O que mantém você aqui? Um estudo sobre os fatores de retenção de pessoas Outros Idiomas

ID:
51105
Resumo:
O objetivo deste estudo foi identificar quais fatores de retenção, levantados pela academia, estão associados à retenção dos colaboradores. Para tanto, foi realizado um estudo de caso, com abordagem quantitativa, em uma distribuidora de bebidas, localizada no sul do estado de Mato Grosso do Sul. Os dados foram coletados por meio de questionário e analisados através das técnicas de análise fatorial, análise confirmatória e o teste exato de Fisher. Após aplicação dos testes estatísticos e análise dos resultados, as evidencias permitem inferir que a satisfação no trabalho, valorização, justiça organizacional, estabilidade e segurança, clima organizacional, flexibilidade de trabalho, oportunidade de desenvolvimento e localização estão associados significativamente com a intenção do colaborador em permanecer na organização. Entretanto os fatores: influências não relacionadas ao trabalho, remuneração, cultura organizacional, investimentos e treinamento e prestigio organizacional não apresentaram evidências estatísticas de associação com a retenção dos colaboradores. Este estudo apresenta contribuições para a academia no campo da retenção de pessoas, ainda pouco explorado no contexto brasileiro. Empiricamente, este estudo contribui para a empresa objeto de estudo que pode moldar suas práticas partindo de fatores que influenciam na permanência dos colaboradores na empresa, diminuindo consequentemente o turnover.
Citação ABNT:
SOARES, M. G.; SOUZA, L. L.; CAVALHEIRO, R. T.; KREMER, A. M. O que mantém você aqui? Um estudo sobre os fatores de retenção de pessoas. Revista Eletrônica de Administração e Turismo, v. 12, n. 6, p. 1460-1481, 2018.
Citação APA:
Soares, M. G., Souza, L. L., Cavalheiro, R. T., & Kremer, A. M. (2018). O que mantém você aqui? Um estudo sobre os fatores de retenção de pessoas. Revista Eletrônica de Administração e Turismo, 12(6), 1460-1481.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/51105/o-que-mantem-voce-aqui--um-estudo-sobre-os-fatores-de-retencao-de-pessoas/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AMBROSIUS, J. Strategic talent management in emerging markets and its impact on employee retention: Evidence from Brazilian MNCs. Thunderbird International Business Review, v. 49, n. 5, p. 630–631, 2007.

BOHLANDER, G.; SNELL, S.; SHERMAN, A. Administração de Recursos Humanos. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2005.

BOSWELL, W. R.; GARDNER, R. G.; WANG, J. Is retention necessarily a win ? Outcomes of searching and staying. Journal of Vocational Behavior, v. 98, p. 163–172, 2017.

BRANHAM, L. Motivando as pessoas que fazem a diferença: 24 maneiras de manter os talentos de sua empresa. Rio de Janeiro: Campus, 2002.

BRETZ JR, R. D.; BOUDREAU, J. W.; JUDGE, T. A. Job Search Behavior of Employed Managers. Personnel Psychology, v. 47, n. 2, p. 275–301, 1994.

BRIZOLLA, M. M. B.; TURRA, S. Efeitos do capital intelectual sobre o desempenho financeiro em companhias de capital aberto. Revista Eletrônica de Administração e Turismo, v. 6, n. 3, p. 577–594, 2015.

BRYANT, P. C.; ALLEN, D. G. Compensation, Benefits and Employee Turnover. Compensation & Benefits Review, v. 45, n. 3, p. 171–175, 2013.

CABARCOS, M. Á. L.; PINHO, A. I. M. L. S.; RODRÍGUEZ, P. V. The Influence of Organizational Justice and Job Satisfaction on Organizational Commitment in Portugal’s Hotel Industry. Cornell Hospitality Quarterly, v. 56, n. 3, p. 258–272, 2015.

CAMPOS, C. V. D. A.; MALIK, A. M. Satisfação no Trabalho e Rotatividade dos Médicos do Programa de Saúde da Família do Município de São Paulo. Revista de Administração Pública, v. 42, n. 2, p. 347–368, 2008.

CASCIO, W. F.; BOUDREAU, J. W. Investimento em pessoas: como medir o impacto financeiro das iniciativas em recursos humanos. 1. ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.

CHIANG, F. T.; BIRTCH, T. A. An empirical examination of reward preferences within and across national settings. Management International Review, v. 46, n. 5, p. 573–596, 2006.

DOCKEL, A.; BASSON, J. S.; COETZEE, M. The Effect Of Retention Factors On Organisational Commitment: An Investigation Of High Technology Employees. SA Journal of Human Resource Management, v. 4, n. 2, p. 20–28, 2006.

DUTRA, J. S. Gestão de Pessoas Modelo, Processos, Tendências e Perspectivas. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2016.

ELLETT, A. J. et al. A qualitative study of 369 child welfare professionals’ perspectives about factors contributing to employee retention and turnover. Children and Youth Services Review, v. 29, n. 2, p. 264–281, 2007.

