'Value-Relevance do Disclosure': Fatores e Gestão de Riscos em Firmas Brasileiras

ID:
50933
Resumo:
A pesquisa investigou se a evidenciação em relatórios contábeis de informações sobre risco e sobre sua gestão afeta, na margem, a avaliação de firmas no mercado de capitais brasileiro. Questionou-se a existência de value-relevance do disclosure de informações relativas a fatores de risco e a estruturas de gestão de riscos. A importância do tema emerge da documentação de que o disclosure sobre os fatores de risco exerce papel estatisticamente significante na avaliação de firmas em contexto marcado por incerteza econômica e política, caso do mercado brasileiro. Os achados confirmaram que informações sobre o risco mostram relevância informacional para a avaliação das firmas. As informações sobre gestão de risco na firma, por seu turno, não se mostraram significantes para afetar a avaliação das ações das empresas. A investigação sobre o reporte detalhado de distintos fatores de risco apontou que informações individualizadas mostram graus diversos de relevância para avaliação das firmas. Infere-se que a evidenciação de fatores de risco afeta a percepção dos investidores, os quais suportam suas estimativas de retorno também com base na disponibilização e no detalhamento de tais informações. Observou-se, ainda, que a informação sobre estrutura de gestão de riscos não se mostrou value-relevant; ademais, poucas firmas publicaram informações sobre a constituição desse tipo de órgão na estrutura administrativa. Recorreu-se à aplicação do modelo residual income valuation (RIV) (Ohlson, 1995) por meio de regressões com estimação por dados em painel referentes ao triênio 2012-2014. A amostra, delimitada aleatoriamente, foi constituída por 100 empresas. Os dados sobre evidenciação de risco e evidenciação da gestão de risco foram coletados nos Formulários de Referência das empresas, disponíveis no website da Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros de São Paulo (BM&FBOVESPA). Espera-se, como impacto à área de conhecimento, maior amplitude nas discussões sobre a utilidade da divulgação sobre o tema referente a fatores de risco e a existência de órgão específico responsável pela gestão de risco nas firmas, segundo a percepção de investidores. Contribui-se, ainda, trazendo evidências sobre a qualidade de disclosure relativo a risco (fatores e gestão) e a percepção do mercado de capitais quanto à informatividade e à relevância de tais destaques.
Citação ABNT:
SANTOS, J. G. C. D.; COELHO, A. C. 'Value-Relevance do Disclosure': Fatores e Gestão de Riscos em Firmas Brasileiras. Revista Contabilidade & Finanças - USP, v. 29, n. 78, p. 390-404, 2018.
Citação APA:
Santos, J. G. C. D., & Coelho, A. C. (2018). 'Value-Relevance do Disclosure': Fatores e Gestão de Riscos em Firmas Brasileiras. Revista Contabilidade & Finanças - USP, 29(78), 390-404.
DOI:
10.1590/1808-057x201806150
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/50933/-value-relevance-do-disclosure---fatores-e-gestao-de-riscos-em-firmas-brasileiras/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Abraham, S.; Cox, P. (2007). Analysing the determinants of narrative risk information in UK FTSE 100 annual reports. The British Accounting Review, 39(3), 227-248.

Abraham, S.; Shrives, P. J. (2014). Improving the relevance of risk factor disclosure in corporate annual reports. The British Accounting Review, 46(1), 91-107.

Akerlof, G. A. (1970). The market for “lemons”: quality uncertainty and the market mechanism. The Quarterly Journal of Economics, 84(3) 488-500.

Alves, C. A. M.; Cherobim, A. P. M. S. (2009). Análise do nível de divulgação do risco operacional segundo recomendações do comitê da Basileia: estudo em bancos do país e do exterior. Revista de Administração Mackenzie, 10(2), 57-86.

Alves, M. T.; Matias, F. J. F. (2014). Gestão e divulgação do risco operacional e os acordos de Basileia: o caso dos maiores bancos portugueses. Revista Universo Contábil, 10(3), 172-193.

Alves, M. T. V. D.; Graça, M. L. (2013). Divulgação de informação sobre o risco de mercado: um caso de empresas do PSI20. Revista Universo Contábil, 9(3), 163-184.

Amorin, A. L. G. C.; Lima, I. S.; Murcia, F. D-R. (2012). Análise da relação entre as informações contábeis e o risco sistemático no mercado brasileiro. Revista Contabilidade & Finanças, 23(60), 199-211.

