Organizational Performance and Adoption of Sustainable Practices in the Agribusiness Industry: An Analysis of Multimodal Load Terminals Outros Idiomas

ID:
51039
Resumo:
A agricultura contribui muito para a economia brasileira, especialmente para a produção e exportação de grãos. Assim, a logística ganha importância no cenário nacional como forma de descartar a produção de cultivos, transferindo-os para portos e terminais multimodais. Considerando a definição de desenvolvimento sustentável como o "desenvolvimento que atende às necessidades atuais, permitindo que as gerações futuras atendam às suas próprias necessidades", para alcançar o pico de desempenho nesse cenário, deve ser uma questão de equilíbrio entre as ações adotadas pelas empresas para cumprir seu desempenho e práticas sustentáveis. O método utilizado foi o exploratório descritivo, através de análises mistas que permitissem a caracterização mais precisa do tema exposto. Este estudo apresenta uma análise das práticas sustentáveis adotadas por terminais de carga multimodal para atender aos regulamentos e exigências legais. Concluiu-se que as ações sustentáveis têm influência na variação de desempenho dos terminais multimodais, porém a discussão e adoção dessas práticas ainda são superficiais. Além disso, as ações sustentáveis podem estar relacionadas ao desempenho da empresa, embora este tema precise ser mais explorado.
Citação ABNT:
SANCHES, A. C.; QUEIROZ, A. A. F. S. L.; PEREIRA, L. H. Organizational Performance and Adoption of Sustainable Practices in the Agribusiness Industry: An Analysis of Multimodal Load Terminals. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, v. 7, n. 2, p. 248-263, 2018.
Citação APA:
Sanches, A. C., Queiroz, A. A. F. S. L., & Pereira, L. H. (2018). Organizational Performance and Adoption of Sustainable Practices in the Agribusiness Industry: An Analysis of Multimodal Load Terminals. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, 7(2), 248-263.
DOI:
https://doi.org/10.5585/geas.v7i2.745
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/51039/organizational-performance-and-adoption-of-sustainable-practices--in-the-agribusiness-industry--an-analysis-of-multimodal-load-terminals/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Inglês
Referências:
Araújo, A.O., & Oliveira, M.C. (1997). Tipos de pesquisa. Trabalho de conclusão da disciplina Metodologia de Pesquisa Aplicada a Contabilidade Departamento de Controladoria e Contabilidade da USP. Mimeografado, São Paulo.

Barbieri, J.C., & Cajazeira, J.E.R. (2010). Responsabilidade social e empresarial e empresa sustentável: da teoria à prática. São Paulo: Saraiva.

Barley, S.R. (1986). Technology as an occasion for structuring: evidence from observations of CT scanners and the social order of radiology departments. Administrative Science Quarterly, 31(1), 78108.

Benedetti, M.H., Lima, P., Mellato, L., & Silva, M. (2009). Possíveis interações entre o desenvolvimento sustentável e a logística de combustíveis. Produção, 19(1), 129-142.

Brito, R.P., & Berardi, P.C. (2010). Vantagem Competitiva na Gestão Sustentável da Cadeia de Suprimentos: um metaestudo. Revista de Administração de Empresas, 50(2), 155-169.

Cervo, A.L., & Bervian, P.A. (1996). Metodologia científica. São Paulo: Makron Books .

Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (1991). Nosso futuro comum (2 ed.). Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas.

Creswell, J.W. (2007). Projeto de Pesquisa: Método qualitativo, quantitativo e misto (2 ed.). Porto Alegre: Arimed.

Cunha, C.F., Spers, E.E., & Zylbersztajn, D. (2011). Percepção sobre Atributos de Sustentabilidade em um Varejo Supermercadista. Revista de Administração de Empresas, 51 (6), 542-552.

Demajorovic, J., Huertas, M.K.Z., Boueres, J.A., Silva, A.G. da, & Sotano, A.S. (2012). Logística reversa: como as empresas comunicam o descarte de baterias e celulares? Revista de Administração de Empresas, 52(2), 165-178.

Diniz, E.M., & Bermann, C. (2011). Economia Verde e Sustentabilidade. Recuperado em 5 de maio, 2017, de http://www.scielo.br/scielo.php?Pid=S010340142012000100024&script=sci_arttext&tln g=pt.

Dyllick, T., & Hockerts, K. (2002). Beyond the business case for corporate sustainability. Business Strategy and the Environment, 11(1), 130-141.

Gallopin, G.C. (1997). Indicators and their use: information for decision-making. In: Moldan, B., & Billharz, S. Sustainability indicators: report of the project on indicators of sustainable development. New York: J. Wiley and Sons.

Gil, A.C. (1991). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas.

Kaydos, W. (1991). Measuring, Managing, and Maximizing Performance. Cambridge: Productivity Press.

Krugman, P. (2012). The Fall and Rise of Development Economics. In: Krugman, P. Implementing Strategies in Complex Systems: Lessons from Brazilian Hospitals. Rio de Janeiro: BAR.

Malhotra, N.K. (2001). Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada (3 ed.). Porto Alegre: Bookman.

Marrewijk, C. van (2002). International trade and the world economy. Oxford, UK: Oxford University Press.

Mintzberg, H. (1994). The rise and fall of strategic planning: reconceiving roles for planning, plans, planners. New York: The Free Press.

Moldan, B., & Bilharz, S. (1997). Sustainability Indicators. New York: John Wiley and Sons.

Murphy, J. P. (2007). Tensões entre a missão e o empreendimento institucional: obstáculos à criatividade. In J. P. Murphy, & V. Meyer Jr. (Orgs.), Liderança e gestão da educação superior Católica nas Américas (pp. 19-42). Curitiba: Editora Champagnat.

Pettigrew, A.M. (1977). Strategy formulation as a political process. International Studies of Management and Organization, 7, (2), 78– 87.

Pfeffer, J., & Sutton, R. I. (2006). Hard facts, dangerous half-truths and total nonsense: profiting from evidence-based management. Massachusetts: Harvard Business Press.

Pimenta, H.C.D., & Gouvinhas, R.P.A. (2012). produção mais limpa como ferramenta da sustentabilidade empresarial: um estudo no estado do Rio Grande do Norte. Produção, 22 (3), 462-476.

Schwartz, M.S., & Carroll, A.B. (2003). Corporate Social Responsibility: A Three-Domain Approac. Business Ethics Quarterly. 13(4), 503-530.

Weick, K.E., & Roberts, K.H. (1993). Collective mind in organizations: heedful interrelating on flight decks. Administrative Science Quarterly, 38(3), 357-381.

Whittington, R. (1996). Strategy as practice. Long Range Planning, 29(5), 73-1735

World Commission on Environment and Development. (1987). Our Common Future. Oxford: Oxford University Press.

Zago, A.P., & Paula, G.M. de. (2007). Sustentabilidade corporativa: o caso “Dow Jones Sustainability Index”. In: Anais…XXXI EnANPAD. Rio de Janeiro: ANPAD, 2007. Recuperado em 18 de dezembro, 2010, de http://www.anpad.org.br.