Processo de Gestão Estratégica em universidades privadas: um estudo de casos Outros Idiomas

ID:
5145
Resumo:
O objetivo deste artigo é descrever e compreender como a Gestão Estratégica (GE) é desenhada, implementada e monitorada em universidades privadas. A análise dos dados revelou quais os fatores que afetam o processo de GE nessas universidades, suas características, os atores envolvidos no processo e, finalmente, a relação entre planejamento e desempenho. Os resultados indicam que em duas universidades estudadas (casos A e B) a GE é um processo consolidado e foi concebido para se desenvolver uma visão de futuro e auxiliar as organizações a lidarem com os desafios ambientais. Em contraste, no terceiro caso (C), os resultados indicam que a GE não se encontra ainda no mesmo nível de maturidade dos casos relatados anteriormente.
Citação ABNT:
DINIZ, D. M.; CASTRO, J. M. Processo de Gestão Estratégica em universidades privadas: um estudo de casos. Revista de Administração da UFSM, v. 3, n. 3, art. 1, p. 311-325, 2010.
Citação APA:
Diniz, D. M., & Castro, J. M. (2010). Processo de Gestão Estratégica em universidades privadas: um estudo de casos. Revista de Administração da UFSM, 3(3), 311-325.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/5145/processo-de-gestao-estrategica-em-universidades-privadas--um-estudo-de-casos/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ACKOFF, Russell Lincoln. Planejamento empresarial. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1975. 114p.

ANDREWS, Kenneth R. O conceito de estratégia empresarial. In: MINTZBERG, Henry; QUINN, James Brian. O processo da estratégia. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001. p. 58-64.

ANSOFF, H. Igor. Administração estratégica. São Paulo: Atlas, 1983. 214p.

ANSOFF, H. Igor; MCDONNELL, Edward J. Implantando a administração estratégica. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1993. 590p.

BAUM, Joel A.C. Ecologia organizacional. In: CALDAS, Miguel; FACHIN, Roberto; FISHER, Tânia (Org.). Handbook de estudos organizacionais. São Paulo: Atlas, 1998. cap. 3, p.135-193.

BERTUCCI, Janete Lara de Oliveira. Performance organizacional em instituições de ensino superior: as PUCs brasileiras em busca de efetividade. 2000. 393f. Tese (Doutorado em Administração)– Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Ciências Econômicas, Centro de PósGraduação e Pesquisas em Administração, Belo Horizonte, 2000.

BONOMA, Thomas V. Case research in marketing: opportunities, problems, and a process. Journal of Marketing Research, v. XXII, 1985.

BURNS, T.; STALKER, G.M. The management of innovation. Londres: Tavistock Public, 1961.

CHANDLER, Alfred D. Strategy and structure. Cambridge: MIT Press, 1962.

EMERY, F.E.; TRIST, E.L. The casual texture of organization environments. Human Relations, v.18, p.21-32, Feb. 1965.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1991. 159p.

GODOY, Arilda Schmidt. Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 35, n.3, p.20-29, maio 1995.

JICK, Todd D. Mixing qualitative and quantitative methods: triangulation in action. Cornell University. Administrative Science Quarterly, v. 24, p.602611, 1979.

KAPLAN, Robert S. e NORTON, David P. Organização orientada para a estratégia: como as empresas que adotam o balanced scorecard prosperam no novo ambiente de negócio. Rio de Janeiro: Campus, 2000.

KAPLAN, Robert S.; NORTON, David P. A estratégia em ação. 20. ed. Rio de Janeiro: Elsevier; Campus, 1997. 344p.

LAWRENCE, P. R.; LORSCH, J. W. As empresas e o ambiente: diferenciação e integração administrativas. Petrópolis: Vozes, 1973.

MILLIKEN. Franes J. Tree type of perceived uncertainty about the environment: state, effect and response uncertainty. Acadamy of Management Review, v. 12 , n.1, p. 133-143, 1987.

MINTZBERG, Henry; AHLSTRAND, Bruce W.; LAMPEL, Joseph. Safári de estratégia: um roteiro pela selva do planejamento estratégico. Porto Alegre: Bookman, 2000. 299p.

MINTZBERG, Henry. Os 5 p’s da estratégia . In: MINTZBERG, Henry; QUINN, James Brian. O processo da estratégia. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001. p. 26-32

MOTTA, Paulo Roberto. Gestão contemporânea: a ciência e a arte de ser dirigente. 13. ed. Rio de Janeiro: Record, 2002. 256p.

OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças de. Estratégia empresarial: uma abordagem empreendedora. 2. ed. rev. e atualizada São Paulo: Atlas, 1991. 381p.

OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças de. Planejamento estratégico: conceitos, metodologia e praticas. 7. ed. atual. ampl. São Paulo: Atlas, 1993.

PORTER, Michael E. Como as forças competitivas moldam a estratégia. In: MINTZBERG, Henry; QUINN, James Brian. O processo da estratégia. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001. p.82-89.

QUINN, James Brian. Estratégias para mudanças. In: MINTZBERG, Henry; QUINN, James Brian. O processo da estratégia. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001. p. 20-26.

QUINN, James Brian; VOYER, John. Incrementação lógica: administrando a formação da estratégia. In: MINTZBERG, Henry; QUINN, James Brian. O processo da estratégia. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001. p. 109-114.

RUMELT, Richard R. Avaliando a estratégia dos negócios. In: MINTZBERG, Henry; QUINN, James Brian. O processo da estratégia. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001. p. 64-72.

SOY, Susan K. The case study as a research method. University of Texas. 1997. Disponível em: . Acesso em: 08 ago. 2005.

TACHIZAWA, Takeshi; ANDRADE, Rui Otávio Bernardes de. Gestão de instituições de Ensino. 4. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2006. 288 p.

TAVARES, Mauro Calixta. Gestão estratégica. São Paulo: Atlas, 2000. 398p.

THOMPSON, J. D. Organization in action. New York: McGraw-Hill, 1967.

WRIGHT, Peter L.; KROLL, Mark J.; PARNELL, John A. Administração estratégica: conceitos. São Paulo: Atlas, 2000. 433p.

YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005. 212 p.