Valores Materiais e de Consumo Ecológico: Quais Influenciam a Intenção de Compra? Outros Idiomas

ID:
51092
Resumo:
Esta pesquisa buscou: (i) analisar a influência dos atributos de valor material sobre os valores de consumo ecológico; (ii) investigar a influência dos atributos de valor material sobre a intenção de compra de produtos ecológicos; e (iii) analisar a influência dos valores de consumo ecológico na intenção de compra de estudantes da área de engenharia de uma universidade pública brasileira. Por meio de uma amostra de 308 estudantes, realizou-se uma pesquisa descritiva e de natureza quantitativa. Os dados foram analisados por meio da análise fatorial exploratória e da regressão linear. Os resultados evidenciaram que apenas os valores ecológicos influenciam de forma positiva a intenção de compra de produtos ecológicos. Infere-se que os respondentes estimulados pelos valores ambientais tendem a desenvolver uma consciência ambiental que influencia em sua intenção de compra, resgatando o caráter utilitário do consumo.
Citação ABNT:
SOUSA, E. S.; ROMERO, C. B. A. Valores Materiais e de Consumo Ecológico: Quais Influenciam a Intenção de Compra? . Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, v. 12, n. 3, p. 124-142, 2018.
Citação APA:
Sousa, E. S., & Romero, C. B. A. (2018). Valores Materiais e de Consumo Ecológico: Quais Influenciam a Intenção de Compra? . Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 12(3), 124-142.
DOI:
http://dx.doi.org/10.12712/rpca.v12i3.13214
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/51092/valores-materiais-e-de-consumo-ecologico--quais-influenciam-a-intencao-de-compra--/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Ahuvia, A. C.; & Wong, N. Y. (2002). Personality and values based materialism: Their relationship and origins. Journal of consumer psychology, 12(4), 389-402.

Akehurst, G., Afonso, C., & Martins Gonçalves, H. (2012). Re-examining green purchase behaviour and the green consumer profile: new evidences. Management Decision, 50(5), 972-988.

Altaf, J. G., Troccoli, I. R., & Moreira, M. B. (2013). Você é o que você veste? A associação da autoidentidade do gay masculino ao vestuário de luxo. Revista de Administração da UFSM, 6(4), 760-782.

Balderjahn, I. (1988). Personality variables and environmental attitudes as predictors of ecologically responsible consumption patterns. Journal of Business Research, 17(1), 51–56

Banerjee, B., & McKeage, K. (1994). How green is my value: exploring the relationship between environmentalism and materialism. Advances in Consumer Research, 21, 147-152.

Bauman, Z. (2008). Vida para consumo: a transformação das pessoas em mercadoria. Rio de Janeiro: Zahar.

Belk, R. W. (1984). Three scales to measure constructs related to materialism: reliability, validity, and relationships to measures of happiness. Advances in Consumer Research, 11 (1), 291-297.

Belk, R. W. (1985). Materialism: trait aspects of living in the material world. Journal of Consumer Research, 12, 265280.

Belk, R. W. (1988). Possessions and the extended self. Journal of Marketing Consumer ,15 (2), 139-167.

Braga, S. S.,Jr., & Silva, D. (2014). Consumo de produtos verdes no varejo: a intenção de compra versus a compra declarada. Agroalimentaria, 20 (39), 155-170.

Burroughs, J. E., & Rindfleisch, A. (2002). Materialism and well-being: A conflicting values perspective. Journal of Consumer research, 29(3), 348-370.

Cardoso, A. J. M., & Cairrão, Á. M. C. L. (2007). Os jovens universitários e o consumo sustentável. A sua influência na compra de produtos ecológicos. Revista da Faculdade de Ciência e Tecnologia, (4), 124-135.

Cardoso, P. R., & Van Schoor, M. (2017). Portuguese consumers’ green purchase behavior: an analysis of its antecedents and a proposal of segmentation. Revista Brasileira de Marketing –, 16 (2), 140-153.

Coelho, J. A. P. M., Gouveia, V. V., & Milfont, T. L. (2006). Valores humanos como explicadores de atitudes ambientais e intenção de comportamento pró-ambiental. Psicologia em Estudo, 11(1), 199-207.

