Qualidade de vida no trabalho em uma central de regulação médica de um serviço de atendimento móvel de urgência (SAMU) Outros Idiomas

ID:
508
Resumo:
Este artigo descreve e analisa os profissionais de uma central de regulação médica de um Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) quanto a variáveis de qualidade de vida no trabalho. Trata-se de uma pesquisa descritiva, de caráter quantitativo e qualitativo, baseada nos referenciais teóricos de Walton (1973) e Hackman e Oldham (1975). De um modo geral, os resultados apontam para um nível satisfatório de qualidade de vida no trabalho, com maior destaque aos aspectos “possibilidade de crescimento”, “potencial motivacional da tarefa” e “relevância social” em poder ajudar, tanto na forma direta quanto indireta, às pessoas que demandam atendimento. Apesar dos resultados favoráveis, a fala dos sujeitos sinaliza para a necessidade de melhorias quanto aos aspectos de infra-estrutura, adequação de escalas e jornadas de trabalho com a realidade do município e volume de atendimentos, bem como a interlocução do SAMU com os serviços hospitalares e pré-hospitalares fi xos, além da conscientização da população. Percebeu-se que a retaguarda da supervisão na resolução desses problemas e uma busca constante pela melhoria da qualidade de vida no trabalho podem contribuir para a manutenção dos profissionais em seus postos de trabalho.
Citação ABNT:
PAIVA, K. C. M.; AVELAR, V. L. L. M. Qualidade de vida no trabalho em uma central de regulação médica de um serviço de atendimento móvel de urgência (SAMU). Organizações & Sociedade, v. 18, n. 57, art. 6, p. 303-321, 2011.
Citação APA:
Paiva, K. C. M., & Avelar, V. L. L. M. (2011). Qualidade de vida no trabalho em uma central de regulação médica de um serviço de atendimento móvel de urgência (SAMU). Organizações & Sociedade, 18(57), 303-321.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/508/qualidade-de-vida-no-trabalho-em-uma-central-de-regulacao-medica-de-um-servico-de-atendimento-movel-de-urgencia--samu-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BARDIN, L. Análise de conteúdo. 3 ed. Lisboa: Edições 70 Ltda, 2004.

BERNDT, A.; COIMBRA, R. As organizações como sistemas saudáveis. Revista de Administração de Empresas, v.35, n.4, p.33-41, jul./ago. 1995.

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 196. Brasília: Ministério da Saúde, 1996. Disponível em: . Acesso em: 5 jun. 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n. 2.048 de 5 de novembro de 2002. Aprova o regulamento técnico dos sistemas estaduais de urgência e emergência. In: BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção às Urgências. 2. ed. ampl. Brasília: Ministério da Saúde, 2004, p. 51-243.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Especializada. Regulação Médica das Urgências / Ministério da saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Especializada. Série A. Normas e Manuais Técnicos. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. Disponível em: . Acesso em: 13 jul. 2009.

COLLIS, J.; HUSSEY, R. Pesquisa em administração. 2 ed. São Paulo: Bookman, 2005.

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Resolução CFM 1643/ 02. Normatização da Prestação de serviços através da Telemedicina. Brasília, Distrito Federal, 07 de Agosto de 2002. Disponível em: . Acesso em: 13 jul. 2009.

DOURADO, D. C. P.; CARVALHO, C. A. Controle do homem no trabalho ou qualidade de vida no trabalho? Cadernos Ebape, Rio de Janeiro, v. 4, n. 4, p. 1-15, dez. 2006.

DOURADO, D. C. P.; CARVALHO, C. A. Extra! Extra! O caso da Metrorec revela como é operada a manipulação ideológica do discurso da QVT. Cadernos Ebape, Rio de Janeiro, v. 5, n. 4, p. 1-16, dez. 2007.

FRANCO, M. L. P. B. Análise de conteúdo. 3 ed. Brasília: Liber Livro Editora, 2008.

HACKMAN, J. R.; OLDHAM, G. R. Development of the job diagnostic survey. Journal of Applied Psychology, v. 60, n. 2, p. 159-170, 1975.

HUSE, E.; CUMMINGS, T. Organization development and change. St. Paul: West Publishing Company, 1985.

JICK, T. D. Mixing qualitative and quantitative methods: triangulation in action. Administrative Science Quarterly, v. 24, p. 602-611, dez. 1979.

LIMONGI-FRANÇA, A.C. Qualidade de vida no trabalho QVT: conceitos e práticas nas empresas da sociedade pós-industrial. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2004.

LIPPITT, G. L. Quality of work life: organization renewal in action. Training and Development Journal, v. 32, n. 1, p. 4-10, jul. 1978.

MORAES, L. F. R.; KILIMNIK, Z. Comprometimento organizacional, qualidade de vida e stress no trabalho: uma abordagem de diagnóstico comparativo. Relatório de Pesquisa. Belo Horizonte: CEPEAD/FACE/UFMG, 1994.

MORGAN, G. Imagens da organização. São Paulo: Atlas, 1996.

NADLER, D.; LAWLER, E. Quality of work life: perspectives and directions. Organization Dynamics, v. 1, n. 11, p. 20-30, Winter 1983.

PAIVA, K. C. M; COUTO, J. H. Qualidade de vida e estresse gerencial “pós-choque de gestão”: o caso da COPASA-MG. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v.42, n.6, p. 1189-1211, nov./dez. 2008.

PAIVA, K. C. M. Qualidade de vida no trabalho e stress de profissionais docentes: uma comparação entre o público e o privado. 1999. 185f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1999.

THÉRIAULT, R. Qualité de la vie au travail: implications sur la gestion de la rémunerátion. In: BOISVERT, M. La qualité de la vie au travail. Ottawa: Agence d’Arc, 1980. p.67-83.

VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 2 ed. São Paulo: Atlas, 2003.

WALTON, R. E. Quality of working life: what is it? Sloan Management Review, v. 15, n. 1, p. 11-21, dez. 1973.

WERTHER, B. W. J.; DAVIS, K. Human resources and personnel management. 5.ed. New York: Mc Graw-Hill, 1983.

WESTLEY, W. A. Problems and solutions in the quality of working life. Human Relations, v. 32, n. 2, p. 111-123, fev. 1979.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2 ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.