Micro e Pequenas Empresas Inovadoras: Evidências em Empresas Paulistanas Outros Idiomas

ID:
51241
Resumo:
Este artigo tem como objetivo compreender as competências de inovação em micro e pequenas empresas. Para tanto foi realizado um estudo de caso múltiplo em seis micro e pequenas empresas paulistanas. As fontes de evidências utilizadas foram análises de documentos e entrevistas semiestruturadas com os gerentes responsáveis pelas ações de inovação nas organizações e o fundador da empresa, presidente ou sócio principal. As entrevistas foram gravadas e os dados foram analisados utilizando-se o Atlas.Ti. Os resultados apontaram que as micro e pequenas empresas possuem elevado potencial de inovação e que consideram a inovação um fator essencial ao alcance da competitividade. As competências de inovação (liderança e estratégia, meio inovador interno, pessoas, processos de inovação e resultados das inovações) mostraram-se expressivas para compreender a inovação nessas empresas. Entretanto, essas empresas possuem dificuldades para planejar as atividades de inovação, obter recursos necessários à inovação e transformar os fatores de inovação em resultados de inovação.
Citação ABNT:
BITTAR, A. V.; SERIO, L. C.; VASCONCELLOS, M. A. Micro e Pequenas Empresas Inovadoras: Evidências em Empresas Paulistanas. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, v. 7, n. 3, p. 1-32, 2018.
Citação APA:
Bittar, A. V., Serio, L. C., & Vasconcellos, M. A. (2018). Micro e Pequenas Empresas Inovadoras: Evidências em Empresas Paulistanas. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, 7(3), 1-32.
DOI:
10.14211/regepe.v7i3.729
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/51241/micro-e-pequenas-empresas-inovadoras--evidencias-em-empresas-paulistanas/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Bao, Y., Chen, X., & Zhou, K. Z. (2012). External learning, market dynamics, and radical innovation: Evidence from China's high-tech firms. Journal of Business Research, v. 65, pp. 1226-1233.

Baraldi, A., Vasconcellos, M. A., Di Serio, L. C., Pereira, S. M. S., & Prim, A. L. (2016). Competências da organização inovadora: um estudo em empresas do Instituto Paulista de Excelência da Gestão e da Fundação Nacional da Qualidade. Revista Alcance – Eletrônica, v. 23, n. 3, jul/set.

Barbieri, J. C. (2003). Organizações inovadoras: estudos e casos brasileiros.

Barkhatov, V., Pletnev, D., & Campa, A. (2016). Key Success Factors and Barriers for Small Businesses: Comparative Analysis. Procedia-Social and Behavioral Sciences, v. 221, pp. 29-38.

Börjesson, S., & Löfsten, H. (2012). Capabilities for innovation in small firms–a study of 131 high-tech firms and their relation to performance. International Journal of Business Innovation and Research, v. 6(2), pp. 149-176.

Christensen, C. M. (1997). The innovator’s dilema. Harvard Business School Press.

Crossan, M. M., & Apaydin, M. (2010). A multi‐dimensional framework of organizational innovation: A systematic review of the literature. Journal of management studies, v. 47(6), pp. 1154-1191.

De Massis, A., Kotlar, J., Chua, J. H., & Chrisman, J. J. (2014). Ability and willingness as sufficiency conditions for family‐oriented particularistic behavior: implications for theory and empirical studies. Journal of Small Business Management, v. 52(2), pp. 344-364.

Eisenhardt, K. M. (1989). Building theories from case study research. Academy of Management Review, v. 14(4), pp. 532-550.

Forsman, H., 2008. Business development success in SMEs. A case study approach. Journal of Small Business and Enterprise Development. v. 15(3), pp. 606– 622.

Forsman, H. (2009). Improving innovation capabilities of small enterprises: cluster strategy as a tool. International Journal of Innovation Management, v. 13(02), pp. 221-243.

Forsman, H. (2011). Innovation capacity and innovation development in small enterprises. A comparison between the manufacturing and service sectors. Research Policy, v. 40(5), pp. 739-750.