Cohen, J. Statistical Power Analysis for the Behavioral Sciences. 2nd ed. New York: Psychology Press, 1988.

Colares, A. C. V., & Mattar, P. (2016). Produtos Verdes: Análise das Características Potencialmente Influenciadoras dos Consumidores Sustentáveis. Reunir: Revista de Administração, Contabilidade e Sustentabilidade, 6(1), 37-55.

Cooper, D. R., & Schindler, P. S. (2011). Métodos de pesquisa em Administração. (10a. ed.) Porto Alegre: 2011.

Diógenes, A. P., Silva, M. E. D., & Costa, J. S. (2017). O Efeito do Ceticismo na Atitude e Intenção de Compra de Produtos Verdes. Revista Brasileira de Marketing, 16(4), 520534.

Fávero, L. P.; Belfiore, P.; Silva, F.L., & Chan, B. L. (2009). Análise de dados: modelagem multivariada para toma de decisões. Rio de Janeiro: Campus.

Ferraz, S. B., Rebouças, S. M. D. P., Nogami, V. K. C., & Quezado, I. (2014a). Menos é Mais? Um estudo sobre materialismo e anticonsumo. Revista Pretexto, 15(4), 83-99.

Ferraz, S. B., Romero, C. B. A., Rebouças, S. M. D. P., & Costa, J. S. (2016). Produtos verdes: um estudo sobre atitude, intenção e comportamento de compra de universitários brasileiros. Revista de Administração UFSM, 9(4), 605-623.

Ferraz, S. B.; Rebouças, S. M. D. P., Queiroz, G. C., & Rocha, D. C. (2014b). Ser ou não ter, eis a questão. Revista de Administração UFSM, 7, 23-42.

Fishbein, M., & Ajzen, I. (1975). Belief, attitude, intention, and behavior: an introduction to theory and research. Reading,

Garcia, P.A.O. (2009). Escala brasileira de valores materiais – EBVM: Elaboração e validação de uma escala para materialismo como valor de consumo. Dissertação de mestrado, Universidade de Brasília, Distrito Federal, DF, Brasil.

Ger, G., & Belk, R.W. (1996). Cross-cultural diferences in materialism. Journal of Economic Psychology, 17, 55-77.

Goldsmith, R. E., Flynn, L. R., & Clark, R. A. (2012). Materialistic, brand engaged and status consuming consumers and clothing behaviors. Journal of Fashion Marketing and Management, 16(1), 102-119.

Gomes, G., Gorni, P. M., & Dreher, M. T. (2011). Consumo sustentável e o comportamento de universitários: discurso e práxis! RECADM, 10(2), 80-92.

Gonçalves-Dias, S. L. F., Teodósio, A. D. S. D. S., Carvalho, S., & Silva, H. M. R. D. (2009). Consciência ambiental: um estudo exploratório sobre suas implicações para o ensino de administração. RAE-eletrônica, 8(1), art. X.

Goodwin, N. R., Ackerman, F., & Kiron, D. (1997). The consumer society. Washington, DC: Island Press.

Grohmann, M.Z., Battistella, L.F., Beuron, T.A., Riss, L. A., Carpes, A.M., & Lutz, C. (2012). Relação entre materialismo e estilo de consumo: homens e mulheres com comportamento díspare. Contaduría y Administración, 57(1), 185.214.

Grunert, S. C., & Juhl, H. J. (1995). Values, environmental atitudes, and buying of organic foods. Journal of Economic Psychology, 16, 39-62.

Guillen-Royo, M. (2008). Consumption and subjective well-being: Exploring basic needs, social comparison, social integration and hedonism in Peru. Social Indicators Research, 89(3), 535–555.

Gumes, S. M. L. (2005). Construção da conscientização sócio-ambiental: formulações teóricas para o desenvolvimento de modelos de trabalho. Paidéia (Ribeirão Preto), 15(32), 345-354.

Hair, J.F. Jr., Anderson, R. E., Tatham, R. L., & Black, W.C. (2005). Análise multivariada de dados. 5. ed. Porto Alegre: Bookman.

