Influências Institucionais ou Regulação? Uma Análise das Práticas de Evidenciação Obrigatórias de Reconhecimento de Receitas no Setor de Construção em Companhias do Brasil e Inglaterra Outros Idiomas

ID:
51067
Resumo:
OBJETIVO: Investigar se a regulação, traduzida nessa pesquisa pelas normas contábeis e empresas de auditoria, contribuíram para minimizar os efeitos das diferenças institucionais nas políticas contábeis, demonstradas nesse estudo pelo nível de evidenciação do reconhecimento da receita. FUNDAMENTO: As práticas contábeis são influenciadas pelas características institucionais de cada país. Porém, com a convergência internacional das normas contábeis e as Big Four de auditoria atuantes nos dois países, é natural que haja uma harmonização das políticas contábeis, mesmo em países com características institucionais diferentes. Dessa forma, a pesquisa é estruturada sobre os pronunciamentos em relação ao reconhecimento da receita, no setor da construção, emitidos pelo FASB e IASB e nos aspectos teóricos relacionados com o nível de evidenciação. MÉTODO: Foram analisadas, por meio da técnica estatística de dados em painel, as demonstrações contábeis das empresas do Brasil e Inglaterra, do setor de construção, referente aos exercícios findos em 2014, 2015 e 2016. Identificou-se o critério utilizado de reconhecimento de receitas e mensurou-se o nível de evidenciação obrigatória (variável dependente) em função do país sede (variável independente de interesse). Algumas variáveis de controle foram utilizadas: tamanho, rentabilidade, composição acionária e empresa de auditoria. RESULTADOS: Os resultados indicam que nenhuma variável testada tem poder explicativo sobre o índice de evidenciação e que o nível de evidenciação médio foi de 72,1% para as empresas de construção da Inglaterra, o qual foi ligeiramente superior ao das empresas brasileiras, na ordem de 70%. CONTRIBUIÇÕES: Conclui-se que há indícios de que a regulação exerceu papel de aproximação e equalização, em termos de evidenciação obrigatória, entre os países com diferenças institucionais. Por fim, é possível que as empresas de auditoria tenham papel importante nessa harmonização das práticas contábeis.
Citação ABNT:
LUDWIG, M. J.; SOUZA, R. J.; RIBEIRO, A. M.; VICENTE, E. F. R. Influências Institucionais ou Regulação? Uma Análise das Práticas de Evidenciação Obrigatórias de Reconhecimento de Receitas no Setor de Construção em Companhias do Brasil e Inglaterra . Revista Evidenciação Contábil & Finanças, v. 6, n. 3, p. 110-131, 2018.
Citação APA:
Ludwig, M. J., Souza, R. J., Ribeiro, A. M., & Vicente, E. F. R. (2018). Influências Institucionais ou Regulação? Uma Análise das Práticas de Evidenciação Obrigatórias de Reconhecimento de Receitas no Setor de Construção em Companhias do Brasil e Inglaterra . Revista Evidenciação Contábil & Finanças, 6(3), 110-131.
DOI:
10.22478/ufpb.2318-1001.2018v6n3.38962
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/51067/influencias-institucionais-ou-regulacao--uma-analise-das-praticas-de-evidenciacao-obrigatorias-de-reconhecimento-de-receitas-no-setor-de-construcao-em-companhias-do-brasil-e-inglaterra-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Akhtaruddin, M. (2005). Corporate mandatory disclosure practices in Bangladesh. The International Journal of Accounting, 40(4), 399-422.

Anderson, K. L., & Yohn, T. L. (2002). The effect of 10-K restatements on firm value, information asymmetries, and investors’ reliance on earnings [Working paper Georgetown University]. Recuperado de http://dx.doi.org/10.2139/ssrn.332380

Antunes, M. T. R., Grecco, M. C. P., Formigoni, H., & Mendonça, O. R. de, Neto. (2012). A adoção no Brasil das normas internacionais de contabilidade IFRS: o processo e seus impactos na qualidade da informação contábil. Revista de Economia & Relações Internacionais, 10(20), 5-19.

Archambault, J. J., & Archambault, M. E. (2003). A multinational test of determinants of corporate disclosure. The International Journal of Accounting, 38(2), 173-194.

Ball, R., Kothari, S. P., & Robin, A. (2000). The -effect of international institutional factors on properties of accounting earnings. Journal of Accounting and Economics, 29(1), 1-51.

