Racismo: Uma Questão de Saúde Pública e de Gestão na Perspectiva de Gênero Outros Idiomas

ID:
51081
Resumo:
As iniquidades em saúde estão associadas as demandas socioeconômicas, raciais e de gênero, e a mulher negra encontra-se em condições de desvantagem devido o mito da democracia racial, não recebendo um tratamento humanizado como as mulheres brancas. O objetivo do estudo foi fazer uma revisão de literatura sobre o racismo e as consequências na saúde em termos de gênero alinhado a gestão usando como método a revisão narrativa. O racismo institucional fortalece as mazelas contra as mulheres negras demonstrando a necessidade de uma gestão eficiente em saber lidar com os grupos considerados minoritários no sistema capitalista , tendo como proposta uma liderança inclusiva, para treinar, capacitar e fortalecer o diálogo sobre a desnaturalização do racismo e reduzir o índice de doenças prevalentes nesta população e também o absenteísmo. Como o racismo é histórico e as vicissitudes de um preconceito de marca sugere-se desconstruir este mito de democracia racial de forma continua nas instituições públicas,privadas e filantrópicas, através da reestruturação das políticas públicas , valorização e reconhecimento do potencial das mulheres e principalmente mulheres negras.
Citação ABNT:
FERREIRA, C. A. A.Racismo: Uma Questão de Saúde Pública e de Gestão na Perspectiva de Gênero . Revista de Gestão em Sistemas de Saúde, v. 7, n. 2, p. 143-156, 2018.
Citação APA:
Ferreira, C. A. A.(2018). Racismo: Uma Questão de Saúde Pública e de Gestão na Perspectiva de Gênero . Revista de Gestão em Sistemas de Saúde, 7(2), 143-156.
DOI:
https://doi.org/10.5585/rgss.v7i2.384
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/51081/racismo--uma-questao-de-saude-publica-e-de-gestao-na-perspectiva-de-genero-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Acker, J. (2006). Inequality regimes: gender, classe and race in organizations. Gender & Society, 20(4): 441-464.

Adriano, M. S. P. F., Almeida, M.R., Ramalho, P.P.L., Costa, I.P., Nascimento, A.R.S., & Moraes, J.C.O. (2017). Estresse ocupacional em profissionais da saúde que atuam no serviço de atendimento móvel de urgência de Cajazeiras-PB. Revista Brasileira de Ciências da Saúde, 21(1): 29-34.

Assari, S. (2017). Social Determinants of Depression: The Intersections of Race, Gender, and Socioeconomic Status. Brain Sci. ,7(156):1-12.

Backes, D. S., Backes, M. S., Erdmann, A. L. & Büscher, A. (2012). O papel profissional do enfermeiro no Sistema Único de Saúde: da saúde comunitária à estratégia de saúde da família. Ciência Saúde Coletiva, 17(1):223230.

Black Women, Work, Stress, and Perceived Discrimination: The Focused Support Group Model as an Intervention for Stress Reduction. Cult Divers Ment Health.,1(1): 53–65.

Brasil (1990a). Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços Correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 20 set. 1, de 1990a. p.018055.

Brasil (1990b). Lei nº 8.142, de 28 de dezembro de 1990. Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde (SUS) e sobre as transferências Intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 28 dez. 1, de 1990b.p. 25694.

Brasil (2011). Racismo como determinante social de saúde. Secretaria de Políticas de Ações Afirmativas SPAA/SEPPIR. Disponível em: . Acesso 12 fev 2018.

Brasil (2012). Lei 12.711 de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Parágrafo único. No preenchimento das vagas de que trata o caput deste artigo, 50% (cinquenta por cento) deverão ser reservados aos estudantes oriundos de famílias com renda igual ou inferior a 1,5 salário-mínimo (um saláriomínimo e meio) per capita. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 30 agosto de 2012, Seção 1, p.1.

Brasil. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, Centro Gráfico.

Candler, G.G. (2015). “Assimilação crítica” and research on the periphery. Cadernos EBAPE. BR, (Edição Especial), 13: 560-572.

Carneiro, S. (1995). Gênero Raça e Ascensão Social. Estudos Feministas, 3(2): 544-552.

Cisne, M. (2014). Feminismo e consciência de classe no Brasil. São Paulo: Cortez.

Conrado, M. & Ribeiro, A.A.M. (2017). Black Man and Man is Black: masculinities and black feminism in debate. Revista Estudos Feministas, 25(1): 73-97.

Cordeiro, R.C. (2009). Discriminação racial e de gênero em discursos de mulheres negras com anemia falciforme. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem,13(2):352-58.

Coutinho, L. R. S., Costa, A. M. & Carvalho, J. L. F. D. S. (2009). Debatendo diversidade de gênero e raça no contexto organizacional brasileiro: lei do mercado ou cotas por lei? Sociedade, Contabilidade e Gestão, 4(1): 21-37.

Cox, T. Jr. & Nkomo, S.M. (1990). Invisible men and women; a status report on race as a variable in organization behavior research. Journal of Organizational Behavior, 11:419431.

