Fatores que Influenciam a Inovação Aberta: Análise do APL Iguassu-IT de Tecnologia da Informação do Oeste do Paraná Outros Idiomas

ID:
51172
Resumo:
A inovação aberta representa um paradigma emergente para instituições que desejam desenvolver projetos conjuntos, compartilhar recursos e mitigar riscos. Para as empresas de Tecnologia da Informação (TI), esse tipo de inovação possui relação direta com a competitividade e sobrevivência organizacionais, uma vez que há grande dinamicidade e altos custos tecnológicos no setor. No entanto, apesar do crescente interesse empresarial sobre o tema, percebe-se a necessidade de ampliar o número de estudos sobre inovação aberta nessas empresas e mais, especificamente, em Arranjos Produtivos Locais (APLs) de TI. Desse modo, tendo como base um modelo de avaliação obtido da literatura, o objetivo desse estudo foi diagnosticar e analisar quais os fatores que mais influenciam a inovação aberta no APL de TI do Oeste do Paraná (Iguassu-IT). A pesquisa, de caráter quantitativo, teve adesão de 71% das empresas do APL e revelou a presença equilibrada dos 5 fatores referentes à Relacionamentos para inovação, Inovação como estratégia, Processos para gestão da inovação, Comportamento inovador e Estrutura inovadora. Apesar disso, o estudo também apontou a necessidade de fortalecimento de práticas de inovação aberta, especialmente relacionadas a parcerias estratégicas. Desse modo, indica-se a formalização de acordos de cooperação com instituições de ensino e pesquisa, de modo a aproximar a academia e empresas com vistas a atender ao mercado, bem como o estabelecimento de processos e políticas de propriedade intelectual, de gestão da inovação e o repasse desta visão aos colaboradores das empresas do Iguassu-IT.
Citação ABNT:
SOTELLO, F.; RIBEIRO, H. A. S.; CONTER, A. S.; DECHECHI, E. C. Fatores que Influenciam a Inovação Aberta: Análise do APL Iguassu-IT de Tecnologia da Informação do Oeste do Paraná. Revista Brasileira de Gestão e Inovação, v. 6, n. 1, p. 95-120, 2018.
Citação APA:
Sotello, F., Ribeiro, H. A. S., Conter, A. S., & Dechechi, E. C. (2018). Fatores que Influenciam a Inovação Aberta: Análise do APL Iguassu-IT de Tecnologia da Informação do Oeste do Paraná. Revista Brasileira de Gestão e Inovação, 6(1), 95-120.
DOI:
10.18226/23190639.v6n1.05
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/51172/fatores-que-influenciam-a-inovacao-aberta--analise-do-apl-iguassu-it-de-tecnologia-da-informacao-do-oeste-do-parana/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Chesbrough, H. W. (2003). Open Innovation: The New Imperative for Creating and Profiting from Technology. Harvard Business School Press.

Saebi, T.; Foss, N. J. (2015). Business models for open innovation: Matching heterogeneous open innovation strategies with business model dimensions. European Management Journal, 33(3), 201-213.

Andrade, M. C. F. de. (2015). Evidências teóricas para compreensão da inovação aberta (open innovation) nas organizações. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, 5(1), 31-42.

Antero, C. A. S.; Tavares, B.; Antonialli, L. M.; Lima, A. A. T. F. C.; Gava, R. (2016). Coordination of Joint Actions in Muriaé’s (MG) Clothing LPA. Revista de Administração Mackenzie, 17(3), 158-182.

Associação Brasileira das Empresas de Software. (2017). Mercado Brasileiro de Software: panorama e tendências, 2017. 1 ed. São Paulo.

Bediaga, A. (2008). Open Innovation: Más Allá de La Innovación Tradicional. Revista InnoBAI, Espanha.

Benevides, G.; Oliveira, E. C.; Mendes, R. O. B. (2016). A utilização do modelo de inovação aberta como ferramenta competitiva em APLS. Revista Alcance Eletrônica, 23(1).

Bessant, J.; Lamming, R.; Noke, H.; Phillips, W. (2005). Technovation, 25(12), 1366-1376.

Bessant, J.; Tidd, J. (2009). Inovação e Empreendedorismo. Porto Alegre: Bookman.

Bessant, J.; Tidd, J.; Pavitt, K. (2008). Gestão da inovação. Porto Alegre. 3.

Cassiolato, J. E.; Lastres, H. M. M. (2000). Local systems of innovation in the Mercosur facing the challenge of the 1990s. Industry and Innovation, 7(1), 34-51.

Castells, M. (1999). A sociedade em rede. 11 ed. São Paulo: Paz e Terra.

Challener, C. (2012). Open Innovation: the way of the future? Magazine JCT Coatings Tech. August.

Chesbrough, H. W. (2007). Why companies should have open business models. MIT Sloan Management Review, 48(2) 22-28.

Chesbrough, H. W. (2010). Business model innovation: opportunities and barriers. Long Range Planning, 43(2-3) 354-363.

