Alinhamento Estratégico de TI e Relações de Poder: Estudo de Múltiplos Casos em Organizações Públicas Outros Idiomas

ID:
51767
Resumo:
A tecnologia da informação (TI) é reconhecida, atualmente, pela sua importância estratégica. Dessa forma, empresas têm procurado integrar a estratégia da TI à estratégia da organização para promover o alinhamento estratégico (AE). Reconhecendo-se que empresas são construções sociais e históricas envolvidas dinamicamente por contradições entre interesses individuais e objetivos organizacionais, conjetura-se como desafio edificar um debate entre o AE da TI e as relações de poder. Para isso, propõe-se analisar como as relações de poder permeiam o AE entre as áreas de negócio e de TI, sob diferentes perspectivas, no contexto de três empresas públicas. Para tanto, realizou-se um estudo qualitativo com a estratégia de pesquisa de estudo de casos múltiplos, por meio da realização de entrevistas e do uso de análise de conteúdo. Como resultado, percebeu-se que a dependência da TI indica efeitos relacionados a ganhos e perdas de poder no contexto organizacional, com indícios de concentração de poder no que tange à tomada de decisão da área de TI. No entanto, a percepção do AE é positiva dentro e fora da área de TI, principalmente em razão do desenvolvimento de habilidades políticas pelos gestores da TI e da criação de discursos que promovem o crescente uso da TI.
Citação ABNT:
SILVA, W. A.; LUFT, M. C. M. S.; FREITAS, F. C. H. P.; QUEIROZ, L. S.; OLIVEIRA, J. L. A. Alinhamento Estratégico de TI e Relações de Poder: Estudo de Múltiplos Casos em Organizações Públicas. Contabilidade, Gestão e Governança, v. 21, n. 3, p. 383-401, 2018.
Citação APA:
Silva, W. A., Luft, M. C. M. S., Freitas, F. C. H. P., Queiroz, L. S., & Oliveira, J. L. A. (2018). Alinhamento Estratégico de TI e Relações de Poder: Estudo de Múltiplos Casos em Organizações Públicas. Contabilidade, Gestão e Governança, 21(3), 383-401.
DOI:
http://dx.doi.org/10.21714/1984-3925_2018v21n3a5
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/51767/alinhamento-estrategico-de-ti-e-relacoes-de-poder--estudo-de-multiplos-casos-em-organizacoes-publicas/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Abib, G. (2011). Elementos de dimensão social no alinhamento estratégico: uma análise sob a ótica da estratégia enquanto prática. Porto Alegre: Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio Grade do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Abib, G.; Hoppen, N.; Rigoni, E. H. (2012). A dimensão social no alinhamento estratégico entre negócio e TI. Revista Eletrônica de Sistemas de Informação, 11(1), 1-18. Doi: https://doi.org/10.5329/RESI.2012.1101

Alajoutsijärvi, K.; Kettunen, K.; Tikkanen, H. (2012). Institutional evolution of business schools in Finland 1909-2009. Management & Organizational History, 7(4), 337-367.

Albertin, A. L.; Albertin, R. M. (2009). Tecnologia de informação e desempenho empresarial: as dimensões de seu uso e sua relação com os benefícios de negócio. São Paulo: Atlas.

Alcadipani, R. (2005). Michel Foucault: poder e análise das organizações. Rio de Janeiro: Editora FGV.

Alcadipani, R. (2008). Dinâmicas de poder nas organizações: a contribuição da governamentalidade. Comportamento Organizacional e Gestão, 14(1), 97-114.

Allard-Poesi, F. (2010). A Foucauldian perspective on strategic practice: strategy as the art of (un)folding. In: D. Golsorkhi, L. Rouleau, D. Seidl e E. Vaara. Cambridge Handbook of Strategy as Practice. Cambridge, Reino Unido: Cambridge University Press.

Arvidsson, V.; Holmström, J.; Lyytinen, K. (2014). Information systems use as strategy practice: a multi-dimensional view of strategic information system implementation and use. Journal of Strategic Information Systems, 23(1), 45-61.

Aversano, L.; Grasso, C.; Tortorella, M. (2012). A literature review of business/IT alignment strategies. Procedia Technology, (5), 462-474.