Ball, R., Robin, A., & Wu, J. S. (2003). Incentives versus standards: properties of accounting income in four East Asian countries. Journal of Accounting and Economics, 36(1-3), 235-270.

Barlev, B. (1995). Determining the stage at which it is appropriate to recognise profit under longterm contracts. Journal of Business Finance and Accounting, 22(5), 713–731.

Benston, G., Bromwich, M., Litan, R. E., & Wagenhofer, A. (2003). Following the Money: the Enron Failure and the State of Corporate Disclosure. Washington, D.C.: AEI-Brookings Joint Center for Regulatory Studies.

Beyer, A., Cohen, D. A., Lys, T. Z., & Walther, B. R. (2010). The financial reporting environment: Review of the recent literature. Journal of Accounting and Economics, 50(2), 296-343.

Bohusova, H. (2009). Development of the common standard for revenue recording as a part of the US GAAP and IAS/IFRS systems convergence. Rocnik, 57(6), 29-44.

Ciesielski, J. T., & Weirich, T. R. (2011). Convergence collaboration: revising revenue recognition. Management Accounting Quarterly, 12(3), 18-27.

Colson, R. H., Bloomfield, R., Christensen, T. E., Jamal, K., Moehrle, S., Ohlson, J., . . . Watts, R. L. (2010). Response to the Financial Accounting Standards Board’s and the International Accounting Standards Board’s Joint Discussion Paper Entitled Preliminary Views on Revenue Recognition in Contracts with Customers. Accounting Horizons, 24(4), 689-702.

Costa, F. J. F. da, & Oliveira, L. C. A. M. de (2015). A divulgação dos ativos fixos tangíveis segundo a IAS 16 e o seu grau de cumprimento. Revista Innovar, 25(spe), 47-60.

Cotrim, V. de S., Ribeiro, A. M., & Carmo, C. H. S. do (2016, novembro). Efeito das IFRS na concentração do mercado de auditoria: análise com companhias brasileiras de capital aberto. Congresso UNB de Contabilidade e Governança, Brasília, DF, Brasil, 2.

Cunha, P. R. C. M. L. da (2009). O grau de cumprimento com os requisitos previstos na IAS 16: Estudo das empresas cotadas em Espanha (Dissertação de Mestrado). Instituto Universitário de Lisboa - IUL, Lisboa, Portugal. Recuperado de https://repositorio.iscte-iul.pt/handle/10071/2485

Diamond, D. W. (1985). Optimal Release of Information By Firms. The Journal of Finance, 40(4), 1071-1094.

Diamond, D. W., & Verrecchia, R. E. (1991). Disclosure, Liquidity, and the Cost of Capital. The Journal of Finance, 46(4), 1325-1359.

Dobler, M. (2008). Rethinking revenue recognition – the case of construction contracts under International Financial Reporting Standards. J. Revenue Management, 2(1), 1-22.

Dye, R.A. (2001). An evaluation of “essays on disclosure” and the disclosure literature in accounting. Journal of Accounting and Economics, 32(1-3), 181-235.

Dylag, R., & Kucharczyk, M. (2011). Recognising revenue from the construction of real estate im financial statements of developers in Poland. Journal of Accounting and Management Information Systems, 10(1), 25-42.

Falcão, D. F., Pinto, L. J. S., & Niyama, J. K. (2014). Reconhecimento da receita de venda imobiliária: um estudo das maiores S/A’s brasileiras no mercado residencial. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, 19(1), 24-41.

FASB (2002). The revenue recognition Project. Acesso em 28-07-17: Recuperado de http://www.gasb.org/cs/BlobServer?blobcol=urldata&blobtable=MungoBlobs&blobkey=id&bl obwhere=1175818742622&blobheader=application%2Fpdf

Fávero, L. P. (2015). Análise de dados (1a ed.). Rio de Janeiro: Elsevier.

Ferreira, A. R., & Theóphilo, C. R. (2007). Contabilidade da construção civil: estudo sobre as formas de mensuração e reconhecimento de resultados. Revista de Informação Contábil, 1(1), 49-67.

Grimm, S. D., & Hoag, D. (2011). Gemini Communications: A case applying revenue recognition standards. Journal of Accounting Education, 29(2-3), 174-190.

