Ferramentas e Informações Gerenciais em Micro e Pequenas Empresas Outros Idiomas

ID:
51498
Resumo:
Este trabalho teve por objetivo verificar como funciona a utilização das ferramentas e informações gerenciais nos micro e pequenos empreendimentos atuantes no Cariri Ocidental da Paraíba. Com a finalidade de se alcançar o respectivo objetivo, foi selecionada uma amostra com 32 micro e pequenas empresas escolhidas por acessibilidade e provenientes das cidades de Congo, Sumé, Serra Branca e Ouro Velho. Foi aplicado um questionário contendo 25 questões subjetivas e objetivas. A metodologia utilizada foi de natureza descritiva, exploratória, com a técnica de survey e de abordagem qualitativa. Para apresentação dos dados se utilizou tanto da descrição, como da apresentação das frequências e médias através de tabelas, quando pertinentes. A análise seguiu com base nas correlações entre as questões e na percepção dos respondentes quanto ao conteúdo proposto. Os principais resultados apontam por uma utilização acentuada por parte dos entrevistados, 53,1% da amostra, sendo que as ferramentas de cunho fiscal são as mais expressivas e as contábeis são as menos utilizadas. A contabilidade é percebida como aliada, mas pouco utilizada pelas empresas analisadas uma vez que os empresários em sua maioria tomam decisões e gerenciam seus negócios com base em experiências passadas.
Citação ABNT:
CALLADO, A. A. C.; MELO, W. A. Ferramentas e Informações Gerenciais em Micro e Pequenas Empresas . RAUnP - Revista Eletrônica do Mestrado Profissional em Administração da Universidade Potiguar, v. 10, n. 3, p. 53-65, 2018.
Citação APA:
Callado, A. A. C., & Melo, W. A. (2018). Ferramentas e Informações Gerenciais em Micro e Pequenas Empresas . RAUnP - Revista Eletrônica do Mestrado Profissional em Administração da Universidade Potiguar, 10(3), 53-65.
DOI:
https://doi.org/10.21714/raunp.v10i3.1838
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/51498/ferramentas-e-informacoes-gerenciais-em-micro-e-pequenas-empresas-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Beuren, I. M. & Rengel, S. (2012). Uso dos atributos da contabilidade gerencial propostos por Moores e Yuen (2001) em empresas de um segmento industrial de Santa Catarina. Revista Brasileira de Gestão e Negócios, v. 14, n. 45, p. 453-479, out./dez.

Beuren, I. M. (org). (2012). Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prátrica. 3. ed. São Paulo: Atlas.

Bomfim, E. T.; Teixeira, W. S.; Callado, A. L. C. A. (2013). Utilização de indicadores de desempenho em micros e pequenas empresas: Um Estudo em Empresas Localizadas em João Pessoa – PB. Desafio Online, v. 1, n. 1, Jan./Abr. http://www.desafioonline.com.br/publicações

Brasil. Lei Complementar 123 de 14 de dezembro de 2006. Institui o Estatuto Nacional da Micro Empresa e da Empresa de Pequeno Porte. (Acessed Oct 2016). http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/LCP/Lcp123.htm.

Brasil. Lei Complementar 128 de 19 de dezembro de 2008. (Acessed Oct 2016). http://www.planalto.gov.br/ ccivil_03/leis/LCP/Lcp128.htm.

Cabral, R. J.; Silva, M. K.; Magalhaes, M. G. (2012). Panorama do papel das micro e pequenas empresas no mercado de trabalho na cidade de Pouso Alegre – MG. IX Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia.

Callado, A. L. C.; Callado, A. A. C.; Silva, M. C. M. (2011). Caracterizando os sistema de informação gerencial na gestão de custos em micro e pequenas empresas. Rev. Ciênc. Admin., 17(2), 351-374.

Carmo, C. R. S.; Santos, T. G.; Lima, I. G. (2013). A utilização de “artefatos de custos” por micro e pequenas empresas (MPEs) da cidade de Uberlândia-MG, Brasil. Revista del Instituto Internacional de Costos, n. 12, p. 5-27.

Clemente, F. (2007). Pesquisa exploratória e fenomenológica: alguns conceitos básicos. http://www.administradores.com.br/informe-se/artigos/pesquisa-qualitativa-exploratória-fenomenológica-alguns-conceitos-basicos/14316.

