O Consumo de Crédito como Expressão da Dádiva sob a Perspectiva de Idosos de Baixa Renda Outros Idiomas

ID:
51920
Resumo:
OBJETIVO: compreender como o consumo de crédito se expressa como dádiva, ao se analisar a perspectiva de idosos de baixa renda. MÉTODOS: entrevista em profundidade com roteiro semiestruturado e procedimentos etnográficos de observação participante. ORIGINALIDADE/RELEVÂNCIA: o crédito funciona como um componente-chave carregado de aspectos culturais que podem gerar um sentimento de liberdade ou prisão no consumidor, funcionando também como mecanismo de produção e governo de subjetividades coletivas e individuais, ainda pouco estudadas sob o prisma do idoso de baixa renda. RESULTADOS: foi possível notar que a dádiva abarca não só o ato de pagar, mas penetra sobre o subjetivo, projetando algo singular, incluindo os afetos, os laços e as emoções, em algo palpável como o empréstimo do nome; seus efeitos são anunciados e a quebra de qualquer parte do ciclo representa um ato contra a própria comunidade e não apenas com o idoso envolvido. CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS: o estudo avança no entendimento da dádiva na ótica do consumo de crédito, ultrapassando a compreensão deste como um simples consumo de um produto financeiro. Os resultados discutidos descortinam a questão do “custo” e o “risco” da dádiva, elementos pouco presentes no relato de outros trabalhos que contemplaram a temática. CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS/PARA A GESTÃO: este estudo contribui para que ofertantes de crédito alinhem suas estratégias de comunicação e relacionamento aos significados construídos pelos idosos em suas relações cotidianas, além disso, responsáveis por políticas públicas podem se inspirar para diminuir as disfunções e assimetrias presentes nas relações entre governo, empresas e cidadãos.
Palavras-chave:
Citação ABNT:
ÁSSIMOS, B. M.; ALMEIDA, G. T.; BATINGA, G. L.; PINTO, M. R. O Consumo de Crédito como Expressão da Dádiva sob a Perspectiva de Idosos de Baixa Renda. Revista Brasileira de Marketing, v. 17, n. 6, p. 914-930, 2018.
Citação APA:
ássimos, B. M., Almeida, G. T., Batinga, G. L., & Pinto, M. R. (2018). O Consumo de Crédito como Expressão da Dádiva sob a Perspectiva de Idosos de Baixa Renda. Revista Brasileira de Marketing, 17(6), 914-930.
DOI:
10.5585/bjm.v17i6.3848
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/51920/o-consumo-de-credito-como-expressao-da-dadiva-sob-a-perspectiva-de-idosos-de-baixa-renda/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Appadurai, A. (2008). A vida social das coisas: as mercadorias sob uma perspectiva cultural. Niterói: Editora da Universidade Federal Fluminense.

Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa (ABEP). (2016). Critério de Classificação Econômica Brasil. http://www.abep.org/Servicos/Download.aspx?id=09&p=cb

Barbosa, L. (1996). Cultura administrativa: uma nova perspectiva das relações entre antropologia e administração. Revista de Administração de Empresas, 36(4), 6-19.

Barbosa, L. (2004). Sociedade de Consumo. 1a ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora.

Bardin, L. (2015). Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Barros, C.; Rocha, E. (2009). Lógica de consumo em um grupo de camadas populares: uma visão antropológica de significados culturais. In: ROCHA, A.; SILVA, J. Consumo na base da pirâmide: estudos brasileiros. Rio de Janeiro: Mauad X.

Bauer, M. W.; Gaskell, G. (2003). Pesquisa qualitativa com texto imagem e som: um manual prático. Rio de Janeiro: Vozes.

Bavel, R. V.; Trujillo, L. S. (2003). Understandings of Consumerism in Chile. Journal of Consumer Culture, 3(3), pp. 343-362.

Belk, R. W.; Wallendorf, M.; Sherry, J. (1989). The Sacred and the Profane in Consumer Behavior: Theodicy on the Odyssey. Journal of Consumer Research, 16(1), pp. 1-39.