Bardin, L. (1977). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bensaou, M.; Earl, M. (1998). The right mindset for managing information technology. Harvard Business Review, 76(5), 118-128.

Besanko, D.; Dranove, D.; Shanley, M.; Schaffer, S. (2006). A Economia da Estratégia. (v. 3). Porto Alegre: Bookman.

Boava, D. L.; Macedo, F. M. (2011). Contribuições da fenomenologia para os estudos organizacionais. Cadernos EBAPE.BR, (9), 469-487.

Bradley, R. V.; Byrd, T. A.; Pridmore, J. L.; Thrasher, E.; Pratt, R. M.; Mbarika, V. W. (2012). An empirical examination of antecedents and consequences of IT governance in US hospitals. Journal of Information Technology, (27), 156-177.

Canepa, P. C. (2010). Sistemas de gestão empresarial: compreendendo o processo de implementação e identificando o drifting através da interação de atores. Porto Alegre: Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Canépa, P. C.; Rigoni, E. H.; Brodbeck, Â. F. (2008). Práticas de alinhamento estratégico. RAM, 9(1), 107-129.

Canuto, K.; Cherobim, A. P. (2010). Análise da relação entre investimentos em tecnologia da informação e desempenho organizacional. RAI - Revista de Administração e Inovação, 7(4), 21-42.

Carvalho, M. M.; Laurindo, F. J. (2007). Estratégia competitiva: dos conceitos à implementação. São Paulo: Atlas.

Chan, Y. E.; Huff, S. L.; Copeland, D. G. (1997). Assessing realized information systems strategy. Journal of Strategic Information Systems, 6(4), 273-298.

Chan, Y. E.; Reich, B. H. (2007). IT alignment: what have we learned? Journal of Information Technology, (22), 297-315.

Ciborra, C. U. (1997). De profundis?Deconstructing the concept of strategic alignment. Scandinavian Journal of Information Systems, 9(1), 67-82.

Collins, J.; Hussey, R. (2005). Pesquisa em Administração. Porto Alegre: Bookman.

Costa, F. Z.; Guerra, J. R.; Leão, A. L. (2011). O solo epistemológico de Michel Foucault: possibilidade de pesquisa no campo da Administração. EnEPQ. 3. João Pessoa.

Diniz, E. (2001). Globalização, Reforma do Estado e Teoria Democrática Contemporânea. São Paulo em Perspectiva, 15(4), 13-22. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S010288392001000400003

Dupas, G. (2000). Ética e poder na sociedade da informação. São Paulo: EdUNESP.

Easterby-Smith, M.; Thorpe, R.; Lowe, A. (1999). Pesquisa gerencial em Administração. São Paulo: Pioneira.

Eisenhardt, K. M. (1989). Building theories from case study research. Academy of Management Review, (14), 532-550.

Faria, A. (2011). Repensando Redes Estratégicas. Revista de Administração Contemporânea - RAC, 15(1), 84-102.

Faria, J. H. (2009). Consciência crítica com ciência idealista: paradoxos da redução sociológica na fenomenologia de Guerreiro Ramos. Cadernos EBAPE.BR, 7(3), 420-446. http://www.scielo.br/pdf/cebape/v7n3/a04v7n3.pdf

Faria, J. H. de. (2009). Teoria crítica em estudos organizacionais no Brasil: o estado da arte. Cadernos EBAPE.BR, 7(3), 510-515. http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/cadernosebape/article/view/5396/4130

Feuerschutter, S. G. (1997). Cultura organizacional e dependências de poder: a mudança estrutural em uma organização do ramo de informática. Rev. de Administração Contemporânea - RAC, 1(2), 73-95.

Flyvbjerg, B.; Richardson, T. (2002). Planning and Foucault: in search of dark side of planning theory. In: P. Allmendinger, Tewdwr-Jones, & M. (Eds.). Planning Futures. (pp. 44-62). London: Routledge.

Fonseca, D. R.; Meneses, P. P.; Silva Filho, A. I.; Campos, N. G. (2013). Autonomia para gestão estratégica de pessoas no setor público federal: perspectivas de análise e agenda de pesquisa. Rev. Adm. Pública, 47(6), 1451-475.

