Expressões de Felicidade no Trabalho Organizacional: Estudo com Executivos, Profissionais Graduados e Não Graduados Outros Idiomas

ID:
51401
Resumo:
Essa pesquisa objetiva identificar as expressões de felicidade de executivos, profissionais graduados e não-graduados no ambiente de trabalho organizacional, por meio do mapeamento das razões e significados que levam à felicidade ou infelicidade. Ao considerar que os indivíduos dedicam tempo excessivo as atividades trabalhistas a ponto de o trabalho tornar-se referência em suas vidas, formulase a questão de pesquisa: é possível ser feliz no trabalho? A pesquisa tem caráter qualitativa, tendo seus dados empíricos produzidos por meio de entrevistas com pessoas que exercem atividade profissional remunerada. A partir das expressões de felicidade encontradas entre os grupos estudados foi possível realizar um paralelo entre o mapa das causas e condições da felicidade no trabalho organizacional. Desta maneira, constata-se que as organizações têm papel potencializador no controle do ambiente, espaço e tempo de trabalho do indivíduo, fatores que influenciam seu equilíbrio, bemestar e felicidade autogerada.
Citação ABNT:
PROLO, I.; ARANTES, D. D. Expressões de Felicidade no Trabalho Organizacional: Estudo com Executivos, Profissionais Graduados e Não Graduados. Caderno Profissional de Administração da UNIMEP, v. 8, n. 2, p. 20-39, 2018.
Citação APA:
Prolo, I., & Arantes, D. D. (2018). Expressões de Felicidade no Trabalho Organizacional: Estudo com Executivos, Profissionais Graduados e Não Graduados. Caderno Profissional de Administração da UNIMEP, 8(2), 20-39.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/51401/expressoes-de-felicidade-no-trabalho-organizacional--estudo-com-executivos--profissionais-graduados-e-nao-graduados/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ANTUNES, R. Apresentação. In: ANTUNES, R. (Ed.). A dialética do trabalho: escritos de Marx e Engels. São Paulo: Expressão Popular, 2004. p. 7-11.

BANDEIRA-DE-MELLO, R.; CUNHA, C. J. C. D. A. Grounded theory. In: GODOI, C. K.; BANDEIRA-DE-MELLO, R. et al (Ed.). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. 2 ed. São Paulo: Saraiva. 2010. p. 241-266.

COHEN, A. R.; FINK, S. L. Comportamento organizacional: conceitos e estudos. Rio de Janeiro: Campus, 2003.

CUNHA, A. G. D. Dicionário etimológico Nova Fronteira da língua portuguesa. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1987.

CUTLER, H. A arte da felicidade no trabalho. Martins Fontes. 2004.

DE NEVE, J. E.; WARD, G. W. Happiness at work. (2017). Said Business School - Research Papers, 2017. .

ENGELS, F. Sobre o papel do trabalho na transformação do macaco em homem. In: ANTUNES, R. (Ed.). A dialética do trabalho: escritos de Marx e Engels. São Paulo: Expressão Popular. 2004. p. 13-34.

ENRIQUEZ, E. Vida psíquica e organização. In: PRESTES, F. C. e FREITAS, M. E. D. (Ed.). Vida psíquica e organização. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2000. p. 11-22.

FRANCO, M. L. P. B. Análise de conteúdo. Brasilia: Líber Livro, 2007.

FREITAS, M. E. D. Análise organizacional. In: VIEIRA, F. D. O.;MENDES, A. M.; et al (Ed.). Dicionário crítico de gestão e psicodinâmica do trabalho. Curitiba: Juruá, 2013. p. 39-59.

FREITAS, M. E. D. Cultura Organizacional: evolução e crítica. São Paulo: Cengage Learning, 2010.

FREITAS, M. E. D. Cultura organizacional: identidade, sedução e carisma? 5. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

FREITAS, M. E. D. Cultura Organizacional: o doce controle no clube dos raros. In: MOTTA, F. C. P. e CALDAS, M. P. (Ed.). Cultura organizacional e cultura brasileira. São Paulo: Atlas, 2012. p. 293-304.