FISHER, R. A. Statistical Methods for Research Workers. 5ª ed., Edinburgh: Oliver and Boyd, 1934.

FLEURY, A.; FLEURY, M. T. L. Estratégias empresariais e formação de competências: um quebra-cabeça caleidoscópico da indústria brasileira. São Paulo: Atlas, 2001.

FULFORD, M. D. That’s Not Fair!: The Test of a Model of Organizational Justice, Job Satisfaction, and Organizational Commitment Among Hotel Employees. Journal of Human Resources in Hospitality & Tourism, v. 4, n. 1, p. 73–84, 2005.

GUTHRIE, J. P. High-involvement work practices, turnover, and productivity : evidence from New Zealand. Academy of Management Journal, v. 44, n. 1, p. 180–190, 1998.

HAUSKNECHT, J. P.; RODDA, J.; HOWARD, M. J. Targeted employee retention: Performance based and job related differences in reported reasons for staying. Human Resource Management, v. 48, n. 2, p. 269–288, 2009.

HERZBERG, F. The motivation to Work Among Finnish Supervisors. Personnel Psychology, v. 18, n. 4, p. 393–402, 1965.

HIGGINBOTHAM, J. S. The satisfaction equation. Research & Development, v. 39, n. 10, p. 1–9, 1997.

HOLTOM, B. C. et al. Turnover and retention research: A glance at the past, a closer review of the present, and a venture into the future. The Academy of Management Annals, v. 2, n. 1, p. 231–174, 2008.

HOYOS, M.; GREEN, A. Recruitment and retention issues in rural labour markets. Journal of Rural Studies, v. 27, n. 2, p. 171–180, 2011.

JESSEN, J. T. Job satisfaction and social rewards in the social services. Journal of Comparative Social Work, v. 5, n. 1, p. 1–18, 2010.

LACOMBE, F. J. M. Recursos Humanos: princípios e tendências. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2011.

MARRAS, J. P. Administração de remuneração. 2. ed. São Paulo: Pearson, 2012.

MAURER, T. J.; LIPPSTREU, M. Who will be committed to an organization that provides support for employee development? Journal of Management Development, v. 27, n. 3, p. 328–347, 2008.

MELLO, D. A. DE. Análise dos fatores de retenção de empregados em organizações que atuam no Brasil. [s.l.] Universidade de São Paulo, 2014.

MILMAN, A.; DICKSON, D. Employment characteristics and retention predictors among hourly employees in large US theme parks and attractions. International Journal of Contemporary Hospitality Management, v. 26, n. 3, p. 447–469, 2014.

MITCHELL, T. R. et al. Why People stay: Using job embeddedness to predict voluntary turnover. Academy of Management Journal, v. 44, n. 6, p. 1102–1121, 2001.

MUTSUDDI, I.; SINHA, C. Role of collectivistic, individualistic approaches and social factors for employee retention: A study on selected IT organizations in the NCR of Delhi. International Journal of Applied Business and Economic Research, v. 15, n. 1, p. 327– 347, 2017.

RAHMAN, M. M. et al. Employees’ retention strategy on Quality of Work Life (QWL) dimensions of private commercial banks in Bangladesh. Pertanika Journal of Social Sciences and Humanities, v. 25, n. 2, p. 647–662, 2017.

RAHMAN, M. M. et al. Employees’ retention strategy on Quality of Work Life (QWL) dimensions of private commercial banks in Bangladesh. Pertanika Journal of Social Sciences and Humanities, v. 25, n. 2, p. 647–662, 2017.

SCHEIN, E. H. Psicologia Organizacional. 3. ed. Rio de Janeiro: Prentice Hall, 1982.

SPENCER, D. G. Employee voice and employee retention. Academy of Management journal. Academy of Management, v. 29, n. 3, p. 488–502, 1986.

TANURE, B.; CARVALHO NETO, A.; ANDRADE, J. Executivo: sucesso e (in)felicidade. Rio de Janeiro: Elsevier Campus, 2007.

VAN DYK, J.; COETZEE, M. Retention factors in relation to organisational commitment in medical and information technology services. SA Journal of Human Resource Management, v. 10, n. 2, p. 1–11, 2012.

VELIYATH, R.; FITZGERALD, E. Firm capabilities, business strategies, customer preferences, and hypercompetitive arenas: the sustainability of competitive advantages with implications for firm competitiveness. Competitiveness Review: An International Business Journal, v. 10, n. 1, p. 56–82, 2000.

VILELA, N. G. S.; LOURENÇO, M. L. Conflito trabalho-família, politicas de apoio à familia e gênero: Um panorama do atual cenário de estudos. Revista Eletrônica de Administração e Turismo, v. 11, n. 6, p. 1377–1393, 2017.

VROOM, V. H. Gestão de pessoas, não de pessoal. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

WOOD JR., T. Mudança organizacional: Introdução ao tema. In: WOOD JUNIOR, T. (Ed.).. Mudança Organizacional. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2004.