Han, H., Hsu, L. T. J., Lee, J. S., & Sheu, C. (2011). Are lodging customers ready to go green? An examination of attitudes, demographics, and eco-friendly intentions. International Journal of Hospitality Management, 30(2), 345355.

Haws, K. L., Winterich, K. P., & Naylor, R. W. (2014). Seeing the world through green-tinted glasses: green consumption values and responses to environmentally friendly products. Journal of Consumer Psychology 24(3), 336-354.

Hemals, M. W., Casotti, L. M., & Rocha, E.P.G. (2013). Hedonismo e moralismo: consumo na base da pirâmide. Revista de Administração de Empresas, 53(2), 199-207.

Iwata, O. (2006). An evaluation of consumerism and lifestyle as correlates of a voluntary simplicity lifestyle. Social Behavior & Personality, 34(5), 557–568.

Jones, P., Clarke-Hill, C., Comfort, D., & Hillier, D. (2008). Marketing and sustainability. Marketing Intelligence & Planning, 26(2), 123-130.

Kilbourne, W., Grünhagen, M. & Foley (2005). A crosscultural examination between materialism and individual values. Journal of Economic Psychology, 26, 624-641.

Knutsen, O. (1990). Materialist and postmaterialist values and social structure in the Nordic Countries: A comparative study. Comparative Politics, 2(1), 85-104.

Kumar, P., & Polonsky, M. J. (2017). An analysis of the green consumer domain within sustainability research: 1975 to 2014. Australasian Marketing Journal (AMJ), 25(2), 85–96.

Lanero, A., Vázquez, J. L., Gutiérrez, P., & García, M. P. (2011). The impact of entrepreneurship education in European universities: an intention-based approach analyzed in the Spanish area. International Review on Public and Non-Profit Marketing, 8(2), 111-130.

Lastovicka, J. L., Bettencourt, L. A., Hughner, R. S., & Kuntze, R. J. (1999). Lifestyle of the Tight and Frugal: Theory and Measurement. Journal of Consumer Research, 26(1), 85–98.

Lim, W. M. (2016). A blueprint for sustainability marketing: Defining its conceptual boundaries for progress. Marketing Theory, 16(2), 232-249.

Lipovetsky, G. (2015). A felicidade paradoxal: ensaio sobre a sociedade do hiperconsumo. Lisboa: Edições 70.

Longo, B. C., Ribeiro, I., Carvalho, A. O., & Bertolini, G. R. F. (2017). Influência da demografia sobre a consciência ambiental e consumo ecológico. Revista Pensamento Contem porâneo em Administração, 11(2), 136-150.

Lopes, V. N., & Pacagnan, M. N. (2014). Marketing verde e práticas socioambientais nas indústrias do Paraná. Revista de Administração (São Paulo), 49(1), 116-128.

MA: Addison-Wesley. Frederico, E., & Nagano, B.M (2013). Determinantes do valor e da satisfação com o consumo de uma marca de moda jovem, Revista Brasileira de Marketing, 12(1), 97-121.

Malhotra, N. K., & Mccort, J. D. (2001). A cross-cultural comparison of behavioral intention models: theoretical consideration and an empirical investigation. International Marketing Review, 18(3), 235-269.

Matos, C. A., & Bonfanti, K. (2016). Comportamento compulsivo de compra: fatores influenciadores no público jovem. Revista de Gestão, 23(2), 123-134.

Medeiros, F. G., Diniz, I. S. F. N., Costa, F. J., & Pereira, R. C. F. (2015). Influência de estresse, materialismo e autoestima na compra compulsiva de adolescentes. Revista de Administração Contemporânea, 19 (2ª Ed. Especial), 137156.

Miller, N. G. (2000). Retail leasing in a web enabled world. Journal of Real Estate Portfolio Management, 6(2), 167-184. Ministério da Educação. (2015). Desafio da Sustentabilidade. Brasília. Recuperado de: http://desafiodasustentabilidade. mec.gov.br/

Mondini, V. E. D., Borges, G. R., Mondini, L.C.; & Dreher, M. T. (2018). Influência dos fatores consciência ambiental e hábitos de consumo sustentável sobre a intenção de compra de produtos ecológicos dos indivíduos, Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 12 (2), 117-129.

