Eu Vou pra Maracangalha, eu Vou! Outros Idiomas

ID:
51101
Resumo:
O caso de ensino apresentado se trata de uma situação real sobre o projeto Taboarte, criado e desenvolvido pelas mulheres artesãs de Maracangalha, na Bahia. As atividades do projeto prosperaram até o ano de 2014, quando a produção despencou devido ao fim da matéria prima na comunidade, a taboa. Para tentar contornar a situação, as artesãs compraram a taboa de outros locais, porém essa solução não se mostrou vantajosa. Desanimadas, as mulheres de Maracangalha se viram numa situação emblemática em busca, novamente, de solução para os problemas enfrentados na comunidade. O objetivo central é levar o aluno a examinar os desafios enfrentados e a buscar soluções para os problemas vivenciados pelas artesãs, refletindo sobre economia solidária, desenvolvimento local e sentidos do trabalho. Os dados foram obtidos através de entrevistas semiestruturadas com os principais atores envolvidos direta e indiretamente com o projeto Taboarte. O caso apresenta a história da comunidade; coloca Anália e outras mulheres de Maracangalha como protagonistas do caso; relata os principais desafios que surgem ao longo do projeto bem como seus pontos fortes. As notas de ensino foram construídas no sentido de orientar a aplicação do caso e a condução dos debates, trazendo um amparo conceitual a cerca das questões propostas.
Citação ABNT:
BOAVENTURA, M. P.; RIGO, A. S. Eu Vou pra Maracangalha, eu Vou! . Revista Gestão Organizacional, v. 11, n. 1, p. 103-117, 2018.
Citação APA:
Boaventura, M. P., & Rigo, A. S. (2018). Eu Vou pra Maracangalha, eu Vou! . Revista Gestão Organizacional, 11(1), 103-117.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/51101/eu-vou-pra-maracangalha--eu-vou--/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Andrade, S. P. C.; Tolfo, S. R.; Dellagnelo, E. H. L. (2012). Sentidos do Trabalho e Racionalidades Instrumental e Substantiva: Interfaces entre a Administração e a Psicologia. Revista de Administração Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 16, n.2, 200-216.

Buarque, S. C. (1999) Metodologia de planejamento do desenvolvimento local e municipal sustentável, 2 ed. IICA, Recife.

Campos, M; Saraiva, L. A. S. (2014).O trabalho, suas Representações e Sentidos: da Demissão à Recontratação de Trabalhadores. Revista Economia e Gestão E&G, PUC Minas, – v. 14, n. 36, jul./set. 2014.

Campos, R. D; Almeida, V. M. C. Método do caso: “não sei, não ...” enfrentando as barreiras à implantação do método. Revista Administração: Ensino e Pesquisa – Raep, Rio de Janeiro v. 15 n. 1 p. 43–72, jan./fev./mar. 2014.

Cattani, A. D. et al. (Orgs) (2009). Dicionário internacional da outra economia. Porto Alegre: Edições Almedina, pp. 208-213.

Dallabrida, V. R. (2000) “Sustentabilidade e endogenização: novos paradigmas para o desenvolvimento regional”, in Becker, D. F. e Bandeira, P. S. Desenvolvimento regional-local: determinantes e desafios contemporâneos, EDUNISC, Santa Cruz do Sul, p.187-228.

França Filho, G. C (2007). Teoria e prática em economia solidária: problemática, desafios e vocação. Porto Alegre: Civitas, v. 7(1), pp. 155-174.

França Filho, G. C (2008). A via Sustentável-Solidária no Desenvolvimento local. Salvador: Organizações & Sociedade. v 15(45), pp. 219-232.

França Filho, G. C. (2002). Terceiro Setor, Economia Social, Economia Solidária e Economia Popular: traçando fronteiras conceituais. Bahia Análise & Dados, Salvador Bahia, v. 12, n. 01, p. 09-19.

França Filho, G. C. (2006). A economia popular e solidária no Brasil. In: França Filho, G., Laville, J. L.; Magnen, J. P.; Medeiros, A.(org.). Ação Pública e economia solidária: uma perspectiva internacional. Salvador-Porto Alegre, EDUFRGS/EDUFBA.

França Filho, G. C., Laville, J. L (2004). Economia solidária: uma abordagem internacional. Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Llorens, F. A. (2001) “Novas políticas territoriais e funções da gestão local do desenvolvimento”, in Desenvolvimento econômico local: caminhos para a construção de uma nova agenda política, BNDES, Rio de Janeiro, p.135-160.

Martinelli, D. P. e Joyal, A. (2004) Desenvolvimento Local e o papel das pequenas empresas, Manole, São Paulo.

Morin, E. M.(2001). Os sentidos do trabalho. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 41, n. 3, 8-19.

Morin, E. M; Tonelli, M. J.; Pliopas, A. L. V. O trabalho e seus sentidos. Psicologia & Sociedade, 19, Edição Especial 1: 47-56, 2007.

Paiva, V. N. (1996). Maracangalha: Torrão de Açucar, Talhão de Massapê. São Sebastião do Passé, Bahia.

REFERÊNCIAS COMPLEMENTARES PARA APROFUNDAMENTO Alencar, I. de. (1957). Afinal, Que é Maracangalha?. Revista Manchete. Acervo. Fevereiro de 1957.

Ribeiro, C., Mendonça, P. e Guedes, P. (2002) “Modelos organizacionais para o desenvolvimento local integrado e sustentável: o estudo de caso do SEBRAE/BA”, Anais do 26º Encontro da Anpad, 2002.

Santos, B. S., Rodríguez, C. (2005). Para ampliar o cânone da produção. In. Produzir para Viver: os caminhos da produção não capitalista. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Singer, P. (2002). Introdução à economia solidária. São Paulo: Perseu Abramo.

Singer, P. (2005). A recente ressurreição da economia solidária no Brasil. In. Santos, Boaventura de Sousa (org). Produzir para Viver: os caminhos da produção não capitalista. 2 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, pp. 81-126.

SINGER, Paul. ECONOMIA SOLIDÁRIA VERSUS ECONOMIA CAPITALISTA. São Paulo, 2008.

SOUSA, Adrianyce, e NEVES, Daniela. ECONOMIA SOLIDÁRIA: elementos para análise das políticas de geração de trabalho e renda. UnB. Brasília: 2011.

Tenório, F. G (1998). Gestão social: uma perspectiva conceitual. Revista de Administração Pública, v.32(5), pp.7-23.

Tenório, F. G (2012).Gestão social, um conceito não idêntico? Ou a insuficiência inevitável do pensamento. In: Cançado; A. C.; Tenório, F. G.; Silva Jr., J. T. Gestão social: aspectos Teóricos e aplicações. Ijuí: Unijuí. pp. 23-36.