Fatores Determinantes da Composição e Endividamento das Empresas Listadas na BM&FBovespa entre os Mandatos Presidenciais Lula (2007-2010) e Dilma (2011-2014) Outros Idiomas

ID:
51064
Resumo:
OBJETIVO: Analisar quais variáveis econômico-financeiras explicam a composição do endividamento das cem maiores e menores empresas listadas na BM&FBovespa entre os mandatos presidenciais Lula (2007-2010) e Dilma (2011-2014). Analisar variáveis que explicam a composição do endividamento das empresas nos mandatos presidenciais Lula (2007-2010) e Dilma (2011-2014). MÉTODO: Utilizou-se regressão linear múltipla. RESULTADOS: Os resultados apontaram que em 2007, as variáveis ROA, ROE, ativo total, patrimônio líquido, liquidez geral e liquidez corrente apresentaram significância em uma das três variáveis dependentes. A variável crescimento apresentou significância em apenas uma variável dependente entre os anos 2009 e 2011. As variáveis liquidez geral e liquidez corrente apresentaram significância em todos os períodos analisados, diferente da variável ROE, que não apresentou significância em 2013. A variável ROA também apresentou significância em todos os períodos. A variável Patrimônio Líquido apresentou significância em relação a algumas variáveis dependentes. Por sua vez, as variáveis rentabilidade do ativo e liquidez geral apresentaram maior significância em relação a variável dependente endividamento geral nos períodos analisados. CONTRIBUIÇÕES: Conclui-se que apenas a variável composição do endividamento apresentou diferença entre os dois períodos (sobre as 100 maiores), observando que no primeiro período (20072010) foi explicado por sete variáveis independentes, quais sejam: Liquidez geral, Liquidez corrente, Patrimônio líquido, ROA, Ativo total e Crescimento, enquanto que no segundo período (20102014), foi explicado apenas pela liquidez corrente.
Citação ABNT:
DALLABONA, L. F.; GONÇALVES, M.; RADLOFF, E. G. Fatores Determinantes da Composição e Endividamento das Empresas Listadas na BM&FBovespa entre os Mandatos Presidenciais Lula (2007-2010) e Dilma (2011-2014). Revista Evidenciação Contábil & Finanças, v. 6, n. 3, p. 54-74, 2018.
Citação APA:
Dallabona, L. F., Gonçalves, M., & Radloff, E. G. (2018). Fatores Determinantes da Composição e Endividamento das Empresas Listadas na BM&FBovespa entre os Mandatos Presidenciais Lula (2007-2010) e Dilma (2011-2014). Revista Evidenciação Contábil & Finanças, 6(3), 54-74.
DOI:
https://doi.org/10.22478/ufpb.2318-1001.2018v6n3.37372
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/51064/fatores-determinantes-da-composicao-e-endividamento-das-empresas-listadas-na-bm-fbovespa-entre-os-mandatos-presidenciais-lula--2007-2010--e-dilma--2011-2014-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Acioly, L. et al. (2009). Desdobramentos de curto e médio prazo da crise atual. Texto para discussão n. 1441. Rio de Janeiro: IPEA.

Angonese, R., Santos, P. S. A. & Lavarda, C. E. F. (2010). Valor econômico agregado (VEA) e estrutura de capital em empresas do IBRX 100. Anais dos seminários em administração, São Paulo, SP, Brasil, 20.

Banco Central do Brasil (2016). Série histórica da taxa SELIC. Recuperado em 10 junho, 2016 de http://www.bcb.gov.br/Pec/Copom/Port/taxaSelic.asp.

Bastos, D. D. & Nakamura, W. T. (2009). Determinantes da estrutura de capital das companhias abertas do Brasil, México e Chile no período 2001-2006. Revista Contabilidade e Finanças, 20(50), 75-94.

Bernardelli, L. V. & Bernardelli, A. G. (2016). Análise sobre a relação do mercado acionário com as variáveis macroeconômicas no período de 2004 a 2014. Revista Evidenciação Contábil & Finanças, 4(1), 4-17.

Borges Jr. D. M. et al. (2017). Endividamento de longo prazo e desempenho em tempos de crise: evidências de empresas no Brasil e América Latina. Revista Catarinense da Ciência Contábil, 16(47), 87-96.

Brealey, R. A. & Myers, S. C. (1991). Principles of a corporate finance (4a ed.). Nova York: McGrawHill.

Brito, G. A. S., Corrar, L. J. & Batistella, F. D. Fatores determinantes da estrutura de capital das maiores empresas que atuam no Brasil. Revista Contabilidade e Finanças, 18(43), 9-19, 2007.

Cagnin, R. F. et al. (2013). A gestão macroeconômica do governo Dilma (2011 e 2012). Novos estudos

CEBRAP, 97, 169-185. Costa Jr., A. F. & Lemes Jr., A. B. (2006) Estrutura de capital das empresas integrantes do índice Ibx-Loo da bolsa de valores de São Paulo de 2000 a 2004. Salvador.