Ball, R.; Brown, P. (1968). An empirical evaluation of accounting income numbers. Journal of Accounting Research, 6(2), 159-178.

Beaver, W. H. (1968). The information content of annual earnings announcements. Journal of Accounting Research, 6(1), 67-92.

Beretta, S.; Bozzolan, S. (2004). A framework for the analysis of firm risk communication. The International Journal of Accounting, 39(3), 265-288.

Bergmann, D. R.; Securato, J. R.; Savoia, J. R. F.; Contani, E. A. R. (2015). US subprime financial crisis contagion on BRIC and European Union stock markets. Revista de Administração da USP, 50(2), 229-240.

Bertomeu, J.; Beyer, A.; Dye, R. (2011). Capital structure, cost of capital, and voluntary and disclosures. Forthcoming in the Accounting Review, 86(3), 857-886.

Beuren, I. M.; Dallabona, L. F.; Dani, A. C. (2011). Disclosure de informações sobre gestão de riscos e controle interno pelas empresas listadas na BM&FBovespa. Revista de Economia e Administração, 10(1), 44-65.

Brittes, J. L. P.; Salles-filho, S. L. M.; Pfitzner, M. S. (2015). Avaliação do risco regulatório em pesquisa & desenvolvimento no setor elétrico brasileiro. Revista de Administração Contemporânea, 19(2), 193-211.

Brown, S.; Lo, K.; Lys, T. (1999). Use of R2 in accounting research: measuring changes in value relevance over the last four decades. Journal of Accounting and Economics, 28(2), 83-115.

Cardoso, R. L.; Mendonça, O. R.; Riccio, E. L. (2004). A evolução recente da transparência dos fatores de risco nas informações contábeis: uma análise de empresas brasileiras de telecomunicações. Revista de Administração Mackenzie, 5(2), 13-35.

Carvalho, L. N. G.; Trapp, A. C. G.; Chan, B. L. (2004). Disclosure e risco operacional: uma abordagem comparativa em instituições financeiras que atuam no Brasil, na Europa e nos Estados Unidos. Revista de Administração da USP, 39(3), 264-273.

Chen, J. J.; Cheng, X.; Gong, S. X.; Tan, Y. (2014). Do higher value firms voluntarily disclose more information?Evidence from China. The British Accounting Review, 46(1), 18-32.

Cherobim, A. P. M. S.; Alves, C. A. M. (2006). Investigação sobre evidenciação do risco operacional: estudo multicaso em instituições financeiras brasileiras. Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, 3(2), 124-138.

Chung, H.; Judge, W. Q.; Li, Y. H. (2015). Voluntary disclosure, excess executive compensation, and firm value. Journal of Corporate Finance, 32(C), 64-90.

Coelho, A. C.; Aguiar, A. B.; Lopes, A. B. (2011). Relationship between abnormal earnings persistence, industry structure, and market share in Brazilian public firms. Brazilian Administration Review, 8(1), 48-67.

Coelho, A. C.; Braga, A. (2008). Relacionamento entre persistência do lucro residual e participação de mercado em firmas de capital aberto. Revista de Contabilidade e Organizações, 2(3), 3-18.

Comissão de Valores Mobiliários. (2009). Instrução CVM 480, de 7 de dezembro de 2009. Dispõe sobre o registro de emissores de valores mobiliários admitidos à negociação em mercados regulamentados de valores mobiliários. http://www.cvm.gov.br/legislacao/inst/inst480.html

Cornaggia, J. (2013). Does risk management matter? Evidence from the US agricultural industry. Journal of Financial Economics, 109(2), 419-440.

Dervishi, A.; Kadriu, I. (2014). Decision making under the conditions of risk and uncertainty in some enterprises of Prishtina and Ferizaj. European Scientific Journal, 1(Special), 224-228.

Dobler, M. (2008). Incentives for risk reporting - A discretionary disclosure and cheap talk approach. The International Journal of Accounting, 43(2), 184-806.

Edirisinghe, C.; Gupta, A.; Roth, W. (2015). Risk assessment based on the analysis of the impact of contagion flow. Journal of Banking & Finance, (60), 209-223.

Elshandidy, T.; Fraser, I.; Hussainey, K. (2013). Aggregated, voluntary, and mandatory risk disclosure incentives: evidence from UK FTSE all-share companies. International Review of Financial Analysis, 30(2013), 320-333.