Foucault, M. (2012). Microfísica do poder. São Paulo: Graal.

Gannon, B. (2013). Outsiders: an exploratory history of IS in corporations. Journal of Information Technology, (28), 50-62.

Godoy, A. S. (1995). Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. RAE, 35(3), 20-29.

Golsorkhi, D.; Rouleau, L.; Seidl, D.; Vaara, E. (2010). Introduction: what is strategy as practice? In: D. Golsorkhi, L. Rouleau, D. Seidl, & E. Vaara (Eds.). Cambridge Handbook of Strategy as Practice. Cambridge, Reino Unido: Cambridge University Press.

Grant, G. (2010). Reconceptualizing the concept of business and IT alignment: from engineering to agriculture. European Journal of Information Systems, (19), 619-624.

Haes, S. D.; Grembergen, W. V. (2009). An exploratory study into it governance implementations and its impact on business/IT alignment. Information Systems Management, (26), 123-137.

Henderson, J. C.; Venkatraman, N. (1999). Strategic alignment: leveraging information technology for transforming organizations. IBM systems journal, 38(2), 472-484.

Henfridsson, O.; Lind, M. (2014). Information systems strategizing, organizational subcommunities, and the emergence of a sustainability strategy. Journal of Strategic Information Systems, 23(1), 11-28.

Hiekkanen, K.; Helenius, M.; Korhonen, J. J.; Patricio, E. (2013). Aligning alignment with strategic context: a literature review. In: P. J. Benghozi, D. Krob, & F. Rowe (Eds.). Digital Enterprise Design and Management, AISC 205, 81-98. Doi: 10.1007/978-3-642-373176_8

Jarzabkowski, P. (2004). Strategy as practice: recursiveness, adaptation, and practices-in-use. Organization Studies, 25(4), 529-560. Doi: https://doi.org/10.1177/0170840604040675

Jarzabkowski, P. (2005). Strategy as practice: an activity based approach. Londres: Sage.

Jarzabkowski, P.; Spee, A. P. (2009). Strategy-as-practice: a review and future directions for the field. International Journal of Management Reviews, 11(1), 69-95.

Johnson, A. M.; Lederer, A. L. (2010). CEO/CIO mutual understanding, strategic alignment, and the contribution of IS to the organization. Information & Management, (47), 138-149.

Joia, L. A.; Souza, J. G. (2009). Articulando modelos de alinhamento estratégico de tecnologia da informação. Cadernos EBAPE.BR, 7(2), 252-269. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1679-39512009000200006

Jorfi, S.; Nor, K. M.; Najjar, L.; Jorfi, H. (2011). The Impact of IT flexibility on strategic alignment (with focus on export). International Journal of Business and Management, 6(8), 264-270. Doi: "https://doi.org/10.5539/ijbm.v6n8p264" t"_blank" 10.5539/ijbm.v6n8p264

Knights, D.; Morgan, G. (1991). Corporate strategy, organizations, and subjectivity: a critique. Organization Studies, 12(2), 251-273.

Laine, P.-M.; Vaara, E. (2007). Struggling over subjectivity: a discursive analysis of strategic development in an engineering group. Human Relations, 60(1), 29-58.

Laurindo, F. J. (2011). Tecnologia da informação, estratégia e organizações. In: F. J. Laurindo, & R. G. Rotondaro (Eds.). Gestão integrada de processos e da tecnologia da informação. São Paulo: Atlas.

Laville, C.; Dionne, J. A. (1999). Construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em Ciências Humanas. Belo Horizonte: EdUFMG.

Luftman, J. (2000). Assessing business alignment maturity. Communications of AIS, 4.

Luftman, J.; Ben-Zvi, T. (2010). Key Issues for IT Executives 2010: Judicious IT Investments Continue Post-Recession. MIS Quarterly Executive, 9(4), 263-273.

Luftman, J. N. (2004). Managin IT Resource: leadership in the information age. New Jersey, USA: Pearson.

