A Invisibilização do Negro no Trabalho Escravo Contemporâneo: Evidências a Partir das Condições de Vulnerabilidade Social Outros Idiomas

ID:
51430
Resumo:
Este artigo objetiva identificar as associações entre as condições sociais de vulnerabilidade e o perfil racial da escravidão contemporânea. Ele é fruto de um recorte de uma pesquisa qualitativa desenvolvida entre 2011 e 2016 sobre os mecanismos institucionais e organizacionais responsáveis pelo sustento da escravidão contemporânea no Brasil, fundamentado na estrutura teórica de Crane (2013), Bales (2004) e Datta e Bales (2013; 2014). Do ponto de vista metodológico, este estudo faz uso dos indicadores socioeconômicos, geográficos, socioculturais e de vulnerabilidade social produzidos principalmente pelos relatórios publicados pelos membros do Instituto Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo – InPACTO e do poder público. A contribuição do artigo diz respeito à incorporação da variável preditora raça e cor, indicando sua relação com a escravidão moderna, além de o trabalho escravo contemporâneo coexistir com as cadeias produtivas economicamente representativas no Brasil, sendo algumas delas, inclusive, membros do InPacto.
Citação ABNT:
BAPTISTA, R. M.; BANDEIRA, M. L.; SOUZA, M. T. S. The Invisibility of the Black Population in Modern Slavery: Evidence Based on Conditions of Social Vulnerability. Organizações & Sociedade, v. 25, n. 87, p. 676-703, 2018.
Citação APA:
Baptista, R. M., Bandeira, M. L., & Souza, M. T. S. (2018). The Invisibility of the Black Population in Modern Slavery: Evidence Based on Conditions of Social Vulnerability. Organizações & Sociedade, 25(87), 676-703.
DOI:
10.1590/1984-9250877
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/51430/a-invisibilizacao-do-negro-no-trabalho-escravo-contemporaneo--evidencias-a-partir-das-condicoes-de-vulnerabilidade-social/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Inglês
Referências:
ABRAMOVAY, M. Juventude, violência e vulnerabilidade social na América Latina: desafios para políticas públicas. UNESCO, BID: Brasília, p. 1-192. 2002.

AGUINIS, H.; GLAVAS, A. What we know and don’t know about corporate social responsibility. Journal of Management, v. 38, n. 4, p. 932-968, 2012.

BALES, K. Disposal People: new slavery in global economy. Califórnia: Califórnia Press, 2004.

BALES, K. International labor standards: quality of information and measures of progress in combating forced labor. Scientific American., v. 24, n. 2, p. 321-364, 2002.

BALES, K.; ROBBINS, T. No One Shall Be Held in Slavery or Servitude: A Critical Analysis of International Slavery Agreements and Concepts of Slavery. Human Rights Review., v. 2, n. 2, p. 18-45, 2001.

BALES, K.; SOODALTER, R. The Slave Next Door. Human Trafficking and Slavery in America Today. University of California. 2009.

BALES, K. Trabalho Escravo. In: SEMINÁRIO DO PACTO NACIONAL PARA ERRADICAÇÃO DO TRABALHO ESCRAVO, 4.; 2011, Brasília. Anais... Brasília: OIT, 2011.

BALES, K.; TRODD, Z.; WILLIAMSON, A. K. Modern Slavery: The Secret World of 27 Million People. London: Oneworld Oxford. 2009.

BALLOU, R. H. The evolution and future of logistics and supply chain management. European Business Review, v. 19, n. 4, p. 332-348, 2007.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BECKER, G. S. Crime and punishment: An economic approach. Journal of Political Economy, v. 76, n. 4, p. 169 -217, 1968.

BOURDIEU, P. El campo científico. In: BOURDIEU, P. Los usos sociales de la ciencia. Buenos Aires: Nueva Visión, 1990, p. 9-57.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Lisboa, PT: Memória e Sociedade, 1989.

BRASIL.Presidência da República. Lei 10.803, de 11 de dezembro de 2003. Altera o art. 149 do decreto-lei n. 2.848, de 7 de dezembro de 1940 - Código Penal para estabelecer penas ao crime nele tipificado e indicar as hipóteses em que se configura condição análoga à de escravo. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, 12 de dezembro de 2003, p.1. . Acessed on 11 mar. 2003.

CAMPOS, A.; ARANHA, C. Condenação do grupo Riachuelo revela o adoecimento das trabalhadoras da moda. ONG Repórter Brasil, 2016. . Acessed on 11 mai 2016.

