Gestão Estratégica de Custos em uma Entidade Fechada de Previdência Complementar Outros Idiomas

ID:
51005
Resumo:
Diante das especulações atuais que concernem à reforma da previdência no Brasil, proposta pelo Governo Federal, mostra-se oportuna a análise estratégica estrutural do setor de previdência complementar fechada no país. Assim, este estudo tem por objetivo identificar como se caracteriza a cadeia de valor, o posicionamento estratégico e os cost drivers (determinantes de custos) em um Fundo de Pensão brasileiro, adaptando as diretrizes originalmente propostas por Shank e Govindarajan (1997) e Costa (2011). Para tanto, foi realizado um estudo de caso, com entrevistas semiestruturadas, observação e análise documental. Os resultados apresentam as configurações, elos e atividades existentes na cadeia de valor da organização, evidenciando os fornecedores estratégicos, desde a consultoria atuarial, de investimentos e jurídica; as atividades internas da entidade, que se iniciam na captação de participantes, arrecadação das contribuições, aplicação e concessão de benefícios; e os participantes que recebem os benefícios, sejam de aposentadoria, auxílio-doença, pensão e pecúlio. Fatores externos também são demonstrados, além do posicionamento estratégico da entidade. A análise dos determinantes de custos demonstra a importância do comprometimento, experiência, qualidade, tecnologia, modelo de gestão, escopo, escala e fatores institucionais nos custos da organização.
Citação ABNT:
TRAJANO, B. B.; WELTER, L. M.; SOUZA, ?. R. L.; SCHMIDT, P. Gestão Estratégica de Custos em uma Entidade Fechada de Previdência Complementar. Revista Ibero-Americana de Estratégia, v. 17, n. 2, p. 62-77, 2018.
Citação APA:
Trajano, B. B., Welter, L. M., Souza, ?. R. L., & Schmidt, P. (2018). Gestão Estratégica de Custos em uma Entidade Fechada de Previdência Complementar. Revista Ibero-Americana de Estratégia, 17(2), 62-77.
DOI:
10.5585/riae.v17i2.2592
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/51005/gestao-estrategica-de-custos-em-uma-entidade-fechada-de-previdencia-complementar/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Amara, N., Halilem, N. & Traoré, N. (2016). Adding value to companies' value chain: role of business. Journalof Business Research, 69,1661-1668.

Associação Brasileira Das Entidades Fechadas De Previdência Complementar (ABRAPP). (2017). Consolidado Estatístico de março 201. Recuperado em 30 abril, 2017, de http://www.abrapp.org.br/Paginas/consolidadoestatistic o.aspx Brasil.

Caetano, M. A. (2014). Economias de escala e escopo na previdência complementar fechada brasileira. Textos para discussão – IPEA,Rio de Janeiro, 1954, 1-62.

Carneiro, D. M., Duarte, S. L. and Costa, S. A. (2015). Determinantes dos custos da produção de soja no Brasil. In: Congresso Brasileiro De Custos, 22., 2015, Anais… Foz do Iguaçu: Associação Brasileira de Custos.

Catanio, A. R., Santos, E. F. and Abbas, K. (2015). Ensaio teórico sobre cost drivers: determinantes de custos e direcionadores de custos. In: Congresso Brasileiro De Custos, 22., 2015, Anais…Foz do Iguaçu: Associação Brasileira de Custos.

Cavalcanti, M. A. N., Ferreira, H. M. C. and Araujo; A.(2013) O. Análise do posicionamento estratégico para implementação da gestão estratégica de custos: um estudo de caso em uma empresa do setor de beneficiamento de aço inoxidável. Revista Ambiente Contábil,Natal,5 (1), 75-92.

Ceptureanu,E. G. (2016).Competitive Intensity and Its Implication on Strategic Position of Companies. Journal Of Applied Quantitative Methods, 11 (1).

Costa, S. A. Análise de custos concorrentes: um estudo dos determinantes de custos no setor de eletroeletrônicos. (2011). 205 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) – Faculdade de Economia, Administração e Contábeis, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Costa, S. A., Carneiro, D. M. (2014). Determinantes de Custos: uma proposta de taxonomia e agrupamento. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CUSTOS, 21., 2014.Anais…Natal: Associação Brasileira de Custos.

El-Sayed, A. F. M., Dickson, M. W. and El-Naggar, G. O. (2015). Value chain analysis of the aquaculture feed sector in Egypt.Aquaculture, 437, 92-101.

Fullerton, R. R., Kennedy, F. A. and Widener, S. K. (2014). Lean manufacturing and firm performance: The incremental contribution of lean management accounting practices. JournalofOperations Management, 32, 414-428.

Gil, A. C. (2008) Como elaborar projetos de pesquisa. (4n ed). São Paulo: Atlas.

Guerra, J. H. L. (2010) Proposta de um protocolo para o estudo de caso em pesquisas qualitativas. In: Encontro Nacional De Engenharia De Produção, 30, 2010, São Carlos. Anais...Rio de Janeiro: ABEPRO.

