Efeitos da Transferência de Tecnologia de Universidades Norte Americana e Brasileira no Capital Humano Técnico e Científico Outros Idiomas

ID:
51616
Resumo:
A Transferência de Tecnologia Universidade-Empresas (TT U-E) é adotada como estratégia de inovação aberta. Destaca-se o de Eficácia Contingente, que possibilita a descrição de TTs e seus efeitos, como no capital humano, técnico e científico. Contudo, a cultivar, um dos meios de TT de grande valor social e econômico, não é citada no modelo. O objetivo da pesquisa foi verificar os efeitos no capital humano, técnico e científico de processos de TT-UE de cultivares no Brasil e nos EUA. Adotou-se o estudo multi-casos, com pesquisa documental e entrevistas com agentes (universidades) e receptores (organizações) no segundo semestre de 2014, e análise cruzada. Revelaram-se diferenças nos contextos nacionais de inovação e que o estudo do capital humano técnico e científico deve se estender à criação de redes de conhecimento e à habilidade de comunicação entre academia e organizações, contribuindo, pois, para maior percepção dos efeitos da TT U-E, especialmente de cultivares.
Citação ABNT:
PHILIPPI, D. A.; MACCARI, E. A. Efeitos da Transferência de Tecnologia de Universidades Norte Americana e Brasileira no Capital Humano Técnico e Científico. Revista de Ciências da Administração, v. 20, n. 51, p. 86-101, 2018.
Citação APA:
Philippi, D. A., & Maccari, E. A. (2018). Efeitos da Transferência de Tecnologia de Universidades Norte Americana e Brasileira no Capital Humano Técnico e Científico. Revista de Ciências da Administração, 20(51), 86-101.
DOI:
http://dx.doi.org/10.5007/2175-8077.2018 V20n51p86
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/51616/efeitos-da-transferencia-de-tecnologia-de-universidades-norte-americana-e-brasileira-no-capital-humano-tecnico-e-cientifico/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALBUQUERQUE, E. M. Ideias Fundadoras apresentação: The ‘National System of Innovation’ in Historical Perspective: Christopher Freeman. Revista Brasileira de Inovação, v. 3, n. 1, p. 9-34, 2004.

AUTIO, E. ; LAAMANEN, T. Measurement and evaluation of technology-transfer — review of technology-transfer mechanisms and indicators. International Journal of Technology Management, v. 10, n. 7-8, p. 643–664, 1995.

AVIANI, D. de M. A proteção de cultivares no contexto. In: Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Proteção de Cultivares no Brasil. Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo.Brasília: Mapa/ACS, 2011.

BABBIE, E. The practice of social research. Belmont: Wadsworth Publishing Company, 1998.

BIDAULT, F.; FISCHER, W.A. Technology transactions: networks over markets. R&D Management, v. 24, n. 4, p. 373–386, 1994.

BOZEMAN, B. ROGERS, J. Knowledge value collectives: the proof of science is in the putting , Proceedings for the Conference on Laboratory Evaluation, Ecole des Mine, Paris, 1998.

BOZEMAN, B. Technology transfer and public policy: a review of research and theory. Research Policy, v. 29, n. 4-5, p. 627–655, 2000.

BOZEMAN, B.; DIETZ, J. S.; GAUGHAN, M. Scientific and Technical Human Capital: An Alternative Model for Research Evaluation. International Journal of Technology Management, v. 22, n. 7-8, p. 716-740, 1999.

CHESBORUGH, H. W. Open innovation: the new imperative for creating and profiting from technology. Boston, Massachusetts. Harvard Business School Press, 2003.

CLOSS, L. Q.; FERREIRA, G. C. A transferência de tecnologia universidade-empresa no contexto brasileiro: uma revisão de estudos científicos publicados entre os anos 2005 e 2009. Gestão e Produção, v.19, n.2, p. 419-432. 2012.

CORRÊA, F. A patente na universidade: contexto e perspectivas de uma política de geração de patentes na Universidade Federal Fluminense. 2007. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação). Universidade Federal Fluminense, Niterói, RJ, 2007.