Luftman, J.; Zadeh, H. S.; Derksen, B.; Santana, M.; Rigoni, E. H.; Huang, Z. D. (2012). Key information technology and management issues 2011-2012: an international study. Journal of Information Technology, (27), 198-212.

Macedo, F. M.; Boava, D. L.; Antonialli, L. M. (2012). A fenomenologia social na pesquisa em estratégia. RAM, 13(5), 171-203.

Mantere, S.; Vaara, E. (2008). On the Problem of Participation in Strategy: A Critical Discursive Perspective. Organization Science, 19(2), 341-358.

Martins, F. R. (2013). Controle: perspectivas de análise na teoria das organizações. Cadernos EBAPE.BR, 11(3), 475-490. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S167939512006000100008

Mazzotti, A. J. (2006). Usos e Abusos dos Estudos de Caso. Cadernos de Pesquisa, 36(129), 637-651.

McCabe, D. (2010). Strategy-as-Power: Ambiguity, Contradiction and the Exercise of Power in a UK Building Society. Organization, 17(2), 151-175.

McKinlay, A.; Wilson, J. (2012). 'All they lose is the scream': Foucault, Ford and mass production. Management & Organizational History, 7(1), 45-60.

Mendonça, C. M.; Guerra, L. C.; Neto, M. V.; Araújo, A. G. (2013). Governança de tecnologia da informação: um estudo do processo decisório em organizações públicas e privadas. Revistra de Administração Pública, 47(2), 443-468.

Mintzberg, H. (2004). Ascenção e Queda do Planejamento Estratégico. Porto Alegre: Bookman.

Misoczky, M. C.; Amantino-de-Andrade, J. (2005). Uma crítica à crítica domesticada nos estudos organizacionais. RAC, 9(1), 192-210. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S141565552005000100010

Mizael, G. A.; Boas, A. A.; Pereira, J. R.; Santos, T. D. (2013). Análise do plano de desenvolvimento institucional das universidades federais do Consórcio Sul-Sudeste de Minas Gerais. Rev. Adm. Pública, 47(5), 1145-1164.

Morgan, G. (1980). Paradigms, metaphors, and puzzle solving in organization theory. Administrative Science Quarterly, p. 605-622.

Motta, F. C.; Alcadipani, R. (2004). O pensamento de Michel Foucault na teoria das organizações. Revista de Administração da Universidade de São Paulo, 39(2), 117-128.

Neuman, W. L. (1997). Social research methods: qualitative and quantitative aproach. Boston, USA: Allyn & Bacon.

Pagès, M.; Bonetti, M.; Gaulejac, V. d.; Descendre, D. (1987). O poder das organizações. São Paulo: Atlas.

Peci, A.; Pieranti, O. P.; Rodrigues, S. (2008). Governança e New Public Management: convergências e contradições no contexto brasileiro. Revista O&S, 15(46), 39-55.

Peppard, J.; Galliers, R. D.; Thorogood, A. (2014). Information systems strategy as practice: Micro strategy and strategizing for IS. Journal of Strategic Information Systems, 23(1), 1-10.

Peppard, J.; Ward, J. (1999). ‘Mind the Gap’: diagnosing the relationship between the IT organisation and the rest of the business. Journal of Strategic Information Systems, (8), 29-60.

Pereira, C. M.; Dornelas, J. S. (2010). Fatores promotores e inibidores do alinhamento estratégico da tecnologia da informação em uma situação de fusão: o caso de uma rede varejista. RAC, 14(3), 495-515.

Pinto, G. J.; Graeml, A. R. (2011). Alinhamento entre Tecnologia da Informação e Negócios: o caso de uma cooperativa médica no paraná . REGE, 18(2), 259-274.

Reich, B. H.; Benbasat, I. (1996). Measuring the linkage between business and information technology objectives. MIS Quarterly, p. 55-81.

Rigoni, E. H.; Hoppen, N.; Santana, M. (2007). Um Estudo Cross-Country da Percepção do Alinhamento Estratégico entre Negócio e Tecnologia de Informação. EnADI - Encontro de Administração da Informação. 1. Florianópolis.