Bensa, A. (2006). Compter les dons: e´changes non marchands et pratiques comptables en NouvelleCale´donie Kanak contemporain. Em: N. Coquery, & F. W. Menant, Ecrire, compter, mesurer: vers une histoire des rationalite´s pratiques. (pp. 79112). Paris: Rue d’Ulm.

Bernthal, M. J.; Crockett, D.; Rose, R. L. (2005). Credit Cards as Lifestyle Facilitators. Journal of Consumer Research, 32(1), pp. 130-145.

Bosi, A. (1987). “Plural, mas não caótico”. In: BOSI, A. Cultura Brasileira. São Paulo: Ática.

Brian, E. (2009). Comment tremble la main invisible. In Incertitude et marche´s. Paris: Springer.

Britto da Motta, A. (2009). Violência contra as mulheres idosas: questão feminista ou questão de gênero. LASA (pp. 1-13). Rio de Janeiro: Associação de Estudos Latinos Americanos.

Brusky, B. & Fortuna, J. P. (2002). Entendendo a demanda para as microfinanças no Brasil: um estudo qualitativo em duas cidades. Rio de Janeiro: BNDES.

Caillé, A. (2002). Introdução: o terceiro paradigma. In: Antropologia do dom: o terceiro paradigma. Petrópolis: Vozes.

Castro, A. P.; Guilam, M. C.; Sousa, E. S.; Marcondes, W. B. (2013). Violência na velhice: abordagens em periódicos nacionais indexados. Ciência & Saúde Coletiva, 18(5), pp. 1282-1292.

Chauvel, M. A.; Mattos, M. P. A. Z. (2016). Consumidores de Baixa Renda: Uma revisão dos achados de estudos feitos no Brasil. Cadernos Ebape.Br, 6(2), pp. 1-17.

Cooper, D. R.; Schindler, P. S. (2016). Métodos de Pesquisa em Administração. 12 ed. São Paulo: Bookman.

DaMatta, R. (1997). A Casa e a Rua: Espaço, cidadania, mulher e morte no Brasil. 5ª ed. Rio de Janeiro: Rocco.

Devlin, J. F.; Ennew, C. T.; Sekhon, H. S. (2015). Trust in financial services: Retrospect and prospect. Journal of Financial Services Marketing, 20(4), pp. 234-245.

Donnel, B. & Aaker, J. (2006), Bridging the Culture Chasm: Ensuring That Consumers Are Healthy, Wealthy and Wise. Journal of Public Policy and Marketing, 25(1), pp. 53-66.

Fox, R. W. & Lears, T. J. J. (1983), The Culture of Consumption: Critical Essays in American History, 1880-1980, New York: Pantheon Books.

França, G. F. & Dzmira, S. (1999). Economia Solidária e Dádiva. O & S, 6(14), pp. 141-183.

Garvey, A. M.; Germann, F.; Bolton, L. E. (2015). Performance Brand Placebos: How Brands Improve Performance and Consumers Take the Credit. Journal of Consumer Research, 42(6), pp. 931-951.

Geertz, C. (2008). A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC.

Godbout, J. T. (1998). Introdução à dádiva. Rev. Brasileira de Ciências Sociais, 13(38), pp. 39-52.

Godbout, J. T. (1999). O espírito da dádiva. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.

Graeber, D. (2011). Consumption. Current Antropology, 52(4), pp. 489-511.

Hemais, M. W.; Casotti, L. M. (2017). Por que Reclamar?Melhoria de Autoestima e Cidadania de um Grupo de Baixa Renda a Partir dos Serviços de uma Agência de Defesa do Consumidor. REAd - Revista Eletrônica de Administração, 23(2), 83-109.

Holanda, S. B. (1995). Raízes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras.

Hörl, J. (2007). The social construction of violence in old age. The Journal of Adult Protection, 9(1), pp. 33-38.

L’Estoile, B. (2014). “Money Is Good, but a Friend Is Better”: Uncertainty, Orientation to the Future, and “the Economy”. Current Anthropolog, 55(9), pp. 62-73.

Langley, P. (2014). Consuming credit. Consumption Markets & Culture, 17(5), pp. 417428.