Christo, R de S. C. (2011). Comportamento inovador: fatores geradores antecedentes e consequentes. 140 f. Dissertação (Mestrado em Administração). Universidade Potiguar, Natal.

Cooper, R. G. Winning at New Products: accelerating the process from idea to launch. Reading: Addison-Wesley Publishing. 1993.

Corrar, L. J.; Paulo, E.; Dias Filho, J. M. (2009). Análise multivariada: para os cursos de Administração, Ciências Contábeis e Economia.Fundação Instituto de Pesquisa Contábeis, Atuariais e Financeiras. São Paulo: Atlas.

Costa, L.; Junqueira, V.; Martinho, C.; Fecuri, J. (2003). Redes: uma introdução às dinâmicas da conectividade e da auto-organização. Brasília: WWF-Brasil.

Dahlander, L.; Gann, D. M. (2010). How open is innovation? Research policy, 39(6) 699-709.

David Junior, J. K.; Ireland, R. D.; Snow, C. C. (2007). Strategic Entrepreneurship, Collaborative Innovation, and Wealth Creation. Strategic Entrepreneurship Journal, n. 1, p. 371-385.

Dodgson, M.; Bessant, J. (1996). Effective Innovation Policy: a New Approach. London: International Thomson Business Press.

Dodgson, M.; Gann, D.; Salter, A. (2006). The role of technology in the shift towards open innovation: the case of Procter & Gamble. R&D Management, 36(3), 333-346.

Faccin, K.; Brand, F. C. (2015). Inovação Aberta e Redes: Enfoques, Tendências e Desafios. RAIMED - Revista de Administração IMED, 5(1), 10-25.

Farina, M. C.; Bitante, A. P.; Brito, L. C.; Pinheiro, L. R. D. (2017). Análise de redes sociais no arranjo produtivo local dos ramos têxtil e de confecções da região da grande São Paulo a partir de uma visão de governança. Gestão & Regionalidade, 33(98).

Figueiredo; J. C.; Di Serio, L. C. (2007). Estratégia em clusters empresariais: conceitos e impacto na competitividade. In: Di Serio, Luiz Carlos. (org.). Clusters empresariais no Brasil: casos selecionados. São Paulo: Saraiva.

França. R de S. (2016). Inovação aberta como estratégia para criação de valor em empresas de base tecnológica. 2016. Dissertação (Mestrado em Sistemas de Informação e Gestão de Conhecimento. Universidade FUMEC.

García-Morales, V. J.; Jiménez-Barrionuevo, M. M.; Gutiérrez-Gutiérrez, L. (2012). Transformational leadership influence on organizational performance through organizational learning and innovation. Journal of Business Research, 65(7), 1040-1050.

George, D.; Mallery, P. (2016). IBM SPSS Statistics 23 Step by Step - A Simple Guide and Reference. Florence: Routledge.

Hair, J. F.; Black, B.; Babin, B.; Anderson, R. E.; Tatham, R. L. (2006). Multivariate Data Analysis. 6ª ed. Upper Saddle River, NJ: Pearson Prentice Hall.

Herrera, M. E. B. (2015). Creating competitive advantage by institutionalizing corporate social innovation. Journal of Business Research, (68), 1468-1474.

Iguassu-IT. (2017). Sobre o Iguassu-IT. http://www.iguassuit.com.br.

Jesus, M. A. de. (2015). Fatores determinantes da inovação aberta nas pequenas e médias empresas (PMEs) de Tecnologia da Informação. 2015. 148 f. Dissertação (Mestrado em Administração). Universidade Potiguar, Natal.

Johannsson, M. et al. (2015). Space and Open Innovation: Potential, limitations and conditions of success. Acta Astronautica, 115, 173-184.

Justen, G. S.; Paes-de-Souza, M. (2017). Relações sociais e território: estudo no Arranjo Produtivo Local (APL) da castanha-da-Amazônia. Revista de Ciências da Administração, 19(47), 114-130, abril.

Loiola, E.; Ribeiro, M. T. F. (2012). Políticas de desenvolvimento de APLs: uma reflexão a partir da experiência da Bahia. RDE - Revista de Desenvolvimento Econômico, v. XIV, n. 26.

Lopes, A. P. V. B. V.; Ferrarese, A.; Carvalho, M. M. de. (2017). Inovação aberta no processo de pesquisa e desenvolvimento: uma análise da cooperação entre empresas automotivas e universidades. Gestão & Produção, (Mar.), 2017.

Lopes, M.; Teixeira, A. A. C. (2009). Open innovation in firms located in an intermediate technology developed country. Innovation and technology transfer unit. Porto, 1(4), 1-36.

Malhorta, N. (2001). Pesquisa de Marketing: uma orientação aplicada. Porto Alegre: Bookman.

Manceau, D.; Kaltenbach, L. B. H. Moatti, V.; Fabbri, J. (2012). Open Innovation: Putting External Knowledge to Work. Supply Chain Management Review, p. 42-48, n. nov, 2012.