Collins, J. & Hussey, R. (2005). Pesquisa em administração. 2ª ed. Porto Alegre: Bookman.

Gerhardt, T. E. & Silveira, D. T. (2009). Métodos de pesquisa. Universidade Aberta do Brasil (UAB/ UFRGS). Porto Alegre.

Gil, A. C. (1999). Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas.

Gil, A. C. (2008). Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas.

Horngren, C. T. et al. (2008). Contabilidade gerencial. 14 ed. São Paulo: Prentice Hall.

Ibge – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas. (2015). Estimativas da População. http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/estimativa2015/estimativa_dou.shtm.

Ibge – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas. (2017). Estimativas da População. http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/estimativa2017/estimativa_dou.shtm.

Marconi, M. A. & Lakatos, E. M. (2005). Fundamentos da metodologia científica. 6ª ed. São Paulo.

Martins, A. (2014). Utilização das ferramentas da gestão financeira nas empresas: análise das micro e pequenas empresas da cidade de Pato Branco no sudoeste do Paraná. Monografia (Graduação em Ciências contábeis) – Departamento Acadêmico de Ciências Contábeis, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Pato Branco-PR.

Morais, O. O.; Coelho, A. C. D.; Holanda, A. P. (2014). Artefatos de contabilidade gerencial e maximização do valor em firmas brasileiras. Revista de Contabilidade & Controladoria, v. 6, n. 2, p. 128-146.

Moreira, R. L. et al. (2013). A importância da informação contábil no processo de tomada de decisão nas micro e pequenas empresas. Revista Contemporânea de Contabilidade, v. 10, n. 19, p. 119-140.

Moura, M. F.; Pereira, N. A. &.; Rech, I. (2016). Análise quanto ao uso de ferramentas e informações gerenciais pelos produtores de gado de corte. Revista Evidenciação Contábil & Finanças, v. 4, n. 3, p. 72-88.

Panucci Filho, L. & Almeida, L. B. A. (2011). Contabilidade gerencial no crescimento das organizações: Um estudo nas indústrias de confecções. Revista Iberoamericana de Contabilidad de Gestión, v. 9, n. 18, p. 1-17.

Pianovski, F. R. & Barella, L. A. (2016). Contabilidade gerencial: um estudo sobre as práticas de gestão em micro e pequenas empresas na cidade de alta floresta – MT. REFAF – Revista eletrônica, v. 2, n. 4.

Prakash, M. (2013). Evolution and changes in management accounting practices. International Research Journal of Management Science & Technology, v. 4, n. 2, p. 1009-1017.

Richardson, R. J. (1999). Pesquisa social: métodos e técnicas. 3. ed. São Paulo: Atlas.

Sales, R. L.; Barros, A. A.; Pereira, C. M. M. A. (2011). Fatores condicionantes da mortalidade dos pequenos negócios em um típico município interiorano brasileiro. Revista da Micro e Pequena Empresa, v. 5, n. 1, p. 38-55.

Santos, J. V. J. et al. (2017). Análise dos artefatos gerenciais utilizados pelos Food Trucks da cidade de Natal/ RN. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, v. 7, n. 3, p. 105-126.

Santos, V. et al. (2009). Instrumentos de contabilidade gerencial utilizados em micro e pequenas empresas comerciais e disponibilizados por empresas de serviços contábeis. Revista Catarinense de Ciência Contábil, v. 8, n. 24, p. 41-58.

Santos, V.; Dorow, D. R.; Beuren, I. M. (2016). Práticas gerenciais de micro e pequenas empresas. Revista Ambiente Contábil, v. 8, n. 1, jan./jun.

Sebrae – Serviço Brasileiro de Apoio as Micro e Pequenas Empresas. (2015). Participação das Micro e Pequenas Empresas na Economia Brasileira: Relatório Executivo.

Silva, D. J. C. et al. (2010). Para que serve a informação contábil nas micro e pequenas empresas. Revista Contemporânea de Contabilidade, v. 1, n. 13, p. 89-106. jan./jun.

Stacke, J. A.; Feil, A. A. (2017). Análise da utilização das ferramentas contábeis gerenciais em micro e pequenas empresas. Revista Gestão e Desenvolvimento, v. 14, n. 1

Teixeira, A. J. C. et al. (2011). Utilização de Ferramentas de Contabilidade Gerencial nas Empresas do Estado do Espírito Santo. BBR - Brazilian Business Review, v. 8, n. 3, p. 108-127.