Langley, P. (2014). Equipping entrepreneurs: consuming credit and credit scores. Consumption Markets & Culture, 17(5), pp. 448-467.

Laraia, R. B. (2002). Cultura, um conceito antropológico. 1a ed. Rio de Janeiro: Zahar.

Laval, C. (2006). Les deux crises de l’éducation. La Revue du Mauss, 28, pp. 96-115.

Lazzarato, M. (2012). The Making of the Indebted Man. New York: MIT Press.

Malinowski, B. (1984). Argonautas do Pacífico Oriental: um relato do empreendimento e da aventura dos nativos nos arquipélagos da Nova Guiné Melanésia. São Paulo: Abril Cultural.

Mattoso, C. (2005). Me empresta seu nome?Um estudo sobre os consumidores pobres e seus problemas financeiros. Rio de Janeiro: Mauad.

Maurer, B. (2014). Postscript: is there money in credit? Consumption Markets and Culture, 17(5), pp. 512-518.

Maurer, B.; Nelms, T. C.; Rea, S. C. (2013). ‘Bridges to cash’: channelling. Journal of the Royal Anthropological Institute, 19, pp. 52-74.

Maurer, B.; Nelms, T. C.; Swartz, L. (2013). ‘‘When perhaps the real problem is money itself!’’: the practical materiality of Bitcoin. Social Semiotics, 23(2), pp. 1-17.

Mauss, M. (2003). Ensaio Sobre a Dádiva, Forma e Razão da Troca nas Sociedades Arcaicas. In: Mauss, M. Sociologia e Antropologia. São Paulo: Cosac Naify.

McCracken, G. (2003). Cultura e Consumo. Rio de Janeiro: Mauad.

McCracken, G. (2007). Cultura e Consumo: Uma explicação teórica da estrutura e do movimento do significado cultural dos bens de consumo. Rev. de Administração de Empresas, 47(1), pp. 99-115.

Migueles, C. (Org.) (2007). Antropologia do Consumo: Casos Brasileiros. (Introdução, pp. 0923). Rio de Janeiro, FGV.

Miller, D. (2007). Consumo como Cultura Material. Horizontes Antropológicos, 13(28), pp. 33-63.

Minussi, J. A.; Damacena, C. Jr., N. W. (2002). Um Modelo de Previsão de Solvência Utilizando Regressão Logística. RAC, 6(3), pp. 109-128.

Moraes, R, Galiazzi, M. C. (2006). Análise textual discursiva: processo construído de múltiplas faces. Ciência & Educação, 12(1), pp. 117-128.

Moraes, R. (2003). Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Ciência & Educação, 9(2), pp. 191-211.

Moraes, R.; Galiazzi, M. C. (2011). Análise Textual Discursiva. Ijuí: Unijuí.

Morgan, G. (2007). Paradigmas, metáforas e resolução de quebra-cabeças na teoria das organizações. Em M. P. Caldas, & C. O. Bertero, Teoria das organizações. (pp. 12-33). São Paulo: Atlas.

Moschis, G. P.; Mosteller, J.; Fatt, C. K. (2011). Research Frontiers on Older Consumers' Vulnerability. Journal of Consumer Affairs, 45(3), pp. 467-491.

Natt, E. D. M.; Barbosa, B. F.; Vieira, F. G. D.; Carrieri, A. P. (2017). Baixa Renda: O Consumo Simbólico e o Comércio Informal de Acessórios Femininos. Revista Administração em Diálogo, 19(1), 138-163.

Neill, L. S. (2014). The place of debt in establishing identity and self-worth in transitional life phases: young home leavers and credit. International Journal of Consumer Culture, 38(1), pp. 69-74.

Nepomuceno, M.; Laroche, M. (2015). The impact of materialism and anti-consumption lifestyles on personal debt and account balances. Journal of Business Research, 68, pp. 654-664.

Nogami, V. K. C.; Vieira, F. G. D.; Veloso, A. R. (2018). Conceito de Inovação no Mercado de Baixa Renda . Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 20(1), 127-149.

