Lógica de Mercado Como Medida de Eficiência da Organização do Carnaval de Olinda Outros Idiomas

ID:
51719
Resumo:
O Carnaval de Olinda converteu-se num megaevento nas últimas décadas, revelando-se uma organização cada vez mais complexa à medida que uma lógica de mercado se insere e se intensifica. Essa difusão da lógica de mercado em diversas instâncias da vida pública é um fenômeno bastante associado às premissas do neoliberalismo. Nesse sentido, uma importante contribuição é a análise da racionalidade governamental empreendida por Michel Foucault, na medida em que sua obra remonta à emergência do pensamento liberal e à racionalidade a ele subjacente. O presente estudo investiga como a lógica do mercado é adotada no Carnaval de Olinda, tomando como base a análise de discurso sistematizada por Foucault. Para tanto, foi analisada toda a cobertura jornalística dos carnavais de 1986, 1996, 2006 e 2016 dos dois principais jornais de Pernambuco, que distam 10 anos entre si, no intuito de apreender as mudanças substanciais ao longo das décadas. Nossos achados apontam para uma busca de eficiência governamental por parte da municipalidade, tendo como premissa o modelo do homo œconomicus e adotando tecnologias políticas voltadas para a mediação de interesses entre mercado e sociedade.
Citação ABNT:
FRANCO, S. M.; LEÃO, A. L. M. S. Lógica de Mercado Como Medida de Eficiência da Organização do Carnaval de Olinda. Revista de Administração Contemporânea, v. 22, n. 5, p. 661-682, 2018.
Citação APA:
Franco, S. M., & Leão, A. L. M. S. (2018). Lógica de Mercado Como Medida de Eficiência da Organização do Carnaval de Olinda. Revista de Administração Contemporânea, 22(5), 661-682.
DOI:
http://doi.org/10.1590/1982-7849rac2018170260
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/51719/logica-de-mercado-como-medida-de-eficiencia-da-organizacao-do-carnaval-de-olinda/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Andrade, D. P.; Ota, N. K. (2015). Uma alternativa ao neoliberalismo: Entrevista com Pierre Dardot e Christian Laval. http://dx.doi.org/10.1590/0103-207020150115. Tempo Social, 27(1), 275-315.

Araújo, R. C. B. de. (1996). Festas: Máscaras do tempo. Entrudo, mascarada e frevo no Carnaval do Recife. Recife: Fundação de Cultura Cidade do Recife.

Ashenden, S. (2015). Foucault, Ferguson, and civil society. Foucault Studies, (20), 36-51.

Ataíde, J. (1982). Olinda, Carnaval e povo: 1900-1981. Olinda: Fundação Centro de Preservação dos Sítios Históricos de Olinda.

Avelino, N. (2016). Foucault e a recionalidade (neo)liberal. http://dx.doi.org/10.1590/0103-335220162107 Revista Brasileira de Ciência Política, (21), 229-286.

Barreto, J. C. (2008). De Montmartre nordestina a mercado persa de luxo: o Sítio Histórico de Olinda e a participação dos moradores na salvaguarda do patrimônio cultural (Dissertação de mestrado não publicada). Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil.

Brasileiro, K. V. B. R. (2016). A cultura como produto midiático: Práticas comunicacionais de empresas que utilizam a Lei Rouanet. (Dissertação de mestrado não publicada). Faculdade Casper Líbero, São Paulo, SP, Brasil.

Calkin, S. (2015). “Tapping” women for post-crisis capitalism. International Feminist http://dx.doi.org/10.1080/14616742.2015.1071994. Journal of Politics, 17(4), 611-629.

Chantepie, P.; Becut, A.; Ratiu, D. E. (2015). Culture, market and society: Between marketization of culture and culturalização of market. http://dx.doi.org/10.1515/irsr-2015-0006. International Review of Social Research, 5(2), 75-77.

Cockayne, D. G. (2016). Entrepreneurial affect: Attachment to work practice in San Francisco’s digital media sector. http://dx.doi.org/10.1177/0263775815618399. Environment and Planning D: Society and Space, 34(3), 1-18.

Dardot, P.; Laval, C. (2016). A nova razão do mundo: Ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo.

Dreyfus, H. L.; Rabinow, P. (2011). Michel Foucault, uma trajetória filosófica: Para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro: Forense.

Farias, E. (2006). O desfile e a cidade: O carnaval-espetáculo carioca. Rio de Janeiro: E-papers.

Ferreira, L. F. (2005). O livro de ouro do carnaval brasileiro. (Vol. 1). Rio de Janeiro: Ediouro.

Flew, T. (2015). Foucault, Weber, neoliberalism and the politics of governmentality. http://dx.doi.org/10.1177/0263276415607605. Theory, Culture and Society, 32(7/8), 317-326.

