A Competitividade do Setor de Telecomunicações Brasileiro Outros Idiomas

ID:
51416
Resumo:
OBJETIVO: O objetivo deste trabalho consiste em analisar a competitividade e o desempenho do setor de telecomunicações brasileiro no período que antecedeu o processo da privatização findo no ano de 2013. MÉTODO: Esta pesquisa utilizou dados secundários referentes ao setor de telecomunicações brasileiro no período de 1998 a 2013, com o intuito de analisar os indicadores de competitividade do setor e se fundamenta no estudo realizado por Ferraz et al. (1997), também verificados por De Muÿlder (2004), na qual os resultados foram agrupados nos grupos de fatores empresariais, estruturais e sistêmicos. ORIGINALIDADE/RELEVÂNCIA: Explicitar indicadores pode apoiar estratégias e sugerir novos rumos para o setor como um todo é muito relevante uma vez que estudos aplicados sobre desempenho e competitividade de setores econômicos auxilia na condução de políticas públicas e setoriais (Sousa, Vasconcellos, 2000; De Muylder, 2004; Cardoso, 2012; Silva, 2007, Silva et al.,2016; Magro, Silva e Klann, 2017). RESULTADOS: As transformações observadas ao longo dos anos estudados permitiram verificar que as características atuais do setor e das empresas impulsionaram as mudanças que continuam a acontecer, embora já se possa evidenciar que se trata de um setor com uma gama de serviços diferenciados de benefícios para aumentar o valor agregado da oferta de empresas face ao número de concorrentes. CONTRIBUIÇÃO TEÓRICA OU METODOLÓGICA: A discussão sobre indicadores de competitividade e desempenho a partir de modelo empírico, focando a expansão e participação no mercado é uma contribuição teórica que foi indicada por Fajnzylber (1988) primordialmente por incluir o fator social e conceitos como eficiência e eficácia, o preço e a qualidade (Coutinho; Ferraz, 1994).
Citação ABNT:
MUYLDER, C. F.; FALCE, J. L.; RODRIGUES, M. D. A Competitividade do Setor de Telecomunicações Brasileiro. Revista Ibero-Americana de Estratégia, v. 17, n. 4, p. 38-54, 2018.
Citação APA:
Muylder, C. F., Falce, J. L., & Rodrigues, M. D. (2018). A Competitividade do Setor de Telecomunicações Brasileiro. Revista Ibero-Americana de Estratégia, 17(4), 38-54.
DOI:
10.5585/ ijsm.v17i4.2619
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/51416/a-competitividade-do-setor-de-telecomunicacoes-brasileiro/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Agência Nacional das Telecomunicações (2012). Números Setoriais. Recuperado em 23 abril, 2012, do http://www.anatel.gov.br/Portal/exibir PortalInternet.com

Augusto, C. A.; Souza, J. P. & Cario, S. A. F. (2014). Nova economia institucional: vertentes complementares. Revista Ibero-Americana de Estratégia – RIAE, 13(1). https://doi.org/10.5585/riae.v13i1.2036

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (2012a) Cadernos de Infraestrutura, Telefonia Fixa. Recuperado em 20 abril, 2012, do http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/export/sites/ default/bndes_pt/Galerias/Arquivos/conhecimento/ cadernos/telfixo.pdf

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (2012b) Privatização Federais – Telecomunicações. Recuperado em 20 abril, 2012, do http://www.bndes. gov.br/SiteBNDES/bndes/bndes_pt/Institucional/B NDES_Transparente/Privatizacao/telecomunicacoe s.html

Band, W. (1997) Competências críticas dez novas ideias para revolucionar a empresa. Rio de Janeiro: Campus.

Bendaly, L. (1998). Organização 2000: novos caminhos para empresas e equipes em uma economia globalizada. São Paulo: Futura.

Benur, A. M. and Bramwell, B., (2015), Tourism product development and product diversification in destinations, Tourism Management, 50, issue C, p. 213-224. https://doi.org/10.1016/j.tourman.2015.02.005

Cardoso, L. V. (2012) Coordenação e Competitividade no Sistema Agroindustrial de Mamão – Estudo Multicaso de Empresas Exportadoras. 2005. Recuperado em 23 julho, 2012, do http://www.inagrodf.com.br/revista/ index.php/ SDR/article/viewFile/8/6

Coutinho, L. G.; Ferraz, J. C. (Coords.). (1994) Estudo da competitividade da indústria brasileira (2a ed.). Campinas: Papirus.

