Para Além da Epistemologia: Reflexões Necessárias para o Desenvolvimento do Conhecimento Outros Idiomas

ID:
50815
Resumo:
Este ensaio objetiva analisar os limites das propostas gnosiológicas frente à contribuição da ontologia para o desenvolvimento do conhecimento e, em especial, para o conhecimento administrativo. Assim, procedemos uma análise da argumentação que consideramos ter produzido maior impacto na produção de conhecimento no campo administrativo brasileiro na atualidade, o "Círculo de Matrizes Epistêmicas" de Ana Paula Paes de Paula (2016). Partimos da apreciação das categorias de ontologia e gnosiologia buscando delimitá-las e confrontá-las para que pudéssemos contextualizar a Guerra Paradigmática que engendra a tese das matrizes. A análise nos mostra que a noção de “incompletude cognitiva” representa um estímulo para o avanço do conhecimento, como bem apontou a autora, contudo a solução proposta, os círculos epistêmicos, são incapazes de derruir a cisão entre os interesses técnicos, práticos e emancipatórios, pois mantém os cortes nos fenômenos sociais e opera gnosiologicamente, sendo fruto da construção da razão a partir de seus interesses. Como conclusões, recuperamos o estatuto ontológico fundante do ser social contrapondo a tradição filosófica habermasiana frente à apreensão ontológica materialista marxiana no intuito de avançar na produção do conhecimento ao direcionar os esforços à primazia do objeto, isto é, na realidade das relações sociais apreendidas em sua totalidade.
Citação ABNT:
FERRAZ, D. L. S.; CHAVES, R. H. S.; FERRAZ, J. M. Para Além da Epistemologia: Reflexões Necessárias para o Desenvolvimento do Conhecimento. REAd. Revista Eletrônica de Administração, v. 24, n. 2, p. 1-30, 2018.
Citação APA:
Ferraz, D. L. S., Chaves, R. H. S., & Ferraz, J. M. (2018). Para Além da Epistemologia: Reflexões Necessárias para o Desenvolvimento do Conhecimento. REAd. Revista Eletrônica de Administração, 24(2), 1-30.
DOI:
http://dx.doi.org/10.1590/1413-2311.204.80474
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/50815/para-alem-da-epistemologia--reflexoes-necessarias-para-o-desenvolvimento-do-conhecimento/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALCÂNTARA, V de C.; PAIVA, A. L. de; BRITO, M. J. de. Desvelando “caixas-pretas” dos textos de estratégia: uma abordagem baseada na hermenêutica crítica. O&S, v. 25, n. 84, p. 30-49, 2018.

BARBOSA, M. A. C.; SANTOS, J. M. L. dos; MATOS, F. R. N.; ALMEIDA, A. M. B. Nem só de debates epistemológicos vive o pesquisador em administração: alguns apontamentos sobre disputas entre paradigmas e campo científico. Cad. EBAPE.BR, v. 11, n. 4, p. 636-651, 2013.

BRASIL.MEC - Ministério da Educação. Censo da Educação 2014. http://portal.inep.gov.br/informacao-da-publicacao//asset_publisher/6JYIsGMAMkW1/document/id/636024. Acesso em: 5 de jan. de 2014.

BURKE, P. Uma história social do conhecimento - I: de Gutenberg a Diderot. Rio de Janeiro: Zahar, 2003.

BURRELL, G. Ciência normal, paradigmas, metáfora discursos e genealogia da análise. In: CLEGG, S.; HARDY, C.; NORD, W.; CALDAS, M.; FACHIN, R.; FISCHER, T. (orgs.) Handbook de Estudos Organizacionais.Modelos de Análise e Novas Questões em Estudos Organizacionais. (Volume 3). São Paulo: Atlas. 1998. p. 439-462.

BURRELL, G.; MORGAN, G. Modernism, Postmodernism and Organizational Analysis 4: The Contribution of Jürgen Habermas. Organization Studies, v. 15, n. 1, p. 1-45, 1994.

BURRELL, G.; MORGAN, G. Sociological Paradigms and Organisational Analysis. Elements of the Sociology of Corporate Life. Vermont: Ashgate, 1979.

CAMPOS, A. M. S. M. Contribuição para a o resgate da relevância do conhecimento para a administração. Physis - Revista de Saúde Coletiva, v. 7, n. 2, p. 25-35, 1997.

CHASIN, J. Marx: Estatuto ontológico e resolução metodológica. São Paulo: Boitempo, 2009.

CNPq - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Painel de Investimentos. http://cnpq.br/painel-de-investimentos. Acesso em 05fev.2018.

DUAYER, M. Filosofía de la ciencia y crítica ontológica: verdad y emancipación. http://www.herramienta.com.ar/revista-herramienta-n-55/filosofia-de-la-ciencia-ycritica-ontologica-verdad-y-emancipacion. Acesso em:29mai.2018.

FARIA, J. H. de. Epistemologia crítica do concreto e momentos de pesquisa: uma proposição para os estudos organizacionais. RAM, v. 16, n. 5, p. 15-40, 2015.

FARIA, J. H. de. Epistemologia e método em Hegel: a fenomenologia e a ciência da lógica. In: EnANPAD, 2016, Salvador. Anais eletrônicos... Salvador: ANPAD, 2016. http://www.anpad.org.br/~anpad/ventos.php?cod_evento=1&cod_evento_edicao=83&cod_ed icao_subsecao=1302&cod_edicao_trabalho=21312.

FERRAZ, D. L. S. A administração de recursos humanos como conhecimento que constitui uma consciência de classe para o capital. Revista Brasileira de Administração Política, v. 9, n. 2, 2016.

