Evolução da Gestão da Drenagem Urbana na Bacia Hidrográfica do Rio Itajaí Açu Outros Idiomas

ID:
51040
Resumo:
Os sistemas de drenagem urbana destinam-se a evitar ou reduzir a ocorrência das inundações e alagamentos. Contudo, a gestão deste instrumento é complexa junto às prefeituras, realidade encontrada na bacia hidrográfica do rio Itajaí Açu, que é a região mais afetada por desastres hidrológicos no Estado de Santa Catarina. Realizou-se uma pesquisa em 27 municípios da bacia em 2012 e comparou-se a um estudo semelhante desenvolvido em 1998. Observou-se que a drenagem urbana geralmente é atrelada ao setor de obras, com intervenções de natureza eminentemente estrutural e pontual, desvinculada de um planejamento abrangente. Em 2012, os gestores não consideraram a ausência de um Plano Diretor de Drenagem Urbana como um problema, contrariando frontalmente o que prevê a literatura técnica do Brasil e do mundo. A maioria dos municípios possui assoreamento nos cursos d´água, mas a manutenção e o desassoreamento destes sistemas não são realizados com periodicidade. De modo geral, os principais problemas das prefeituras relacionam-se à falta de recursos, o que inviabiliza uma gestão eficiente da drenagem e da presença de corpo técnico qualificado. O panorama encontrado foi semelhante em ambos os anos da pesquisa, ou seja, a evolução na gestão da drenagem urbana não foi significativa em um horizonte de 14 anos. A drenagem urbana permanece com um papel secundário dentro do saneamento ambiental, mesmo em uma das principais bacias hidrográficas brasileiras afetadas por desastres naturais, demonstrando que a falta de noção técnica do problema é um dos principais entraves à sua adequada gestão.
Citação ABNT:
TASCA, F. A.; POMPÊO, C. A.; FINOTTI, A. R. Evolução da Gestão da Drenagem Urbana na Bacia Hidrográfica do Rio Itajaí Açu . Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, v. 7, n. 2, p. 264-283, 2018.
Citação APA:
Tasca, F. A., Pompêo, C. A., & Finotti, A. R. (2018). Evolução da Gestão da Drenagem Urbana na Bacia Hidrográfica do Rio Itajaí Açu . Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, 7(2), 264-283.
DOI:
https://doi.org/10.5585/geas.v7i2.644
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/51040/evolucao-da-gestao-da-drenagem-urbana-na-bacia-hidrografica-do-rio-itajai-acu-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Mattedi, M.A.; Butzke, I.C. (2001). A relação entre o social e o natural nas abordagens de Hazards e de Desastres. Revista Ambiente e Sociedade, 4(9), 93-114.

Brasil (2004). Manual de saneamento (3a. ed.) Brasília: Fundação Nacional de Saúde. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/m anual_saneamento_3ed_rev_p1.pdf

Brasil (2007). Mapeamento de riscos em encostas e margem de rios. Brasília: Autor. Recuperado de http://www.cidades.gov.br/images/stories/Ar quivosSNPU/Biblioteca/PrevencaoErradicac ao/Livro_Mapeamento_Enconstas_Margens. pdf.

Brasil (2013a). Plano Nacional de Saneamento Básico. Brasília: Autor. Recuperado de http://www.mma.gov.br/port/conama/proces sos/AECBF8E2/Plansab_Versao_Conselhos _Nacionais_020520131.pdf

Brasil (2013b). Atlas brasileiro de desastres naturais 1991 a 2012: volume Brasil. CEPED UFSC: Autor. Recuperado de https://s2id.mi.gov.br/paginas/atlas/.

Brasil (2016). Classificação e Codificação Brasileira de Desastres (Cobrade). Brasília: Autor. Recuperado de http://www.mi.gov.br/web/guest/defesacivil/cenad/entenda-os-desastres.

Broering, S.B.; Tasca, F.A.; Finotti, A.R. & Pompêo, C.A. (2017, julho). Interface entre as águas pluviais e o esgotamento sanitário na bacia hidrográfica do Rio Itajaí Açu. Anais do Encontro Nacional de Águas Urbanas (ENAU), Belo Horizonte, MG, Brasil, 11. Recuperado de http://www.abrh.org.br/xienau/index.php?ID =122.

Canholi, A. P (2005). Drenagem urbana e controle de enchentes (1a ed.). São Paulo: Oficina de Textos.

Castro, A. L. C (2002). Manual de Desastres Mistos (1a ed.).. Brasília: Imprensa Nacional.

Castro, A. L. C (2003). Manual de Desastres: desastres naturais (1a ed.). Brasília: Imprensa Nacional.

Fontes, A.R.M. & Barbassa, A.P. (2003). Diagnóstico e Prognóstico da Ocupação e da Impermeabilização Urbanas. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, 8(2), 137-147.

Frank, B., & Pinheiro, A. (Ed.) (2003). Enchentes na bacia do Itajaí: 20 anos de experiências (1a. ed.). Blumenau: FURB.

Freitas, E., Filho, A., & Leite, F. (2011). Influência da urbanização da bacia do rio Jundiaí-Mirim nas áreas de deságüe e no risco de deslizamentos. Anais do Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos, Maceió, AL, Brasil, 19.

