureza qualitativa, a partir de um roteiro de observação e um instrumento flexível composto por perguntas abertas. A interpretação foi realizada utilizando-se de procedimento de análise de conteúdo, com foco nas oportunidades que a mulher passou a encontrar a partir da década de 1970 e, atualmente, ocupa lugar destacado em paridade com os homens, não obstante, com algumas evidências de limitação de oportunidades. A percepção geral é de desconformidade com os indicadores da OIT, ressalvando-se os critérios ligados à seguridade e diálogo social, assim como estabilidade e rendimento, que foram considerados total ou parcialmente atendidos. Nos demais pontos não há adequação do trabalho policial aos vetores da OIT, especialmente segurança, igualdade, oportunidades, conciliação e jornada de trabalho.
Citação ABNT:
MADRUGA, S. R.; MADRUGA, L. R. R. G.; ARIGONY, M. M. Os Indicadores de Trabalho Decente no Ambiente Corporativo das Mulheres na Polícia Civil do Estado do Rio Grande do Sul. Revista de Administração da UFSM, v. 11, n. 2, p. 346-367, 2018.
Citação APA:
Madruga, S. R., Madruga, L. R. R. G., & Arigony, M. M. (2018). Os Indicadores de Trabalho Decente no Ambiente Corporativo das Mulheres na Polícia Civil do Estado do Rio Grande do Sul. Revista de Administração da UFSM, 11(2), 346-367.
DOI:
10.5902/19834659 29930
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/50799/os-indicadores-de-trabalho-decente-no-ambiente-corporativo-das-mulheres-na-policia-civil-do-estado-do-rio-grande-do-sul/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALVES, D. B. Trabalho, educação e conhecimento na enfermagem: uma contribuição aos estudos sobre a força de trabalho feminina. Salvador: Dankat, 1997.

ALVESSON, M.; BILLING, I.D. Understanding gender in organizations. London: Sage, 1997.

BANDEIRA, L.; MELO, H. P. de. Memórias das lutas Feministas no Brasil. Secretaria de Políticas para as Mulheres. Presidência da República. Brasília: SPM, 2010.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Edição Revista e Actualizada. Lisboa: Edições 70, 2009.

BARZOTTO, L. C. Direitos humanos e trabalhadores. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2007.

BEAUVOIR, S. de. O Segundo Sexo. Tradução Sérgio Milliet. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009.

BETIOL, M. I. S. Ser administradora é o feminino de ser administrador? In: Encontro Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, 24, 2000, Florianópolis, Anais... ANPAD, 2000.

BEUREN, I. M. Como elaborar Trabalhos Monográficos em Contabilidade. 2.ed. São Paulo: Atlas, 2004.

BIANCHI, E. M. P. G.; QUISHIDA, A. Gestão Estratégica de Carreiras. In: ALBUQUERQUE, L. G.; LEITE, N. P. (Org). Gestão de pessoas perspectivas estratégicas. São Paulo: Atlas, 2009.

BORGES, L. de O.; TAMAYO, A. A estrutura cognitiva do significado do trabalho. Revista Psicologia, Organizações e Trabalho, Florianopolis, v. 1 n.2 , p. 11-44. 2001.

BRUSCHINI, C. “Teoria Crítica da Família”. In: AZEVEDO, M. A.; GUERRA, V. N. de A. (Org.). Infância e Violência Doméstica: fronteiras do conhecimento. 3ª ed. São Paulo: Cortez Editora, 2000, p. 49-80.

BULOS, U. L.. Constituição Federal anotada. São Paulo: Saraiva, 2002.

CÁLAS, M. B.; SMIRCICH, L. Do Ponto de Vista da Mulher: Abordagens Feministas em Estudos Organizacionais. In: S. R. Clegg, C. Hardy, et al (Ed.). Handbook de Estudos Organizacionais. SP: Ed. Atlas, 1999.

CANOTILHO, J. J. G. Direito constitucional e teoria da constituição. 2.ed. Coimbra: Almedina, 1998.

CARVALHO NETO, A. M.; TANURE, B.; ANDRADE, J. Executivas: carreira, maternidade, amores e preconceitos. RAE Eletrônica, v. 9, n. 1, art. 3, jan./jun., 2010.

ELKINGTON, J. A teoria dos três pilares. Tradução de Patrícia Martins Ramalho. São Paulo: Markron Books, 2001.

ELKINGTON, J. Sustentabilidade: canibais com garfo e faca. São Paulo: Markron Books do Brasil, 2012.

ENGELS, F. Os diferentes ramos da indústria. In: A situação da classe trabalhadora na Inglaterra. São Paulo: Global, 1985.

ETHOS. Institute. (2012). RSC. Responsabilidade social corporativa. Disponível em: http://www1. ethos.org.br/EthosWeb/pt/29/o_que_e_rse/o_que_e_rse.aspx. Acesso em 17 out. 2016.

GHAI, D. Trabajo decente: concepto e indicadores. Revista Internacional del Trabajo, v. 122, n.. 2, p. 125-160, 2003.

GOSDAL, T. C. Dignidade do trabalhador: um conceito construído sob o paradigma do trabalho decente e da honra. São Paulo: LTr., 2007.