Crenshaw, K. (1965). Mapping the margins: intersectionality, identity politics and violence against women of color. Stanford Law Review, 1(4),27-37.

Dawson, A. Z., Walker, R.J., Campbell, J. A. & Egede, L.E. (2015). Effect of Perceived Racial Discrimination on Self-Care Behaviors, Glycemic Control, and Quality of Life in Adults with Type 2 Diabetes. Endocrine,49(2): 422–428.

Demartini, M. (2016). Como o racismo afeta a saúde dos negros, segundo a ciência. Disponível em: . Acesso 9 fev 2018.

Dupre, M.E., Gu, D., Xu, H., Willis, J., Curtis, L.H. & Peterson, E.D. (2017). Racial and Ethnic Differences in Trajectories of Hospitalization in US Men and Women With Heart Failure. J Am Heart Assoc.,6:e006290:1-11.

Elias, C., Silva, L., Martins, M., Ramos, N., Souza, M., & Hipólito, R. (2012). Quando chega o fim? uma revisão narrativa sobre terminalidade do período escolar para alunos deficientes mentais. SMAD Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool e Drogas, 8(1): 48-53.

Faro, A. & Pereira, M.E. (2011). Raça, racismo e saúde: a desigualdade social da distribuição do estresse. Estudos de Psicologia (Natal), 16(3): 271-278.

Fca-Unesp (2015). Faculdade de Ciências Agronômicas. Tipos de revisão de literatura. Disponível em: http://www.fca.unesp.br/Home/Biblioteca/ti pos-de-evisao-de-literatura.pdf. Acesso em 1 fev 2018.

Félix, D. B., Machado, D. Q., & Sousa, E. F. (2017). Análise dos níveis de estresse no ambiente hospitalar: um estudo com profissionais da área de enfermagem. ReCaPe – Revista de Carreiras e Pessoas, II (2):530-543.

Fernandes, A. D. (2016). The black genre: notes on gender, feminism and negritude/O gênero negro: apontamentos sobre gênero, feminismo e negritude. Revista Estudos Feministas, (3): 691-713.

Ferraz, D. & Kraiczyk, J. (2010). Gênero e Políticas Públicas de Saúde – construindo respostas para o enfrentamento das desigualdades no âmbito do SUS. Revista de Psicologia da UNESP,9(1):70-82.

Ferreira, C. A. A., Reis Neto, M. T., Kilimnik, Z. M., & Santos, A. S. (2016). O contexto do estresse ocupacional dos trabalhadores da saúde: estudo bibliométrico. RGSS-Revista de Gestão em Sistemas de Saúde, 5(2): 8499.

Ferreira, C.A.A., Paiva, R.V.C. & Reis Neto, M.T. (2015). Demandas judiciais no sistema de saúde no Brasil sob a perspectiva da administração. Revista Eletrônica Gestão & Saúde,6(2):1902-23.

Figueroa, V.A. & Hurtado, A.K. (2014). Afrodiasporic feminism. An emerging agenda of black feminism in Colombia. Universitas humanística, 78: 109-134.

Franco Netto, G. (2012). Conexões da saúde com a agenda da sustentabilidade. Saúde em debate, Desenvolvimento e sustentabilidade: desafios da Rio +20,36(Especial):20-22.

Hahn R.A., Truman, B.I. & Williams, D.R. (2018). Civil rights as determinants of public health and racial and ethnic health equity: Health care, education, employment, and housing in the United States, SSM Population

Health, 4: 17-24. Hall, J.C., Everelt, J.E. & Hamilton-Mason, J. (2012). Black women talk about workplace stress and how they cope. Journal of Black Studies, 43(2): 207-226.

Hirata, H. (2014). Gênero, classe e raça: interseccionalidade e consubstancialidade das relações sociais. Tempo Social: Revista de Sociologia da USP, 26(1): 61-73.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (Brasil) (2014). Estatísticas de Gênero. Uma análise dos resultados do censo demográfico 2010. Estudos & Pesquisas, 33, Rio Janeiro: IBGE.

Instituto de Pesquisa Econômica aplicada (IPEA) (Brasil) (2017). Retrato das desigualdades de gênero e Raça. Disponível em:< www.portalodm.com.br/...genero...2017/.../r etrato-das-desigualdades-de-genero-e-rac... >. Acesso 03 jul. 2017.

Kilimnik, Z. M., Bicalho, R. F. S., Oliveira, L. C. V., & Mucci, C. B. M. R. (2012). Análise do estresse, fatores de pressão do trabalho e comprometimento com a carreira: um estudo com médicos de uma unidade de pronto atendimento de Belo Horizonte, Minas Gerias. Revista Gestão e Planejamento, 12 (3): 668-693.

Lage, M. L. C., & Souza, E. M. (2017). Da Cabeça aos pés: racismo e sexismo no Ambiente Organizacional. Revista de Gestão Social e Ambiental, 11(Ed. Especial): 55-72.

