Relações entre a Concentração de Propriedade e o Conservadorismo Condicional nas Companhias Abertas Brasileiras: Uma Análise através do Modelo de Regressão Quantílica Outros Idiomas

ID:
51062
Resumo:
OBJETIVO: Analisar as relações entre a concentração de propriedade e o conservadorismo condicional nas companhias abertas brasileiras para o período 2010-2016. FUNDAMENTO: São analisados os efeitos alinhamento e entrincheiramento a fim de investigar a relação de agência entre os proprietários controladores e minoritários. MÉTODO: Foi utilizada a técnica de estimação quantílica com a finalidade de examinar as relações teóricas de pesquisa ao longo de múltiplos pontos da distribuição de probabilidade. RESULTADOS: Os resultados encontrados evidenciaram que: i) a concentração de propriedade se relaciona negativamente com o conservadorismo condicional e este relacionamento é mais severo para níveis menores de concentração de propriedade; ii) a variável market-to-book confirma o comportamento oportunista por parte dos controladores em relação às políticas contábeis; iii) a variável tamanho funciona como mecanismo que limita a concentração de propriedade e consequentemente a influência dos controladores; iv) o endividamento é positivamente relacionado ao conservadorismo no quantil inferior (τ = 0.25), mas não se mostra signficante nos quantis superiores (τ = 0.50 e τ = 0.75) CONTRIBUIÇÕES: É confirmada a hipótese do efeito entrincheiramento para a relação entre a concentração de propriedade e o conservadorismo, destacando que para níveis mais baixos de concentração de propriedade o efeito entrincheiramento é mais severo.
Citação ABNT:
PRAZERES, R. V.Relações entre a Concentração de Propriedade e o Conservadorismo Condicional nas Companhias Abertas Brasileiras: Uma Análise através do Modelo de Regressão Quantílica . Revista Evidenciação Contábil & Finanças, v. 6, n. 3, p. 21-35, 2018.
Citação APA:
Prazeres, R. V.(2018). Relações entre a Concentração de Propriedade e o Conservadorismo Condicional nas Companhias Abertas Brasileiras: Uma Análise através do Modelo de Regressão Quantílica . Revista Evidenciação Contábil & Finanças, 6(3), 21-35.
DOI:
https://doi.org/10.22478/ufpb.2318-1001.2018v6n3.36941
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/51062/relacoes-entre-a-concentracao-de-propriedade-e-o-conservadorismo-condicional-nas-companhias-abertas-brasileiras--uma-analise-atraves-do-modelo-de-regressao-quantilica---/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Arruda, M. P., Vieira, C. A. M., Paulo, E., & Lucena, W. G. L. (2015). Análise do conservadorismo e persistência dos resultados contábeis das instituições financeiras brasileiras. Sociedade, Contabilidade e Gestão, Rio de Janeiro, v. 10, n. 2, mai/ago.

Attig, N., Fong, W. M., Gadhoum, Y., & Lang, L. (2006). Effects of large shareholding on information asymmetry and stock liquidity. Journal of Banking and Finance, v. 30, p. 2875-2892.

Bae, K.H., & Jeong, S.W. (2007). The value-relevance of earnings and book value, ownership structure, and business group affiliation: evidence from Korean business groups. Journal of Business Finance & Accounting, v. 34 (5), 740-766.

Ball, R. (2001). Infrastructure requirements for an economically efficient system of public financial reporting and disclosure. Brookings-Wharton Papers on Financial Services.

Ball, R., & Shivakumar, L. (2005). Earnings quality in UK private firms: comparative loss recognition timeliness. Journal of Accounting and Economics, 39(1), pp.83–128.

Basu, S. (1997). The conservatism principle and the asymmetric timeliness of earnings 1. Journal of accounting and economics, 24(1), pp.3–37.

Boná-Sanchez, C., Pérez-Aleman, J., & Santana-Martín, D. J. (2011) Ultimate ownership and earnings conservatism. European Accounting Review, 20(1), pp.57–80.

Caixe, D. F., & Krauter, E. (2013). A influência da estrutura de propriedade e controle sobre o valor de mercado corporativo no Brasil. Revista Contabilidade & Finanças, 24(62), pp.142–153.

Carvalhal-da-Silva, A. L. (2004). Governança corporativa, valor, alavancagem e política de dividendos das empresas brasileiras. Revista de Administração, v.39 (4), 348-361.

Claessens, S., Djankov, S., Fan, J. P.H., & Lang, L. H. P. (2002). Disentangling the incentive and entrenchment effects of large shareholdings. The Journal of Finance, 57(6), pp.2741–2771.

Collins, D., & Kothari, S.P. (1989). An analysis of intertemporal and cross-sectional determinants of earnings response coefficient. Journal of Accounting and Economics, v. 11, pp. 143-81.

Cullinan, C.P., Wang, F., Wang, P., & Zhang, J. (2012). Ownership structure and accounting conservatism in China. Journal of International Accounting, Auditing and Taxation, 21(1), pp.1–16.

Demonier, G. B., Almeida, J. E. F., & Bortolon, P. M. (2015). O impacto das restrições financeiras na prática do conservadorismo contábil. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 17(57).