CAZETTA, U. A escravidão ainda resiste. In: ENCONTRO DOS AGENTES PÚBLICOS RESPONSÁVEIS PELO COMBATE AO TRABALHO ESCRAVO, 1.; Brasília, 2007. Anais... MPT.Ministério Público do Trabalho. Brasília, p. 105-136. 2007.

CNJ.Conselho Nacional de Justiça. "OSCAR" Judiciário: CNJ premia juízes e desembargadores por decisões pró-direitos humanos. Revista Consultor Jurídico, 14 de fevereiro de 2017. . Acessed on 25 ago. 2017.

COOKE, B. The Denial of Slavery in Management Studies. Journal of Management Studies, v. 40, n. 8, 2003.

COSTA, P. T. M. Combatendo o trabalho escravo contemporâneo no Brasil: o exemplo do Brasil. Organização Internacional do Trabalho: Brasília. 2010.

CRANE, A. Modern slavery as a management practice: exploring the conditions and capabilities for human exploitation. Academy of Management Review, v. 38, n. 1, p. 53, 2013.

DATTA, M. N.; BALES, K. Slavery in Europe: Part 1, Estimating the Dark Figure. Human Rights Quarterly, v. 35, p. 817-829, 2013.

DATTA, M. N. Slavery in Europe: Part 2, Testing a Predictive Model. Human Rights Quarterly, v. 36, p. 277-296, 2014.

DICK, A. R. When does organized crime pay?A transaction cost analysis. International Review of Law and Economics, v. 15, p. 25-45, 1995.

DIMAGGIO, P. J.; POWELL, W. W. The iron cage revisited: Institutional isomorphism and collective rationality in organizational fields. American Sociological Review, v. 48, n. 2, p. 147-160, 1983.

FIGUEIRA, R. R. Pisando fora da própria sompra. In: CERQUEIRA, G. C. de et al. (Org.). Trabalho escravo contemporâneo no Brasil: contribuições críticas para sua análise e denúncia. Rio de Janeiro: UFRJ, 2008. v. 1, p. 87-110.

GOLD, S.; TRAUTRIMS, A.; TRODD, Z. Modern slavery challenges to supply chain management. Supply Chain Management: An International Journal, v. 20, n. 5, p. 485-494, 2015.

HOWE, K.; EISENHART, M. Standards for Qualitative (and Quantitative) Research: A Prolegomenon. Educational Researcher, v. 19, n. 4, p. 2-9, 1990.

IBGE.Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. População - Projeções e Estimativas da População. 2016. . Acessed on 11 mai 2016.

INPACTO.Instituto Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo. Histórico. 2015. . Acessed on 16 Abril 2015.

LE BRETON, B. Vidas roubadas. A escravidão moderna na Amazônia brasileira. São Paulo: Loyola, 2002.

LINDSAY, D. M. Organizational liminality and interstitial creativity: the fellowship of power. Social Forces, v. 89, n. 1, 2010. p. 163-184.

LINSTEAD, S.; MARÉCHAL, G.; GRIFFIN, R. W. Theorizing and Researching the Dark Side of Organization. Organization Studies, v. 35, n. 2, p. 165-188, 2014.

LUXEMBURGO, R. A acumulação do capital: contribuição ao estudo econômico do Imperialismo. São Paulo: Abril Cultural, 1984.

MARTINS, J. S. D. A sociedade vista do abismo. Novos estudos sobre exclusão, pobreza e classes sociais. 3 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

MELO, L. C. A. Atuação do Ministério Público do Trabalho no Combate ao trabalho Escravo - crimes contra a organização do trabalho e demais crimes conexos. Organizaçao Internacional do Trabalho: Brasília, DF.; p. 64-103. 2007.

MOSER, C. O. N. The asset vulnerability framework: Reassessing urban poverty reduction strategies. World Development, v. 26, n. 1, p. 1-19, 1998.

MPT.Ministério Público do Trabalho.OIT.Organização Internacional do Trabalho. Observatório digital do trabalho escravo no Brasil. 2017. . Acessed on 01 mar. 2017.

MTE - Ministério do Trabalho e Emprego. Governo atualiza regras para inclusão de empresas na lista suja do trabalho escravo. 2016. . Acessed on 19 mai 2016.

MTE - Ministério do Trabalho e Emprego. Manual de Combate ao Trabalho em Condições análogas às de escravo. MTE: Brasília, p. 1-97. 2011.

MTE - Ministério do Trabalho e Emprego. Perguntas e Respostas sobre Trabalho Análogo ao de Escravo no Brasil.Já fizemos muito e estamos trabalhando por mais. MTE: Brasília, p. 1-15. 2009.