Rodrigues, W. A.; Reis Neto, M. T.; Gonçalves Filho, C. (2014). As influências na motivação para o trabalho em ambientes com metas e recompensas: um estudo no setor público. Rev. Adm. Pública, 48(1), 253-273.

Santos, P. M.; Bernardes, M. B.; Rover, A. J.; Mezzabora, O. (2013). Ranking dos tribunais de contas brasileiros: uma avaliação a partir dos padrões web em governo eletrônico. Revista de Administração Pública, 47(3), 721-744.

Saunders, M.; Lewis, P.; Thornill, A. (2007). Research methods for business students. 4. ed. Harlow, England: Pearson Education.

Silva, A. B. (2006). A fenomenologia como método de pesquisa em estudos organizacionais. In: C. K. Godoi, R. Bandeira-de-Mello, & A. B. Silva (Orgs.). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. São Paulo: Saraiva.

Silva, M. C.; Matos, F. R.; Kovacs, E. P.; Fell, A. F. (2010). Relações de poder e exercício de controle mediados pela tecnologia da informação. Revista Gestão e Planejamento, 11(1), 139-153.

Silvius, A. G. (2007). Exploring differences in the perception of business & IT alignment. Communications of the IIMA, 7(2), 21-32.

Sortica, E. A.; Graeml, A. R. (2009). Critérios de Efetividade da Governança de Ti: O Caso de uma Empresa Brasileira do Setor de Telecomunicações . FACES R. Adm., 8(1),11-30.

Souza, E. M.; Souza, S. P.; Silva, A. R. (2013). O pós-estruturalismo e os estudos críticos de gestão: da busca pela emancipação à constituição do sujeito. RAC, 17(2), 198-217.

Stake, R. E. (1994). Case Studies. In: N. K. Denzin, & Y. S. Lincon, (Eds.).Handbook of Qualitative Research. p. 236-247. London: SAGE Publications.

Teixeira, R. D.; Pacheco, M. E. (2005). Pesquisa social e a valorização da abordagem qualitativa no curso de administração: a quebra dos paradigmas científicos. Caderno de Pesquisas em Administração, 12(1), 55-68.

Tenório, F. g. (2011). A unidade dos contrários: fordismo e pós-fordismo. RAP, 45(4), 1141-1172.

Triviños, N. S. (1995). Introdução à pesquisa em Ciências Sociais. São Paulo: Atlas.

Ullah, A.; Lai, R. (2013). Requirements engineering and business/IT alignment: lessons learned. Journal of Software, 8(1), 1-10. Doi: 10.4304/jsw.8.1.1-10

Vaara, E.; Whittington, R. (2012). Strategy-as-Practice: Taking Social Practices Seriously. The Academy of Management Annals, 6(1), 285-336.

Valorinta, M. (2011). IT alignment and the boundaries of the IT function. Journal of Information Technology, (26), 46-59.

Venkatraman, N.; Henderson, J. C.; Oldach, S. (1993). Continuous strategic alignment: Exploiting information technology capabilities for competitive success. European Management Journal, 11(2), 139-149.

Vergara, S. C. (2008). Métodos de Pesquisa em Administração. São Paulo: Atlas.

Vieira, M. M. F.; Caldas, M. P. (2006). Teoria crítica e pós-modernismo: principais alternativas à hegemonia funcionalista. RAE, 46(1), 59-70.

Voloudakis, J. (2005). Hitting a moving target: IT strategy in a real-time world. EDUCAUSE Review, 40(2), 44-55.

Whittington, R. (1996). Strategy as Practice. Long Range Planning, 29(5), 731-735.

Whittington, R. (2006). Completing the practice turn in strategy research. Organization Studies, 27(5), 613-634. Doi: https://doi.org/10.1177/0170840606064101

Whittington, R. (2014). Information systems strategy and strategy-as-practice: a joint agenda. J. Strateg. Inform. Syst., 23(1), 87-91.

Wood Junior, T. (2004). Fordismo, Toyotismo e volvismo. In: T. Wood Jr. (Orgs.). Mudança Organizacional. p. 229-248. São Paulo: Atlas.

Yin, R. K. (2001). Estudo de Caso: Planejamento e Métodos. Porto Alegre: Bookman.