Fernandes, F. C.; Souza, J. A. L.; Faria, A. C. (2010). Evidenciação de riscos e captação de recursos no mercado de capitais: um estudo do setor de energia elétrica. Contabilidade, Gestão e Governança, 13(1), 59-73.

Fisher, I. N.; Hall, G. R. (1969). Risk and corporate rates of returns. The Quarterly Journal of Economics, 83(1), 79-92.

Jorion, P. (2002). How informative are value-at-risk disclosures? The Accounting Review, 77(4), 911-931.

Kimura, H.; Perera, L. C. J. (2005). Modelo de otimização da gestão do risco em empresas não financeiras. Revista Contabilidade & Finanças, 16(37), 59-72.

Kothari, S. P. (2001). Capital markets research in accounting. Journal of Accounting and Economics, 31(1-3), 105-231.

Lauretti, C. M.; Kayo, E. K.; Marçal, E. F. (2009). A sobrerreação do mercado à informação intangível. Revista Brasileira de Finanças, 7(1), 215-236.

Lim, C. Y.; Tan, P. M. S. (2007). Value relevance of value-at-risk disclosure. Review of Quantitative Finance and Accounting, 29(4), 353-370.

Linsley, P. M.; Shrives, P. J. (2006). Risk reporting: a study of risk disclosures in the annual reports of UK companies. The British Accounting Review, 38(4), 387-404.

Lopes, A. B.; Sant’Anna, D. P.; Costa, F. M. (2007). A relevância das informações contábeis na Bovespa a partir do arcabouço teórico de Ohlson: avaliação dos modelos de ‘residual income valuation e abnormal earnings growth’. Revista de Administração da USP, 42(4), 497-510.

Madeira, F. L.; Costa, J. V., Jr. (2015). Value relevance dos outros resultados abrangentes nas companhias abertas brasileiras. Advances in Scientific and Applied Accounting, 8(2), 204-217.

Martins, O. S.; Paulo, E. (2016). Efeitos crise e divulgação sobre a assimetria de informação no mercado acionário brasileiro. Contabilidade Vista & Revista, 27(2), 113-133.

Miihkinen, A. (2012). What drives quality of firm risk disclosure?The impact of a national disclosure standard and reporting incentives under IFRS. The International Journal of Accounting, 47(4), 437-468.

Miihkinen, A. (2013). The usefulness of firm risk disclosures under different firm riskiness, investor-interest, and market conditions: new evidence from Finland. Advances in Accounting, incorporating Advances in International Accounting, 29(2), 312-331.

Miller, G. S. (2002). Earnings performance and discretionary disclosure. Journal of Accounting Research, 40(1), 173-204.

Moumen, N.; Othman, H. B.; Hussainey, K. (2015). The value relevance of risk disclosure in annual reports: evidence from MENA emerging markets. Research in International Business and Finance, 34(C), 177-204.

Ohlson, J. A. (1995). Earnings, book values, and dividends in equity valuation. Contemporary Accounting Research, 11(2), 661-687.

Peleias, I. R.; Silva, A. J. M.; Guimarães, I. C.; Machado, L. S.; Segreti, J. B. (2007). Demonstrações contábeis de bancos brasileiros: análise da evidenciação oferecida à luz do gerenciamento de riscos. Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, 4(1), 22-36.

Silva, M. L.; Albuquerque, F. H. F.; Marcelino, M. M.; Quirós, J. T. (2015). A divulgação do risco nas demonstrações financeiras: uma análise ao anexo das sociedades não financeiras portuguesas. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, 9(3), 331-354.

Solomon, J. F.; Solomon, A.; Norton, S. D.; Joseph, N. (2000). A conceptual framework for corporate risk disclosure emerging from the agenda for corporate governance reform. British Accounting Review, 32(4), 447-478.

Sunder, S. (2014). Teoria da contabilidade e do controle. São Paulo, SP: Atlas.

Terra, P. R. S.; Lima, J. B. N. (2006). Governança corporativa e a reação do mercado de capitais à divulgação das informações contábeis. Revista Contabilidade & Finanças, 17(42), 35-49.

Zonatto, V. C. S.; Beuren, I. M. (2009). Evidenciação da gestão de riscos do COSO (2004) nos relatórios de administração de empresas com ADR’s. Contabilidade, Gestão e Governança, 12(3), 38-54.