As Características Comportamentais Empreendedoras dos Estudantes de Graduação Outros Idiomas

ID:
51892
Periódico:
Resumo:
Este estudo objetivou analisar as características comportamentais empreendedoras (CCE’s) em discentes da Universidade Federal de Santa Maria, campus de Frederico Westphalen (UFSM-FW). De forma específica, verificouse o perfil dos discentes, identificando e comparando as características empreendedoras de acordo com o curso de graduação dos mesmos. A metodologia tem abordagem quantitativa; quanto aos objetivos é descritiva e a estratégia utilizada foi levantamento por meio de instrumento validado. Os questionários foram aplicados em sala de aula; dos 615 questionários aplicados, foram utilizados 597 para a realização dos testes estatísticos. Dos respondentes, 76% nunca cursaram quaisquer disciplinas relacionadas ao empreendedorismo, nesse sentido, apesar dos mesmos apresentarem as dez CCE’s, a universidade empreendedora ainda não foi concretizada na instituição pesquisada. Os resultados revelam que os discentes possuem as dez CCE’s, no entanto, as mesmas podem ser aprimoradas, tendo em vista a pontuação obtida. Além disso, foram comparadas as CCE’s dentre os cursos pesquisados. O estudo limitouse à instituição pesquisada, ao instrumento aplicado e à temporalidade da pesquisa. Para estudos futuros sugerem-se ampliar a amostra, introduzir entrevistas e realizar um acompanhamento longitudinal desses indivíduos.
Citação ABNT:
KRÜGER, C.; MINELLO, I. F. As Características Comportamentais Empreendedoras dos Estudantes de Graduação . Revista Alcance, v. 25, n. 2, p. 142-160, 2018.
Citação APA:
Krüger, C., & Minello, I. F. (2018). As Características Comportamentais Empreendedoras dos Estudantes de Graduação . Revista Alcance, 25(2), 142-160.
DOI:
alcance.v25n2(Mai/Ago).p142-160
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/51892/as-caracteristicas-comportamentais-empreendedoras-dos-estudantes-de-graduacao-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Bartel, G. (2010). Análise da evolução das características comportamentais empreendedoras dos acadêmicos do curso de Administração de uma IES catarinense. Dissertação de mestrado. Mestrado em Administração, Universidade Regional de Blumenau, Blumenau/SC.

Boutillier, S.; Uzunidis, D. (2014). The theory of the entrepreneur: from heroic to socialised entrepreneurship. Journal of Innovation Economics & Management, (14), 9-40.

Brancher, I. B.; Oliveira, E. M.; Roncon, A. (2012). Comportamento empreendedor: estudo bibliométrico da produção nacional e a influência de referencial teórico internacional. Internext - Revista Eletrônica de Negócios Internacionais da ESPM, 7(1), 166-193.

Câmara, E.; Andalécio, A. M. L. (2012). Características empreendedoras: um estudo de caso com farmacêuticos utilizando o modelo de McClelland. REGEPE - Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas. 1(3).

Carreira, S. S. et al. (2016). Empreendedorismo feminino: um estudo fenomenológico. Navus, Revista de Gestão e Tecnologia, 5(2). http://navus.sc.senac.br/index.php/navus/article/view/208.

Casado, F. L. Siluk, J. C. M.; Zampieri, N. L. V. (2012). Universidade empreendedora e desenvolvimento regional sustentável: proposta de um modelo. Rea. UFSM, 5(Dez.), 633-650.

Ching, H. Y.; Kitahara, J. R. (2015). Propensão a empreender: uma investigação quantitativa baseada nas características empreendedoras de alunos do curso de administração. Revista de Ciências da Administração, 17(43), 99-111.

Comissao Europeia. (2012). Repensando educação: investindo em habilidades para melhores resultados socioeconômicos.

Dinis, A.; Paço, A.; Ferreira, J.; Raposo, M.; Gouveira, R. R. (2013). Psychological characteristics and entrepreneurial intentions among secondary students. Education + Training, 55(8/9), 763-780.

