Gênero e Política Pública: Panorama da Produção Acadêmica no Brasil (1983-2015) Outros Idiomas

ID:
50906
Periódico:
Resumo:
Políticas públicas com recorte de gênero, iniciadas no Brasil na década de 1980, ganharam maior centralidade com a criação da Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM) no Governo Federal, em 2003. Isso não significa, contudo, que exista uma agenda de pesquisa consolidada sobre gênero e política pública no país. O objetivo deste estudo foi entender como essas temáticas têm sido incorporadas, de modo articulado, por pesquisas acadêmicas no Brasil. Para tanto, foram analisados 349 artigos científicos disponíveis nos sistemas de indexação SciELO e SPELL entre 1983 e 2015. A partir da pesquisa, mapeou-se um conjunto heterogêneo de estudos, classificado e analisado segundo uma tipologia elaborada com base nos padrões de incorporação das temáticas gênero e política pública. Na análise de cada tipo, investigaram-se ainda: distribuição de autoria; áreas do conhecimento e periódicos de publicação; temas e segmentos populacionais abordados; e abordagem metodológica empregada. Argumenta-se que não há, no Brasil, um campo de estudos sobre gênero e política pública, mas pontos de convergência entre os estudos de gênero e os de política pública. Com este artigo, espera-se contribuir para o desenvolvimento de pesquisas que articulem os dois campos e subsidiar, por meio da metodologia desenvolvida, estudos com outro recorte temporal e em outras bases bibliográficas.
Citação ABNT:
FARAH, M. F. S.; DINIZ, A. P. R.; MARCONDES, M. M.; LAÍS MENEGON YOUSSEF, ; SILVA, M. C. F. Gênero e Política Pública: Panorama da Produção Acadêmica no Brasil (1983-2015). Cadernos EBAPE.BR, v. 16, n. 3, p. 428-443, 2018.
Citação APA:
Farah, M. F. S., Diniz, A. P. R., Marcondes, M. M., Laís menegon youssef, , & Silva, M. C. F. (2018). Gênero e Política Pública: Panorama da Produção Acadêmica no Brasil (1983-2015). Cadernos EBAPE.BR, 16(3), 428-443.
DOI:
http://dx.doi.org/10.1590/1679-395164868
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/50906/genero-e-politica-publica--panorama-da-producao-academica-no-brasil--1983-2015-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BANDEIRA, L. M. Fortalecimento da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres: avançar na transversalidade da perspectiva de gênero nas políticas públicas. Brasília, DF: Secretaria de Políticas para as Mulheres, 2005.

BOURDIEU, P. O campo científico. In: ORTIZ, R. (Org.). Pierre Bourdieu: Sociologia. São Paulo: Ática, 1983.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

BRASIL. I Plano Nacional de Políticas Públicas para as Mulheres. Brasília, DF: Secretaria de Políticas para as Mulheres, 2004.

BRASIL. II Plano Nacional de Políticas Públicas para as Mulheres. Brasília, DF: Secretaria de Políticas para as Mulheres, 2008.

BRASIL. Plano Nacional de Políticas Públicas para as Mulheres 2013-2015. Brasília, DF: Secretaria de Políticas para as Mulheres, 2013.

COELHO, F. S.; NICOLINI, A. M. Revisitando as origens do ensino de graduação em administração pública no Brasil (1854-1952). Revista de Administração Pública, v. 48, n. 2, p. 367-388, 2014.

COSTA, A. Apresentação. In: COSTA, Albertina; BRUSCHINI, Cristina (Org.). Uma questão de gênero. São Paulo: Rosa dos Tempos/Fundação Carlos Chagas, 1992. p. 6-8.

CRENSHAW, K. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Estudos Feministas, v. 10, n. 1, p. 171-188, 2002.

FADUL, E. et al. Administração pública no Brasil: reflexões sobre o campo de saber a partir da Divisão Acadêmica da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração (2009-2013). Revista de Administração Pública, v. 48, n. 5, p. 1329-1354, 2014.

FARAH, M. F. S. A contribuição da administração pública para a constituição do campo de estudos de políticas públicas. In: MARQUES, Eduardo; FARIA, Carlos A. P. de (Org.). A política pública como campo multidisciplinar. São Paulo/Rio de Janeiro: Ed. Unesp/Ed. Fiocruz, 2013. p. 91-126.

FARAH, M. F. S. Administração pública e políticas públicas. Revista de Administração Pública, v. 45, n. 3, p. 813-836, 2011.

FARAH, M. F. S. Análise de políticas públicas no Brasil: de uma prática não nomeada à institucionalização do “campo de públicas”. Revista de Administração Pública, v. 50, p. 959-979, 2016.

