Gestão da Inovação: O Grau Inovativo no Setor Metal Mecânico do COREDE Produção, Brasil Outros Idiomas

ID:
51497
Resumo:
Este estudo objetivou identificar o grau de inovação das organizações no Estado do Rio Grande do Sul por meio da aplicação de uma auditoria da inovação em organizações do COREDE Produção, no estado do Rio Grande do Sul. Este estudo foi realizado a partir dos dados disponibilizados pela Universidade de Passo Fundo, através do projeto extensão produtiva e inovação. Para tanto, foi realizada uma pesquisa survey com uma amostra de oito empresas respondentes a qual foi analisada utilizando-se a análise estatística descritiva na qual permitiu identificar o grau inovativo individual e coletivo do setor em estudo. Conclui-se, com base nos resultados obtidos, que as empresas precisam dispender atenção aos fatores que abrangem os processos, pois deles dependem o bom desenvolvimento das metas e objetivos da organização, bem como o gerenciamento e desenvolvimento de novos produtos.
Citação ABNT:
RADAELLI, A. A. P.; CHAIS, C.; SILVA, O. T.; COALLIER, F.; DORION, E. C. H.; MUKENDI, J. T. Innovation Management: The Degree of Innovation in the COREDE Production Metal Mechanic Sector, Brazil. RAUnP - Revista Eletrônica do Mestrado Profissional em Administração da Universidade Potiguar, v. 10, n. 3, p. 35-52, 2018.
Citação APA:
Radaelli, A. A. P., Chais, C., Silva, O. T., Coallier, F., Dorion, E. C. H., & Mukendi, J. T. (2018). Innovation Management: The Degree of Innovation in the COREDE Production Metal Mechanic Sector, Brazil. RAUnP - Revista Eletrônica do Mestrado Profissional em Administração da Universidade Potiguar, 10(3), 35-52.
DOI:
https://doi.org/10.21714/raunp.v10i3.1837
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/51497/gestao-da-inovacao--o-grau-inovativo-no-setor-metal-mecanico-do-corede-producao--brasil/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Inglês
Referências:
Ahlstrand, B.; Lampel, J.; Mintzberg, H. (2001). Strategy Safari: A Guided Tour Through The Wilds of Strategic Management. New York: Simon and Schuster Publishing.

Ansoff, H. I. (1990). Administração estratégica. São Paulo: Atlas.

Ansoff, I. H. Declerck, P. R.; Hayes, L. R. (1990). Do Planejamento Estratégico a Administração Estratégica. São Paulo: Atlas.

Baggio, D.; Wegner, D.; Dalmarco, G. (2018). Coordination Mechanisms of Collaborative R&D Projects in Small and Medium Enterprises. RAM - Rev. Adm. Mackenzie. 19(2), 1-27.

Ballou, H. R. (2006). Gerenciamento da cadeia de suprimentos/logística empresarial. 5 ed. Porto Alegre: Bookman.

Batraga, A.; Salkovska, J.; Braslina, L.; Legzdina, A.; Kalkis, H. (2019). New innovation identification approach development matrix. Advances in Intelligent Systems and Computing, 783, 261-273.

Betim, L. M.; Resende, L. M.; Andrade Junior, P. P. Pontes, J.; Petter, R. R. H. (2018). Relações verticais e horizontais no processo de inovação e aprendizagem interativa: estudo em um aglomerado produtivo. Gestão & Produção, 1-14.

Carona, M. N.; Csillag, M. J. (2006). Desenvolvimento e manutenção de relacionamentos em redes de suprimentos. In: Encontro Anual da ANPAD, 2006. Salvador. Anais... Salvador: Anpad, 1-13.

De Prato, G.; Nepelski, D.; Piroli, G. (2015). Innovation Radar: Identifying Innovations and Innovators with High Potential in ICT FP7, CIP & H2020 Projects. JRC Scientific and Policy Reports – EUR 27314 EN. Seville: JRC-IPTS.

Drucker, P. F. (1999). Sociedade pós-capitalista. São Paulo: Pioneira.

Fan, C. S.; Tsai, S. F.; Lin, L. J. (2010). Leveraging tenant-incubator social capital for organizational learning and performance in incubation programme. International Small Business Journal. 28, 90-113.

Gibbs, G. R. (2009). Análise de dados qualitativos. Porto Alegre: Bookman.

Governo do Estado do Rio Grande do Sul. (2015). Manual do Extensionista: Projeto Extensão Produtiva e Inovação. 3 ed. Porto Alegre.