Durand, D. (1952). Cost of debt and equity funds for business: trends and problems of measurement. Conference on research on business finance, New York, Estados Unidos.

Espinola, L. F. P. (2013). Determinantes da estrutura de capital na crise financeira global. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Faé, R., Goulart, S. & Abdla, P. R. (2016). Estratégia nacional de desenvolvimento nos governos Lula e Dilma: Transformação Neoliberal. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 10(1), 1-18.

Fank, O. L., Angonese, R. & Toledo Filho, J. R. (2010). Determinantes da estrutura de capital nas maiores empresas do Brasil. Anais do Encontro Nacional de Engenharia de Produção, São Carlos,

Hair, J. F. et al. (2009). Análise mulivariada de dados. Bookman.

Iudícibus, S. (2009). Análise de balanços (10a ed.). São Paulo: Atlas.

Jorge, S. & Armada, M. R. (2001). Factores determinantes do endividamento: uma análise em painel. Revista de Administração Contemporânea, 5(2), 9-31.

Laureano, G. L. (2008). Determinantes de curto e longo prazos das empresas brasileiras. Anais do Encontro da Anpad. Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 32.

Lopes, F. P. et al. (2016). Desempenho econômico e financeiro das empresas brasileiras de capital aberto: um estudo das crises de 2008 e 2012, Revista Universo Contábil, 12(1), 105-121.

Lunardi, M. A. et al. (2017). Criação de valor no desempenho econômico de empresas familiares e não familiares brasileiras. Revista Evidenciação Contábil & Finanças, 5(1), 94-112.

Mamede, S. P. N. et al. (2017). Empresas brasileiras estatais e não estatais: uma análise das relações de endividamento. Revista Evidenciação Contábil & Finanças, 5(2), 4-22.

Maranho, F. S., Fonseca, M. W. & Frega, J. R. (2016). Governança corporativa e desempenho das empresas diante da crise econômica Global de 2008: uma análise de dados em painel. Revista Adm. 9(2), 293-311.

Martins, H. C. & Terra, P. R. S. (2015). Maturidade do endividamento, desenvolvimento financeiro e instituições legais: análise multinível em empresas latino-americanas. Revista Administração, 50(3), 381-394.

Matarazzo, D. C. (2010) Análise financeira de Balanços: Abordagem Gerencial (7a ed.). São Paulo: Atlas

Modigliani, F. & Miller, M. (1958). The costs of capital, corporation finance, and the theory of investment. American Economic Review, 48(3), 261-297.

Nakamura, W. T., Martin, D. M. L. & Kimura, H. (2004). Indicadores contábeis como determinantes do endividamento das empresas brasileiras. Anais do Encontro Nacional da Associação de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Curitiba, PR, Brasil, 27.

Prazeres, R. V. et al. (2015). Fatores Determinantes do Endividamento: um Estudo Empírico no Setor de Telecomunicações Brasileiro. Contabilidade, Gestão e Governança, 18(2), 139-159.

Ristoff T. (2011). A internacionalização das empresas brasileiras no governo Lula: o BNDES como instrumento de política externa. Anais do Simpósio Nacional de História, São Paulo, SP, Brasil, 26.

Rosa, L. C. & Costa, D. F. (2014). Efeitos da crise mundial de 2008 na situação econômica e financeira das empresas brasileiras que compõem o Ibovespa. Revista Mineira de Contabilidade, 15(53), 6-14.

S.A. Moreira, T. B. S. & Soares, F. A. R. (2010). A Crise Financeira Internacional e as Políticas Anticíclicas no Brasil. Tema III: Política Fiscal e a Crise Econômica Internacional. Finanças Públicas. Prêmio Tesouro Nacional, 1-69.

Sant'ana, J. A. A. (2001). A relação entre endividamento e rentabilidade nas empresas brasileiras de 1996 a 2000. 2001. 137f., Dissertação (Mestrado em Administração) Universidade de Brasília, Brasília.

Santos, A. et al. (2013). A economia das empresas nos governos FHC e Lula: uma análise a partir da demonstração do valor adicionado. Revista Contabilidade e Controladoria, 5(1), 47-64.

Santos, C. M., Pimenta Júnior, T. & Cicconi, E. G. (2009). Determinantes da escolha da estrutura de capital das empresas brasileiras de capital aberto: um survey. Revista de Administração, 44(1).

Silva, E. S. et al. (2016) Capital structure of Brazil, Russia, India and China by economic crisis. Revista de Administração Mackenzie, 17(3), 105-131.

SP, Brasil, 37. Fávero, L. P. et al. (2009). Análise de dados: Modelagem multivariada para tomada de decisões. Rio de Janeiro: Campus.

Tristão, P. A. & Dutra, V. R. (2012). Fatores que influenciam na estrutura de capital das empresas listadas na Bovespa. Revista de Administração da UFSM, 5, 309-320.