Demsetz, H., & Lehn, K. (1985). The structure of corporate ownership: Causes and consequences. Journal of Political Economy, 93(6), pp.1155–1177.

Duarte, F. C. L., Girão, L. F. D. A. P., & Paulo, E. (2017). Avaliando Modelos Lineares de Value Relevance: Eles Captam o que Deveriam Captar?/Assessing Linear Models of Value Relevance: Do They Capture What They Should?. Revista de Administração Contemporânea, 21, 110.

Faccio, M., Marchica, M., & Mura, R. (2011). Large shareholder diversification and corporate risktaking. Review of Financial Studies, 24(11), 3601-3641.

Fama, E.F. (1970). Efficient Capital Markets: A review of theory and empirical work. The Journal of Finance, 25(2), pp.pp. 383–417.

Fan, J. P. H., & Wong, T. J. (2002). Corporate ownership structure and the informativeness of accounting earnings in East Asia. Journal of Accounting and Economics, 33(3), pp.401–425.

Jensen, M. C., & Meckling, W. H. (1976). Theory of the firm: Managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of Financial Economics, 3(4), pp.305–360.

Koenker, R., & Bassett, G. (1978). Regression quantiles. Econometrica, v. 46, n.1, pp. 33-50.

Kung, F.H., Cheng, C. L. & James, K. (2010). Effects of corporate ownership structure on earnings conservatism. Asian Journal of Finance & Accounting, 2(1).

Lara, J. M. G., Osma, B. G., & Penalva, F. (2009). Accounting conservatism and corporate governance. Review Accounting Studies, v. 14, p. 161–201.

Lara, J. M. G., Osma, B. G., & Penalva, F. (2011). Conditional conservatism and cost of capital. Review of Accounting Studies, 16(2), pp.247–271.

Lara, J. M. G., Osma, B. G., & Penalva, F. (2014). Information consequences of accounting conservatism. European Accounting Review, 23(2), pp.173–198.

Lara, J. M. G., Osma, B. G., & Penalva, F. (2015). Accounting conservatism and firm investment efficiency. Journal of Accounting and Economics, Forthcoming.

Lew, J., & Wu, S. (2013). Controlling shareholders and earnings informativeness: evidence from taiwan. Asia Pacific Management Review, v. 18 (1), 93-124.

Lopes, A. B., & Martins, E. (2005). Teoria da Contabilidade: uma nova abordagem. São Paulo: Atlas.

Maug, E. (1998). Large shareholders as monitors: is there a trade-off between liquidity and control? The Journal of Finance, 53(1), pp.65–98.

Moreira, R. L., Colauto, R.D., & Amaral, H.F. (2010). Conservadorismo condicional: estudo a partir de variáveis econômicas. Revista Contabilidade & Finanças, 21(54), pp.64–84.

Myers, S. C. (1977). Determinants of corporate borrowing. Journal of Financial Economics, 5(2), pp.147–175.

Paulo, E., Antunes, M. T. P., & Formigoni, H. (2008). Estudo sobre o conservadorismo nas companhias abertas e fechadas brasileiras. RAE Revista de Administração de Empresas, v. 48, n.3, p. 46-60, jul/set.

Prazeres, R. V. D., Soeiro, T. M., Araújo, J. G. N., & Freitas, M. A. L. (2017). An Analysis of the Influence of Controlling Shareholder Identity over Earnings Informativeness on Brazilian Capital Market. Enfoque Reflexão Contábil, 36(3), 1-14.

Roychowdhury, S., & Watts, R. L. (2007). Asymmetric timeliness of earnings, market-to-book and conservatism in financial reporting. Journal of Accounting and Economics, 44 (1), 2-31.

Sarlo Neto, A., Lopes, A. B., & Dalmácio, F. Z. (2010). A influência da estrutura de propriedade sobre a informatividade dos lucros contábeis divulgados pelas empresas negociadas na Bovespa. Base – Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, v.7 (4), 301-314.

Sarlo Neto, A., Rodrigues, A. & Almeida, J. E. F. (2010). Concentração de votos e acordo de acionistas: influências sobre o conservadorismo. Revista Contabilidade & Finanças, 21(54), pp. 6 –22.

Shleifer, A., & Vishny, R.W. (1997). A survey of corporate governance. Journal of Finance, 52(2), pp.737–83.

Silva, A. R. P. (2015). Conservadorismo e herança institucional de financiamento das companhias abertas do Brasil (Tese de doutorado, Programa Multi-institucional e inter-regional de pós-graduação em ciências contábeis, Universidade de Brasília, Universidade Federal da paraíba, Universidade federal do Rio Grande do Norte).

Wang, D. (2006). Founding family ownership and earnings quality. Journal of Accounting Research, 44(3), pp.619–656.

Watts, R. (2003). Conservatism in accounting part I: explanations and implications. Accounting Horizons, v.17, n.3, pp. 207-211.

Watts, R. L., & Zimmerman, J. L. (1986). Positive accounting theory. New Jersey: Prentice-Hall, 1986.

Watts, R., & Zimmerman, J. (1979). The demand for and supply of accounting theories: The market for excuses. The Accounting Review, 54 (2), pp. 273-305.

Yu, K. (2013). Block ownership and accounting conservatism. Corporate Ownership and Control, v. 10 (3), pp. 271-293.