Determinantes da Divulgação Voluntária do Relatório de Sustentabilidade nas Empresas de Energia Elétrica e de Telecomunicações Listadas na BM&FBovespa Outros Idiomas

ID:
51042
Resumo:
Nesse artigo analisaram-se quais fatores explicam a divulgação voluntária do relatório de sustentabilidade nas empresas do setor de energia elétrica e telecomunicações listadas na BM&FBOVESPA, durante os anos de 2010 a 2014. Os dados sobre as empresas que divulgaram ou não o relatório de sustentabilidade (variável dependente) foram coletados no site da BM&FBOVESPA e os dados das variáveis independentes, no banco de dados Economática®. Desta forma, a amostra foi formada por 45 empresas do setor de energia elétrica e por 12 empresas do setor de telecomunicações, que foram analisadas ao longo de 5 anos. A partir de regressões logísticas verificou-se, no setor de energia elétrica, que a divulgação voluntária do relatório de sustentabilidade não apresenta relação significativa com o desempenho das empresas. Além disso, notou-se que o tamanho é uma variável que afeta positivamente na divulgação de informações socioambientais, mas observou-se o contrário para o endividamento. Quanto ao setor de telecomunicações verificou-se existência de relação positiva apenas entre a divulgação do relatório de sustentabilidade e o tamanho das empresas. Comparativamente, indica-se que no setor energético existem mais fatores que influenciam na divulgação do relatório de sustentabilidade, o que pode estar atrelado ao maior número de empresas do setor.
Citação ABNT:
PEREIRA, M. L.; LUCENA, W. G. L.; PAIVA, S. B. Determinantes da Divulgação Voluntária do Relatório de Sustentabilidade nas Empresas de Energia Elétrica e de Telecomunicações Listadas na BM&FBovespa. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, v. 7, n. 2, p. 300-321, 2018.
Citação APA:
Pereira, M. L., Lucena, W. G. L., & Paiva, S. B. (2018). Determinantes da Divulgação Voluntária do Relatório de Sustentabilidade nas Empresas de Energia Elétrica e de Telecomunicações Listadas na BM&FBovespa. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, 7(2), 300-321.
DOI:
https://doi.org/10.5585/geas.v7i2.687
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/51042/determinantes-da-divulgacao-voluntaria-do-relatorio-de-sustentabilidade-nas-empresas-de-energia-eletrica-e-de-telecomunicacoes-listadas-na-bm-fbovespa/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Agência Nacional de Telecomunicações [ANATEL]. Recuperado em 10 julho, 2015, de http://www.anatel.gov.br/institucional.

Ahmed, K., & Nicholls, D. (1994). The impact of non-financial company characteristics on mandatory compliance in developing countries: The case of Bangladesh. International Journal of Accounting, 29(1), 60-66.

Akerlof, G. A. (1970). The market for "lemons": quality uncertainty and the market mechanism. The Quarterly Journal of Economics, 84(3), 488-500.

Angonese, R., Grzybovski, D., & Mozzato, A. R. (2014). Determinantes do nível de evidenciação de informações voluntárias: estudo em empresas com ações negociadas na BM&FBOVESPA. Desenvolve: Revista de Gestão do Unilasalle, Canoas, 3(2),93-110.

Batista, A. B., Cruz, N. V. S., & Bruni, A. L. (2016). Fatores determinantes do Nível de divulgação ambiental nas maiores transnacionais brasileiras em 2014 segundo a Fundação Dom Cabral. (2016).

Bonfim, E. T., Teixeira, W. D. S., & Monte, P. A. (2015). Relação entre o disclosure da sustentabilidade com a governança corporativa: um estudo nas empresas listadas no Ibrx-100. Sociedade, Contabilidade e Gestão, 10(1), 6-28.

Burgwal, D., & Vieira, R. J. O. (2014). Environmental disclosure determinants in dutch listed companies. Revista Contabilidade e Finanças, São Paulo, 25(64), 60-78.