De Muylder, C. F. (2004) Indústria Siderúrgica Brasileira: Evolução Recente e Tendências. (Tese de Doutorado, Universidade Federal de Viçosa). Recuperado 12 março, 2013, do http://www.economia-aplicada.ufv.br/docs /doutorado /2004/ cristiana_fernandes.pdf

Duren, E., Martin, L., & Westgren, R. (1991). Assessing the competitiveness of Canada's agrifood industry. Canadian Journal of Agricultural Economics/Revue canadienne d'agroeconomie, 39(4), 727-738.

Fajnzylber, F. (1988) Competitividad internacional: evolución y lecciones. Revista de La CEPAL, Santiago, 36.

Farina, E. M. M. Q. (1999) Competitividade e coordenação de sistemas agroindustriais: um ensaio conceitual. Gest. Prod. [online], 6 (3), 147160. Recuperado em 19 outubro, 2013, do http://dx.doi.org/10.1590/S0104530X1999000300002

Ferraz, J. C.; Kupfer, D.; Haguenauer, L. (1997) Made in Brazil: desafios competitivos para a indústria (2a ed.). Rio de Janeiro: Campus.

Furtado, R. P. M. (2000) A Inovação e a competitividade como fatores determinantes na gestão das empresas – um desafio para as empresas mineiras. Organizações Rurais e Agroindustriais, 2 (1). 40-52.

Gassmann, O., Enkel, E., & Chesbrough, H. (2010). The future of open innovation. (B. P. Ltd, Ed.) R&D Management, 40(3), 213-221.

Kupfer, D. & Hasenclever, L. (Orgs.) (2002). Economia industrial: fundamentos teóricos e práticas no Brasil. Rio de Janeiro, Campus.

Magro, C. B.; Silva, T.B.J. & Klann, R.C. (2017). Comportamento estratégico organizacional e a prática de gerenciamento de resultados nas empresas brasileiras. Revista Ibero-Americana de Estratégia – RIAE, 16(1). 119-137. http://doi.org/ 10.5585/riae.v16i1.2389

Mcnulty, P. J. (1989) Economic theory and the meaning of competition. Quarterly Journal of Economics, Cambridge, Special Edition.

Ministério das Comunicações. (2012) História da Telefonia. Recuperado em 2 abril, 2012, do http://www.mc .gov.br/oministerio/historico/historia-da-telefonia

Missio, C. A. (2003). Competitividade do Algodão Brasileiro. Anais... In: Congresso Brasileiro de Algodão. Goiânia.

Oliveira, A. C. (1996) Tecnologia de informação: competitividade e políticas públicas. Revista de Administração de Empresas, 36 (2), 34-43.

Porter, M. E. (1992) Vantagem competitiva: criando e sustentando um desempenho superior: Rio de Janeiro: Ed Campus.

Porter, M. E. (1996) What is Strategy? Harvard Business Review, 74 (6), 59-78.

Possas, S. (1999) Concorrência e competitividade: notas sobre a estratégia e dinâmica seletiva na economia capitalista. São Paulo, Hucitec.

Schumpeter, J. A. (1962). Capitalism, Socialism and Democracy. New York: Harper and Row.

Serralheiro, W. A. de O. (2004). O processo de Adaptação estratégica das empresas eliane sob a ótica da teoria institucional e da Visão Baseada em Recursos (RBV). Recuperado em 08 março, 2013, do www.werther.eng.br/arquivos/ppgep.pdf

Silva, M.; Vasconcelos, M.C. R.L.; Jeunon, E.E. & Dulfot, S. (2016). Capacitadores do conhecimento e estratégias de sobrevivência e avanço para o aumento da competitividade: estudo em uma multinacional do setor alimentício. Revista IberoAmericana de Estratégia – RIAE, 15(2). 108-212. https://doi.org/10.5585/riae.v15i2.2323

Sousa, W. H. de; Vasconcellos, E. P. G. de. (2000) A competitividade das empresas do setor de embalagens para alimentos: um estudo de caso. Revista de Administração de Empresas, 40(1), 88100.

Telebrasil. (2011) O Setor de Telecomunicações no Brasil: uma visão estruturada. novembro de 2011. Recuperado em 02 março, 2013, do http://www.Telebrasil.org.br/

Valgueiro, M. B. (2009) Teoria e Prática dos Processos Estratégicos: O Formal e o Emergente na Complexidade de uma Empresa do Setor de Telecomunicações. 2009. Recuperado em 08 junho, 2012, do http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/Detal heObraForm.do?select_action=&co_obra =163619> van

Wirtz, B.W., Pistoia, A., Ullrich, S., Gottel, V. (2016). Business models: origin, development and future research perspectives. Long. Range Plan., 49 (1), 36-54. https://doi.org/10.1016/j.lrp.2015.04.001