Conceitos, Argumentos, Estratégias, Métodos, Técnicas e Problemáticas Envolvendo a Implantação da Sinalização de Orientação Turística em Sítios Históricos Outros Idiomas

ID:
51251
Periódico:
Resumo:
Esta pesquisa trabalha com a imagem das cidades históricas, mais especificamente, tratou-se de apresentar uma revisão bibliográfica sobre os conceitos e argumentos ligados a implantação da sinalização de orientação turísticas em sítios históricos. Apresentando estratégias e métodos com bases em estudos de caso realizados nos projetos de sinalização de orientação turística na ¹Cidade de Olinda (Pernambuco), na ²Cidade do Recife (Pernambuco), nos ³Polos Turísticos Serrano e Agreste/Trairi (Rio Grande do Norte). Além de citar as técnicas e as problemáticas que envolve a implantação deste tipo de infraestruturas em locais históricos tombados pelo IPHAN. O objetivo do trabalho é demonstrar a importância do conhecimento, embasando e justificando através de argumentos a necessidade do investimento nessa tipologia de infraestrutura, além da sua acuidade no processo de preservação dos bens culturais. Por fim, conclui-se que a eficiência desta infraestrutura urbana pode contribuir também para o aumento da permanência do turista no local, e do gasto médio durante sua estadia.
Citação ABNT:
RODRIGUES, A. P.; AMORIM, E. S. Conceitos, Argumentos, Estratégias, Métodos, Técnicas e Problemáticas Envolvendo a Implantação da Sinalização de Orientação Turística em Sítios Históricos . Revista Hospitalidade, v. 15, n. 1, p. 180-197, 2018.
Citação APA:
Rodrigues, A. P., & Amorim, E. S. (2018). Conceitos, Argumentos, Estratégias, Métodos, Técnicas e Problemáticas Envolvendo a Implantação da Sinalização de Orientação Turística em Sítios Históricos . Revista Hospitalidade, 15(1), 180-197.
DOI:
https://doi.org/10.21714/2179-9164.2018v15n1.805
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/51251/conceitos--argumentos--estrategias--metodos--tecnicas-e-problematicas-envolvendo-a-implantacao-da-sinalizacao-de-orientacao-turistica-em-sitios-historicos-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AMORIM, E. S.; BAPTISTA, A. H. N. Aplicação da Acessibilidade Integrada no Mapa das Linhas do METROREC. In: Congresso Nacional de Pesquisa e Ensino em Transporte - ANPET XXVII, 2013, Belém/PA.

ASCHER, François. Os novos princípios do urbanismo. Trad. Nadia Somekh. São Paulo: Romano Guerra, 2010.

BRASIL. CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO. Código de Trânsito Brasileiro: instituído pela Lei nº 9.503, 23 de outubro de 1997. 3. ed.Brasília: DENATRAN, 2008.

BRASIL. DECRETO FEDERAL Nº 5.296/2004, de 2 de dezembro de 2004.

BRASIL. Departamento Nacional de Estradas de Rodagem. Diretoria de Desenvolvimento Tecnológico. Divisão de Capacitação Tecnológica. Manual de sinalização rodoviária. – 2 ed. Rio de Janeiro, 1998.

BRASIL. Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes. Diretoria Executiva. Instituto de Pesquisas Rodoviárias. Manual de sinalização rodoviária. –3.ed. Rio de Janeiro, 2010.

BRASIL. Embratur Instituto Brasileiro de Turismo. Denatran DEPARTAMENTO NACIONAL DE TRÂNSITO. IPHAN Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Guia Brasileiro de Sinalização Turística. – 1 ed. Rio de Janeiro, 2001.

BRASIL. Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Sinalização do Patrimônio Mundial no Brasil: orientações técnicas para aplicação / Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Brasília : IPHAN, 2013. 44 p., il.

BRASIL. PROJETO DE LEI Nº 7.033-A, de 2014, do Senado Federal.

CAMBIAGHI, S. Desenho Universal. Métodos e Técnicas para Arquitetos e Urbanistas. São Paulo: Senac, 2007.

CASTROGIOVANNI, Antonio Carlos. Turismo e ordenação no espaço urbano. In: YAZIGI, Eduardo (org.). Turismo urbano. São Paulo: Contexto, 2001.

DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO. Divisão de Capacitação Tecnológica. Manual de sinalização rodoviária. 2 ed. Rio de Janeiro, 1998.

ECADOR. Ministerio de Turismo. Manual de Señalización Turística. Quito, 2011.

INSTITUTO DISTRITAL DE TURISMO IDT. Plan de señalización turística vial y peatonal de Bogotá. Bogotá: IDT, 2010.

MURTA, S. M.; GOODEY, B. Interpretação do patrimônio para o turismo sustentado: um guia. Belo Horizonte MG: SEBRAE, 1995.

SECRETARIA DE TURISMO DO ESTADO DE PERNAMBUCO – SETUR. Projeto de Sinalização Turística nas Cidades de Recife e Olinda. Recife: SETUR-PE . 2013.

SECRETARIA DE TURISMO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE – SETUR. Projeto Executivo de Sinalização Turística para os Polos Turísticos do Rio Grande do Norte Serrano e Agreste/Trairi. Natal: SETUR-RN, 2014.

SILVA, F. & Melo, R. Contribuição da sinalização turística para o desenvolvimento turístico da cidade de Parnaíba (PI, Brasil). Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo. São Paulo, 6 (2), pp. 3 20, mai./ago. 2012

SOUZA, M. Sinalização turística e percepção do espaço geográfico. Turismo – Visão e Ação. Itajaí, 8(1), 165-176, 2006