CRESWEL, J. W. Investigação qualitativa & projeto de pesquisa: escolhendo entre cinco abordagens. Porto Alegre: Penso, 2014.

D A L M A R C O , G . ; Z AW I S L A K , P. A . ; KARAWEJCZYK, T.C. Fluxo de Conhecimento na Interação Universidade-Empresa: uma abordagem complementar, Anais do 26 Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração. Rio de Janeiro, 2012.

EISENHARDT, K. M. Building Theories from Case Study Research. Academy of Management Review. v. 14, n. 4, p. 532–550, 1989.

ETZKOWITZ, H. M I T an d t h e R i s e of Entrepreneurial Science. London: Routledge, 2002.

ETZKOWITZ, H. Research Groups As ‘Quasi-Firms’: The Invention of the Entrepreneurial University. Research Policy, v. 32, n. 1, p. 109–121, 2003.

ETZKOWITZ, H. The triple helix: science, technology and the entrepreneurial spirit. Journal of Knowledge-based Innovation in China, v. 3, n. 2, p. 76-90, 2011.

ETZKOWITZ, H.; LEYDESDORFF, L. The dynamics of innovation: from National Systems and ‘‘Mode2’’ to a Triple Helix of university–industry–government relations. Research Policy, v. 29, n. 2, p. 109-123, 2000.

FAO. Food and Agriculture Organization of the United Nations. Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura -2014. Disponível em: Acesso em: 05 abr. 2015.

FLICK, U. Uma introdução à pesquisa qualitativa. Bookman, Porto Alegre, 2004.

FREEMAN, C. The “National System of Innovation” in historical perspective. Cambridge Journal of Economics, v. 19, n. 1, p. 5-24, 1995

GARNICA, L. A.; TORKOMIAN, A.L. V. (2009). Gestão de tecnologia em universidades: uma análise do patenteamento e dos fatores de dificuldade e de apoio à transferência de tecnologia no Estado de São Paulo. Gestão e Produção, v. 16, n. 4, p. 624-638, 2009.

GOMES, L. dos S. D. et al. Transferência de conhecimento e tecnologia da universidade para as empresas de base tecnológicas caracterizadas spin-off. Anais do I Congresso Brasileiro de Engenharia de Produção (ABEPRO). Ponta Grossa-PR, 2011.

HENDERSON, R.; JAFFE, A.; TRAJTENBERG, M. Universities as a source of commercial technology: a detailed analysis of university patenting, 1965-1988. The Review of Economic and Statistics, v.80, n.1, p. 119-127, 1998.

JENSEN, R.; THURSBY, M. Proofs and prototypes for sale: the licensing of university inventions. American Economic Review, v. 91, n.1, 240-259, 2001.

LAFER, C. Especial 80 anos USP. Pesquisa FAPESP, Ed. especial, 2014.

LUNDVALL, B. A. National systems of innovation: towards a theory of innovation and interactive learning. London: Pinter Publishers, 1992.

LYNN, L.H.; REDDY, N.M.; ARAM, J.D. Linking technology and institutions — the innovation community framework. Research Policy, v. 25, n.1, p. 91–106, 1996.

MACHADO, A. T. Construção histórica do melhoramento genético de plantas: do convencional ao participativo, Revista Brasileira de Agroecologia, v. 9, p.1, 35-50, 2014.

MALECKI, E. Government funded R&D: some regional economic implications. The Professional Geographer, v.33, n.1, p. 72-82, 1981a.

MALECKI, E. Science technology and regional economic development: review and prospects. Research Policy, v.10, n. 4, p. 312–334, 1981b.

MALECKI, E.; TOOTLE, D. The role of networks in small firm competitiveness. International Journal of Technology Management, v. 1, n. 1-2, p. 43–57, 1996.

MAPA. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Cultivares Protegidas. Disponível em http://www.agricultura.gov.br/vegetal/registros-autorizacoes/protecao-cultivares/cultivares-protegidas Acesso em 18 jun. 2016.

MAPA. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Projeções do agronegócio: Brasil 2012/2013 a 2022/2023, 2013. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Assessoria de Gestão Estratégica. Brasília: Mapa/ACS.

