Gestão de Organizações Culturais e Identidade Territorial: A Experiência dos Parques Biblioteca de Medellín e suas Repercussões Outros Idiomas

ID:
51899
Periódico:
Resumo:
O objetivo educacional do caso é gerar reflexão sobre os benefícios organizacionais, interorganizacionais e territoriais alcançados ao adotar-se práticas de gestão de equipamentos culturais que tenham como alicerce as originalidades identitárias dos territórios nos quais atuam. Neste caso, em meio a protestos da classe cultural contra ações do recém-empossado prefeito de Sucupira; Godofredo de Assis, assessor-chefe da Secretaria de Cultura, é enviado a Medellín para conhecer as políticas públicas para equipamentos culturais daquela cidade colombiana. Sua missão é obter subsídios para elaborar um plano de ação da Secretaria para os equipamentos culturais da cidade. O caso pretende contribuir para a qualificação de gestores de equipamentos culturais, bem como para a formação de produtores culturais, administradores e gestores sociais.
Citação ABNT:
SANTOS, F. P.; DAVEL, E. Gestão de Organizações Culturais e Identidade Territorial: A Experiência dos Parques Biblioteca de Medellín e suas Repercussões. Revista Alcance, v. 25, n. 2, p. 240-258, 2018.
Citação APA:
Santos, F. P., & Davel, E. (2018). Gestão de Organizações Culturais e Identidade Territorial: A Experiência dos Parques Biblioteca de Medellín e suas Repercussões. Revista Alcance, 25(2), 240-258.
DOI:
alcance.v25n2(Mai/Ago).p240-258
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/51899/gestao-de-organizacoes-culturais-e-identidade-territorial--a-experiencia-dos-parques-biblioteca-de-medellin-e-suas-repercussoes/i/pt-br
Tipo de documento:
Caso de Ensino
Idioma:
Português
Referências:
Alcaldía de Medellín. (2015). Días de Playa: Memórias, Laboratório Ciudadano y Participativo. Medellín: Alcaldía de Medellín.

Armani, D. (2001). O Desenvolvimento Institucional como Condição de Sustentabilidade nas ONG no Brasil. In Brasil. Ministerio da Saude. Aids e Sustentabilidade: Sobre as Ações das Organizações da Sociedade Civil. pp. 17-34. Brasília: Ministério da Saúde.

Botelho, I. (2001). Dimensões da Cultura e Políticas Públicas. Revista Perspectiva, São Paulo, 15(2), 73-83.

Bourdieu, P.; Darbel, A. (2003). O Amor pela Arte: Os Museus de Arte na Europa e seu Público. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

Bravo, M. E. (2008). Políticas CulturalesenColombia. In Rubim, A. A. C.; Bayardo, R. (Orgs.). Políticas Culturais na Ibero América. pp. 119-137. Salvador: EDUFBA.

Canedo, D. P. (2007). Democratização da Cultura. In Ameida, M. C. F. (Org.). Mais Definições em Trânsito. Salvador: Edufba.

Castells, M. (1999). O Poder da Identidade: A Era da Informação. São Paulo: Paz e Terra.

Davel, E.; Dantas, M.; Santos, F. P. (2016). Identidade cultural de territórios como política de gestão. Anais do Encontro da ANPAD, Bahia, Costa do Sauipe.

De Marco, K. (2009). Gestão de Espaços Culturais: Uma Abordagem Contemporânea. In: Fonseca, A. C.; De Marco, K. (Orgs.). Economia da Cultura: Ideias e Vivências. pp. 203-221. Rio de Janeiro: Ed. e-livre.

Echeverri, R. (2009). Identidade e Território no Brasil. Brasília: IICA.

Haesbaert, R. (2000). Dos Múltiplos Territórios à Multiterritorialidade. Anais do IX Encontro Nacional da ANPUR, Rio de Janeiro, 3.

Hall, S. (2014). Identidade Cultural na Pos-Modernidade. Rio de Janeiro: Lamparina.

Harvey, D. (2014). Condição Pós-moderna: Uma Pesquisa sobre as Origens da Mudança Cultural. São Paulo: Edições Loyola.

Lacerda, A. P. (2010). Democratização da Cultura x Democracia Cultural: os Pontos de Cultura Enquanto Política Cultural de Formação de Público. Anais do Seminário Internacional de Políticas Culturais: Teorias e Práticas. Rio de Janeiro, Fundação Casa de Rui Barbosa.

Melguizo, J. (2012). Parques-Biblioteca de Medellín: da Engenharia à Jardinagem Cultural. Anais do Seminário Internacional Cultura e Transformação Urbana, São Paulo, SESC São Paulo, Ed. Sesc SP.

Roser, B. (2009). Aprendiendo de Colombia: Cultura y Educación para Transformar la Ciudad. Barcelona: FundaciónKreana.

Santos, M. (2000). O Papel Ativo da Geografia: Um Manifesto. Revista Território, 3(9), 103-109.

Saquet, M. A.; Briskievicz, M. (2009). Territorialidade e Identidade: Um Patrimônio no Desenvolvimento Territorial. Caderno Prudentino de Geografia, 1(31), 3-16.

Saraiva, H. (2011). Gestão da Cultura e a Cultura da Gestão. In Barros, J. M.; Júnior, J. O. (Orgs.). Pensar e Agir comaCulturaDesafios da Gestão Cultural. Belo-Horizonte: Observartório da Diversidade Cultural.

Saraiva, L. A.; Carrieri, A. D. P. (2014). Territorialidade e Identidade nas Organizações: O Caso do Mercado Central de BeloHorizonte. Revista de Administração da Mackenzie, 15(2), 97-126.