Foucault, M. (2008). Nascimento da biopolítica: Curso dado no Collège de France (1978-1979). São Paulo: Martins Fontes.

Foucault, M. (2008). Segurança, território, população: Curso dado no Collège de France (1977-1978). São Paulo: Martins Fontes.

Foucault, M. (2014). Arqueologia do saber. 8 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Foucault, M. (2014). História da sexualidade: A vontade de saber. São Paulo: Paz e Terra.

Foucault, M. (2015). Microfísica do poder. 2 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Hansen, M. B.; Lindholst, A. C. (2016). Marketization revisited. http://dx.doi.org/10.1108/IJPSM-05-2016-0090. International Journal of Public Sector Management, 29(5), 398-408.

Harchambois, A. M.; Pontual, V. (2007). As ameaças do Carnaval de massa ao patrimônio de Olinda. Olinda: Centro de Estudos Avançados de Conservação Integrada.

Hollanda, B. B. B. de. (2013). País do Carnaval! País do Carnaval? (Uma apresentação alentada ao dossiê: Carnavais & Organizações). http://dx.doi.org/10.1590/S1984-92302013000100007. Organizações & Sociedade, 20(64), 99-109.

Leal, W. B. (2008). Olinda: 100 anos de frevo. Recife: Publikimagem.

Leão, A. L. M. S.; Mello, S. C. B.; Vieira, R. S. G. (2009). O papel da teoria no método de pesquisa em Administração. http://dx.doi.org/10.15603/19828756/roc.v5n10p1-16. Organizações em Contexto, 5(10), 1-16.

McAlexander, J. H.; Dufault, B. L.; Martin, D. M.; Schouten, J. W. (2014). The marketization of religion: Field, capital, and consumer identity. http://dx.doi.org/10.1086/677894. Journal of Consumer Research, 41(3), 858-875.

McGuigan, J. (2014). The neoliberal self. Culture Unbound, 6, 223-240. http://dx.doi.org/10.3384/cu.2000.1525.146223

Miguez, P. (2012). O Carnaval da Bahia: Um desafio para as políticas culturais. Repertório, (19), 136-138.

Müller, M. (2015). What makes an event a mega-event?Definitions and sizes. http://dx.doi.org/10.1080/02614367.2014.993333. Leisure Studies, 34, 627-642.

Nd. (1991). Lei nº 8.313, de 23 de dezembro de 1991. Restabelece princípios da Lei n° 7.505, de 2 de julho de 1986, institui o Programa Nacional de Apoio à Cultura (Pronac) e dá outras providências. Brasília, DF: Casa Civil.

Nd. (2001). Lei nº 5.306, de 28 de dezembro de 2001. Dispõe sobre os festejos carnavalescos no Município e dá outras providências. Olinda, PE: Câmara Municipal de Olinda.

Özgün, A.; Dholakia, N.; Atik, D. (2017). Marketization and Foucault. http://dx.doi.org/10.1177/0972150917693335. Global Business Review, 18(3suppl.), S191-S202.

Queiroz, M. I. P. (1992). Carnaval brasileiro: O vivido e o mito. São Paulo: Brasiliense.

Santos, F. B. P. dos (2010). Carnaval e administração pública: O papel dos governos locais na configuração das festas. http://dx.doi.org/10.12957/tecap.2010.12026 Textos Escolhidos de Cultura e Arte Populares, 7(2), 6174.

Secretaria de Comunicação. (2016). Olinda comemora Carnaval alegre e de paz. http://www.olinda.pe.gov.br/carnaval-de-olinda/olindacomemora-carnaval-alegre-e-de-paz#.WXF5zojyu00

Stival, M. L. (2016). Do poder ao governo e do saber a veridição. http://dx.doi.org/10.11606/issn.2318-8863.disc..2015.112523. Discurso, 45(2), 335-344.

Thiry-Cherques, H. R. (2010). À moda de Foucault: Um exame das estratégias arqueológica e genealógica de investigação. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-64452010000300009. Lua Nova: Revista de Cultura e Política, (81), 215-148.

Tucherman, I. (2007). Michel Foucault, hoje ou ainda: Do dispositivo de vigilância ao dispositivo de exposição da intimidade. In A. Queiroz & N. V. Cruz (Orgs.), Foucault hoje? (pp. 108-118). Rio de Janeiro: 7Letras, 2007.

Vallas, S. P.; Cummins, E. R. (2015). Personal branding and identity norms in the popular business press: Enterprise culture in age of precarity. http://dx.doi.org/10.1177/0170840614563741. Organization Studies, 36(3), 293-319.