Dolabela, F. & Filion, L. J. (2013). Fazendo revolução no Brasil: a introdução da pedagogia empreendedora nos estágios iniciais da educação. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, v. 3, n. 2.

Engelman, R.; Fracasso, E. M.; Brasil, V. S. (2011). A qualidade percebida nos serviços de incubação de empresas. REAd. Rev. Eletrôn. Adm., v. 17 n. 3, 2011.

Etzkowitz, H. (2009). Hélice Tríplice - Universidade-Indústria-Governo, Inovação em movimento. Porto Alegre: PUCRS.

Flores, D. C.; Hoeltgebaum, M.; Silveira, A. (2008). O Ensino do Empreendedorismo nos Cursos de Pós-Graduação em Administração no Brasil. Revista de Negócios, 13(2), 93-104.

Fonseca, J. S.; Martins, G. A. (1996). Curso de estatística. 6. ed. São Paulo: Atlas.

Garcia, R.; Araújo, V.; Mascarini, S.; Silva, A. O.; Ascúa, R. (2012). Empreendedorismo acadêmico no Brasil: uma avaliação á criação de empresas por estudantes universitários. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, 1(3).

Gomes, E. M. F. (2011). A importância do planejamento para o sucesso escolar. Universidade Federal do Tocantins - TO.

Hair Jr, J. F.; Black, W. C.; Babin, B.; Anderson, R. E.; Tatham, R. L. (2009). Análise multivariada de dados. 6 ed. Porto Alegre, RS: Bookman.

Krakauer, P. V. C.; Porto, M. C. G.; Oliveira, C. S. M. O.; Almeida, M. I. R. (2015). Ensino de Empreendedorismo: Utilização do Business Model Generation. Revista de Administração e Inovação, 12(1), 07-23.

Krüger, C.; Minello, I. F. (2017). Atitude Empreendedora em Discentes de Graduação: Entre a Teoria e a Prática. Revista Alcance, 24(2), 191-208.

Leiva, J. C.; Alegre, J.; Monge, R. (2014). The influence of Entrepreneurial learning in new Firms’ performance: a study in Costa Rica. Rev. Inovar, 24(edición especial).

Lopes, C. L. J. (2014). Educação Empreendedora: Um estudo do projeto de empreendedorismo 10.0 aplicado aos alunos do curso técnico em informática. Revista de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia, 1(1), 39-44.

Lopes, L. F. D. (2016). Métodos quantitativos. 1 ed. Universidade Federal de Santa Maria.

Lorentz, M. H. N. (2015). O Comportamento Empreendedor de Diretores da UFSM e sua percepção quanto à Universidade Empreendedora. Dissertação de Mestrado, Curso de Mestrado Profissional em Gestão de Organizações Públicas do Programa de Pós-Graduação em Administração, Universidade Federal de Santa Maria, RS.

Machado, A. C. Z.; Lenzi, F. C.; Manthey, N. B. (2017). O ensino do empreendedorismo em cursos de graduação: panorama das práticas dos cursos de ciências sociais aplicadas. Revista Alcance, 24(4).

Management Systems International (MSI). (1990). Entrepreneurship training and the strengthening of entrepreneurial performance. Final Report. Submetido por Robert Young, Washington.

Mansfield, R. S.; Mcclelland, D. C.; Spencer, J. L. M.; Santiago, J. (1987). The identification and assessment of competencies and other personal characteristics of entrepreneurs in developing countries. Final report. McBer and Compay. Massachusetts.

Marinho, E. S. (2016). Processo de incubação, características empreendedoras e aprendizagem empreendedora: uma perspectiva interativa. Dissertação de Mestrado, curso de Mestrado em Gestão de Organizações Públicas, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS.

Matthiensen, A. (2016). Uso do Coeficiente Alfa de Cronbach em Avaliações por Questionários. EMBRAPA. Boa Vista, RR, 2011. http://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/68073/1/DOC-48-2011-ID-112.pdf

McClelland, D. C. (1961). The achieving society. Princeton, N. J.: Van Nostrand.

