Fatores Determinantes na Escolha da Carreira Acadêmica em Contabilidade: Uma Visão de Mestrandos em Ciências Contábeis Sob a Luz da Teoria do Comportamento Planejado Outros Idiomas

ID:
51061
Resumo:
OBJETIVO: Este estudo teve como objetivo identificar os fatores que motivaram os discentes de mestrado stricto sensu em Ciências Contábeis ao optarem pela carreira acadêmica na área. FUNDAMENTO: O curso de Ciências Contábeis, dado seu enfoque profissional, oferta muitas opções de carreiras corporativas (Santos & Almeida, 2016). A carreira acadêmica, portanto, tende a ser preterida, indicando uma deficiência da educação contábil (Iudícibus & Marion, 1986). MÉTODO: Pesquisa descritiva, utilizando a estratégia de estudo de campo com discentes, por meio de questionários, cujas proposições foram baseadas na Teoria do Comportamento Planejado. Foram utilizadas ferramentas de estatística descritiva para a análise dos resultados. A amostra remonta aos estudantes dos cursos de mestrado stricto sensu em Ciências Contábeis do estado do Rio de Janeiro regularmente matriculados entre 2016 e 2017. Foram direcionados questionários online a 68 possíveis respondentes e recebidas 38 respostas (55,88% da população) sendo 55,26% dos respondentes oriundos da UFRJ e 44,74% da UERJ. RESULTADOS: Os resultados demonstram que apenas fatores intrínsecos aos discentes exercem influência positiva na tomada de suas decisões ao optarem pela carreira acadêmica em Ciências Contábeis. Referências externas de pessoas próximas e possíveis facilitadores não possuem a capacidade de influenciar positivamente os discentes no momento da escolha pelo curso de mestrado. CONTRIBUIÇÕES: Este trabalho contribui academicamente ao suprir a lacuna de pesquisas de intenção comportamental dos discentes que ingressaram no curso de mestrado stricto sensu em Ciências Contábeis e pode auxiliar os responsáveis pelos processos seletivos em programas de pósgraduação ao descrever os fatores motivacionais dos candidatos.
Citação ABNT:
MARÇAL, R. R.; CARVALHO, T. F. M.; BUFONI, A. L.; CRUZ, C. F. Fatores Determinantes na Escolha da Carreira Acadêmica em Contabilidade: Uma Visão de Mestrandos em Ciências Contábeis Sob a Luz da Teoria do Comportamento Planejado . Revista Evidenciação Contábil & Finanças, v. 6, n. 3, p. 4-20, 2018.
Citação APA:
Marçal, R. R., Carvalho, T. F. M., Bufoni, A. L., & Cruz, C. F. (2018). Fatores Determinantes na Escolha da Carreira Acadêmica em Contabilidade: Uma Visão de Mestrandos em Ciências Contábeis Sob a Luz da Teoria do Comportamento Planejado . Revista Evidenciação Contábil & Finanças, 6(3), 4-20.
DOI:
https://doi.org/10.22478/ufpb.2318-1001.2018v6n3.36973
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/51061/fatores-determinantes-na-escolha-da-carreira-academica-em-contabilidade--uma-visao-de-mestrandos-em-ciencias-contabeis-sob-a-luz-da-teoria-do-comportamento-planejado-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Ajzen, I. (1991). The theory of planned behavior. Organizational Behavior and Human Decision Processes, 50(2), 179-211.

Ajzen, I. (2015). Consumer attitudes and behavior: the theory of planned behavior applied to food consumption decisions. Rivista di Economia Agraria, 70(2), 121-138.

Ajzen, I., & Fishbein, M. (1980). Understanding attitudes and predicting social behavior. Englewood Cliffs, N.J: Prentice-Hall.

Araújo, E. A. T., Camargos, M. A., Camargos, M. C. S., & Dias, A. T. (2013). Desempenho acadêmico de discentes do curso de Ciências Contábeis: uma análise dos seus fatores determinantes em uma IES privada. Contabilidade Vista & Revista, 24(1), 60-83.

Armitage, C. J., & Christian, J. (2003). From attitudes to behaviour: Basic and applied research on the theory of planned behaviour. Current Psychology, 22(3), 187-195. doi:10.1007/s12144-0031015-5

Bagozzi, R. P.; & Warshaw, P. R. (1990). Trying to Consume. Journal of Consumer Research, 17, p. 127-140.

Baker, R. K., & White, K. M. (2010). Predicting adolescents use of social networking sites from an extended theory of planned behaviour perspective. Computers in Human Behavior, 26, 15911597. doi: 10.1016/j.chb.2010.06.006

Barreto, M. O., & Martínez, A. M. (2007). Possibilidades criativas de professores em cursos de pósgraduação stricto sensu. Estudos de Psicologia (Campinas), 24(4), 463–473. https://doi.org/10.1590/S0103-166X2007000400006

Broadbent, J., & Unerman, J. (2011). Developing the relevance of the accounting academy. Meditari Accountancy Research, 19(1/2), 7–21. https://doi.org/10.1108/10222521111178600

Calejon, L.M.C. (1996). Manejo de crises e dificuldades adaptativas em universitários. Tese de Doutorado, IPUSP, São Paulo.