Fórum de Inovação da Fundação Getúlio Vargas (2014). Modelo de diagnóstico da organização inovadora. Rio de Janeiro: FGV.

Hall, J., Bachor, V., & Matos, S. (2014). The impact of stakeholder heterogeneity on risk perceptions in technological innovation. Technovation, v. 34(8), pp. 410-419.

Hamel, G., & Prahalad, C. K. (1994). Competing for the Future. Harvard Business School: Boston.

Heavey, C., & Simsek, Z. (2013). Top management compositional effects on corporate entrepreneurship: The moderating role of perceived technological uncertainty. Journal of Product Innovation Management, v. 30(5), pp. 837-855.

Mirzanti, I. R., Simatupang, T. M., & Larso, D. (2015). Mapping on Entrepreneurship Policy in Indonesia. Procedia-Social and Behavioral Sciences, v. 169, pp. 346-353.

Parida, V., Oghazi, P., & Cedergren, S. (2016). A study of how ICT capabilities can influence dynamic capabilities. Journal of Enterprise Information Management, v. 29(2), pp. 179-201.

Pereira, M. F., Grapeggia, M., Emmendoerfer, M. L., & Três, D. L. (2009). Fatores de inovação para a sobrevivência das micro e pequenas empresas no Brasil. Revista de Administração e Inovação, v. 6(1), pp. 50-65.

Pinheiro, R. G., Romeiro, M. C., Faria, A. C., & Santos, I. C. (2014). A inovação em micro e pequenas empresas (MPE) do setor de serviços em São Caetano do Sul (SP). VIII Encontro de Estudos em Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas – EGEPE.

Quandt, C. O., Silva, H. D. F. N., Ferraresi, A. A., & Frega, J. R. (2014). Programas de gestão de ideias e inovação: as práticas das grandes empresas na região sul do Brasil. Revista de Administração e Inovação, v. 11, n. 3, pp. 176-199.

Ramos, A., & Zilber, S. N. (2015). O impacto do investimento na capacidade inovadora da empresa. Revista de Administração e Inovação, v. 12, n. 1.

RJ: Editora da FGV. Barbieri, J. C., & Álvares, A. C. T. (2002). Meio inovador empresarial: conceitos, modelos e casos. Revista IMES Administração, v. 56.

Schumpeter, J. (1982). A Teoria do Desenvolvimento Econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo Econômico. Ed. Abril S.A. Cultural e Industrial: São Paulo.

Sebrae (2015). Anuário do trabalho na micro e pequena empresa: 2014-2015. 6. ed. elaboração da pesquisa, dos textos, tabelas e gráficos. Brasília: DIEESE.

Sebrae (org.) (2017). Anuário do trabalho nos pequenos negócios: 2015. 8.ed.

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas; Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos [responsável pela elaboração da pesquisa, dos textos, tabelas, gráficos e mapas]. Brasília, DF: DIEESE

Silva, G., & Dacorso, A. L. R. (2013) Inovação Aberta como uma Vantagem Competitiva para a Micro e Pequena Empresa. Revista de Administração e Inovação, v. 10, pp. 251-268.

Silva, G., & Dacorso, A. L. R. (2014). Riscos e incertezas na decisão de inovar das micro e pequenas empresas. Revista de Administração Mackenzie, v. 15(4), p. 229.

Silva, G., Dacorso, A. L. R., Costa, V. B., & Serio, L. C. D. (2016). Relationships and Partnerships in Small Companies: Strengthening the Business through External Agents. Brazilian Administration Review, v. 13(1), pp. 1-18.

Tang, H. K. (1998). An Integrative model of innovation in Organizations. Technovation, v. 18, n. 5, pp. 297-309.

Tidd, J., Bessant, J., & Pavitt, K. (2008). Gestão da inovação. 3. ed. Porto Alegre: Bookman.

Vasconcellos, M. A. (1997). Excelência e Humanização da Produção. Monografia para acesso ao nível de professor titular. SP: FGV-EAESP.

Yin, R. K. (2015). Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman.