Validação de uma Escala Multidimensional para o Uso de Mídias Sociais Outros Idiomas

ID:
51370
Resumo:
OBJETIVO: O presente estudo objetiva validar uma escala multidimensional para mensuração do comportamento de utilização de mídias sociais, por meio da Teoria do Comportamento Planejado - TPB (Ajzen, 1991), em uma amostra de usuários de Internet brasileiros. MÉTODO: Foram abordados os caminhos e procedimentos para a validação da escala estabelecida por Analise Fatorial Confirmatória, em uma amostra de 165 internautas brasileiros de todas as regiões do país. ORIGINALIDADE/RELEVÂNCIA: Apesar de basear-se em um modelo teórico consagrado, este estudo possui certo teor de originalidade à medida que a escala construída pode ser utilizada na verificação do comportamento do usuário em diversas modalidades de mídias sociais. RESULTADOS: A análise dos dados apresentou a escala multidimensional proposta com 24 itens de construto assim como os resultados obtidos por meio da Análise Fatorial Confirmatória (AFC) que promoveram o ajustamento da escala, resultando na validação de 19 itens e, consequentemente, da estrutura que a abarca, alcançando índices satisfatórios nos critérios de confiabilidade, validade convergente e validade discriminante. CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS/METODOLÓGICAS: A tentativa de construção de uma escala para o uso de mídias sociais, referenciada na TPB, se provou consistente de modo a contribuir para o avanço de pesquisas sobre adoção de mídias sociais e comportamento dos usuários. CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS / PARA A GESTÃO: De igual modo, tal escala também pode ser utilizada por profissionais na investigação do engajamento de clientes com aplicativos de mídia social e deduções sobre o comportamento volitivo.
Citação ABNT:
QUEIROZ, L. S.; LUFT, M. C. M. S. Validação de uma Escala Multidimensional para o Uso de Mídias Sociais. Revista Brasileira de Marketing, v. 17, n. 4, p. 603-619, 2018.
Citação APA:
Queiroz, L. S., & Luft, M. C. M. S. (2018). Validação de uma Escala Multidimensional para o Uso de Mídias Sociais. Revista Brasileira de Marketing, 17(4), 603-619.
DOI:
10.5585/remark.v17i4.3905
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/51370/validacao-de-uma-escala-multidimensional-para-o-uso-de-midias-sociais/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Ajzen, I. (1991). The theory of planned behavior. Organizational behavior and human decision processes, 50(2), 179-211.

Ajzen, I. (2006). Constructing a TpB questionnaire: conceptual and methodological considerations. http://chuang.epage.au.edu.tw/ezfiles/168/1168/attach/20/pta_41176_7688352_57138.pdf

Ajzen, I. (2011). The theory of planned behaviour: reactions and reflections. Psychology and Health, 26(9), 1113-1127.

Ajzen, I. (2015). The theory of planned behaviour is alive and well, and not ready to retire: a commentary on Sniehotta, Presseau, and Araújo Soares. Health Psychology Review, 9(2), 131-137.

Ajzen, I. (2017). Sample TPB questionnaire. http://people. umass.edu/~aizen/pdf/tpb.questionnaire.pdf.

Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa. (2016). Critério de Classificação Econômica Brasil 2016. http://www.abep.org/criterio-brasil.

Baker, R. K.; White, K. M. (2010). Predicting adolescents’ use of social networking sites from an extended theory of planned behaviour perspective. Computers in Human Behavior, 26(6), 1591-1597.

Casaló, L. V.; Flavián, C.; Guinalíu, M. (2011). Understanding the intention to follow the advice obtained in an online travel community. Computers in Human Behavior, 27(2), 622-633.

Castells, M. (2003). A galáxia da internet: reflexões sobre a Internet, negócios e a sociedade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Chang, Y. P.; Zhu, D. H. (2011). Understanding social networking sites adoption in China: A comparison of pre-adoption and postadoption. Computers in Human behavior, 27(5), 1840-1848.

Chin, W. W. (1998). The partial least squares approach to structural equation modeling. In Modern methods for business research. pp. 295-336. London: Lawrence Erlbaum Associates.

Ciribeli, J. P.; Paiva, V. H. P. (2011). Redes e mídias sociais na internet: realidades e perspectivas de um mundo conectado. Revista Mediação, 13(12), 57-74.

Comitê Gestor de Internet. (2016). Pesquisa Sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nos Domicílios Brasileiros - TIC Domicílios 2016. https://cgi.br/media/docs/publicacoes/2/TIC_DOM _2016_LivroEletronico.pdf

Fishbein, M. D. & Ajzen, I. (1975). Belief, attitude, intention, and behavior: An introduction to theory and research. Reading, MA: AddisonWesley.

Fornell, C.; Larcker, D. F. (1981). Evaluating structural equation models with unobservable variables and measurement error. Journal of marketing research, 18(1), 39-50.

Hair, J. F.; Hult, G. T. M.; Ringle, C. M.; Sarstedt, M. (2014). A primer on partial least squares structural equation modeling (PLS-SEM). Los Angeles: Sage Publications.

Hau, Y. S.; Kim, Y. G. (2011). Why would online gamers share their innovation-conducive knowledge in the online game user community?Integrating individual motivations and social capital perspectives. Computers in Human Behavior, 27(2), 956-970.

Henderson, A.; Bowley, R. (2010). Authentic dialogue?The role of “friendship” in a social media recruitment campaign. Journal of Communication Management, 14(3), 237-257.

Hoppe, A.; Barcellos, M. D. de; Vieira, L. M.; Matos, C A de. (2012). Comportamento do consumidor de produtos orgânicos: uma aplicação da teoria do comportamento planejado. BASE - Revista de Administração e Contabilidade da UNISINOS, 9(2), 174-188.

Kaplan, A. M.; Haenlein, M. (2010). Users of the world, unite! The challenges and opportunities of Social Media. Business horizons, 53(1), 59-68.

Kemp, S. (2017). Digital in 2017: South America. https://pt.slideshare.net/wearesocialsg/digital-in2017-south-america

Kietzmann, J. H.; Hermkens, K.; McCarthy, I. P.; Silvestre, B. S. (2011). Social media?Get serious!Understanding the functional building blocks of social media. Business Horizons, 54(3), 241-251.

Laros, J. A. (2012). O uso da análise fatorial: algumas diretrizes para pesquisadores. In: Análise fatorial para pesquisadores. p. 141-160. https://www.researchgate.net/publication/233735561_O_Uso_da_Analise_Fatorial_Algumas_Diretrize s_para_Pesquisadores

Lin, X.; Li, Y.; Wang, X. (2017). Social commerce research: Definition, research themes and the trends. International Journal of Information Management, 37(3), 190-201.

Lu, J.; Yao, J. E.; Yu, C. S. (2005). Personal innovativeness, social influences and adoption of wireless Internet services via mobile technology. The Journal of Strategic Information Systems, 14(3), 245-268.

Malhotra, N. K. (2012). Modelagem de equações estruturais e análise de caminho. In: Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. (pp. 549-575). Bookman.

Malita, L. (2011). Social media time management tools and tips. Procedia Computer Science, 3, 747-753.

Mangold, W. G.; Faulds, D. J. (2009). Social media: The new hybrid element of the promotion mix. Business horizons, 52(4), 357-365.

Mendez, R. D. R.; Rodrigues, R. C. M.; Cornélio, M. E.; Gallani, M. C. B. J.; Godin, G. (2010). Desenvolvimento de instrumento para medida dos fatores psicossociais determinantes do comportamento de atividade física em coronariopatas. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 44(3), 584-596.

Montano, D. E.; Kasprzyk, D. (2015). Theory of reasoned action, theory of planned behavior, and the integrated behavioral model. In: Health behavior: Theory, research and practice. pp. 95-124. Jossey-Bass.

Nascimento, A. M.; da Silva, D. E. P.; Dacorso, A. L. R. (2015). Adoção de Redes Sociais Virtuais: Construtos Mentais utilizados por usuários experientes. Revista Gestão & Tecnologia, 15(1), 154-173.

Ngai, E. W.; Moon, K. L. K.; Lam, S. S.; Chin, E. S.; Tao, S. S. (2015). Social media models, technologies, and applications: an academic review and case study. Industrial Management & Data Systems, 115(5), 769-802.

Ngai, E. W.; Tao, S. S.; Moon, K. K. (2015). Social media research: Theories, constructs, and conceptual frameworks. International Journal of Information Management, 35(1), 33-44.

Pelling, E. L.; White, K. M. (2009). The theory of planned behavior applied to young people's use of social networking web sites. CyberPsychology & Behavior, 12(6), 755-759.

Portal de Periódicos CAPES/MEC. (2018). Portal de Periódicos CAPES/MEC. http://www-periodicos-capes-govbr.ez20.periodicos.capes.gov.br/

Recuero, R. (2008). O que é mídia social? http://www.pontomidia.com.br/raquel/arquivos/o_que_e_midia _social.html.

Recuero, R. (2009). Redes Sociais na Internet. Porto Alegre: Sulina.

Rezende Pinto, M. A. D. (2007). A Teoria do Comportamento Planejado (TCP) e o Índice de Disposição de Adoção de Produtos e Serviços Baseados em Tecnologia (TRI): Uma Interface Possível? Revista Gestão & Tecnologia, 7(2), 1-13.

Ringle, C. M.; Da Silva, D.; Bido, D. D. S. (2014). Modelagem de equações estruturais com utilização do SmartPLS. Revista Brasileira de Marketing, 13(2), 54-71.

Sampieri, R. H.; Collado, C. F.; Lucio P. B. (2006). Metodología de la investigacion. 4 ed. México: Mac Graw Hill.

Sarstedt, M.; Ringle, C. M.; Hair, J. F. (2017). Partial least squares structural equation modeling. In: Handbook of market research. pp. 1-40. Springer International Publishing.

Sousa, A. M. R.; Rabêlo Neto, A.; Fontenele, R. E. S. (2013). Determinantes da intenção da escolha do ensino superior privado: uma perspectiva da teoria do comportamento planejado. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, 12(3), 367-378.

Wong, K. K. K. (2013). Partial least squares structural equation modeling (PLS-SEM) techniques using SmartPLS. Marketing Bulletin, 24(1), 1-32.

Zolkepli, I. A.; Kamarulzaman, Y. (2015). Social media adoption: The role of media needs and innovation characteristics. Computers in Human Behavior, 43, 189-209.