Horton, J., Macve, R., & Serafeim, G. (2011). Deprival value’ vs. ‘fair value’ measurement for contract liabilities: how to resolve the ‘revenue recognition’ conundrum? Accounting and Business Research, 41(5), 491-514.

IAS 11, December 1993. Construction Contracts. Recuperado de http://www.ifrs.org/issuedstandards/list-of-standards/ias-11-construction-contracts/

IAS 18, December 1993. Revenue. Recuperado de https://www.ifrs.org/issued-standards/list-ofstandards/ias-18-revenue/

IFRIC 15, July 2008. Agreements for the Construction of Real Estate. Recuperado de https://www.ifrs.org/issued-standards/list-of-interpretations/ifric-15-agreements-for-theconstruction-of-real-estate/

Kvaal, E., & Nobes, C. (2010). International differences in IFRS policy choice: a research note. Accounting and Business Research, 40(2), 173-187.

LaPorta, R., Silanes, F. L. de, Shleifer, A., & Vishny, R. W. (1997). Legal Determinants of External Finance. The Journal of Finance, 52(3), 1131-1150.

Lucena, W. G. L., & Sousa, T. C. de M. (2015). Um estudo das empresas listadas na BM&FBovespa do setor de construção civil acerca do reconhecimento das receitas e os custos com base no CPC 17. ConTexto, 15(29), 4-16.

Marton, J., & Wagenhofer, A. (2010). Comment on the IASB Discussion Paper ‘Preliminary Views on Revenue Recognition in Contracts with Customers’. Accounting in Europe, 7(1), 3-13.

Mota, R. H. G., Campos, S. J. de B., Niyama, J. K., & Paulo, E. (2012). Reconhecimento de receitas nos contratos de construção imobiliária: um estudo do exposure draft ED/2010/6 – receita de contratos com clientes. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, 17(2), 89-103.

Mota, R. H. G., Ventura, A. F. A., Silva, A. C. da C. e, Filho, & Paulo, E. (2015). Adoção das normas internacionais de contabilidade: um estudo no setor de construção civil com ações listadas na BM&FBovespa. Revista Ambiente Contábil, 7(1), 1-17.

Niyama, J. K., Cavalcante, P. R. N., & Rezende, I. C. C. (2010, junho). Normas Contábeis Brasileiras, Norte-americanas e Internacionais aplicáveis ao setor de Construção Civil: uma análise comparativa numa empresa do Estado da Paraíba. Congresso Anpcont, Natal, RN, Brasil, 4.

Nobes, C. W. (2006). Revenue recognition and EU endorsement of IFRS. Accounting in Europe, 3(1), 81–89.

Raffournier, B. (1995). The determinants of voluntary financial disclosure by Swiss listed companies. European Accounting Review, 4(2), 261-280.

Santos, F. B. dos, & Salotti, B. M. (2013). O método de reconhecimento de receita adotado pelas entidades de incorporação imobiliária brasileiras compromete a comparabilidade das demonstrações financeiras? Revista Contemporânea de Contabilidade, 10(21), 03-24.

SEC (2001) Speech by the SEC staff: revenue recognition. Acesso em 28-07-17. Recuperado dehttps://www.sec.gov/news/speech/spch495.htm

Silva, J. S., Silva, A. H. C. e, & Laurencel, L. da C. (2016). Nível de evidenciação obrigatória nas empresas de capital aberto: uma análise do CPC 27. Revista Pensar Contábil, 18(65), 40-50.

Street, D. L., & Gray, S. J. (2002). Factors influencing the extent of corporate compliance with International Accounting Standards: summary of a research monograph. Journal of International Accounting, Auditing & Taxation, 11(1), 51-76.

Verrecchia, R. E. (2001). Essays on disclosure. Journal of Accounting and Economics, 32(1-3), 97-180.

Wagenhofer, A. (2014). The role of revenue recognition in performance reporting. Accounting and Business Research, 44(4), 349-379.

Wallace, O., & Naser, K. (1995). Firm-specific determinants of the comprehensiveness of mandatory disclosure in the corporate annual reports of firms listed on the stock exchange of Hong Kong. Journal of Accounting and Public Policy, 14(4), 311-368.

Wustemann, J., & Kierzek, S. (2005). Revenue recognition under IFRS revisited: conceptual models, current proposals and practical consequences. Accounting in Europe, 2(1), 69-106.