FERRAZ, D. L. S.; MUELLER, R. R. Assistencialismo e Empreendimentos Populares de Trabalho: Relações Necessárias para a Erradicação da Pobreza? Revista Eletrônica Gestão e Sociedade, v. 7, p. 186-219, 2013.

FORTES, R. V. As três determinações fundamentais da análise lukacsiana do trabalho: modelo das formas superiores, prioridade ontológica e abstração isoladora - Crítica da ideia de centralidade do trabalho em Lukács. Revista Verinotio, n. 22, p. 44-75, 2016.

HABERMAS, J. Para a reconstrução do materialismo histórico. Brasília: Editora Brasiliense, 1983.

HABERMAS, J. Teoría de la acción comunicativa I: Racionalidad de la acción y racionalización social. Madrid: Taurus, 1999.

HILL, M. R. Epistemology, Axiology, and Ideology in Sociology. Mid-American Review of Sociology, v. 9, n. 2, p. 59-77, 1984.

KUHN, T. S. A Estrutura das Revoluções Científicas. São Paulo: Perspectiva, 2007.

LUKÁCS, G. Para uma ontologia do ser social II. São Paulo: Boitempo, 2013.

LUKÁCS, G. Para uma ontologia do ser social I. São Paulo: Boitempo, 2012.

LUKÁCS, G. Prolegômenos para uma ontologia do ser social: questões de princípios para uma ontologia hoje tornada possível. São Paulo: Boitempo, 2010.

MACHADO, M. R.; MACHADO, M. A. V.; CORRAR, L. J. Desempenho do Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) da Bolsa de Valores de São Paulo. Revista Universo Contábil, v. 5, n. 2, p. 24-38, 2009.

MARX, K. Contribuição à crítica da economia política. São Paulo: Expressão Popular, 2009.

MARX, K.; ENGELS, F. A Ideologia Alemã. São Paulo: Boitempo, 2007.

MARX, K. O 18 de Brumário de Luís Bonaparte. São Paulo: Boitempo, 2011.

MARX, K. O capital: crítica da economia política: livro II: o processo de circulação do capital. São Paulo: Boitempo, 2014.

MARX, K. O capital: crítica da economia política: livro I: o processo de produção do capital. São Paulo: Boitempo, 2013.

PAÇO-CUNHA, E. Gênese, razoabilidade e formas mistificadas da relação social de produção em Marx: a organização burocrática como abstração arbitrária. Tese (Doutorado). UFMG, Belo Horizonte, 2010.

PAES DE PAULA, A. P. Para Além dos paradigmas nos estudos organizacionais: o círculo das matrizes epistemológicas. Cad. EBAPE.BR, v. 14, n. 1, p. 24-46, 2016.

PAES DE PAULA, A. P. Repensando os Estudos Organizacionais. Por uma Nova Teoria do Conhecimento. Rio de Janeiro: EdFGV, FAPEMIG, 2015.

RITTA, C. O.; ENSSLIN, S. R.; RONCHI, S. H.; ENSSLIN, S. R. A evidenciação dos ativos intangíveis nas empresas brasileiras: empresas que apresentaram informações financeiras à Bolsa de Valores de São Paulo e Nova York em 2006 e 2007. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, v. 9, n. 1, p. 62-75, 2010.

SANTOS, E. L. O campo científico da administração: uma análise a partir do círculo das matrizes teóricas. Cad. EBAPE.BR, v. 15, n. 2, p. 209-228, 2017.

SARTORI, V. B. Lukács e a crítica ontológica ao direito. São Paulo: Cortez, 2010.

SCUSSEL, F. B. C. Poder, paradigmas e domínio na pesquisa em marketing no Brasil: uma análise da produção nacional da disciplina a partir das matrizes epistêmicas. Administração: Ensino e Pesquisa, v. 18, n. 3, p. 518-557, 2017.

SERVA, M. Abordagem substantiva e ação comunicativa: uma complementaridade frutuosa para a teoria das organizações. Revista de Administração Pública, v. 31, n. 2, p. 108-134, 1997.

SERVA, M. A racionalidade substantiva demonstrada na prática administrativa. RAE, v. 37, n. 2, p. 18-30, 1997.

SERVA, M.; CAITANO, D.; SANTOS, L.; SIQUEIRA, G. A análise da racionalidade nas organizações - um balanço do desenvolvimento de um campo de estudos no Brasil. Cad. EBAPE.BR, v. 13, n. 3, p. 414-437, 2015.

SERVA, M. Epistemologia da administração no Brasil: o estado da arte. Cad. EBAPE.BR, v. 15, n. 4, p. 741-750, 2017.

SERVA, M. Epistemologia e Sociologia da Ciência da Administração. Cad. EBAPE.BR, v. 11, n. 4, p. 500-502, 2013.

SIEGLER, J.; BIAZZIN, C.; FERNANDES, A. R. Fragmentação do conhecimento científico em Administração: uma análise crítica. RAE, v. 24, n. 3, p. 254-267, 2014.

TENÓRIO, F. Gestão social: uma perspectiva conceitual. Revista de Administração Pública, v. 32, n. 5, p. 7-23, 1998.

VIZEU, F. Ação comunicativa e estudos organizacionais. RAE, v. 45, n. 4, p. 10-21, 2005.

VIZEU, F.; MACADAR, M. A.; GRAEML, A. R. Produtivismo acadêmico baseado em uma perspectiva habermasiana. Cad. EBAPE.BR, v. 14, n. 4, p. 984-1000, 2016.