Percepção Ambiental de Gestores sobre as Áreas Verdes em Instituição de Ensino Superior Outros Idiomas

ID:
51044
Resumo:
O presente estudo teve como objetivo investigar a percepção ambiental dos gestores da Universidade Federal de Sergipe sobre as áreas verdes do campus universitário “Prof. José Aloísio de Campos”, localizado no município de São Cristóvão, Sergipe. A pesquisa do tipo qualitativa e descritiva. O instrumento de coleta de dados utilizado foi entrevista realizada por meio de questionário, composto por 13 questões com perguntas de múltipla escolha, abertas e fechadas, com trinta gestores lotados em diversos setores da instituição, com o intuito de detectar os seus anseios e opiniões sobre os espaços verdes do campus. Os dados foram agrupados e analisados através de planilhas eletrônicas. Os resultados obtidos indicaram bom nível de esclarecimento por parte dos gestores da UFS no que se refere às áreas verdes, uma vez que a maioria mostrou conhecimento a respeito de questões que abordavam a importância e os benefícios proporcionados por esses espaços, como vantagens no fornecimento de sombra e redução do calor, dentre outros. Apesar da necessidade de expansão da universidade, pelo crescimento da demanda de novos cursos e pela ampliação de novas vagas, a administração da universidade vem aumentando sua preocupação com a conservação dos espaços verdes, procurando alternativas para mantê-los, como a verticalização dos prédios. Com isso, conclui-se que, entre os gestores entrevistados, há consenso de ser possível conciliar o crescimento da universidade com a conservação das áreas verdes presente no campus de São Cristóvão.
Citação ABNT:
RIBEIRO, V. A.Percepção Ambiental de Gestores sobre as Áreas Verdes em Instituição de Ensino Superior. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, v. 7, n. 2, p. 340-358, 2018.
Citação APA:
Ribeiro, V. A.(2018). Percepção Ambiental de Gestores sobre as Áreas Verdes em Instituição de Ensino Superior. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, 7(2), 340-358.
DOI:
https://doi.org/10.5585/geas.v7i2.717
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/51044/percepcao-ambiental-de-gestores-sobre-as-areas-verdes-em--instituicao-de-ensino-superior/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Amorim Filho, O. B. (1999). Topologia, topofofia e topocídio em Minas Gerais. In: Rio, V. D.; Oliveira L. (Org.) Percepção ambiental: a experiência brasileira. 2.ed. São Paulo: UFSCar. p. 139152.

Andrade, B. R. D., Lima, F. H., Marcondes, G. A., Canhas, J. N., Fonseca, M. T., Barbosa, S. B. L., Ribeiro, W. C., & Leite, E. B. (2006). Ecossistemas e áreas verdes urbanas – estudo de percepção ambiental no parque Julien Rien, região centro-sul de Belo Horizonte. Recuperado em 10 maio, 2010, de: http://www.pucminas.br/graduacao/cursos/ar quivos/ARE_ARQ_REVIS_ELETR2006110 3082422.pdf?PHPSESSID=d2aa38663072ea 8cafafc349961ce7d3.

Barbosa, J. D. (2008). Relatório de Gestão 2008: Prestação de Contas da UFS. Recuperado em 22 junho, 2009, de: http://www.ufs.br/relatorio_gestao/prestacao decontas2008.pdf

Barbosa, J. D., Martins, F. A., & Pinto Filho, J. (2009). Perspectiva de Educação Ambiental na Gestão Universitária: O Caso da UFS. IX Colóquio Internacional sobre Gestão Universitária na América do Sul, Florianópolis. Recuperado em 13 julho, 2016, de: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/1 23456789/44344/Perspectiva%20de%20edu ca%E7%E3o%20ambiental%20na%20gest %E3o%20universit%E1ria%20O%20caos% 20da%20UFS.pdf?sequence=1.

Bargos, D. C. (2010). Mapeamento e análise das áreas verdes urbanas como indicador da qualidade ambiental urbana: estudo de caso de Paulínia-SP. 2010.147f. Dissertação (Mestrado em Geografia). Instituto de Geociências. Pós-Graduação em geografia análise ambiental e dinâmica territorial, Universidade de Campinas, Campinas.

Bononi, V. L. R. (2004). Controle ambiental de áreas verdes. IN: Philippi Jr., A.; Romério, M. A.; Bruna, G. C. (Org.). Curso de Gestão Ambiental. Barueri: Editora da Universidade de São Paulo. p. 213-255.

Brun, F. G. K., Longhi, S. J., & Brun, E. J. (2009). Estudo da percepção da população de vilas do bairro Camobi, Santa Maria – RS sobre a arborização urbana. Revista de estudos ambientais. v. 11, n. 1, p. 6-21.

Carvalho, M. E. C. (1982). As áreas verdes de Piracicaba. Dissertação (Mestrado em Geografia) Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista. Rio Claro.