Grant, M. R. (1996). Toward a Knowledge-Based Theory Of The Firm. Strategic Management Journal. 17(Special Issue), 109-122.

Grönroos, C. (2000). Relationship marketing: the nordic school perspective. In. Sheth, J. N.; Parvatiyar, A. (eds). Handbook of relationship marketing. Thousand Oaks: Sage Publications. 95-117.

Hax, C. A.; Majluf, S. N. (1986). Strategy and the strategy formation process. Sloan School of Management-MIT.

Hitt, A. M.; Ireland, R. D.; Hoskisson, R. (2002). Administração estratégica. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

Humphrey, J.; Schmitz, H. (2000). Governance and upgrading: linking industrial cluster and global value chain research. IDS Working Paper 120, Institute of Development Studies University of Sussex, 2000.

Johannessen, A, J. (2013). Innovation: a systemic perspective – developing a systemic innovation theory. Kybernetes, 42(8), 1195-1217.

Lundvall, B.; Johnson, B. (2000). Promoting innovation systems as a response to the globalising learning economy. Rio de Janeiro: Instituto de Economia, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Maximiano, A. C. A. (2012). Teoria Geral da Administração: da revolução urbana à revolução digital. 7 ed. São Paulo: Atlas.

Mintzberg H. (1989). The Structuring of Organizations. In: Asch D.; Bowman C. Readings in Strategic Management. Palgrave, London.

Nonaka, I.; Takeuchi, H. (1995). The knowledge-creating company: How Japanese companies create the dynamics of innovation. New York: Oxford University Press.

Nonaka, I.; Toyama, R. (2002). A firm as a dialectical being: towards a dynamic theory of a firm. Industrial and Corporate Change. 11(5), 995-1009.

OECD. (2005). Oslo Manual. The measurement of scientific and technological activities.

Pereira, R. C. F. (2004). Redes de empresas e marketing de relacionamento: convergências e desdobramentos competitivos. In: Slongo, L. A.; Liberali, G. (org.). Marketing de relacionamento: estudos, cases e proposições de pesquisa. São Paulo: Atlas.

Pestana, M. H.; Gageiro, J. N. (2005). Análise de dados para ciências sociais: a complementariedade do SPSS. 4 ed. Lisboa, Portugal: Sílabo.

Porter, M. (1990). Competitive Advantage of Nations: Creating and Sustaining Superior Performance. New York: The Free Press.

Prajogo, D.; Toy, J.; Bhattacharya, A.; Oke, A.; Cheng, T. C. E. (2018). The relationships between information management, process management and operational performance: Internal and external contexts. International Journal of Production Economics, 199, 95-103.

Resende, V. T. P.; Mendonça, D. G.; Araújo, B. B. (2005). Estratégias de formação de ambientes colaborativos com fornecedores no gerenciamento de cadeias de suprimentos no Brasil. In: Encontro Anual da ANPAD, 2005. Brasília. Anais... Rio de Janeiro: Anpad.

Sampieri, R. H.; Collado, C. F.; Lucio, P. B. (1998). Metodología de la investigación. México: McGrawHill.

Schumpeter, J. (1997). Teoria do Desenvolvimento Econômico. Uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juros e o ciclo econômico. São Paulo: Editora Nova Cultura.

Spender, J. C. (1996). Making knowledge the basis of a dynamic theory of the firm. Strategic Management Journal, 17(Winter), 45-62.

Steensen, E. F. (2014). Five types of organizational strategy. Scandinavian Journal of Management, 30, 266-281.

Teece, D. J. (2010). Business Models, Business Strategy and Innovation. Long Range Planning, 43, 172-194.

Tidd, J.; Bessant, J.; Pavitt, K. (2008). Gestão da inovação. 3 ed. Porto Alegre: Bookman.

UPF – Universidade de Passo Fundo. http://www.upf.br/site/index.php?option=com_content&task=view&id=2&Itemid=3#.VrEQZLIrLIU. (Accessed on 02 February2015).

UPFTEC - Divisão de Intercâmbio em Ciência e Tecnologia da Universidade de Passo Fundo. http://www.upf.br/upftec/index.php?option=com_content&view=article&id=15&Itemid=20. (Accessed 02 February2015).

Volberda, H. (2004). Crise em Estratégia: Fragmentação, Integração ou Síntese. Revista de Administração de Empresa - RAE, 44(4), 32-43.

Whitley, R. (2000). The institutional structuring of innovation strategies: business systems, firm types and patterns of technical change in different market economies. Organization Studies, 21(25), 855-886.