MDIC. Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços Disponível em http://www.mdic.gov.br/ index.php/inovacao/fomento-a-inovacao/marco-legal-da-inovacao. Acesso em 27 fev. 2017.

MINAYO, M. C. de S. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis -RJ: Vozes, 1994.

MOWERY D. C. et al. The growth of patenting and licensing by U.S. universities: an assessment of the effects of the Bayh–Dole act of 1980. Research Policy, v. 30, n. 1, p. 99-119, 2001.

OLIVA, G. Modelo de Universidade, Missão e Visão de Futuro. In Vilela& Lajolo (orgs.). USP 2034: Planejando o Futuro. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2009.

RAPPA, M.A., DEBACKERE, K. Technological communities and the diffusion of knowledge. R&D Management, v. 22, n. 3, p. 209–220, 1992.

ROCHA, H. Apresentação. In: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Proteção de Cultivares no Brasil. Brasília: MAPA/ACS, 2011.

ROMANO, Giovanni. Imagens da juventude na era moderna. In: LEVI, MOWERY D.; SAMPAT, B. Universities in national innovation systems. In: Fargerberg, J.; Mowery, D.; Nelson, R. (Orgs.). The Oxford Handbook of Innovation. New York: Oxford University Press, 2005.

RUF. Ranking Universitário Folha 2014. Ranking de universidades. Folha de S. Paulo. Disponível em: Acesso em: 22 dez. 2014.

SÁBATO, J.; BOTANA, N. La ciência y La tecnologia en el futuro de América Latina. Revista de La integración, v. 1, n. 3, p. 15-36, 1968.

SANTOS, F. S. et al. Evolution, importance and evaluation of cultivar protection in Brazil: the work of the SNPC. Crop Breeding and Applied Biotechnology. S2: 99-110, 2012.

SELLTIZ, C.; WRIGHTSMAN, L. S. ; COOK, S. W. Métodos de pesquisa nas relações sociais. São Paulo: Ed. Pedagógica e Universitária Ltda, 1974.

SENADO. Universidades do Brasil: poucas patentes e inovação tecnológica, 2012. Disponível em: >. Acesso em: 15 mar. 2015.

SIEGEL, D. S.; WALDMAN, D.; LINK. A. (2003). Assessing the impact of organizational practices on the relative productivity of university technology transfer offices: an exploratory study. Research Policy. V. 32, n. 1, p. 27–48, 2003.

STAL, E.; FUJINO, A. As relações universidade-empresa no Brasil sob a ótica da Lei de Inovação. Revista de Administração e Inovação, v. 2, n. 1, 5-19, 2005.

TORNATZKY, L.G.; RIDEOUT, E.C. Innovation U 2.0 Reinventing University Roles in a Knowledge Economy, 2014. Disponível em:< http://www.innovation-u.com/InnovU-2.0_rev-12-14-14.pdf > Acesso em: 15, set. 2015.

UPOV. International Union for the Protection of New Varieties of Plants. Members of the International Union for the Protection of New Varieties of Plants. International Convention for the Protection of New Varieties of Plants UPOV Convention (1961), as revised at Geneva (1972, 1978 and 1991), 2015. Disponível em: Acesso em: 18, out. 2015.

US News. US News Education: Best Global Universities Rankings, 2015. Disponível em:Acesso em: 10, mai. 2016.

USDA. United States Department of Agriculture. Agricultural Marketing Service. AMS, 2015. United States Department of Agriculture. Agricultural Marketing Service. Disponível em:< http://www.ams. usda.gov/services/plant-variety-protection> Acesso em: 12, out. 2015.

VALENTE, L. Hélice tríplice: metáfora dos anos 90 descreve bem o mais sustentável modelo de sistema de inovação. Entrevista Henry Etzkowitz: Conhecimento & Inovação, v.6, n. 1, 2010. Disponível em: Acesso em: 03, mar. 2013.

WEF. World Economic Forum. The Global Competitiveness Report 2014 – 2015, 2015. Disponível em: Acesso em: 03, jul. 2015.

YIN, R. K. Estudo de caso. Planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, 2001.