Carvalho, R. F., Oliveira, L. A. R., França, T. P. P., & Ramos, L. S. (2012). Percepção dos alunos quanto a arborização da UFS – Campus de São Cristóvão. Scientia Plena: Vol. 8, Nº. 4.

Cavalheiro, F., & Del Picchia, P.C.D. (1992). Áreas verdes: conceitos, objetivos e diretrizes para o planejamento. In: Anais do 1º Congresso Brasileiro sobre Arborização Urbana e 4º Encontro Nacional sobre Arborização Urbana. Vitória – ES. p 29-38.

Cavalheiro, F., & Nucci, J.C. (1998). Espaços livres e qualidade de vida urbana. Paisagem Ambiente Ensaios, n.11. p. 279288.

Cervo, A. L., & Bervian, P. A. (1983). Metodologia Científica: para uso dos estudantes universitários. 3. ed. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil.

Coimbra, J. Á. A. (2004). Linguagem e Percepção Ambiental. In: Curso de Gestão Ambiental. Barueri: Manole.

Costa, C. G. F., Bezerra, R. F., & Freire, G. S. S. (2013). Avaliação da percepção da arborização urbana em Fortaleza. REVSBAU, Piracicaba-SP, v.8, n.4, 73-88.

Daily, G.C., & Ehrlich, P.R. (1995). Preservation of biodiversity in small rainforest patches: rapid evaluations using butterfly trapping. Biodiversity and Conservation. 4: 35-55.

Daltro Filho, J., & Oliveira, L. M. S. de. (2008). Gestão integrada de resíduos sólidos: alternativa sustentável para Telha e Cedro de São Jorge, Sergipe. In: MELO, R.; SOUZA, M. J. N. S. (Org.). Sustentabilidade, cidadania e estratégias ambientais: a experiência sergipana. São Cristóvão: Editora UFS.

Demattê, M. E. S. P. (1997). Princípios de paisagismo. Jaboticabal: Funep. 104p.

Dorigo, T. A., & Lamano-Ferreira, A. P. N. (2015). Contribuições da Percepção Ambiental de Frequentadores sobre Praças e Parques no Brasil (2009-2013): Revisão Bibliográfica. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade: v. 4, n. 3.

Fernandes R. S., Pianesola M. M., Gonçalves C. M., & Souza V. J. (2005). Estado da Arte da Percepção Ambiental no Brasil. Faculdade Brasileira UNIVIX. Núcleo de Estudos em Percepção Ambiental – NEPA.

Fernandes, R. S. (2003). Percepção ambiental de estudantes universitários. Revista Preservação – Meio Ambiente no Espírito Santo, Vitória, ano 1, n. 3.

Fernandes, R. S., Merigueti, B. A., Guzzo, C. S., & Rodrigues, R. G. (2010). Percepção ambiental de segmentos sócioeconômicos da sociedade frente à problemática do uso racional da água. Recuperado em 20 junho, 2010, de: www.infoandina.org.

Fernandes, R. S., Sousa, V. J., & Laranja, A. C. (2004). Percepção ambiental como instrumento de aprimoramento pedagógico para o ensino de meio ambiente em instituições de ensino. Revista Linha Direta, ano 7, n. 71.

Ferrari, P. F. (2006). Percepção ambiental dos gestores de meio de hospedagem – estudo de caso em Caxias do Sul – RS. Dissertação de Mestrado. Universidade Caxias do Sul, Rio Grande do Sul, RS, Brasil.

Gavião, P. D., Siqueira, E. S., & Spers, E. E. (2006). A responsabilidade sócio-ambiental e a tomada de decisão do gestor do setor têxtil. XXVI ENEGEP – Fortaleza, CE.

Gil, A. C. (1994). Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas.

Gomes, L. P. S. (2009). Estudo das características biológicas dos indivíduos arbóreos da Universidade Federal de Sergipe – São Cristóvão/SE. Trabalho de Conclusão de Curso. Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, Sergipe, SE, Brasil.

Günther, H., & Puente, K. E. (1994). Ambiente físico e qualidade de vida no campus da UnB. Série: Textos de Psicologia Ambiental, Nº 10. Brasília, DF: UnB, Laboratório de Psicologia Ambiental. Recuperado em 20 junho, 2010, de: www.unb.br/ip/lpa/pdf/10AmbienteUnB.pdf .

Guzzo, P. (1999). Estudo dos espaços livres de uso público da cidade de Ribeirão Preto/SP, com detalhamento da cobertura vegetal e áreas verdes de dois setores urbanos. Dissertação de Mestrado em Geociências e Meio Ambiente, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Rio Claro, 125p.