Candiotto, L. B., & Miguel, M. E. B. (2009). O Curso De Ciências Contábeis Na Educação Brasileira : Das Aulas De Comércio Ao Curso Superior De Ciências Contábeis (1808-1951). In Congresso Nacional de Educação, EDUCERE (p. 15).

Costa, F. (2011). Mensuração e Desenvolvimento de Escalas: Aplicações em Administração. Rio de Janeiro: Ciência Moderna.

Cunha, L. C., Marques, L., & Biavatti, V. T. (2016). Adaptação ao ambiente de Ensino Superior: Percepção dos alunos de Ciências Contábeis. In Congresso ANPCONT, Ribeirão Preto (Vol. 10, p. 18).

Czerniak, C.M., Lumpe, A. T., Haney, J.J., & Beck, J. (1999). Teachers’ beliefs about using educational technology in the science classroom. International Journal of Educational Technology, 1(2).

Demo, P. (1995). Metodologia Científica em Ciências Sociais. São Paulo: Atlas.

Faria, A. de, Come, E. de, Poli, J., & Felipe, Y. X. (2006). O grau de satisfação dos alunos do curso de ciências contábeis: busca e sustentação da vantagem competitiva de uma ies privada. Enfoque: Reflexão Contábil, 25 (1), 25-36.

Fink, A. (2003). How to Ask Survey Questions. The Survey Kit. https://doi.org/10.4135/9781412984393

Fishbein, M., & Ajzen, I. (1975). Belief, Attitude, Intention and Behavior: An Introduction to Theory and Research. Reading, MA : Addison-Wesley.

Fouad, N. A. (2007) Work and Vocational Psychology: Theory, Research, and Applications. Annual Review of Psychology, 58(1), 543–564.

Frezatti, F.; Kassai, S. (2003). Estudo do impacto de um curso MBA em Controladoria na evolução de seus egressos. Revista Contabilidade & Finanças – USP. São Paulo, Edição Comemorativa, p. 54-65.

Habermas, J. (1987). Dialética e Hermenêutica: para a crítica da hermenêutica de Gadamer. Tradução de Álvaro Valss. Porto Alegre: L&PM.

Hall, R., & Jones, C. (1998). Why Do Some Countries Produce So Much More Output per Worker than Others? NBER Working Papers, 1-50. doi:10.3386/w6564

Hoie, M., Moan, I. S., & Rise, J. (2010). An extended version of the theory of planned behaviour: Prediction of intentions to quit smoking using past behaviour as moderator. Addiction Research and Theory, 18(5), 572-585. doi: 10.3109/16066350903474386

Hoppe, A., Barcellos, M.D. de, Vieria, L. M., & Matos, C. A. de., (2012). Comportamento do consumidor de produtos orgânicos: Uma aplicação da Teoria do Comportamento Planejado. Revista de Administração e Contabilidade da UNISINOS, 9(2), 174-188, doi: 10.4013/base.2012.92.06

Iudicibus, S. de.; & Marion, J. C. (1986). As faculdades de Ciências Contábeis e a formação do contador. Revista Brasileira de Contabilidade, (56), 50–56.

Leal, E. A., & Miranda, G., & Carmo, C. S. (2013). Teoria da Autodeterminação: uma Análise da Motivação dos Estudantes do Curso de Ciências Contábeis. Revista Contabilidade & Finanças -

Leite Filho, G. A., & Rodriguez, F. C. (2005). Atitudes e opiniões dos alunos do curso de graduação em ciências contábeis quanto a cursar pós-graduação: um estudo numa universidade pública. UnB Contábil, 9, 115–150.

Lima Filho, R. N. & Jesus, D. A. N. de. (2014). Nível de Aprendizagem do Estudante de Contabilidade: Um modelo de diagnóstico a partir da Taxonomia revisada de Bloom. Revista de Contabilidade da UFBA, 7(3), 38-58.

Lima, C. B., Schouten, M. V. M., Martinelli, D. P. (2006). Perfil profissiográfico de egresso das cinco primeiras turmas dos cursos de graduação de uma instituição de ensino superior. Revista de Gestão USP, 13 (especial), 1-18.

Lowe, D. R., & Simons, K. (1997). Factors influencing choice of business majorssome additional evidence: a research note. Accounting Education, 6(1), 39-45. doi:10.1080/096392897331613

Mankiw, N. G., Romer, D., & Weil, D. (1992). A Contribution to the Empirics of Economic Growth. Quartely Journal of Economics, 107(2). doi:10.3386/w3541

Martins, O. S. (2009). Motivações, Expectativas e Influências do Título de Mestre em Ciências Contábeis: Uma Análise a Partir dos Egressos do Programa Multiinstitucional UnB/UFPB/UFPE/UFRN. [Dissertação de Mestrado]. Universidade de Brasília.