MTE - Ministério do Trabalho e Emprego. Trabalho em situação análoga à escravidão.Depoimento 1. 2016. . Acessed on 20 mai 2016.

MTE - Ministério do Trabalho e Emprego. Trabalho em situação análoga à escravidão.Depoimento 2. 2016. . Acessed on 20 mai 2016.

MTE - Ministério do Trabalho e Emprego. Trabalho em situação análoga à escravidão.Depoimento 3. 2016. . Acessed on 20 mai 2016.

MTE - Ministério do Trabalho e Emprego. Trabalho em situação análoga à escravidão.Depoimento 4. 2016. . Acessed on 20 mai 2016.

MTE - Ministério do Trabalho e Emprego. Trabalho Escravo no Brasil em Retrospectiva: Referências para estudos e pesquisas. MTE: Brasília, p. 1-33. 2012.

OIT.Organização Internacional do Trabalho. Combate ao trabalho forçado: manual para empregadores e empresas. Organização Internacional do Trabalho: Brasília, 176p. 2011.

OIT.Organização Internacional do Trabalho. O custo da coerção. Relatório Global do Seguimento da Declaração da OIT sobre os Princípios e Direitos Fundamentais no Trabalho. Bureau Internacional do Trabalho: Genebra, 2009. .

OIT.Organização Internacional do Trabalho. Profit and Poverty. The economics of forced labour. International Labor Organization: Genebra. 2014.

OIT.Organização Internacional do Trabalho. Uma Aliança Global Contra o Trabalho Escravo. Relatório Global do Seguimento da Declaração da OIT sobre os Princípios e Direitos Fundamentais no Trabalho. Organização Internacional do Trabalho, Secretaria Internacional do Trabalho: Genebra, 2005. Available on: .

PENNINGTON, J. R. et al. The Cross-National Market in Human Beings. Journal of Macromarketing, v. 29, n. 2, p. 119-134, 2009.

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO.INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA.FUNDAÇÃO JOÃO PINHEIRO. (PNUD/IPEA/FJP).Atlas do Desenvolvimento Humano. Dados do índice de desenvolvimento humano - IDHM e IDH. Atlasbrasil.org.br, São Paulo, p. 1-2, 2016. .

REPÓRTER BRASIL. Home. . Acessed on 10 Agosto2011.

RODRÍGUEZ-VIGNOLI, J. Vulnerabilidad y grupos vulnerables: un marco de referencia conceptual mirando a los jóvenes. Santiago de Chile: NU/Cepal/Eclac, 2001. .

SAKAMOTO, L. A economia do trabalho escravo no Brasil contemporâneo. In: CERQUEIRA, G. C. et al. Trabalho Escravo Contemporâneo no Brasil: Contribuições críticas para sua análise e denúncia. Rio de Janeiro: Editora UFRJ. 2008. p. 61-71.

SALT, J.; STEIN, J. Migration as a business: the case of trafficking. International Migration, v. 35, n. 4, p. 467-494, 2002. doi: 10.1111/1468-2435.00023.

SÃO PAULO.Governo do Estado.Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania.Secretaria de Gestão Pública. Tráfico de Pessoas e Trabalho Escravo no Estado de São Paulo. Análise dos procedimentos judiciais e extrajudiciais do Ministério Público do Trabalho e Ministério Público Federal. São Paulo: SJDC/SGP, 96p. 2015.

SCOTT, R. W. Institutions and organizations. Thousand Oaks, CA: Sage, 1995.

SECCHI, L. Políticas Públicas: conceitos, esquemas de análise, casos práticos. São Paulo: Cengage Learning, 2010.

TONNEAU, J. P.; AQUINO, J. R. D.; TEIXEIRA, O. Modernização da agricultura familiar e exclusão social: o dilema das políticas agrícolas. Cadernos de Ciência & Tecnologia, v. 22, n. 1, p. 67-82, 2005.

TRANSPARENCY INTERNACIONAL. Corruption perceptions index 2016. 2016. . Acessed on 11 fev. 2016.

UNITED NATIONS. Human trafficking fastest growing form of organized crime: UN anti-crime chief. United Nations News, 01/11/2001. . Acessed on 09 Julho 2001.

WALK FREE FOUNDATION. The Global Slavery Index. Slavery Alert: Consumer Poll, Brazil. Walk Free Foundation: New York, USA. 9p. 2014.

WEBB, J. W. et al. You say illegal, I say legitimate: entrepreneurship in the informal economy. Academy of Management Review, v. 34, p. 492-510, 2009.