Sistema de Camadas de Aculturamento Institucional em Immanuel Kant Aplicado ao Ensino Superior em Administração Outros Idiomas

ID:
50905
Periódico:
Resumo:
Este artigo, de caráter reflexivo-teórico, avalia conceitos de Immanuel Kant (1724-1804) com o objetivo de construir um instrumental teórico capaz de indicar diretrizes para o planejamento das práticas de Ensino Superior em cursos de Administração. O estudo descreve os conceitos básicos sobre conhecimento, razão e juízos, apresentando modelo ilustrativo no qual se evidenciam alguns esclarecimentos e interpretações profícuas na revisão e montagem de cursos de Administração. Trata-se da primeira etapa de teorização, que deve ser sucedida por trabalhos técnicos com vistas à implantação das ideias gerais aqui apresentadas.
Citação ABNT:
FRANÇA JÚNIOR, F. C.; TASSIGNY, M. M. Sistema de Camadas de Aculturamento Institucional em Immanuel Kant Aplicado ao Ensino Superior em Administração. Cadernos EBAPE.BR, v. 16, n. 3, p. 410-427, 2018.
Citação APA:
França Júnior, F. C., & Tassigny, M. M. (2018). Sistema de Camadas de Aculturamento Institucional em Immanuel Kant Aplicado ao Ensino Superior em Administração. Cadernos EBAPE.BR, 16(3), 410-427.
DOI:
http://dx.doi.org/10.1590/1679-395162526
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/50905/sistema-de-camadas-de-aculturamento-institucional-em-immanuel-kant-aplicado-ao-ensino-superior-em-administracao/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALVESSON, M.; SANDBERG, J. Os estudos em administração se perderam no meio do caminho?Ideias para pesquisas mais construtivas e inovadoras. Revista Interdisciplinar de Gestão Social, v. 5, n. 3, p. 15-46, 2014.

BARCHE, C. K.; ALMEIDA, C. A. Adoção de recursos tecnológicos inovativos na educação: um estudo sob a ótica da teoria institucional. Revista de Administração, Contabilidade e Economia, v. 14, n. 1, p. 103-120, 2015.

BARNES, L. B.; CHRISTENSEN, C. R.; HANSEN, A. J. Teaching and the case method: instructor’s guide. 3. ed. Boston: Harvard Business School Press, 1994.

BECKENKAMP, J. Kant e a hermenêutica moderna. Kriterion, v. 51, n. 121, p. 275-292, 2010.

BERGER, P. L.; LUCKMANN, T. A construção social da realidade: tratado de sociologia do conhecimento. 23. ed. Petrópolis: Vozes, 2003.

BHATTI, K. M. A case study of the case study method. Peshawar: Pakistani Academy for Rural Development, 1985.

BOMBASSARO, L. C. As fronteiras da epistemologia: como se produz conhecimento. Petrópolis: Vozes, 1994.

BURREL, G. Ciência normal, paradigmas, metáforas, discursos e genealogia da análise. In: CLEGG, S. R.; HARDY, C.; NORD, W. R. Handbook de estudos organizacionais. São Paulo: Atlas, 1999. p. 439-462.

CAIDEN, G. E. The dynamics of public administration: guidelines to current transformations in theory and practice. Hinsdale: Dryden, 1971.

CHALMERS, A. F. O que é ciência, afinal? São Paulo: Brasiliense, 1993.

CHIBENI, S. S. O que é ciência? 2004. . Acesso em: 12 nov. 2004.

CONTRACTOR, F. J. Contractor is international business good for companies?The evolutionary or MultiStage theory of internationalization vs. the transaction cost perspective. Management International Review, v. 47, n. 3, p. 453-475, 2007.

CUNHA, A. O futuro dos serviços públicos no Brasil: em busca de inspiração para repensar a educação em administração pública. In: MARTINS, M. E. P.; PIERANTI P. O. V. Estado e gestão pública: visões do Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: FGV, 2006. p. 329-238.

CUNHA, M. A. Retrospectiva e perspectivas da experiência norteamericana e reflexões sobre o caso brasileiro. Cadernos EBAPE.BR, v. 15, n. 3, p. 5-30, 1981.

DARWIN, C. A origem das espécies. Rio de Janeiro: Newton Comptom Brasil, 1996.