McClelland, D. C. (1972). A sociedade competitiva: realização & progresso social. Rio de Janeiro: Expressão e Cultura.

McClelland, D. C. (1987). Characteristics of successful entrepreneurs. The Journal of Creative Behavior, 21(3).

Minello, I. F. (2010). Resiliência e insucesso empresarial: um estudo exploratório sobre o comportamento resiliente e os estilos de enfrentamento do empreendedor em situações de insucesso empresarial, especificamente em casos de descontinuidade do negócio. Tese de Doutorado, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP.

Minello, I. F. (2014). Resiliência e Insucesso Empresarial: o comportamento do empreendedor diante do fracasso nos negócios. Curitiba: Appris.

Minello, I. F.; Bürger, R. E.; Krüger, C. (2017). Características comportamentais empreendedoras: um estudo com acadêmicos de administração de uma universidade brasileira. Rev. Adm. UFSM, 10(Edição Especial), 72-91.

Minuzzi, C. D. O.; Vargas, K. S.; Fialho, C. B. (2016). Características comportamentais empreendedoras: em cena os futuros administradores. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, 5(1).

Moreira, B. C. M.; Costa, D. F.; Carpenedo, E. B. (2015). Políticas de desenvolvimento para micro e pequenas empresas: marcos, limites e desafios de uma política industrial articulada no Brasil. RDE - Revista de Desenvolvimento Econômico, 16(30).

Moreira, R. (2011). Empreendedorismo na Universidade do Minho: o caso dos diplomados das ciências sociais. ComTextos CICS, Working Paper, 4.

Nassif, V. M. J.; Hashimoto, M.; Amaral, D. J. (2014). Entrepreneurs Self-Perception of Planning Skills: Evidences from Brazilian Entrepreneurs. Revista Ibero-americana de Estratégia. 13(4).

Politis, D. (2005). The process of entrepreneurial learning: a conceptual framework. Entrepreneurship Theory and Practice, 399-424.

Quandt, C. O.; Silva, H. F. N.; Ferraresi, A. A.; Frega, J. R. (2014). Programas de gestão de ideias e inovação: as práticas das grandes empresas na região sul do Brasil. Revista de Administração e Inovação, 11(3), 176-199.

Ramos, M. P. (2013). Métodos Quantitativos e Pesquisa em Ciências Sociais: Lógica e Utilidade do Uso da Quantificação nas Explicações dos Fenômenos Sociais. Mediações - Revista de Ciências Sociais, 18(1), 55-65.

Raufflet, E.; Bres, L.; Filion, L. J. (2014). Desenvolvimento sustentável e empreendedorismo. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, 3(1), 3-32.

Raupp, F. M.; Beuren, I. M. (2011). Perfil do suporte oferecido pelas incubadoras brasileiras às empresas incubadas. REAd. Rev. Eletrôn. Adm., 17(2), 330-359.

Sampieri, R. H.; Collado, C. F.; Lucio, M del P. B. (2013). Metodologia de Pesquisa. 5. ed. Porto Alegre: Penso.

Schumpeter, J. A. (1985). O fenômeno fundamental do desenvolvimento econômico. In A teoria do desenvolvimento econômico. Rio de Janeiro: Nova Cultura.

Sebrae, & Endeavor. (2016). Empreendedorismo nas Universidades Brasileiras. www.endeavor.org.br.

Shapiro, S. S.; Wilk, M. B. (1965). An analisys of variance test for normality (complete sample). Biometrika, 52. 59.

Souza, E. C. L. de. (2001). A disseminação da cultura empreendedora e a mudança na relação universidade-empresa. Empreendedorismo: competência essencial para pequenas e médias empresas. pp. 28-41. Brasília, DF: ANPROTEC.

Souza, I. M.; Santos, J. L. (2013). Empreendedorismo na gestão universitária. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, 11(2), 517-526.

Triviños, A. N. S. (1987). Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. 1 ed. São Paulo: Atlas.

Zampier, M. A.; Takahashi, A. R. W. (2014). Competências e aprendizagem empreendedora em MPE’s educacionais. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 8(3).