Christofi, A., Christofi, P., & Sisaye, S. (2012). Corporate sustainability: historical development and reporting practices. Management Research Review, 35(2), 157172. Clarkson, P., M., Li, Y., Richardson,

Cooper, S., M., & Owen, D., L. (2007). Corporate social reporting and stakeholder accountability: the missing link. Accounting, Organizations and Society, 32(7), 649-667.

Corrar, L. J., & Theóphilo, C. R. (2007). Pesquisa operacional para decisão em contabilidade e administração. São Paulo: Atlas.

Cunha, I. M. A., & Avelino, B. C. (2016). Fatores que influenciam o nível de Disclosure Voluntário de Empresas Listadas na BM&FBovespa. Anais do Congresso

Dantas, J., A., & et al. (2005). A dualidade entre os benefícios do disclosure e a relutância das organizações em aumentar o grau de evidenciação. Economia e Gestão, 5(11), 56–76.

Diamond, D., & Verrecchia, R. (1991). Disclosure, liquidity and the cost of capital. Journal of Finance, 46(4), 1325-1360.

Domenico, D. D., Magro, C. B. D., Mazzioni, S., Preis, M. B., & Klann, R. C. (2016). Determinantes do nível de disclosure nos relatórios de Sustentabilidade em conformidade com o global reporting Initiative. Revista gestão sustentável e ambiental, Florianópolis, 4(2), 4-30.

Dye, R., A. (2001). An evaluation of “essays on disclosure” and the disclosure literature in accounting. Journal of Accounting and Economics, 32(1), 181–235.

Fernandes, S. M. (2013). Fatores que influenciam o disclosure ambiental: um estudo nas empresas brasileiras no período de 2006 a 2010. Revista Ambiente Contábil, Natal, 5(2), 250-267.

G.,D, & Vasvari, F.P. (2008). Revisiting the relation between environmental performance and environmental disclosure: an empirical analysis. Accounting, Organizations and Society, 33(4), 303–327.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social 6a ed. São Paulo: Atlas. Global Reporting Initiative [GRI]. (2013). Recuperado em 17 abril, 2015, de .

Góis, A. D., De Luca, M. M. M., Vasconcelos, A. C. de. (2015). Determinantes da divulgação dos indicadores de desempenho da GRI nas empresas do Brasil e da Espanha. Revista Ambiente Contábil – UFRN – Natal-RN, 7(1), 155-175.

Góis, A. D., Santos, J.G. C. Dos, Cabral, A. C. de A., & Pessoa, M. N. M. (2015). Disclosure voluntário das informações ambientais: estudo da relação entre o nível de evidenciação e o investimento ambiental nos países do BRICS. Revista Alcance, 22(4), 518-537.

Gomes, P. H. V., Luca, M. M. M. de, Vasconcelos, A. C. de, & Ponte, V. M. R. R. (2015). Fatores determinantes do disclosure voluntário sob o enfoque da sustentabilidade: uma análise das empresas dos países do Bric. Revista de Gestão Social e Ambiental RGSA, São Paulo, 9(2), 70-87.

Grecco, M. C. P., Milani, M. A., Filho, Segura, L. C., Sanchez, I. M.G., & Dominguez, L. R. (2013). A divulgação voluntária de informações sustentáveis: uma análise comparativa das empresas espanholas e brasileiras. Revista Contabilidade e Organizações, 7(17), 45-55.

Gujarati, D. N., & Porter, D. C. (2011). Econometria básica 5a ed. Porto Alegre: Bookman.

Hair, J. F.,Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E., Tathan, R. L. (1998). Multivariate data analysis 5th ed. New Jersey: Prentice-Hall.

Holtz, L. Souza, J. A., Salaroli, A. R., & Vargas, L. H. F. (2014). Divulgação de Informações de Caráter Social e Ambiental nos Websites das maiores empresas com atividades no Espírito Santo. Revista de Gestão Social e Ambiental RGSA, São Paulo, 8(2), 36-48.

Jensen, M., C., & Meckling, W., H. (1976). Theory of the firm: managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of Financial Economics, 3(4), 305-360.

