Conservadorismo Condicional e Adoção das IFRS: Uma Análise nas Empresas Brasileiras de Capital Aberto Outros Idiomas

ID:
50912
Resumo:
Esta pesquisa teve como objetivo geral investigar se a adoção das IFRS pelas companhias abertas brasileiras contribuiu para aumentar a qualidade da informação contábil, pela ótica do conservadorismo condicional. Embora confundido com a neutralidade, o conservadorismo na mensuração dos resultados é amplamente reconhecido como atributo de qualidade da informação contábil, já que implica a tendência de reconhecimento assimétrico entre boas e más notícias pelos preparadores da informação (BASU, 1997). Ou seja, os lucros refletem as más notícias (perdas) mais rapidamente que as boas notícias (ganhos), indicando menor probabilidade de manipulação dos resultados pelos gestores para maximizar seu desempenho financeiro. Para tanto, foi utilizado o modelo de Ball e Shivakumar (2005), em uma amostra de 164 empresas não financeiras de capital aberto listadas na BM&FBovespa durante o período de 2002 a 2015, abrangendo intervalos anterior e posterior à adoção, para se verificar se houve crescimento dos níveis de conservadorismo condicional que pudesse ser atribuído à adoção das IFRS. Os resultados evidenciaram que durante todo o período analisado foi identificada a presença do conservadorismo condicional, revelando um tratamento de antecipação de despesas e postergação de receitas pelos preparadores da informação contábil. Esses resultados, por si sós, implicam a presença de conservadorismo condicional em períodos anteriores e posteriores à adoção das IFRS. Entretanto, quando comparados os níveis de conservadorismo nas duas ocasiões, os resultados revelaram que o conservadorismo diminuiu após a adoção das IFRS. Assim,com base nos resultados deste estudo, pela óptica do conservadorismo condicional, rejeita-se a premissa de que as IFRS trouxeram mais qualidade para a contabilidade brasileira.
Citação ABNT:
SOUSA, L. M.; CASTRO, L. A.; VIANA JÚNIOR, D. B. C.; DOMINGOS, S. R. M.; PONTE, V. M. R. Conservadorismo Condicional e Adoção das IFRS: Uma Análise nas Empresas Brasileiras de Capital Aberto. Enfoque Reflexão Contábil, v. 37, n. 3, p. 21-35, 2018.
Citação APA:
Sousa, L. M., Castro, L. A., Viana Júnior, D. B. C., Domingos, S. R. M., & Ponte, V. M. R. (2018). Conservadorismo Condicional e Adoção das IFRS: Uma Análise nas Empresas Brasileiras de Capital Aberto. Enfoque Reflexão Contábil, 37(3), 21-35.
DOI:
10.4025/enfoque.v37i3.35390
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/50912/conservadorismo-condicional-e-adocao-das-ifrs--uma-analise-nas-empresas-brasileiras-de-capital-aberto/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALVES, J. S.; MARTINEZ, A. L. Efeitos da adoção das IFRS no conservadorismo contábil das sociedades de grande porte. Advances Scientific Applied Accounting, v. 7, n. 2, p. 224-243, 2014.

BALL, R. J.; KOTHARI, S. P.; ROBIN, A. The effect of international institutional factors on properties of accounting earnings. Journal of Accounting and Economics, v. 29, n. 1, p. 1-51, 2000.

BALL, R. J.; ROBIN, A.; Earnings quality in UK private firms: comparative loss recognition timeliness. Journal of Accounting and Economics, v. 39, n. 1, p. 83-128, 2005.

BALL, R. J.; ROBIN, A.; The role of accruals in asymmetrically timely gain and loss recognition. Journal of Accounting Research, v. 44, n. 2, p. 207-242, 2006.

BALL, R. J.; ROBIN, A.; WU, J. S. INCENTIVES versus standards: properties of accounting income in four east Asian countries. Journal of Accounting and Economics, v. 36, n. 1, p. 235-270, 2003.

BASU, S. The conservatism principle and asymmetric timeless of earnings. Journal of Accounting and Economics, v. 24, n. 1, p. 3-37, 1997.

BREUSCH, T.; PAGAN, A. A Simple Test of Heteroskedasticity and Rrandom Coefficient Variation. Econometrica, v. 47, n. 1, p. 1287-1294, 1979.

BRUNOZI, A.; HABERKAMP, A.; ALVES, T.; KRONBAUER, C. Efeitos das IFRS no conservadorismo contábil: um estudo em companhias abertas dos países membros do Glenif. Revista Ambiente Contábil, v.7, n. 2, p. 76-100, 2015.

BUSHMAN, R. M.; PIOTROSKI, J. D. Financial reporting incentives for conservative accounting: the influence of legal and political institutions. Forthcoming Journal of Accounting and Economics, v. 42, n. 1, p. 107-148, 2005.

BUSHMAN, R. M.; PIOTROSKI, J. D.; SMITH, A. J. What determines corporate transparency? Journal of Accounting Research, v. 42, n. 2, p. 207-252, 2004.

CASTRO, L. A.; PONTE, V. M. R.; COELHO, A. C. D.; OLIVEIRA, M. O. Padrões contábeis e qualidade informacional: evidências para o Brasil. Contabilidade Vista & Revista, v. 26, n. 3, p. 124-145, 2015.

COELHO, A. C.; LIMA, I. S. Qualidade informacional e conservadorismo nos resultados contábeis publicados no Brasil. Revista Contabilidade & Finanças, v. 18, n. 45, p. 38-49, 2007.