Menezes Filho, N. A. (2001). A Evolução da Educação no Brasil e seu Impacto no Mercado de Trabalho. Instituto Futuro Brasil, 43.

Mergraff, V.; Mcdermott, M. R.; & Walsh, J. (2001). Exploring Attitude and Belief Correlates of Adhering to the New Guidelines for Loe-Risk Single-Occasion Drinking: An Application of the Theory of Planned Behavior. Alcohol & Alcoholism, v. 36, n. 2, p. 135-140.

Meyer, J. W. (1977). The Effects of Education as an Institution. American Journal of Sociology, 83(1), p. 55-77. doi:10.1086/226506

Miranda, C. D. S., Miranda, R. A. de M., & Araújo, P. A. M. (2013). Percepções dos estudantes do ensino médio sobre o curso de ciências contábeis e as atividades do profissional contador. Revista de Gestão, Finanças E Contab, 3(1), 17–35. Acesso em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=319345782005

Moutinho, K., & Roazzi, A. (2010). As teorias da ação racional e da ação planejada: Relações entre intenções e comportamentos. Avaliação Psicológica, 9(2), 279–287.

Oliveira, F. B. (1995). Pós-Graduação: Educação e mercado de trabalho. Campinas: Papirus Editora.

Peleias, I. R., Silva, G. P. da, Segreti, J. B., & Chirotto, A. R. (2007). Evolução do ensino da contabilidade no Brasil: uma análise histórica. Revista Contabilidade & Finanças, 18(spe), 19–32. https://doi.org/10.1590/S1519-70772007000300003

Pinsonneault, A., & Kraemer, K. L. (1993). Survey research methodology in management information systems: an assessment. Journal of Management Information Systems, 10(2), 75(31). https://doi.org/1175042

Preis, B. R. da S., Carmo, C. R. S., Cunha, F. S., Lima, I. G., Oliveria, M. G. de, Ribeiro, R. de M., & Costa, R. G. da. (2013). Cadernos da FUCAMP, 12(16), 60-78.

Primi, R., Munhoz, A. M. H., Bighetti, C. A., Di Nucci, E. P., Pellegrini, M. C. K., & Moggi, M. A. (2000). Desenvolvimento de um inventário de levantamento das dificuldades da decisão profissional. Psicologia: Reflexão E Crítica, 13(3), 451–463. https://doi.org/10.1590/S010279722000000300013

Ramalho, W. (2006). Modelos de atitudes em mercados novos entrantes: análise com medicamentos genéricos, contribuições teóricas e validação nomológica. [Tese de doutorado], Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Robinson, R. P., & Doverspike, D. (2006). Factors predicting the choice of an online versus a traditional course. Computers in Teaching, 33(1), 64-68. doi: 10.1207/s15328023top3301_10

Sampieri, R. H., Collado, C. F., Lucio, P. B., & Pérez, M. D. (2003). Metodología de la investigación. México: McGraw-Hill.

Santos, E. A. dos, & Almeida, L. B. de. (2016). Fatores determinantes da intenção de escolha da carreira na área de contabilidade: um estudo sob o enfoque da teoria do comportamento planejado. In Congresso ANPCONT, Ribeirão Preto (Vol. 10, pp. 1-18).

Silva Júnior, S., & Costa, F. (2014). Mensuração e escalas de verificação: uma análise comparativa das Escalas de Likert e Phrase Completion. Revista Brasileira de Pesquisas de Marketin, Opinião E Mídia, 15, 1–16. https://doi.org/1983-9456

Silva, E. C. da, Borges, W. G., Miranda, A. B. de, & Miranda, G. J. (2015). Saberes docentes na visão de egressos do curso de ciências contábeis. In Congresso ANPCONT, 9, Curitiba (Vol. 9, pp. 1– 17).

Soares, D. H. P. (2002). A escolha profissional: Do jovem ao adulto. São Paulo: Summus.

Souza, M. A. de, Machado, D. G., & Bianchi, M. (2011). Um perfil dos programas brasileiros de pós-graduação stricto sensu em Contabilidade. Revista de Educação E Pesquisa Em Contabilidade (REPeC), 5(2), 68–96. https://doi.org/10.17524/repec.v5i2.344

Sugar, W., Crawley, F., & Fine, B. (2004). Examining teachers’ decisions to adopt new technology. Educational Technology and Society, 7(4), 201-213.

USP, 24 (62), 162-173. Lee, J., Cerreto, F. A., & Lee, J. (2010). Theory of Planned Behavior and Teachers' Decisions Regarding Use of Educational Technology. Educational Technology & Society, 13 (1), 152–164.