Lang, M., & Lundholm, R. (1993). Cross-sectional determinants of analyst rating of corporate disclosures. Journal of Accounting Research, 31(2), 246-271.

Minussi, J. A., Damacena, C., & Ness Jr., W. L. (2002). Um Modelo de Previsão de Solvência utilizando Regressão Logística. Revista de Administração Contemporânea, 6(3), 109-128.

Murcia, F., D., & Santos, A., dos. (2009). Fatores determinantes do nível de disclosure voluntário das companhias abertas no Brasil. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade. 3(2), art. 4, 7295.

Novelinia C. P., & Fregonesi, M. S. F. A. (2013). Análise da divulgação de informações sobre investimentos sociais por empresas que se declaram socialmente responsáveis. Revista de Contabilidade e Organizações, 7(17), 90-101.

Prasad, M., Mishra, T., & Kalro, A. D. (2016). Environmental disclosure by Indian companies: an empirical study. EnviromentDevelopment and Sustainability, 18(83),124.

Rover, S., & et al. (2012). Explicação para a divulgação voluntária ambiental no Brasil utilizando a análise de regressão em painel. Revista de Administração, São Paulo, 47(2), 217-230.

Rover, S., & Santos, A. (2014). Revisitando os determinantes do disclosure voluntário socioambiental no Brasil: em busca de robustez na mensuração da variável socioambiental. Contabilometria Brazilian Journal of Quantitative Methods Applied to Accounting, 1(2), 15-35.

Rufino, M. A., & Monte, P. A. (2014). Fatores que explicam a divulgação voluntária das 100 empresas com ações mais negociadas na BM&F/BOVESPA. Sociedade, Contabilidade e Gestão, Rio de Janeiro, 9(3), 59-75.

Ruhnke, K., & Gabriel, A. (2013). Determinants of voluntary assurance on sustainability reports: an empirical analysis. J Bus Econ, 83(9), 1063-1091.

Saunders, M., Lewis, P., & Thornhill, A. (2016). Research methods for business students. 7th ed. Essex: Pearson.

Schaltegger, S., & Burritt, R.L. (2010). Sustainability accounting for companies: catchphrase or decision support for business leaders? Journal of World Business, 45(4), 375-384.

Schouten, H. J. A (1999). Sample size formula with a continuous outcome for unequal group sizes and unequal variances. Statistics in Medicine, 18(1), 87-91.

Shieh, G. (2001). Sample size calculations for logistic and Poisson regression models. Biometrika, Oxford University Press, 88(4), 1193-1199.

Silva, A., C., R. (2006). Metodologia da pesquisa aplicada à contabilidade: orientações de estudos, projetos, artigos, relatórios, monografias, dissertações, tese. São Paulo: Atlas.

Silva, T. L.G. B., Maia, L. C. C., & Leal, E. A. (2017). Grau de aderência aos indicadores de desempenho ambiental do GRI Em um Mercado Emergente: Uma análise em Empresas com potencial poluidor em dois segmentos. Revista Ambiente Contábil – ISSN 2176-9036 UFRN – Natal-RN, 9(1), 21-36.

USP de Iniciação Científica, SP, Brasil, 13. Cunha, J., V., A., & Ribeiro, M. (2008). Divulgação voluntária de informações de natureza social: um estudo nas empresas brasileiras. Revista de Administração Eletrônica, 1(1), art. 6.

Verrecchia, R. (2001). Essays on disclosure. Journal of Accounting and Economics, 32(1), 97-180.

Wang, K., Sewow, O., & Claiborne, M., C. (2008). Determinants and consequences of voluntary disclosure in an emerging market: evidence from China. Journal of International Accounting, Auditing and Taxation, 17(1), 14–30.

Watts, R., & Zimmerman, J. (1986). Positive accounting theory. New Jersey: Prentice Hall.

Whittemore, A. S. (1981). Sample size for logistic regression with small response probability. Journal of the American Statistical Association, 76(373), 27-32.