A Institucionalização (Ou Banalização) da Sustentabilidade Organizacional à Luz da Teoria Crítica Outros Idiomas

ID:
51095
Resumo:
O presente estudo consiste em um ensaio teórico que visa a contribuir com a temática da Sustentabilidade Organizacional ao provocar uma reflexão à luz da Teoria Crítica. O argumento central é que as práticas voltadas às questões socioambientais se tornaram questões institucionalizadas nas organizações, visto que possuem legitimidade perante a sociedade. Com isso, as ações realizadas tendem a apresentar um mínimo impacto socioambiental, sendo efetuadas apenas para manter a legitimidade, mas evitando investimentos de maior vulto. Essa é uma abordagem dificilmente encontrada no mainstream dos estudos organizacionais, visto que vai contra os interesses econômicos das grandes corporações, mas do ponto de vista acadêmico, é fundamental discutir as implicações que tais questões provocam, visto que perpetuam ações meramente remediadoras ou de impacto irrisório.
Citação ABNT:
CASTRO, A. E.; CAMPOS, S. A. P.; TREVISAN, M. A Institucionalização (Ou Banalização) da Sustentabilidade Organizacional à Luz da Teoria Crítica . Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, v. 12, n. 3, p. 110-123, 2018.
Citação APA:
Castro, A. E., Campos, S. A. P., & Trevisan, M. (2018). A Institucionalização (Ou Banalização) da Sustentabilidade Organizacional à Luz da Teoria Crítica . Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 12(3), 110-123.
DOI:
http://dx.doi.org/10.12712/rpca.v12i3.12552
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/51095/a-institucionalizacao--ou-banalizacao--da-sustentabilidade-organizacional-a-luz-da-teoria-critica-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALCADIPANI, R.; KHARAN, F.; GANTMAN, E. & NOKOMO, S. Special Issue on Knowledge from the South: Subaltern Voices in Management and Organization Knowledge. Organization (London), v. 17, p. 122-123, 2010.

ALVESSON, Mats; WILLMOTT, Hugh. On the idea of emancipation in management and organization studies. Academy of Management Review, v.17, n.3, p.432464, 1992.

Banerjee, Subhabrata Bobby. Organisational strategies for sustainable development: developing a research agenda for the new millennium. Australian Journal of Management, Vol. 27, Special Issue 2002, The Australian Graduate School of Management.

BARBIERI, J. C. A gestão empresarial: conceitos, modelos e instrumentos. São Paulo: Saraiva, 2004.

BARBIERI, J. C.; SILVA, D. Desenvolvimento sustentável e educação ambiental: uma trajetória comum com muitos desafios. RAM Revista de Administração Mackenzie, Vol. 12, nº. 3, Edição Especial. São Paulo, SP. Maio/Jun, 2011.

BATTILANA, Julie. Agency and institutions: The enabling role of individuals’ social position. Organization, v. 13, n. 5, p. 653-676, 2006.

BERGER, Peter L.; LUCKMANN, Thomas. The social construction of reality. New York: Doubleday. 1967.

BÖHM, Steffen; SPOELSTRA, S. No critique. ephemera, v.4, n.2, p.94-100, 2004.

CASTRO, A. E.; SILVA, V. A.; SCHERER, F. L. ; GOMES, C. M. . Gestão empresarial sustentável: uma forma de legitimação institucional. In: XIII SEMEAD, 2010, São Paulo. Anais do XIII SEMEAD, 2010.

CRUZ, Luciano Barin; PEDROZO, Eugênio Ávila; ESTIVALETE, Vânia de Fátima Barros. (2006),”Towards sustainable development strategies”, Management Decision, Vol. 44 Iss 7 pp. 871 – 891.

DiMAGGIO, Paul J., POWELL, Walter W. A gaiola de ferro revisitada: isomorfismo institucional e racionalidade coletiva nos campos organizacionais. Revista de Administração de Empresas, v.45, n.2, p.74-89, 2005.

ELKINGTON, J. Enter the triple bottom line. In A.; J. RICHARDSON (Eds.). The triple bottom line: Does it all add up? (pp. 1-16). London, UK, Earthscan, 2004.

ELKINGTON, J. Sustentabilidade, canibais de garfo e faca. São Paulo: M. Books do Brasil Editora Ltda. 2012.

FARIA, J. H. Por uma teoria crítica da sustentabilidade. Organizações e Sustentabilidade, Londrina, v. 2, n. 1, p. 2-25, jan./jun. 2014.

FERREIRA, D. D. M.; ROSA, C. A.; BORBA, J. A. Panorama e potencialidades para publicação de artigos científicos na área ambiental. Administração: Ensino e Pesquisa, v. 13, n. 4, p. 673-705, 2012.

GLAVIČ, P., LUCKMAN, R. Review of sustainability terms and their definitions, Journal of Cleaner Production, Vol. 15, nº. 18, p. 1875-1885, 2007.

GOMES, T. E. O.; MEDEIROS, F. S. B.; MEDEIROS, N. C. L.; ADAMY, A. P. A. Inovação e sustentabilidade: uma análise bibliométrica dos trabalhos publicados no Fórum Internacional Ecoinovar. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, v. 20, p. 187199, 2016.

GOULART, S.; VIEIRA, M.; CARVALHO, C. Universidades e desenvolvimento local: uma abordagem institucional. 1. ed., v.1, 85 p., Porto Alegre: Sagra Luzzatto, 2005.

GREY, C. O Fetiche da Mudança. RAE-Revista de Administração de Empresas, vol. 44, n. 1, p. 10-25, jan-mar, 2004.

