Distorções Inflacionárias nas Cooperativas Outros Idiomas

ID:
51735
Resumo:
A presente pesquisa tem como objetivo comparar os índices de avaliação econômicos e financeiros das cooperativas agropecuárias do Paraná pelos métodos de mensuração a custo histórico e a custo histórico corrigido. Para tanto, o estudo baseia-se em dados oriundos do Balanço Patrimonial e Demonstrativo de Sobras e Perdas de 49 cooperativas do Paraná no período de 2010 a 2014, em valores nominais. Pode-se verificar que os índices de endividamento, imobilização do patrimônio líquido e custo da dívida apresentaram decréscimo em seus valores quando corrigidos. Já os índices vinculados à rentabilidade apresentaram um declínio somente no ano de 2010, sendo que, nos anos de 2011 a 2014, os índices calculados com base em valores corrigidos foram superiores aos índices calculados a custo histórico. Os testes revelaram diferenças significativas nas médias dos índices de endividamento, rentabilidade e custo da dívida, sendo que a correção monetária do índice de imobilização do patrimônio líquido não apresentou discrepância relevante. Quando a amostra foi estratificada por sistema agroindustrial, pôde-se verificar que somente as cooperativas que comercializam cereais apresentam os mesmos resultados, considerando os efeitos da inflação. Para as cooperativas que industrializam seus produtos, todos os índices analisados demonstraram disparidade significante e, para as cooperativas que atuam em outras atividades e pecuárias, somente os índices de estrutura de capital e custo da dívida demonstraram ser significativamente diferentes. Assim, conclui-se que, no contexto das cooperativas analisadas, a desconsideração da inflação diminui a relevância da informação, tendo em vista que os valores reportados a custo histórico representam uma distorção da realidade em ambientes inflacionários.
Citação ABNT:
LONDERO, P. R.; FIGUEIRA, L. M.; STANZANI, L. M. L.; MARTINS, E. Distorções Inflacionárias nas Cooperativas. BASE - Revista de Administração e Contabilidade da UNISINOS, v. 15, n. 3, p. 161-177, 2018.
Citação APA:
Londero, P. R., Figueira, L. M., Stanzani, L. M. L., & Martins, E. (2018). Distorções Inflacionárias nas Cooperativas. BASE - Revista de Administração e Contabilidade da UNISINOS, 15(3), 161-177.
DOI:
10.4013/base.2018.153.01
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/51735/distorcoes-inflacionarias-nas-cooperativas/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BIALOSKORSKI NETO, S. (2012). Economia e gestão de organizações cooperativas. 2ª ed. São Paulo, Atlas.

BIALOSKORSKI NETO, S.; BARROSO, M. F. G.; REZENDE, A. J. (2012). Cooperative governance and management control systems: An agency costs theoretical approach. https://doi.org/10.15728/bbr.2012.9.2.4. Brazilian Business Review, 9(2), 68-87.

BOBRISHEV, A. N.; KULISH, N. V.; TUNIN, S. A.; SYTNIK, O. E.; EL’CHANINOVA, O. V. (2016). Accounting and analytical procurement of business performance in an inflationary environment. International Journal of Applied Business and Economic Research, 14(14), 627-637.

BRETOS, I.; MARCUELLO, C. (2016). Revisiting globalization challenges and opportunities in the development of cooperatives. https://doi.org/10.1111/apce.12145. Annals of Public and Cooperative Economics, 88(1), 47-73.

CARVALHO, F. L. de; BIALOSKORSKI NETO, S. (2008). Indicadores de avaliação de desempenho de cooperativas agropecuárias: um estudo em cooperativas paulistas. Revista de Organizações Rurais & Agroindustriais, 10(3), 420-437.

CHADDAD, F. (2012). Advancing the theory of the cooperative organization: the cooperative as a true hybrid. https://doi.org/10.1111/j.1467-8292.2012.00472.x. Annals of Public and Cooperative Economics, (83), 445-461.

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE (CFC). (2005). Resolução nº 1.013/05, de 21 de janeiro de 2005. NBC T 10.8 IT 1 Entidades Cooperativas. Diário Oficial da União, Brasília, DF.

COSTA, C. H. G.; CAMPOS, R. S.; CASTRO JÚNIOR, L. G. (2016). Sensibilidade das políticas monetária, fiscal e cambial no combate à inflação no Brasil. https://doi.org/10.18593/race.v15i1.7597. RACE: Revista de Administração, Contabilidade e Economia, 15(1), 115-136.

CURTIS, A. A.; LEWIS-WESTERN, M. F. B.; TOYNBEE, S. A. (2015). Historical cost measurement and the use of DuPont analysis by market participants. https://doi.org/10.1007/s11142-015-9334-y. Review of Accounting Studies, 20(3), 1210-1245.