Matos, C. M. de, Dias, G A de F.; Almeida, L. C. (2012). Caracterização de APL de TI no Brasil: fracassos e sucessos. Revista Clique, 1(1).

Regazzi, A. J. (2000). Análise multivariada, notas de aula INF 766, Departamento de Informática da Universidade Federal de Viçosa, 2.

Rodigues, E. (2005). O desempenho da Tecnologia da Informação (TI) e as mudanças organizacionais e interorganizacionais. Revista Organizações em Contexto-online, 2(4), 5072.

Rodrigues, L. C.; Maccari, E. A.; Campanario, M. de A. (2010). Expanding the open innovation concept: the case of TOTVS S/A. JISTEM-Journal of Information Systems and Technology Management, 7(3), 737-754.

Rondani, B.; Chesbrough, H. (2010). Inovação aberta: um modelo a ser explorado no Brasil. Revista da Fundação Dom Cabral, 11, 52-59.

Schmitz, H. (1997). Collective efficiency and increasing returns. Working Paper, n. 50. Institute of Development Studies, UK.

Schumacker, R. E.; Lomax, R. G. (2004). A beginner's guide to structural equation modeling. Psychology Press.

Schünemann, M. R. (2011). Inovação aberta: estudo de casos múltiplos na Incubadora do Parque Tecnológico Itaipu - PTI no segmento tecnologia da informação. 2011. 158 f. Dissertação (Mestrado em Administração). Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

Siegel, S. (1975). Estatística não-paramétrica para as ciências do comportamento. São Paulo: McGraw-Hill.

Silva, G.; Dacorso, A. L. R. (2013). Inovação aberta como uma vantagem competitiva para a micro e pequena empresa. Revista de Administração e Inovação, São Paulo, 10(3), 251-268.

Souza, F. A. de; Mello, C. H. P. (2013). Diagnóstico das práticas de inovação aberta utilizadas por empresas graduadas de tecnologia. Anais do XXXIII Encontro Nacional de Engenharia de Produção, Salvador, Bahia.

Stal, E.; Nohara, J. J.; Chagas, M de F. (2014). Os conceitos da inovação aberta e o desempenho de empresas brasileiras inovadoras. RAI Revista de Administração e Inovação, 11(2), 295-320.

Terra, J. C. et al. (2012). 10 dimensões da gestão da inovação: uma abordagem para a transformação organizacional. Rio de Janeiro: Elsevier.

Uzienė, L. (2015). Open innovation, knowledge flows and intellectual capital. Procedia Social and Behavioral Sciences, 213, 1057-1062.

Van de Vrande, V.; Jong, J. P. J.; Vanhaverbeke, W.; Rochemont, M. (2009). Open innovation in SMEs: trends, motives and management challenges. Technovation, 29(6-7).

Vanhaverbeke, W. (2008). The interorganizational Context of Open Innovation. In H. Chesbrough; W. Vanhaverbeke; J. West. Open Innovation: Researching a New Paradigm. Oxford: Oxford University Press. p. 205-219.

Walker, R. M.; Chen, J.; Aravind, D. (2015). Management innovation and firm performance: an integration of research findings. European Management Journal, 33(5) 407-422.

Wang, M. (2012). Exploring potential R&D collaborators with complementary technologies: The case of biosensors. Technological Forecasting & Social Change, 79, 862-874.

Ades, C.; Figlioli, A.; Sbragia, R.; Porto, G.; Plonski, G.; Celadon, K. (2013). Implementing Open Innovation: The Case of Natura, IBM and Siemens. Journal of Technology Management & Innovation, 8, 12-25.

Balestrin, A.; Verschoore, J. R. (2008). Redes de Cooperação Empresarial: estratégias de gestão na nova economia. Porto Alegre: Bookman.

Chen, Y. (2014). A study on the modes of open innovation matched with firms' internal capabilities. In: Management of Engineering & Technology (PICMET), 2014 Portland International Conference on IEEE, p. 921-931.

Cortonesi, P. P.; Cahen, F. C. R. (2016). Inovação aberta como fator relevante para fluxos reversos de conhecimento: uma investigação do setor de O&G no Brasil. Anais do XIX SEMEAD - Seminários em Administração, São Paulo.

Hargadon, A.; Sutton, R. I. (2002). Como construir uma fábrica de inovação. In: Harvard Business Review. Fernandes, F. (Trad.). Inovação na Prática. Rio de Janeiro: Campus. p. 5879.

Klotzle, M. C. (2003). O impacto da formação de alianças estratégicas no valor de mercado e no desempenho econômico-financeiro das empresas. Cadernos de Pesquisas em Administração, 10(4), 33-46.

Moreira, B.; Saad, D.; Feldhaus, D.; Pereira, G.; Mattioli, M. (2008). As oportunidades e desafios do open innovation no Brasil. Instituto Inovação, junho, 2008.

Utterback, J. M. (1970). Process of Innovation - a Study of Origination and Development of Ideas for New Scientific Instruments. IEEE Transactions on Aerospace and Electronic Systems, (5).