Motta, S. L. S., & Oliveira, B. (2007). O marketing ecológico como vantagem competitiva. Revista de Gestão

Nunes, R. H., Ferreira, J. B., de Freitas, A. S., & Ramos, F. L. (2018). Efeitos das recomendações de líderes de opinião em mídias sociais sobre a intenção de compra de seus seguidores. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 20(1), 57-73.

Oliveira, M. J., Troccoli, I. R., & Altaf, J. G. (2012). Eu estendido e tatuagem: Um aspecto identitário no comportamento do consumidor. Pensamento & Realidade, 27(1), 98-117.

Olson, J., & Zanna, M. (1993). Attitudes and attitude change. Annual Review of Psychology 44, 117-154.

Paul, J., Modi, A. & Patel, J. (2016). Predicting green product consumption using theory of planned behavior and reasoned action. Journal of Retailing and Consumer Services, 29 (6), 123-134.

Portilho, F. (2010). Sustentabilidade ambiental, consumo e cidadania (2a ed.). São Paulo: Cortez.

Rezvani, S., Dehkordi, G. J., Rahman, M. S., Fouladivanda, F., Habibi, M., & Eghtebasi, S. (2012). A Conceptual study on the country of origin effect on consumer purchase intention. Asian Social Science, 8(12), 205-215.

Richins, M. L. (1994). Special possessions and the expression of material values. Journal of Consumer Research, 21(3), 522533.

Richins, M. L. (2004). The material values scale: measurement properties and development of a short form. Journal of Consumer Research, 31 (1), 209-219.

Richins, M. L., & Dawson, S. (1992). A consumer values orientation for materialism and its measurement: Scale developement and validation. Journal of Consumer Research, 19, 303-316.

Rokeach, M. (1973). The nature of human values. New York: Free Press.

Rosseti, R., & Giacomini, G., Filho. (2010). Comunicação, consenso social e consumo sustentável. Comunicação, mídia e consumo, 7 (18), 153-169.

Salume, P. K., Pinto, M. R., & Guimarães, L. O. (2016). Cultura material e materialismo: explorando os valores, os significados, as características e as influências no consumo de joias. Revista ADM. MADE, 20 (3), 43-61.

Santini, F. O., Ladeira, W. J., Sampaio, C. H.; & Araújo, C. F. (2017). Uma meta-análise sobre os construtos antecedentes e consequentes do materialismo. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 19 (66), 538-556.

Schwartz, S. H. (1994). Are there universal aspects in the structure and contents of human values? Journal of Social Issues, 50 (4), 19-45.

Shama, A., & Wilsenblit, J. (1984). Values of voluntary simplicity: lifestyle and motivation. Psychological Reports, 55, 231-240.

Silva, V. H. M., Silveira-Martins, E., & Otto, I. M. (2017). Mensuração da consciência ambiental dos consumidores: proposta e validação de escala. Revista de Administração da

Tambosi, S.S.V., Mondini, V.E.D., Borges, G.R., & Hein, N. (2015). Proposta de redimensionamento de escalas sobre consumo sustentável, consciência ambiental e intenção de compra de produtos ecológicos a partir da ótica de universitários. Revista de Administração UFSM, 8, 28-41.

Thøgersen, J., & Ölander, F. (2002). Human values and the emergence of a sustainable consumption pattern: a panel study. Journal of Economic Psychology, 23, 605–630.

UFSM, 10, 63-78. Sun, G., Wang, W., Cheng, Z., Li, J., & Chen, J. (2017). The intermediate linkage between materialism and luxury consumption: Evidence from the emerging market of China. Social Indicators Research, 132(1), 475-487.

USP, 14(2), 49-59. Motta, S. L. S., & Rossi, G. B. (2003). A influência do fator ecológico na decisão de compra de bens de conveniência: um estudo exploratório na cidade de São Paulo. Revista de Administração de Empresas, 38(1), 46-57.

Young, W., Hwang, K., McDonald, S., & Oates, C. J. (2010). Sustainable consumption: green consumer behaviour when purchasing products. Sustainable development, 18(1), 20-31.