Homrich, R. T., Gonçalves, I. L., Borges, A. C. P., Zanin, E. M., & Valduga, A. T. (2013). Caracterização e percepção de um espaço verde urbano em uma cidade de porte médio, Rio Grande do Sul – Brasil. Perspectiva, Erechim, v. 37, Edição Especial, 41-47.

Jim, C., & Chen, W. Y. (2006). Perception and atitude of residentes toward urban green spaces in Guangzhou (China). Environ, Manag., 38, 338-349.

Lakatos, E. M. & Marconi, M. A. (2008). Fundamentos de metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Atlas.

Lima, A. M. L.P., Cavalheiro, F., Nucci, J.C., Sousa, M.A.L.B., Fialho, N., & Del Picchia, P.C.D. (1994). Problemas de utilização na conceituação de termos como espaços livres, áreas verdes e correlatos. In Anais do II Congresso de Arborização Urbana. São LuisMA. 539-553.

Lima, V., & Amorim, M. G. C. T. (2006). A importância das áreas verdes para a qualidade ambiental nas cidades. Revista Formação, nº13, 139-165. Recuperado em 08 agosto, 2016, de http://revista.fct.unesp.br/index.php/formaca o/article/viewFile/835/849.

Lira Filho, J. A. (2001). Paisagismo: princípios básicos. Viçosa: Aprenda Fácil.

Loboda, C. R., & Angelis, B. L. D. (2005). Áreas Verdes Públicas Urbanas: conceitos, usos e funções. In Ambiência – Revista do Centro de Ciências e Ambientais, Guarapuava, Paraná, p. 125-139. Recuperado em 20 janeiro, 2008, de: http://www.amda.org.br/assets/files/areasver desurbanas.pdf>

Magro, M. L., Fedrizzi, B., & Melo, E. F. R. Q. (2006). Importância das áreas verdes do campus I da Universidade de Passo Fundo para a comunidade: uma análise da percepção do usuário. XI Encontro Nacional de Tecnologia no Ambiente Construído. Florianópolis/SC. Disponível em: http://www.infohab.org.br/entac2014/2006/a rtigos/ENTAC2006_3709_3718.pdf

Malavasi, V. C., & Malavasi, M. M. (2001). Avaliação da arborização urbana pelos residentes – estudo de caso em Marechal Cândido Rondon, Paraná. Ciência Florestal. Santa Maria, RS. V. 11, n. 1, 2001, p. 189-193.

Melo, E. F. R. Q., & Severo, B. M. A. (2007). Vegetação Arbórea do Campus da Universidade de Passo Fundo. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, v. 2, n. 2. p.76-87.

Mendes, D. (2010). Pesquisa mostra crescimento da consciência ambiental no Brasil. Recuperado em 20 junho, 2010, de: http://noticias.ambientebrasil.com.br/clippin g/2006/05/22/24797-pesquisa-mostracrescimento-da-consciencia-ambiental-nobrasil.html.

Merigueti, B. A. (2005). Avaliação da percepção ambiental de funcionários da empresa Marmocil Ltda. Núcleo de Estudos em Percepção Ambiental – NEPA. Recuperado em 12 maio, 2010, de: http://nepa.net.br/?page_id=3.

Nucci, J.C. (2001). Qualidade ambiental e adensamento urbano. Humanitas, São Paulo SP.

Okamoto, J. (2002). Percepção ambiental e comportamento. São Paulo: Mackenzie.

Oliveira, C.H. (1996). Planejamento ambiental na cidade de São Carlos (SP) com ênfase nas áreas públicas e áreas verdes: diagnóstico e propostas. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de São Carlos, São Carlos-SP.

Oliveira, G. B. (2005). Uma discussão sobre o conceito de desenvolvimento. Revista da FAE, Curitiba, v.5, n.2, p.37-48, maio/ago.

Paul, S., & Nagendra, H. (2017). Factors influenciang perceptions and use of urban nature: surveys of park visitors in Delhi. Land, 6, 27, 1-23.

Primack, R. B., & Rodrigues, E. (2001). Biologia da conservação. Londrina: Midiograf.

Queiroz, C. T. A. P., Amorim, B. C., Araújo, A. C. C., Ramalho, O. C. S. (2009) Diagnostico da consciência ambiental dos gestores: Eco-atividades e consumo sustentável em Campina Grande/PB – Brasil. Revista Eletrônica Qualitas; 8 (2).

Randow, P. C. B. D., & Maroti, P. S. (2012). Percepção Ambiental Por Diferentes Grupos Socioculturais De Interação: O Caso Da Universidade Federal De Sergipe, Campus Prof. José Aloísio De Campo. Revista GUAL: 5 (2), 298-325.

Rauber, S. C., & Guarim Neto, G. (2011). Percepção ambiental e áreas verdes: o caso do Parque Municipal Jardim Botânico em Sinop/MT, Brasil. Revista UNIARA, v. 14, n. 2, 22-36.