Ossandón, J. (2014). Sowing consumers in the garden of mass retailing in Chile. Consumption Markets & Culture, 17(5), pp. 429-447.

Oumlil, A. B.; Williams, A. J. (2011). Financial services and the elderly poor: Development and implementation of sustainable intervention strategies. Journal of Financial Services Marketing, 15(4), pp. 274-286.

Payne, C. (2012). The Consumer, Credit and Neoliberalism. Londres: Routledge.

Peixoto Júnior, C. A. (2004). Sujeição e singularidade nos processos de subjetivação. Ágora 7(1), pp. 23-38.

Peñaloza, L.; Barnhart, M. (2011). Living U.S. Capitalism: The Normalization of Credit/Debt. Journal of Consumer Research, 38(4), pp. 743-762.

Peñaloza, L.; Barnhart, M. (2011). Living US Capitalism: The Normalization of Credit/Debt. Journal of Consumer Research, 38(4), pp. 743-762.

Pereira, C. R. & Strehlau, S. (2012). A Dádiva na Dívida: um Estudo sobre o Endividamento Familiar. V EMA. (pp. 1-14). Curitiba: ANPAD.

Pulina, M. (2010). Consumer behaviour in the credit card market: a banking case study. International Journal of Consumer Studies, 35(1), pp. 86-94.

Redfield, R. (1965). The little community. . Em R. Redfield, The little community and peasant society and culture. pp. 1-168. Chicago: University of Chicago Press.

Rocha, E. P. Q. (2000). Totem e consumo: um estudo antropológico de anúncios publicitários. Rio de Janeiro: Rev. ALCEU (PUC-RIO), 1(1), pp. 18- 37.

Sarti, C. A. (1996). A Família como Espelho: um estudo sobre a moral dos pobres. Campinas-SP: Autores Associados.

Serva, M. (1993). O fenômeno das organizações substantivas. Revista de Administração de Empresas, 33(2), pp. 36-43.

Serviço de Proteção ao Crédito (SPC). (2016). Número de idosos inadimplentes cresce acima da média, mostra SPC Brasil. https://www.spcbrasil.org.br/uploads/st_imprensa/release_inadimplencia_na_terceira_idade.pdf

Sharma, E.; Keller, P. A. (2014). A Dollar Saved is not a Dollar Earned: Financial. Advances in Consumer Research, 42, pp. 151-155.

Silva, J. C. P.; Rabêlo Neto, A. (2018). Determinantes da Decisão de Compra da Baixa Renda . Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 12(1), 89-104.

Temple, D. (1998). Les structures élémentaires de la réciprocité. Revue du Mauss, 12, pp. 234-242.

Temple, D.; Chabal, M. (1995). La réciprocité et la naissance des valeurs humaines. Paris, L'Harmattan.

Vergara, S. C.; Caldas, M. P. (2005). Paradigma Interpretativista: a busca da superação do objetivismo. RAE, 45(4), pp. 53-57.

Villareal, M. (2014). Regimes of Value in Mexican Household Financial Practices. Current Anthropology, 55(9), pp. 30-39.

Vizeu, F. (2009). Contribuições da Sociologia da Dádiva aos Estudos sobre Organizações Substantivas. O & S, 16(50), pp. 409-427.

Vohs, K. D.; Mogilner, C.; Newman, G.; Aaker, J. (2012). Reminders of Money Focus People on What’S Functional. Advances in Consumer Research, 40, pp. 121-124.

Xiao, J. J.; Sorhaindo, B.; Garman, E. T. (2006). Financial behaviours of consumers in credit counselling. Journal of International of Consumer Studies, 30(2), pp. 108-121.

Alves, G. L. C.; Stucchi, B. O.; Mahmoud, R.; Nascimento, B.; Sampaio, Y.; Bacha, M. L. (2013). Baixa renda: endividamento e compreensão de notícias econômicas. Inovcom, 5(2), pp. 38-51.

Godelier, M. (2001). O enigma do dom. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Wolfinbarger, M. F. (1990). Motivations and Symbolism in Gift-Giving Behavior. Advances in Consumer Research, 17(1), pp. 699-706