Gomes, C. A. B. de M. (2005). Drenagem urbana – Análise e proposição de modelos de gestão e financiamento (Tese de Doutorado). Universidade Federal de Minas Gerais, BH, Brasil.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE (2002). Pesquisa Nacional de Saneamento Básico, 2000. Rio de Janeiro: Autor.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE (2010). Pesquisa Nacional de Saneamento Básico, 2008. Rio de Janeiro: Autor. Recuperado de https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/li vros/liv45351.pdf.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE (2011). Sinopse Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro: Autor. Recuperado de https://biblioteca.ibge.gov.br/index.php/bibli oteca-catalogo?view=detalhes&id=264529

ISDR (2005). Disaster risk reduction 1994-2004. United Nations: Autor. Recuperado de https://www.unisdr.org/we/inform/publicatio ns/35338.

Lima Neto, I.E. & Santos, A.B.D. (2012) Planos de Saneamento Básico. In: Philippi Júnior, A.; Galvão Júnior, A.C. (Orgs.). Gestão do Saneamento Básico: abastecimento de água e esgotamento sanitário (pp.57-59). Barueri: Manole.

Lisboa, E. G.; Barp, A. R. B. & Montenegro, A.D. (2012) . A Cobrança de Taxa como Alternativa de Financiamento para um Plano de Drenagem Urbana no município de Belém/PA. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, 17, 53-67.

Lisboa, S.S.; Heller, L. & Silveira, R.B. (2013). Desafios do planejamento municipal de saneamento básico em municípios de pequeno porte: a percepção dos gestores. Revista Engenharia Sanitária e Ambiental, 18(4), 341-348.

Marques, C.E.B. (2006). Proposta de método para a formulação de planos diretores de drenagem urbana (Dissertação de Mestrado). Universidade de Brasília, Brasília, Brasil. Recuperado de http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/66 21/1/2006_Claudia%20Elisabeth%20Bezerr a%20Marques.pdf.

Mattedi, M.A.; Frank, B.; Sevegnani, L. & Bohn N. (2009). O desastre se tornou rotina. In: Frank, B. & Sevegnani,L (Org.). Desastre de 2008 no Vale do Itajaí: Água, Gente e Política (13-21). Blumenau: Agência de Água do Vale do Itajaí.

Matus, C. (1989). Fundamentos da Planificação Situacional. In: Uribe Rivera, F.J. Planejamento e Programação em Saúde: em enfoque estratégico (107-123). São Paulo: Cortez.

Neves, M. G. F.P. & TUCCI, C. E. M. (2011). Composição de resíduos de varrição e resíduos carreados pela rede de drenagem, em uma bacia hidrográfica urbana. Engenharia Sanitária e Ambiental, 16(4), 331-336.

PMPOA (2005). Plano diretor de drenagem urbanaManual de drenagem urbana. Instituto de Pesquisas Hidráulicas: Autor. Recuperado de http://lproweb.procempa.com.br/pmpa/prefp oa/dep/usu_doc/manual_de_drenagem_ultim a_versao.pdf.

Pompêo, C. A (2000). Development of a State policy for sustainable urban drainage. Urban Water, 1(2), 155-160.

Pompêo, C.A; Da Rosa, F.Z. & Olivetti, S.M.P.(1998). Urban drainage diagnosis in Santa Catarina state (Brazil). Proceedings of the International Workshop on Non Structural Flood Control in Urban Areas, São Paulo, Brazil,1.

Righetto, A.M., Moreira, L.F.F., & Sales, T.E.A (2009). Manejo de águas pluviais urbanas. In: Righetto, A.M. (coordenador), Manejo de Aguas Pluviais Urbanas (pp.21-72). Rio de Janeiro: ABES.

Rosa, F.P. (2013). Controle de erosão e Sedimentação em sistemas de drenagem provisória de obras urbanas no município de São Paulo: Análise de Práticas e Recomendações (Dissertação de Mestrado). Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo, São Paulo, Brasil. Recuperado de http://cassiopea.ipt.br/teses/2013_HAB_Fabi o_Rosa.pdf.

Tachini, M. (2010). Avaliação de danos associados às inundações no município de Blumenau (Tese de Doutorado). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil. Recuperado de https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/1 23456789/94163/279955.pdf.

Tasca, F.A., Finotti, A.R. Pompêo, C.A. & GOERL, R.F. (2017). O papel da drenagem urbana na prevenção de desastres hidrológicos na bacia hidrográfica do rio Itajaí Açu. Revista Brasileira de Cartografia, 69 (1), 129-142.

Tucci, C. E. (2005). Gestão de águas pluviais urbanas (1a ed.). Brasília: UNESCO.

Tucci, C. E. M. (2002). Gerenciamento da Drenagem Urbana. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, 7 (1), 5-27.

Tucci, C. E. M., Silveira, A.L.L., Benetti, A.D., Lanna, A.E.L., Bidone, F.R.A, Semmelmann, F.R., Louzada, J.A.S., Bertoni, J.C.B, Filho, K.Z., Beltrame, L.F.S., Bordas,M.P., Pessoa, M.L., Caicedo, N.O.L., Chevallier, P.A., Clarke, R.T. & Porto, R.L.L (2007). Hidrologia – Ciência e Aplicação (4a. ed.). Porto Alegre: UFRGS.

UNISDR (2016). Report of the openended intergovernmental expert working group on indicators and terminology relating to disaster risk reduction. Geneva:

Vaz Filho, P. , & Cordeiro, J.S (2000). Diagnóstico de Drenagem Urbana na região central do Estado de São Paulo. Anais do Congresso Interamericano de Engenharia Sanitária e Ambiental, Porto Alegre, RS, Brasil, 17. Recuperado de http://www.bvsde.paho.org/bvsaidis/aresidu a/x-009.pdf.