DIMAGGIO, P. J.; POWELL, W. W. The iron cage revisited: institutional isomorphism and collective rationality in organizational fields. American Sociological Review, v. 48, p. 147-160, 1983.

FRANÇA JÚNIOR, F. C. Princípios de evolução organizacional decorrente do modelo biológico. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, 26.; 2002, Salvador. Anais... Salvador: Anpad, 2002.

GONZALEZ, A. M. La doble aproximación de Kant a la cultura. Anuário Filosófico, v. 37, n. 3, p. 679-711, 2004.

HAMMOND, J. S. Método de aprendizado por casos. Harvard Business School, v. 1, n. 304, p. 3-6, 2014.

HUME, D. An enquiry concerning human understanding (EHU). Oxford: Oxford University Press, 1999.

KANT, E. Crítica da razão pura. Petrópolis: Vozes, 2012.

LÉVI-STRAUSS, C. O cru e o cozido. São Paulo: Brasiliense, 1991.

LÉVI-STRAUSS, C. O feiticeiro e sua magia. In: LÉVI-STRAUSS, C. Antropologia estrutural. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1970. p. 181-200.

MONTEIRO, J. P. G. Sobre a interpretação da epistemologia de Hume. Kriterion, v. 52, n. 124, p. 279-291, 2011.

NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. Criação de conhecimento na empresa. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

PRÍNCIPE, J. A epistemologia de Poincaré à luz de Kant: convenções e o uso regulador da razão. Scientiae Studia, v. 13, n. 1, p. 49-72, 2015.

RODRIGUES, L. E. O conceito de verdade na Crítica da Razão Pura de Kant. Problemata, v. 2, n. 2, p. 137-157, 2011.

SANTOS, P. Uma nota sobre a lógica formal de Kant. Manuscrito, v. 35, n. 1, p. 99-113, 2012.

SELZNICK, P. Institutionalism: old and new. Administrative Science Quarterly, v. 41, n. 2, p. 270-277, 1996.

SHERWOOD, F. P. O semestre intensivo: seu desenvolvimento e significância na educação para o serviço público. Revista de Administração Pública, v. 13, n. 2, p. 113-134, 1979.

SILVA, R. V.; JONES, G. D. C. Produção científica que relaciona teoria institucional com contabilidade gerencial: estudos em periódicos e congressos nacionais. ConTexto, v. 15, n. 31, p. 100-113, 2015.

TASSONI, E. C. M. Afetividade e aprendizagem: a relação professor- aluno. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 23.; 2000, Caxambu. Anais... Caxambu, MG: ANPEd, 2000.

TERRA, J. C. C. Gestão do conhecimento: o grande desafio empresarial. Uma abordagem baseada no aprendizado e na criatividade. São Paulo: Negócio, 2000.

TOLBERT, P. S.; ZUCKER. A institucionalização da teoria institucional. In: CLEGG, S. R.; HARDY, C.; NORD, W. R. (Org.). Handbook de estudos organizacionais. São Paulo: Atlas, 1999. p. 196-219.

VALE, M. P. E. M.; BERTERO, C. O.; ALCADIPANI, R. Caminhos diferentes da americanização na educação em administração no Brasil: EAESP/ FGV e a FEA/USP. Administração: Ensino e Pesquisa, v. 14, n. 4, p. 837-872, 2013.

VIEIRA, M. P.; CALDAS, M. Teoria crítica e pós-modernismo: principais alternativas à hegemonia funcionalista. Revista de Administração de Empresas, v. 46, n. 1 p. 59-70, 2006.

VIEIRA, M. P.; MACHADO, D. D. P. N. Isomorfismo institucional em universidades do sistema ACAFE: uma análise do curso de administração. Estratégia e Negócios, v. 5, n. 3, p. 177-198, 2012.

VIGOTSKI, L. S. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

VIGOTSKI, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1984.

VIGOTSKI, L. S. Psicologia pedagógica. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

WAIZBORT, R. Teoria social e biologia: perspectivas e problemas da introdução do conceito de história nas ciências biológicas. História Ciências e Saúde-Manguinhos, v. 8, n. 3, p. 632-653, 2001.

ZILLES, U. Teoria do conhecimento. Porto Alegre: PUCRS, 2006.