COELHO, C. M. P.; NIYAMA, J. K.; RODRIGUES, J. M. Análise da qualidade da informação contábil frente a implementação dos IFRS: uma pesquisa baseada nos periódicos internacionais de 1999 a 2010. Sociedade, Contabilidade e Gestão, v. 6, n. 2, p. 7-20, 2011.

COSTA, A. C. O. Conservadorismo e os países da América do Sul: um estudo da aplicação do conservadorismo em cinco países da América do Sul, 2004. 92 f. Dissertação (Mestrado) - Departamento de Ciências Contábeis, Fundação Instituto Capixaba de Pesquisas em Contabilidade, Economia e Finanças, Vitória, ES, 2004.

CPC – COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS. Pronunciamento técnico CPC 00. Estrutura conceitual para elaboração e divulgação de relatório contábil-financeiro, 2008. . Acesso em 12 jan 2008.

CPC – COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS. Pronunciamento técnico CPC 00 (R1). Estrutura conceitual para elaboração e divulgação de relatório contábil-financeiro, 2011. . Acesso em 12 jan 2011.

CUNHA, E. S.; DANTAS, J. A.; MEDEIROS, O. R. Conservadorismo condicional nas instituições bancárias brasileiras: um comparativo entre as demonstrações Cosif x IFRS. In: Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, 15, 2015, São Paulo/SP. Anais... São Paulo: FEA-USP, 2015.

DANTAS, J. A.; PAULO, E.; MEDEIROS, O. R. Conservadorismo condicional na indústria bancária brasileira em situações de maior percepção de risco. Revista Universo Contábil, v. 9, n. 2, p. 83-103, 2013.

FRANCIS, J.; LAFOND, R.; OLSSON, P.; SCHIPPER, K. The market pricing of accruals quality. Journal of Accounting and Economics, v. 39, n. 2, p. 295-327, 2005.

GUJARATI, D. N.; PORTER, D. C. Econometria Básica. 5 ed. Porto Alegre: AMGH, 2011.

HENDRIKSEN, E. S.; BREDA, M. F. V. Teoria da contabilidade. 5a ed. São Paulo: Atlas, 1999.

IUDÍCIBUS, S. Teoria da contabilidade. 6a ed. São Paulo: Atlas, 2000.

KLANN, R. C.; BEUREN, I. M. Gerenciamento de resultados: análise comparativa de empresas brasileiras e inglesas antes e após a adoção das IFRS. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO – EnAnpad, 34, 2012, Rio de Janeiro/RJ. Anais... Rio de Janeiro: UFRJ, 2012.

KRONBAUER, C.; MARQUEZAN, L. F.; BARBOSA, L. A.; DIEHL, C. A. Análise dos efeitos do conservadorismo na informação contábil após a alteração de 2011 no pronunciamento conceitual básico. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO – EnAnpad, 38, 2014, Rio de Janeiro/ RJ. Anais... Rio de Janeiro: UFRJ, 2014.

LAFOND, R.; WATTS, R. L. The information role of conservatism. The Accounting Review, v. 83, n. 2, p. 447-478, 2008.

LIMA, J. B. N. A relevância da informação contábil e o processo de convergência para as normas IFRS no Brasil, 2010. 236 f. Tese (Doutorado) - Departamento de Ciências Contábeis e Atuarias, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, 2010.

LOPES, A. B.; MARTINS, E. Teoria da contabilidade: uma nova abordagem. São Paulo: Atlas, 2007.

LUBBERINK, M. J. P.; HUIJGEN, C. A wealth-based explanation for earnings conservatism. European Finance Review, v. 5, n. 3, p. 323-349, 2000.

PAE, J.; THORNTON, D. B.; WELKER, M. The link between earnings conservatism and the price-to-book ratio. Contemporary Accounting Research, v. 22, n. 3, p. 693-717, 2005.

PIRES, O. C.; DECOURT, R. F. Os impactos da fase final de transição para o IFRS no Brasil. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, v. 17, n. 54, 736-750, 2015.

SAMPAIO, T. C. Q.; COELHO, A. C.; HOLANDA, A. P. Adoção de conservadorismo nos lucros em períodos de crise financeira: evidências no Brasil. Enfoque: Reflexão Contábil, v. 34, n. 1, 71-85, 2015.

SANTIAGO, J. S.; CAVALCANTE, P. R. N.; PAULO, E. Análise da persistência e conservadorismo no processo de convergência internacional nas empresas de capital aberto do setor de construção no Brasil. Revista Universo Contábil, v. 11, n. 2, p. 174-195, 2015.

SANTOS, C. K. S.; MARQUES, A. V. C.; RECH, I. J.; COSTA, P. S. Efeitos da adoção das IFRS no conservadorismo contábil das companhias abertas que exploram ativos biológicos. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CUSTOS, 20, 2013, Uberlândia/ MG. Anais... São Leopoldo: Unissinos, 2013.

SANTOS, M. A. C.; CAVALCANTE, P. R. N. O efeito da adoção dos IFRS sobre a relevância informacional do lucro contábil no Brasil. Revista Contabilidade & Finanças, v. 25, n. 66, p. 228-241, 2014.

WATTS, L. R.; ZIMMERMAN, J. L. Positive accounting theory. New Jersey: Prentice Hall, 1986.

WHITE, H. A heteroskedasticity-consistent covariance matrix estimator and a direct test for heteroskedasticity. Journal of the Econometric Society, v. 48, n. 4, p. 817-838, 1980.

XU, J.; LU, C. Accounting conservatism: a study of market-level and firm-level explanatory factors. China Journal of Accounting Research, v. 17, n. 3, p. 11-29, 2008.