Rocha, C. M. C., Moura Jr., A. M., & Magalhães, K. M. (2012). Gestão de Resíduos Sólidos: Percepção Ambiental de Universitários em uma Instituição de Ensino Superior Brasileira. Rev. Eletrônica Mestr. Educ. Ambient. ISSN 1517-1256, V. 29.

Roppa, C., Falkenberg, J. R., Stangerlin, D. M., Brun, F. G. K., Brun, E. J., & Longhi, S. J. (2007). Diagnóstico da percepção dos moradores sobre a arborização urbana na vila estação colônia – bairro Camobi, Santa Maria – RS. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, 2 (2), 11-30.

Sá, V. A., & Morais, G. A. (2008). A percepção ambiental da vegetação urbana por residentes do bairro Vitória em Ivinhema–MS. Revista de Biologia e Farmácia. 2 (1).

Sanesi, G. & Chiarello, F. (2006). Residents and urban green spaces: The case of Bari. Urban Forestry & Urban Greening. 4, 125-134.

Schanzer, H. W. (2003). Contribuições da vegetação para o conforto ambiental no campus central da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Dissertação (Mestrado em Engenharia). Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Pós-Graduação em Engenharia Civil.

Silva, A. D. V., Mendonça, A. W., Marconmin, F. E., Mazzuco, K. T. M. & Becke, R. R. (2011). Percepção ambiental como ferramenta para processos de educação ambiental na universidade. Rev. Eletrônica Mest. Educ. Ambiental. ISSN 1517-1256, v. 27. 1-21.

Silva, M. R. (2002). Povos de Terra e Água: A Comunidade Pesqueira de Canto do Mangue, Canguaratema RN – Brasil. Piracicaba: Universidade de São Paulo, Escola Superior de Agricultura “Luis de Queiroz”.

Soares, S. M. V. (2005). A percepção ambiental da população noronhense em relação à área de preservação ambiental. 2005. 96f. Monografia (Especialização em Gestão e Política Ambiental) Departamento de Letras e Ciências Humanas da UFRPE – Universidade Federal Rural de Pernambuco.

Sociedade Brasileira De Arborização Urbana – SBAU. (1996). “Carta a Londrina e Ibiporã”. Boletim Informativo, 3 (5), 3p.

Steuer, I. R. W., Araújo, G. V. R. de, Oliveira, B. M. C. de; Silva, T. E. P. da, & El-Deir, S. G. (2012). Gerenciamento de Áreas Verdes na Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) para Recomposição Florestal. III Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental Goiânia/GO – 19 a 22/11/2012. Recuperado em 16 setembro, 2016, de: http://www.ibeas.org.br/congresso/Trabalho s2012/VI-047.pdf

Teixeira, I. F., Santos, N. R. Z., & Balest, S. S. (2009). Percepção ambiental dos moradores de três loteamentos particulares em Santa Maria (RS) quanto a arborização de vias públicas. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, v. 4, n. 1, p. 58-78.

Toledo, F.S., & Santos, D.G. (2008). Espaços Livres de Construção. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, Piracicaba SP, 3 (1), 73-91.

Trigueiro, A. (2003). Meio ambiente no século 21: 21 especialistas falam da questão ambiental nas suas nas suas áreas de conhecimento. Rio de Janeiro: Sextante.

Tuan, Y. F. (2012). Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. São Paulo: Eduel.

Vergara, S. C. (2004). Projetos e relatórios em Administração. São Paulo: Atlas.

Vieira, P. B. H. (2004). Uma visão geográfica das áreas verdes de Florianópolis, SC: estudo de caso do Parque Ecológico do Córrego Grande (PECG). Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis SC.

Villa, M. F., Silva, F. L. da, Tanaka, M. Y., Chagas, M., & Oliveira, H. T. de (2015). Percepção ambiental: uma análise com os servidores da Universidade Federal de São Carlos (SP). IV Siga Ciência. Simpósio de Gestão Ambiental. ESALQ-SP, Piracicaba. Recuperado em 02 agosto, 2017, de: http://www.esiga.org.br/sigaciencia/Trabalh os_publicados/IV_SIGA_Ciencia/E.104%20- %20PERCEPCAO_AMBIENTAL.%20Mari ana%20Farsoni%20Villa.pdf

Wendel, H. E. W., Zarger, R. K., & Mihelcic, J. R. (2012). Accessibulity and usability: green space preferences, perceptions, and barriers in a rapidly urbanizing city in Latin America. Landscape and Urban Planning, 107, 272-282.

Whyte, A. V. T. (1978). La perception de L´environment: lignes directrices méthodologiques pour les etudes sur le terrain. Paris: Unesco. 143p. (notes techniques du MAB 5).

Wood, B., & Gillman, M.P. (1998). The effects of disturbance on forest butterflies using two methods of sampling in Trinidad. Biodiversity and Conservation 7: 597-616.