FARAH, M. F. S. Formação em política pública no Brasil. Das iniciativas pioneiras dos anos 60 à institucionalização do “campo de públicas”. Estudios Políticos, v. 49, p. 192-215, 2016.

FARAH, M. F. S. Gênero e políticas públicas. Estudos Feministas, v. 1, p. 1-20, 2004.

FARIA, C. A. P. de. Implementação: ainda o “elo perdido” da análise de políticas públicas no Brasil? In: FARIA, Carlos Aurélio P. de (Ed.). Implementação de políticas públicas: teoria e prática. Belo Horizonte: PUC Minas, 2012. p. 123-153.

FORJAZ, M. C. S. A emergência da ciência política no Brasil: aspectos institucionais. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 12, n. 35, p. 1-22, 1997.

FREDERICKSON, H. G. John Gaus lecture: the repositioning of American public administration. Political Science & Politics, v. 32, n. 4, p. 701-711, 1999.

HARAWAY, D. “Gênero” para um dicionário marxista: a política sexual de uma palavra. Cadernos Pagu, v. 22, p. 201-246, 2004.

HARDING, S. A instabilidade das categorias analíticas na teoria feminista. Estudos Feministas, v. 1, n. 1, p.7-32, 1993.

HASS, P. M. Introduction: epistemic communities and international policy coordination. International Organization, v. 46, n. 1, p. 1-35, 1992.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pósestruturalista. Petrópolis: Vozes, 1997.

MACHADO, L. Z. Feminismo. Introdução. In: COSTA, A.; BRUSCHINI, C. (Orgs.). Uma questão de gênero. São Paulo: Rosa dos Tempos/Fundação Carlos Chagas, 1992. p. 9-14.

MARQUES, E.; FARIA, C. A. P. de. A política pública como campo multidisciplinar. São Paulo/Rio de Janeiro: Unesp/Fiocruz, 2013.

MATOS, M. Teorias de gênero ou teorias e gênero?Se e como os estudos de gênero e feministas se transformaram em um campo novo para as ciências. Estudos Feministas, v. 16, n. 2, p. 333-357, 2008.

MELO, M. A. Estado, governo e políticas públicas. In: MICELI, S. (Ed.). O que ler na ciência social brasileira (1970-1995). Ciência política. São Paulo/Brasília, DF: Sumaré/Anpocs/Capes, 1999. 3 v. p. 59-100.

O’DONNEL, G. Reflexões comparativas sobre políticas públicas e consolidação democrática. In: MOURA, A. S. (Org.). O Estado e as políticas públicas na transição democrática. São Paulo/Recife: Vértice/Fundação Joaquim Nabuco, 1989. p. 390- 391.

OSPINA BOZZI, S. M. La administración pública como 'comunidad discursiva': algunas lecciones del caso estadounidense para América Latina. Reforma y Democracia, v. 10, p. 85-112, 1998.

PACHECO, R. S. Administração pública nas revistas especializadas: Brasil, 1995-2002. Revista de Administração de Empresas, v. 43, n. 4, p. 63-71, 2003.

PAPA, F. C. Transversalidade e políticas públicas para mulheres no Brasil: percursos de uma pré-política. 2012. 198 f. Dissertação (Mestrado em Administração Pública e Governo) - Escola de Administração de Empresas de São Paulo, Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, 2012.

PINTO, C. R. J. Feminismo, história e poder. Revista de Sociologia e Política, v. 18, n. 36, p. 15-23, 2010.

RHODES, R. A. W. Policy network analysis. In: MORAN, M.; REIN, M.; GOODIN, R. E. (Ed.). The Oxford handbook of public policy. Oxford: Oxford University Press, 2006. p. 423-445.

SCIENTIFIC ELECTRONIC LIBRARY ONLINE (SCIELO). Sobre o SciELO. . Acesso em: 02 abr.2016.

SCIENTIFIC PERIODICALS ELECTRONIC LIBRARY (SPELL). Saiba mais. . Acesso em: 02 abr.2016.

SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil para a análise histórica. Recife: SOS Corpo, 1995.

SILVEIRA, M. L.; TITO, N. (Orgs.). Trabalho doméstico e de cuidados: por outro paradigma de sustentabilidade da vida humana. São Paulo: Sempreviva Organização Feminista, 2008.

SORJ, B. A Revista Estudos Feministas e as políticas públicas: qual relação? Estudos Feministas, v. 16, n. 1, p. 129-130, 2008.

SOUZA, C. Pesquisa em administração pública no Brasil: uma agenda para o debate. Revista de Administração Pública, v. 32, n. 4, p. 43-61, 1998.