GROSSI, M. P. Identidade de gênero e sexualidade. Antropologia em 1a mão. Florianópolis, UFSC/ PPGAS, 1998.

INSTITUTO ETHOS. Disponível em: http://www3.ethos.org.br. Acesso em 27 de out. 2015.

INSTITUTO ETHOS. Indicadores Ethos de Responsabilidade Social Empresarial. Coordenação da versão 2007 de Ana Lucia de Melo Custódio e Renato Moyal. São Paulo: Instituto Ethos, 2007.

INSTITUTO ETHOS. O compromisso das empresas com a igualdade racial. Benjamim S. Gonçalves (coordenação e edição). São Paulo: Instituto Ethos, 2006.

INSTITUTO ETHOS. O Compromisso das Empresas com o Meio Ambiente – a Agenda Ambiental das Empresas e a Sustentabilidade da Economia Florestal / Benjamin S. Gonçalves (coordenação e edição). – São Paulo: Instituto Ethos, 2005.

INSTITUTO ETHOS. O que as empresas podem fazer pela criança. Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social; Fundação Abrinq pelos Direitos da Criança. São Paulo: Instituto Ethos, 2000.

JUNQUEIRA, L. A. P.; MAIOR, J. S.; PINHEIRO, F. P. Sustentabilidade: a produção científica brasileira entre os anos de 2000 e 2009. Revista de Gestão Social e Ambiental. São Paulo, v. 5, n. 3, p. 36-52, set./dez. 2011.

LABUSCHAGNE, C.; BRENT, A. C.; ERCK, R. P. G. van Assessing the sustainability performances of industries. Journal of Cleaner Production, p. 1-13, 2004. Disponível em: . Acesso em 18 de fev. 2015.

LABUSCHAGNE C.; BRENT, A. C. Sustainable project life cycle management: the need to integrate life cycles in the manufacturing sector. International Journal of Project Management, v. 23, n. 2, p. 159-168, 2005.

LIMONGI-FRANÇA, A. C.; RODRIGUES, A. L. (2012). Stress e trabalho: uma abordagem psicossomática. 3 ed., São Paulo: Atlas, 2012.

MARQUES, A. L.; BORGES, R. S. G.; ADORNO, R. D. A LDB/96 e a qualidade de vida no trabalho: com a palavra os docentes da rede pública de belo horizonte. Revista de Ciências da Administração. Florianópolis, v. 10, n. 20, p. 72-94, jan./abr. 2008

MELO NETO, F. P. de; FROES, C. Responsabilidade Social e Cidadania Empresarial: a administração do terceiro setor. Rio de Janeiro: Qualitymark, 1999.

MENDES, G. F.; COELHO, I. M.; BRANCO, P. G. G. Curso de direito constitucional. 5. ed. São Paulo: Saraiva, 2010.

MERINO, L. T. A eficácia do conceito de trabalho decente nas relações trabalhistas. Tese de doutorado. Disponível em:

MORAES, A. de. Direito Constitucional. 11. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

MORAES, A. de. Direito Constitucional. 16. ed. São Paulo: Atlas, 2004.

MORAES, A. de. Direito constitucional. São Paulo: Atlas, 2004.

MORAES, R. Análise de conteúdo. Educação. Porto Alegre, v. 22, n. 37, p. 7-32, mar. 1999.

NERY JUNIOR, N. Princípios do processo civil na constituição federal. 5. ed. rev. e ampliada. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1999. p. 42-50.

OIT (ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO). Disponível em: . Acesso em 26 de out. 2015.

PAMPLONA, R. F. “Orientação Sexual e Discriminação no Emprego”, São Paulo, LTr Editora, 2000.

PENA, R. P. M. Responsabilidade social da empresa e business ethics: uma relação necessária? ENCONTRO ANUAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO − ENANPAD, 27., 2003, Atibaia. Anais eletrônicos... Atibaia: Anpad, 2003.

PIOVESAN, F. Direitos humanos e o direito constitucional internacional. 4ed. São Paulo: Max Limonad, 2000.

PIOVESAN, F.; IKAWA, D. A violência doméstica contra a mulher e a proteção dos direitos humanos. In: Direitos humanos no cotidiano jurídico, 2004.

PRONI, M. W. Trabalho decente e vulnerabilidade ocupacional no Brasil. Revista Economia e Sociedade, Campinas: v. 22, n.3. 2013.

SARLET, I. W. A eficácia dos direitos fundamentais. 2ª ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2001.

SCOTT, J. W. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade. Porto Alegre, v. 20, n 2, p. 71-99, jul./dez. 1995,.

SROUR, R. H. Ética empresarial: posturas responsáveis nos negócios, na política e nas relações pessoais. Rio de Janeiro: Campus, 2000.

TOURAINE, A. Após a Crise: a decomposição da vida social e o surgimento de atores não sociais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à Pesquisa em Ciências Sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 2007.

UNIFEM E PACTO GLOBAL DAS NAÇÕES UNIDAS. Princípios de Empoderamento das Mulheres – Disponível em: . Acesso em: 22 de set. 2015.

WALTON, R. E. Quality of working life: what is it? Slow Management Review, Cambridge, v. 15, n. 1, p. 11-21, 1973.