Hald, K. S. & Thrane, S. (2016) Management Accounting and Supply Chain Strategy. In: 1st InternationalCompetitiveness Management Conference.

Krielow, A. and Santos, M. R. A Definição do Posicionamento Estratégico sob a perspectiva das competências organizacionais para obtenção de vantagem competitiva. In: Encontro Da Associação Nacional De Pós-Graduação Em Administração Enanpad, 38., 2014, Anais… Rio de Janeiro: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, 2014.

Lei Complementar nº 109, de 29 de maio de 2001. Dispõe sobre o Regime de Previdência Complementar e dá outras providências. 2001. Recuperado em 18 abril, 2017, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/LCP/Lcp109. htm

Malmia, T. (2016) Managerialist studies in management accounting: 1990–2014. Management AccountingResearch, 31, 31-44.

Martins, G. A. and Theóphilo, C. R. (2009). Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. (2nd ed). São Paulo: Atlas.

Ministério da Previdência Social. Previdência Complementar: cartilha do participante. 2008. Recuperado em 20 abril, 2017, de http://www.previdencia.gov.br/arquivos/office/3_0901 19-102133-452.pdf Brasil. Presidência da República.

Mol, A. P. J. (2015). Transparency and value chain sustainability. Journal of Cleaner Production, 107, 154-161.

Piran, F. A. S., Nunes, A. A. B., Souza, M. A. and Nunes, F. L. (2016).Posicionamento estratégico, estratégias de manufatura e gestão de custos: estudo de caso em uma empresa do segmento metal mecânico.Revista Contemporânea de Contabilidade, Florianópolis, 28, 81-98.

Porter, M. E. (1989). Vantagem competitiva: criando e sustentando um desempenho superior. (33nd ed). Rio de Janeiro: Campus.

Porter, M. E. (1993). A vantagem competitiva das nações.Rio de Janeiro: Campus.

Raupp, S. W., Borgert, A., Nunes, P. and Ferrari, M. J. (2012)O processo de implementação da Gestão Estratégica de Custos em uma empresa estatal de energia elétrica. Revista Eletrônica Estratégia e Negócios, Florianópolis, 5 (1), 137-166.

Rocha, W. & Borinelli, M. L. (2007) Análise estratégica de cadeia de valor: um estudo exploratório do segmento indústria-varejo. Revista Contemporânea de Contabilidade,Florianópolis, 7 (1),145-165

Shank, J. K. and Govindarajan, V. (1997). A revolução dos custos. (2nd ed). Rio de Janeiro: Campus.

Silva, J. C. P. A. (2003). Previdência Complementar Privada e Fechada (Fundos de Pensão). Revista da EMERJ, Rio de Janeiro, 21 (6), 121-133.

Silva, J. F., Filho, W. P. F., Carneiro, J. M. T and Ferreira, J. B. (2013). Strategic positioning and strategic stability: does it matter to performance?.Revista Ibero-Americana de Estratégia, São Paulo, 12 (4), 09-39.

Souza, A. A., Guerra, M., Lara, C. O., Avelar, E. A. and Amorim, T. L. M. (2009) Gestão Estratégica de Custos em organizações hospitalares. In: Encontro Nacional De Engenharia De Produção, 29., 2009, Anais… Salvador: Associação Brasileira de Engenharia de Produção.

Souza, M.A.; Silva, E. J.; Pilz, N. (2010)Práticas de Gestão Estratégica de Custos: um estudo em uma empresa multinacional brasileira. Revista de Contabilidade e Organizações, São Paulo, 9 (4), 145167.

Superintendência Nacional De Previdência Complementar (PREVIC). (2016).Portaria n° 465, de 29 de setembro de 2016. Dispõe sobre a classificação das entidades fechadas de previdência complementar (EFPC) em perfis, para fins de supervisão no âmbito da PREVIC, a partir do exercício de 2017. Recuperado em 24 abril, 2017, de http://www.previc.gov.br/aprevidencia-complementar-fechada/legislacaoespecifica-1/portarias/2016/

Superintendência Nacional De Previdência Complementar(PREVIC). (2017) Estatística Trimestral Março 2017.Recuperado em 30 abril, 2017, de http://www.previc.gov.br/central-deconteudos/informe-estatistico/informes-de-2017

Terpstra, M. and Verbeeten, F. H. M. (2014). Costumer satisfaction: Cost driver or value driver? Empirical evidence from the financial services industry. European Management Journal, 32, 499-508.

Vesco, D. G. D., Tarifa, M. F., Pacheco, V. and Dall’Asta, D. (2014) Cadeia de valores na gestão de custos: uma análise estratégica em cooperativas agropecuárias paranaenses. Revista Ibero-Americana de Estratégia, São Paulo, 13 (2), 83-98.

Yin, R. K. (2015) Estudo de caso: planejamento e métodos. 5. ed. Porto Alegre: Bookman