HOPWOOD, B.; MELLOR, M.; O’BRIEN, G. Sustainable development: mapping different approaches. Sustainable development, v. 13, n. 1, p. 38-52, 2005.

HORKHEIMER, Max. Traditional and critical theory. In:

IRIGARAY, H. A. R.; VERGARA, S. C.; ARAUJO, R. G. Responsabilidade social corporativa: o que revelam os relatórios sociais das empresas. Organizações & Sociedade. Salvador, v. 24, n. 80, p. 73-88, Jan./Mar. 2017.

JORNAL GGN. Samarco sabia dos riscos de rompimento de barragem desde 2013, diz MPF. Disponível em . Acesso em 22 jul 2017.

LAWRENCE, T.; SUDDABY, R.; LECA, B. Introduction: theorizing and studying institutional work. In: LAWRENCE, T.; SUDDABY, R. LECA, B. (Eds.) Institutional work: actors and agency in institutional studies of organizations. Cambridge, 2009. p. 1-27.

LÉLÉ, S. M. 1991. Sustainable Development: A Critical Review. World Development, Vol. 19, nº 6: p. 607-621, 1991.

MEBRATU, D. Sustainability and sustainable development: historical and conceptual review. Environment impact assessment review, v. 18, p. 493-520, 1998.

MEYER, J., ROWAN, B. Institutionalized organizations: formal structure as myth and ceremony. The American Journal of Sociology, v. 83, n. 2. p. 340-363, 1977.

MISOCZKY, Maria Ceci; AMANTINO-DEANDRADE, Jackeline. Uma crítica à crítica domesticada nos estudos organizacionais. Revista de Administração Contemporânea, v.9, n.1, p.193-212, 2005.

MORIOKA, S. N; CARVALHO, M. M. Sustentabilidade e gestão de projetos: um estudo bibliométrico. Production, 26(3), 656-674, jul./set. 2016.

MUNCK, L.; DIAS, B. G.; DE SOUZA. Sustentabilidade organizacional: uma análise a partir da institucionalização de práticas ecoeficientes. REBRAE Revista Brasileira de Estratégia, Curitiba, v. 1, n. 3, p. 285-295, set./dez. 2008.

OLIVEIRA, J. A. P., WAISSMAN, V. Integrando ação e comunicação para uma estratégia de marketing ambiental: o caso Aracruz Celulose. Revista Eletrônica de Administração REAd, v. 8, n. 6, p. 187-216, 2002.

ON LINE EDITORA. Guia Grandes Fatos que Mudaram o Mundo. On Line Editora, 2017.

ONU. Report of the World Commission on Environment and Development. 1987. Disponível em . Acesso em 22 de julho de 2017.

PARKER, Lee D.; RITSON, Philip. Fads, stereotypes and management gurus: Fayol and Follet today. Management Decision, v.43, n.10, p.1335-1357, 2005.

ROBINSON, J. Squaring the circle? Some thoughts on the idea of sustainable development. Ecological Economics, v. 48, n. 4, p. 369-384, 2004.

SAMARCO. Sobre a Samarco. Disponível em . Acesso em 22 jul 2017.

SANTOS, V. S. Impactos ambientais do acidente em Mariana/MG. Brasil Escola. Disponível em . Acesso em 22 de julho de 2017.

SCHENINI, P. C. Gestão empresarial sustentável. In: SCHENINI, P. C.(Coord.) Gestão empresarial sócio ambiental. Universidade Federal de Santa Catarina – Gráfica nova letra, Florianópolis, 2005. P. 11-34.

SCOTT, W. R. Institutions and organizations. California: SAGE Publications, 1995.

SEHNEM, S.; OLIVEIRA, M. A. S.; FERREIRA, E.; ROSSETO, A. M. Gestão e estratégia ambiental: um estudo bibliométrico sobre o interesse do tema nos periódicos acadêmicos brasileiros. REAd Revista Eletrônica de Administração, v. 18, n. 2, 2012.

SEVERO E. A.; GUIMARÃES, J. C. F.. Trajetórias e perspectivas da sustentabilidade e práticas ambientais: uma pesquisa bibliométrica. Revista Metropolitana de Sustentabilidade RMS, São Paulo, v. 7, n. 2, p. 93-114, Maio/Ago., 2017.

SOUSA SANTOS, Boaventura. Porque é tão difícil construir uma teoria crítica? Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra, n.54, 197-215, jun. 1999.

SOUZA, M. T. S.; RIBEIRO, H. C. M.; MACHADO JR, C.; CORRÊA, R.. Perfil e Evolução da Pesquisa em Sustentabilidade Ambiental: uma Análise Bibliométrica. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 35., 2011, Rio de Janeiro. Anais...Rio de Janeiro: ANPAD, 2011.

SROUR, Robert H. Ética Empresarial. São Paulo: Elsevier Editora LTDA. 5ª Edição. 2018.

TOLBERT, P.; ZUCKER, L. A institucionalização da teoria institucional. In: CLEGG, S.; HARDY, C.; NORD, W. Handbook de Estudos Organizacionais. Vol. 1. São Paulo: Atlas, 1999.

VALOR ECONÔMICO. Samarco sabia dos riscos antes de desastre, diz Polícia Federal. Disponível em . Acesso em 22 jul 2017.

VAZ, Gil Nuno. Marketing institucional: o mercado de idéias e imagens. São Paulo: Pioneira, 1995.

VIZEU, Fabio; MENEGHETTI, Francis Kanashiro; SEIFERT, Rene Eugenio. Por uma crítica ao conceito de desenvolvimento sustentável. Cadernos EBAPE.BR, vol. 10, núm. 3, septiembre, 2012, pp. 569-583