GIANNETTI, E. Felicidade. Editora Companhia das Letras, 2002.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6 ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GODOI, C. K.; MATTOS, P. L. C. L. D. Entrevista qualitativa: instrumento de pesquisa e evento dialógo. In: GODOI, C. K.; BANDEIRA-DE-MELLO, R. et al (Ed.). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2010. p. 301-323.

HARTER, J. K.; SCHMIDT, F. L.; KEYES, C. L. Well-being in the workplace and its relationship to business outcomes: A review of the Gallup studies. Flourishing: Positive psychology and the life well-lived, v. 2, p. 205-224, 2003.

HUTA, V. Pursuing eudaimonia versus hedonia: Distinctions, similarities, and relationships. American Psychological Association, v. XV, n. 303, p. 139-158, 2013.

HUTA, V.; WATERMAN, A. S. Eudaimonia and its distinction from hedonia: Developing a classification and terminology for understanding conceptual and operational definitions. Journal of Happiness Studies, v. 15, n. 6, p. 1425-1456, 2014.

JONES, S. R. Was there a Hawthorne effect? American Journal of Sociology, p. 451-468, 1992.

KLEEF, G. A. V. Understanding the positive and negative effects of emotional expressions in organizations: EASI does it. Human Relations, v. 67, n. 9, p. 1145-1164, 2014.

KRIPPENDORF, J. Sociologia do turismo: para uma nova compreensão do lazer e das viagens. 2. ed. São Paulo: Aleph, 2000.

KRISIS, G. Manifesto contra o Trabalho. Cadernos do Labur. São Paulo, 2011. .

LAFARGUE, P. O direito à preguiça. São Paulo: Kairós Livraria e Editora. 1980.

LIPOVETSK, G. Os tempos hipermodernos. São Paulo: Editora Barcarolla, 2004.

MARINHO, A. Da aceleração ao pânico de não fazer nada: corpos aventureiros como possibilidades de resistência. In: MARINHO, A. e BRUHNS, H. T. (Ed.). Turismo, lazer e natureza. Barueri: Manole, 2003. p. 1-28.

MASI, D. D. Desenvolvimento sem trabalho. 5. ed. Esfera, 1999.

MORAES, R. Análise de conteúdo. Revista Educação, 1999.

MOTTA, F. C. P.; VASCONCELOS, I. F. G. D. Teoria geral da administração. 3. ed. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2006.

OLIVEIRA, P. C. D. Teoria substantiva dos fatores que influenciam a utilização do AVA na gestão da educação a distância em uma Universidade Pública. 2016. 398 f. Programa de PósGraduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento da Universidade Federal de Santa Catarina.

PINTO, M. D. R.; SANTOS, L. L. D. S. A grounded theory como abordagem metodológica: relatos de uma experiência de campo. Organizações & Sociedade, v. 19, n. 62, 2012.

RUSSELL, B. O elogio ao ócio. 4 ed. Rio de Janeiro: Sextante, 2002.

SELIGMAN, M. E. Felicidade autêntica. Rio de Janeiro: Ed. Objetiva, 2004.

SILVA, N.; TOLFO, S. D. R. Trabalho significativo e felicidade humana: explorando aproximações. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, v. 12, n. 3, p. 341-354, 2012.

STAKE, R. E. A arte da investigação com estudos de caso. 4. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2016.

TEIXEIRA, A. Felicidade SA: por que a satisfação com o trabalho é a utopia possível para o século 21. Porto Alegre: Arquipelago Editorial, 2012.

VERGARA, S. C. Métodos de coleta de dados no campo. São Paulo: Atlas, 2009.

WRZESNIEWSKI, A. et al. Jobs, careers, and callings: People's relations to their work. Journal of Research in Personality, v. 31, n. 1, p. 21-33, 1997.

ZANELLI, J. C.; SILVA, N.; SOARES, D. H. P. Orientação para aposentadoria nas organizações de trabalho: construção de projetos para o pós-carreira. Porto Alegre: Artmed, 2010.