A Regulamentação como Indutora de Tecnologias Ambientais para a Redução de Emissões Tóxicas em Veículos Leves no Brasil Outros Idiomas

ID:
51708
Periódico:
Resumo:
Nas últimas décadas, diversos países adotaram ações para mitigar as emissões tóxicas dos automóveis e, principalmente, reduzir riscos à saúde pública. Pesquisas indicam uma relação estatisticamente significativa entre monóxido de carbono (CO) e doenças respiratórias. A regulamentação teve um papel vital na definição de metas e padrões que fomentaram o desenvolvimento tecnológico dos automóveis. O objetivo deste artigo é analisar o papel da regulamentação como indutora da inovação tecnológica ambiental na redução de emissões tóxicas de veículos leves fabricados no Brasil. Realizou-se uma pesquisa qualitativa descritiva de base documental. A difusão dessas tecnologias no Brasil mostra defasagem cronológica entre a implementação das fases da legislação Euro e do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores (PROCONVE). Os resultados da pesquisa mostram que a regulamentação fomentou a difusão da inovação tecnológica ambiental, com a introdução de injeção eletrônica de combustível, catalisador e melhoria da motorização. Diante das mudanças identificadas, a regulamentação leva a um processo de balanceamento tecnológico entre as montadoras com ganho de escala, de modo a favorecer a difusão de tecnologias ambientais para mitigar as emissões de gases tóxicos.
Citação ABNT:
SALVO JUNIOR, O.; SOUZA, M. T. S. A Regulamentação como Indutora de Tecnologias Ambientais para a Redução de Emissões Tóxicas em Veículos Leves no Brasil. Cadernos EBAPE.BR, v. 16, n. 4, p. 748-760, 2018.
Citação APA:
Salvo Junior, O., & Souza, M. T. S. (2018). A Regulamentação como Indutora de Tecnologias Ambientais para a Redução de Emissões Tóxicas em Veículos Leves no Brasil. Cadernos EBAPE.BR, 16(4), 748-760.
DOI:
http://dx.doi.org/10.1590/1679-395164314
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/51708/a-regulamentacao-como-indutora-de-tecnologias-ambientais-para-a-reducao-de-emissoes-toxicas-em-veiculos-leves-no-brasil/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BERGEK, A.; BERGGREN, C. The impact of environmental policy instruments on innovation: a review of energy and automotive industry studies. Ecological Economics, v. 106, p. 112-123, 2014.

BOCKEN, N. M. P. et al. The front-end of eco-innovation for ecoinnovative small and medium sized companies. Journal of Engineering and Technology Management, v. 31, n. 1, p. 43-57, 2014.

CANÇADO, J. E. D. et al. Repercussões clínicas da exposição à poluição atmosférica. Jornal Brasileiro de Pneumologia, v. 32, supl. 1, p. S5-S11, 2006.

CARRILLO-HERMOSILLA, J.; DEL RÍO, P.; KÖNNÖLÄ, T. Diversity of eco-innovations: reflections from selected case studies. Journal of Cleaner Production, v. 18, n. 10/11, p. 1073-1083, 2010.

CARVALHO, V. S. B. et al. Air quality status and trends over the Metropolitan Area of São Paulo, Brazil as a result of emission control policies. Environmental Science & Policy, v. 47, p. 68-79, 2015.

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - CONEMA. Resolução Conema nº 70, de 19 de janeiro de 2016. 2016. . Acesso em: 15 maio 2016.

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - CONEMA. Resolução nº 354, de 13 de dezembro de 2004. Dispõe sobre os requisitos para adoção de sistemas OBD nos veículos automotores leves objetivando preservar a funcionalidade dos sistemas de controle de emissão. 2004. . Acesso em: 04 ago. 2004.

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - CONEMA. Resolução nº 415, de 24 de setembro de 2009. Dispõe sobre nova fase (PROCONVE L6) de exigências do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE para veículos automotores leves novos de uso rodoviário e dá outras providências. 2009. . Acesso em: 16 fev. 2009.

DECHEZLEPRÊTRE, A.; NEUMAYER, E.; PERKINS, R. Environmental regulation and the cross-border diffusion of new technology: evidence from automobile patents. Research Policy, v. 44, n. 85, p. 244-257, 2015.

DIJK, M.; YARIME, M. The emergence of hybrid-electric cars: innovation path creation through co-evolution of supply and demand. Technological Forecasting & Social Change, v. 77, n. 8, p. 1371-1390, 2010.

FREITAS, C. et al. Internações e óbitos e sua relação com a poluição atmosférica em São Paulo, 1993 a 1997. Revista de Saúde Pública, v. 38, n. 6, p. 751-757, 2004.

GODOY, A. S. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas, v. 35, n. 2, p. 57-63, 1995.

HEMMELSKAMP, J. Environmental policy instruments and their effects on innovation. European Planning Studies, v. 5, n. 2, p. 177-194, 1997.

HORBACH, J. Determinants of environmental innovation: new evidence from German panel data sources. Research Policy, v. 37, n. 1, p. 163-173, 2008.

INSTITUTE FOR ENVIRONMENTAL STUDIES - IVM. Innovation dynamics induced by environmental policy: final report. 2006. . Acesso em: 28 jun. 2006.

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA. Instrução Normativa n. 24, de 28 de agosto de 2009. 2009. . Acesso em: 11 mar. 2016.

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA. Programa de controle da poluição do ar por veículos automotores: Proconve/Promot/Ibama. 3. ed. Brasília, DF: IBAMA/DIQUA, 2011.

KNELLER, R.; MANDERSON, E. Environmental regulations and innovation activity in UK manufacturing industries. Resource and Energy Economics, v. 34, n. 2, p. 211-235, 2012.

KOUSOULIDOU, M. et al. Road-transport emission projections to 2020 in European urban environments. Atmospheric Environment, v. 42, n. 32, p. 7465-7475, 2008.

LEE, J.; BERENTE, N. The era of incremental change in the technology innovation life cycle : an analysis of the automotive emission control industry. Research Policy, v. 42, n. 8, p. 1469-1481, 2013.

LEE, J. et al. Forcing technological change: a case of automobile emissions control technology development in the US. Technovation, v. 30, n. 4, p. 249-264, 2010.

LIPSCY, P. Y.; SCHIPPER, L. Energy efficiency in the Japanese transport sector. Energy Policy, v. 56, p. 248-258, 2013.

LOPES, A. P. V. B. V.; FERRARESE, A.; CARVALHO, M. M. Inovação aberta no processo de pesquisa e desenvolvimento: uma análise da cooperação entre empresas automotivas e universidades. Gestão & Produção, v. 24, n. 4, p. 653-666, 2017.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA. Inventário nacional de emissões atmosféricas por veículos automotores rodoviários, 2013. 2013. . Acesso em: 12 abr. 2013.

OLTRA, V.; SAINT JEAN, M. Sectoral systems of environmental innovation: an application to the French automotive industry. Technological Forecasting and Social Change, v. 76, n. 4, p. 567-583, 2009.

ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT - OECD. Sustainable manufacturing and eco-innovation: framewok, practices and measurement. 2009. . Acesso em: 17 nov. 2009.

VINNOVA. Drivers of environmental innovation. 2001. . Acesso em: 01 jan. 2001.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

ZAPATA, C.; NIEUWENHUIS, P. Exploring innovation in the automotive industry: new technologies for cleaner cars. Journal of Cleaner Production, v. 18, n. 1, p. 14-20, 2010.