E se a Vida te Desse Limões, o que Você Faria? Outros Idiomas

ID:
51243
Resumo:
Fundador de um clube de empreendedorismo universitário, inspirado por modelos estrangeiros, Guilherme superou diversos desafios em prol de fortalecer um empreendimento e sua marca. Juntamente com seus sócios, o jovem, que possui experiência em startup, priorizou a diversidade no momento de recrutar os primeiros membros do clube. Contudo, esse elemento revelou-se complexo em termos de gestão e trouxe algumas surpresas desagradáveis, ocasionando a dissolução da primeira equipe. Resiliente e com experiência no assunto, ainda que jovem, o empreendedor conseguiu formar uma nova equipe e encontra-se com novos projetos em vista para o clube de empreendedorismo. Amparado pelos aprendizados decorrentes dos erros do passado, os quais Guilherme deseja evitar que ocorram novamente e movido por novos planos, o jovem encontra-se diante daquele que talvez seja o seu maior desafio até o momento: conduzir o processo de sucessão sem que o clube se desfaça. Os dados para a elaboração do caso foram coletados por meio de entrevistas semiestruturadas, observação direta e documentos do clube.
Citação ABNT:
ARANTES, F. P.; PAGOTTO, D. P.; FREITAG, M. S. B. E se a Vida te Desse Limões, o que Você Faria? . Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, v. 7, n. 3, p. 1-24, 2018.
Citação APA:
Arantes, F. P., Pagotto, D. P., & Freitag, M. S. B. (2018). E se a Vida te Desse Limões, o que Você Faria? . Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, 7(3), 1-24.
DOI:
10.14211/regepe.v7i3.843
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/51243/e-se-a-vida-te-desse-limoes--o-que-voce-faria--/i/pt-br
Tipo de documento:
Caso de Ensino
Idioma:
Português
Referências:
Akgün, A. E., Lynn, G. S., Keskin, H., & Dogan, D. (2014). Team Learning in IT implementation projects: antecedents and consequences. International Journal of Information Management, v. 34, pp. 37-47.

Associação Brasileira de Startups. (2016). Definição startup. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2016.

Borges, A. F., & De Lima, J. B. (2012). O Processo de Construção da Sucessão Empreendedora em Empresas Familiares: um estudo multicaso. REGEPE Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, v. 1(1), pp. 131154.

Carmeli, A., Edmondson, A. C., & Tishler, A. (2011). CEO relational leadership and strategic decision quality in top management teams: The role of team trust and learning from failure. Strategic Organization, 10(1), 31-54.

Gioia, T. (1987). Jazz: The Aesthetics of Imperfection. The Hudson Review. v. 39(4). pp. 585-600. http://doi.org/10.2307/3851219.

Harms, R. (2015) Self-regulated learning, team learning and project performance in entrepreneurship education: Learning in a lean startup environment. Technological Forecasting and Social Change, v. 100, pp. 21-28.

Mintzberg, H., Ahlstrand, B., & Lampel, J. (2009). Safári da estratégia. Porto Alegre: Bookman Editora, 2009.

Parboteeah, K. P., Hoegl, M., & Muethel, M. (2015). Team characteristics and employees’ individual learning: A cross-level investigation. European Management Journal, v. 33, pp. 287-295.

Reis, D. G. dos. (2011). O papel da reflexão na aprendizagem gerencial. In: Antonello, C. S., & Godoy, A. S. (2011) Aprendizagem Organizacional no Brasil. Porto Alegre: Bookman, pp. 353-380.

Ries, E. (2014). A startup enxuta. São Paulo: Leya.

Robbins, S. (2005). Comportamento Organizacional. 11. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Santarém, V., & Vitoriano, M. C. de C. P. (2016). Gestão da Informação e Memória Organizacional como Elementos da Inteligência Competitiva. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, n. especial, pp. 158-170.

Sarasvathy, S. D. (2001). Causation and effectuation: Toward a theoretical shift from economic inevitability to entrepreneurial contingency. Academy of Management Review, v. 26(2), pp. 243-263.

Schein, E. H. (1993). On Dialogue, Culture, and Organizational Learning. Organizational Dynamics, 22(2), 40-51.

Schein, E. H. (2009). Cultura organizacional e liderança. São Paulo: Editora Atlas.

Teston, S. F., Filippim, E. S., & Bencke, F. F. (2016). Aprendendo a ser Sucessor: um olhar sobre a experiência. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, v. 6(1), pp. 155-174.

UFG. Universidade Federal de Goiás. (2016). UFG em números. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2016.

Vergara, S. C. (2009). Gestão de Pessoas. 8. ed. São Paulo: Atlas

Wagner Iii, J. A., & Hollenbeck, J. R. (2006). Comportamento Organizacional: criando vantagem competitiva. 6. ed. São Paulo: Saraiva.

Weick, K. E. (1993). The collapse of sensemaking in organizations: the Mann Gulch disaster. Administrative Science Quarterly, v. 38, pp. 628-652.