EDWARDS, E.; BELL, P. (1961). The Theory and Measurement of Business Income. Berkeley, University of California Press.

GABRIEL, F.; ASSAF NETO, A.; CORRAR, L.J. (2005). O impacto do fim da correção monetária no retorno sobre o patrimônio líquido dos bancos no Brasil. Revista de Administração - RAUSP, 40(1), 44-54.

HENDRIKSEN, E. S.; VAN BREDA, M. F. (1999). Teoria da Contabilidade. São Paulo, Atlas, 552 p.

HERBST, P.; PRÜFER, J. (2016). Firms, nonprofits, and cooperatives: A theory of organizational choice. https://doi.org/10.1111/apce.12130. Annals of Public and Cooperative Economics, 87(3), 315-343.

HOFFMANN, E. P. T.; NOSSA, V. (2005). Os efeitos proporcionados pelo não-reconhecimento da correção monetária de balanço: o caso do Unicafé. Revista Brasileira de Contabilidade, (1), 37-52.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). (2017). Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo. ftp://ftp.ibge.gov.br/Precos_Indices_de_Precos_ao_Consumidor/IPCA/Fasciculo_Indicadores_IBGE/ipca-inpc_201703caderno.pdf.

KONCHITCHKI, Y. (2011). Inflation and nominal financial reporting: implications for performance and stock prices. https://doi.org/10.2308/accr.00000044. The Accounting Review, (86), 1045-1085.

KONCHITCHKI, Y. (2016). Accounting Valuation and Cost of Capital Dynamics: Theoretical and Empirical Macroeconomic Aspects. https://doi.org/10.1111/abac.12071. Abacus, 52(1), 26-34.

MARTINS, E. (2001). Avaliação de Empresas: Da Mensuração Contábil à Econômica. São Paulo, Atlas.

MARTINS, E. (2004). Um pouco da Origem do Modelo de Correção Monetária Brasileiro. Caderno Temática Contábil IOB, (45), 1-10.

MARTINS, E. (2005). Análise crítica de balanços: problemas na análise da estrutura dos balanços no Brasil. Boletim IOB, Temática Contábil e Balanços, (4), 1-9.

MATOS, P. R. F.; NETO, J. (2015). Analisando as decisões do COPOM. Brazilian Business Review, 12(6), 26-48.

MÉNARD, C. (2011). Hybrid Modes of Organization. Alliances, Joint Ventures, Networks, and Other ‘Strange’ Animals. In: R. GIBBONS; J. ROBERTS (eds.), Handbook of Organizational Economics. Princeton, Princeton University Press. p. 2-64.

ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS BRASILEIRAS (OCB). Relatório de Gestão. (2015). http://www.brasilcooperativo.coop.br/site/agencia_noticias/noticias_detalhes.asp?CodNoticia=19665.

ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS DO ESTADO DO PARANÁ (OCEPAR). (2014). Cooperativismo paranaense: desenvolvimento sustentável no campo e na cidade. http://www.paranacooperativo.coop.br/ppc/index.php/sistema-ocepar/2011-12-05-11-29-42/2011-12-05-11-42-54.

REZENDE, A. J.; GUERREIRO, R.; DALMÁCIO, F. Z. (2012). Uma análise do processo de desinstitucionalização de práticas contábeis de correção monetária em empresas brasileiras. https://doi.org/10.1590/S1519-70772012000100003. Revista Contabilidade Financeira - USP, 23(58), 33-51.

SALOTTI, B. M.; LIMA, G. A. S. F. DE; CORRAR, L. J.; YAMAMOTO, M. M.; MALACRIDA, M. J. C. (2006). Um Estudo Empírico Sobre o Fim da Correção Monetária Integral e seu Impacto na Análise das Demonstrações Contábeis: Uma Análise Setorial. Revista Contabilidade, Gestão e Governança, 9(2), 189-222.

SANTOS, A. (1996). Lucro inflacionário: Uma resposta objetiva. Boletim do IBRACON, (13), 1-7.

SANTOS, A. (2002). Pior que decepção! Dá para entender os resultados publicados pelas empresas? IOB - Temática Contábil e Balanços, (XXXVI), 1-7.

SANTOS, A. D.; RIBEIRO, S. L. S. (2014). Correção Monetária: por uma Periodização do Uso da Ferramenta, de 1944 a 1995. Revista Contabilidade & Finanças - USP, (25), 334-345. https://doi.org/10.1590/1808-057x201400050

WARTH, A. (2016). Ministro da Fazenda diz que instabilidade política tem impacto na economia. https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/agencia-estado/2016/03/25/barbosa-instabilidade-politica-tem-impacto-na-economia.htm?cmpid=copiaecola.