Lage, M. L. C., Perdigão, D. A., Pena, F. G., & Silva, M. A. F. (2016). Preconceito Maquiado: O Racismo no Mundo Fashionista e da Beleza. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 10(4): 47-62.

Lages, S.R.C., Silva, A.M., Silva, D.P., Damas, J.M. & Jesus, M.A. (2017). O preconceito racial como determinante social da saúde a invisibilidade da anemia falciforme. Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia, 10(1): 109-122.

Mariano, S.A. & Carloto, C. M. (2009). Gênero e combate à pobreza: programa bolsa família. Revista de Estudos Feministas, 17(3): 901908.

Mata, V.P. & Pelisoli, C.L (2016). Expressões do racismo como fator desencadeante de estresse agudo e pós-traumático. Revista Brasileira de Psicologia, 03(1):126-140. Mays, V. M. (1995).

Mendes, E.A. A. & Milani, L.M. (2016). Inserção da Mulher Negra Brasileira no Mercado de Trabalho no Período de 1980 2010. Revista Latinoamericana de Geografia e Gênero, 7(2): 178194.

Metzker, C. A. B., Moraes, L. F. R., Pereira, L. Z. (2012). O fisioterapeuta e o estresse no trabalho: estudo em um hospital filantrópico de Belo Horizonte – MG. Revista Gestão & Tecnologia, 12(3): 174-196.

Nogueira, O. (2006). Preconceito racial de marca e preconceito racial de origem: sugestão de um quadro de referência para a interpretação do material sobre relações raciais no Brasil. Tempo Social, 19(1): 287-308.

Oliveira, R.L. (2016). Os feminismos negros: a reação aos sistemas de opressões. Revista Espaço Acadêmico, 16(185): 12-25.

Paterniani, S.Z. (2015). Gayatri Spivak e o feminismo negro; notas para um debate. Revista Simbiótica, 2(1):173-182.

Pena, S. J. & Bortolini, M.C. (2004). Pode a genética definir quem deve se beneficiar das cotas universitárias e demais ações afirmativas? Estudos Avançados,18(50):3150.

Ribeiro, D. (2016). Feminismo negro para um novo marco civilizatório. Revista Internacional De Direitos Humanos, 13(24): 99-104.

Rosa, A.R. (2014). Relações raciais e estudos organizacionais no Brasil. Revista de Administração Contemporânea, 18(3): 240260.

Rosa, A.R. (2016). Gênero e pós-colonialismo. In. Gênero e trabalho: perspectivas, possibilidades e desafios no campo dos estudos organizacionais/ Carrieri, A.P., Teixeira, J.C., Nascimento, M.C.R. (Orgs). Salvador:EDUFBA.

Sansone, L. (1996 -?). Nem somente preto ou negro: o sistema de classificação racial no Brasil que muda. Afro-Ásia, 18 (2), 165-187.

Santos, A.F. O., & Cardoso, C.L. (2010). Profissionais de saúde mental: estresse e estressores ocupacionais stress e estressores ocupacionais em saúde mental. Psicologia em estudo, 15(2): 245-253.

Santos, S.M., Guimarães, M. J. B. & Araújo, T.V.B. (2007). Desigualdades raciais na mortalidade de mulheres adultas no Recife, 2001 a 2003. Saúde e Sociedade, 16(2): 87102.

Scott, J. W. (1994). Preface a gender and politics of history. Cadernos Pagu, 3:11-27.

Silva, B.C.S.L. & Santos, T. C.C. (2016). O que é feminismo e quais são suas vertentes. In Ramos, M.M., Gravatá, P.A. & Brener, P. R. G.(Orgs). Gênero, Sexualidade e Direito: Uma introdução, (p.40-49). Initia Via.

Tavares, N.D., Oliveira, L.V., Lages, S.R.C. (2013). A percepção dos psicólogos sobre o racismo institucional na saúde pública. Saúde em Debate, 37(99):580-587.

Varella, S.F. (2010, dezembro). Ação afirmativa no emprego como combate à discriminação racial indireta: o caso das ações afirmativas jurídicas do Ministério Público do Trabalho. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, 15(57), 279-300.

Wade, P. (2017a) Raça: natureza e cultura na ciência e na sociedade. In. Hita, M.G.(Orgs). Raça, racismo e genética em debates científicos e controvérsias sociais. Salvador: EDUFBA.

Wade, P. (2017b). Debate do professor Wade com convidados do PPGCS-UFBA. In. Hita, M. G. (Orgs). Raça, racismo e genética em debates científicos e controvérsias sociais. Salvador: EDUFBA.

Williams, D.R., Priest, N. (2015). Racismo e saúde: um corpus crescente de evidência internacional. Sociologias, 17(40):124-174.

Xavier, E. C., & Rocha, K. B. (2017). Subjetividade e interseccionalidade: experiências de adoecimento de mulheres negras com doença falciforme. Avances en Psicología Latinoamericana, 35(2): 267282.

Zamora, M.H.R.N. (2012). Desigualdade racial, racismo e seus efeitos. Fractal, Revista de Psicologia, 24(3):563-578.