Enrique Dussel e a Filosofia da Libertação nos Estudos Organizacionais Outros Idiomas

ID:
51700
Periódico:
Resumo:
A proposta deste ensaio teórico é revisitar, de modo didático e não exaustivo, as principais ideias de Enrique Dussel e sua Filosofia da Libertação, passando pelos principais conceitos e pelas categorias elaboradas pelo autor. A base positiva dessa filosofia nos desafia a romper com o silêncio das vozes dos oprimidos, dos explorados ou das vítimas, que não foram considerados agentes relevantes na construção da sociedade moderna (mulheres, índios, escravos, sertanejos etc.). A Filosofia da Libertação se baseia nos conceitos de totalidade, exterioridade, alienação, mediação, proximidade e libertação. A totalidade, fundamentada pela pretensão conquistadora dos colonizadores, dá-se a partir de uma dimensão ontológica que revela a verdade como aquela decorrente dos que se julgam superiores por sua dominação tecnológica ou econômica. Esse discurso resultou na exterioridade daqueles que não integram originalmente esse público, excluindo-os do sistema e atribuindo a eles a alienação, que é a negação do seu status de sujeito. Afirmamos a colonização da Administração quando substituímos a consciência crítica da Administração pela leitura da mídia popular de negócios, pela retórica das consultorias e pela crença de um livre mercado em que, naturalmente, não haverá recursos para todos, mas apenas para aqueles que prosperarem em um cenário de incertezas. A teoria clássica da economia naturaliza a competição e a exterioridade, entretanto, podemos nos organizar para atender às necessidades populares de modo mais inclusivo, democrático e respeitando os limites da natureza. A proximidade e a libertação são a chave do pensamento teórico para a superação dessa visão.
Citação ABNT:
COUTO, F. F.; CARRIERI, A. P. Enrique Dussel e a Filosofia da Libertação nos Estudos Organizacionais . Cadernos EBAPE.BR, v. 16, n. 4, p. 631-641, 2018.
Citação APA:
Couto, F. F., & Carrieri, A. P. (2018). Enrique Dussel e a Filosofia da Libertação nos Estudos Organizacionais . Cadernos EBAPE.BR, 16(4), 631-641.
DOI:
http://dx.doi.org/10.1590/1679-395169213
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/51700/enrique-dussel-e-a-filosofia-da-libertacao-nos-estudos-organizacionais-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BARROS, A. Uma narrativa sobre os cursos superiores em administração da FACE/UFMG: dos primeiros anos à sua unificação em 1968. Cadernos EBAPE.BR, Rio de Janeiro, v. 12, n. 1, p. 7-25, 2014.

BERTERO, C. O. et al. Produção científica brasileira em administração na década de 2000. Revista de Administração de Empresas, v. 53, n. 1, p. 12-20, 2013.

CASELAS, J. M. S. A utopia possível de Enrique Dussel: a arquitetônica da ética da libertação. Cadernos de Ética e Filosofia Política, v. 15, p. 63-84, 2009.

DUSSEL, E. D. 1492: o encobrimento do outro. Petrópolis: Vozes, 1993.

DUSSEL, E. D. 20 tesis de política. Mexico: Centro de Cooperación Regional para la Educación de Adultos en América Latina y el Caribe, 2006.

DUSSEL, E. D. Filosofia da libertação: crítica à ideologia da exclusão. São Paulo: Paulus, 2005.

DUSSEL, E. D. Filosofia na América Latina: filosofia da libertação. São Paulo: Loyola, 1977.

DUSSEL, E. D. Introducción a la filosofía de la liberación. Bogotá: Nueva América, 1988.

DUSSEL, E. D. Transmodernity and interculturality: an Interpretation from the perspective of philosophy of liberation. Transmodernity: Journal of Peripheral Cultural Production of the Luso-Hispanic World, v. 1, n. 3, p. 1-26, 2012.

DUSSEL, E. D.; MENDIETA, E.; DE FRUTOS, J. A. S. Hacia una filosofía política crítica. Bilbao: Desclée de Brouwer, 2001.

LEVINAS, E. Ética e infinito. Madrid: Visor, 1991.

LÓPEZ-RUIZ, O. J. Éthos empresarial: el “capital humano” como valor social. Estudios Sociológicos, v. 25, n. 74, p. 399-425, 2007.

MISOCZKY, M. C.; CAMARA, G. D. Enrique Dussel: contribuições para a crítica ética e radical nos estudos organizacionais. Cadernos EBAPE.BR, v. 13, n. 2, p. 286, 2015.

OLIVEIRA, H. M. A filosofia da libertação como desmitologização: a modernidade. Kínesis: Revista de Estudos dos Pós-Graduandos em Filosofia, v. 1, n. 2, p. 90-104, 2014.