Limites e Possibilidades do Uso da História de Vida em Pesquisas com Refugiados no Brasil Outros Idiomas

ID:
51985
Periódico:
Resumo:
O presente trabalho teve o objetivo de analisar o uso do aporte teórico-metodológico da história de vida para o desenvolvimento de pesquisas que trabalhem com temas sensíveis e atuais como o dos refugiados e seu reflexo nas pesquisas em Administração no Brasil. Para isso, apresentamos a história de vida como uma abordagem que permite a compreensão de questões macrossociais a partir da voz do indivíduo e da sua experiência, e, em seguida, algumas questões epistemológicas e metodológicas que auxiliam na compreensão da relação do sujeito com o social, mais especificamente, em como a experiência de um grupo pode ser compreendida a partir das histórias que essas pessoas contam. O levantamento bibliográfico feito mostrou que ainda há silêncio na área de Administração no que toca à realidade dos refugiados, e em como a utilização de métodos que olhem para os indivíduos diante de problemas sociais tão complexos pode ser um importante caminho para a superação desses problemas e para uma maior aproximação entre pesquisas e a mudança social.
Citação ABNT:
MANCEBO, R. C.; COSTA, A. S. M.; PESSÔA, L. A. G. P. Limites e Possibilidades do Uso da História de Vida em Pesquisas com Refugiados no Brasil . Revista ADM.MADE, v. 22, n. 3, p. 38-53, 2018.
Citação APA:
Mancebo, R. C., Costa, A. S. M., & Pessôa, L. A. G. P. (2018). Limites e Possibilidades do Uso da História de Vida em Pesquisas com Refugiados no Brasil . Revista ADM.MADE, 22(3), 38-53.
DOI:
http://dx.doi.org/10.21714/2237-51392018v22n3p038053
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/51985/limites-e-possibilidades-do-uso-da-historia-de-vida-em-pesquisas-com-refugiados-no-brasil-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AVELAR, A. A biografia como escrita da História: possibilidades, limites, tensões. Dimensões, v. 24, n.1, p. 157-172, 2010.

BARROS, V. A.; LOPES, F. T. Considerações sobre a pesquisa em história de vida. In: SOUZA, E. M. Metodologias e analíticas qualitativas em pesquisa organizacional uma abordagem teórico-conceitual. [Recurso eletrônico] Vitória: EDUFES, 2014, Cap.3, p. 41-63.

BAUMAN, Z. Estranhos à nossa porta. Rio de Janeiro: Zahar, 2017.

BECKER, H. A escola de Chicago. Mana Estudos de Antropologia Social, v. 2, n. 2, p. 177-188, 1996.

BERTAUX, D. El enfoque biográfico: su validez metodológica, sus potencialidades. Proposiciones, v. 29, n.56 p. 1-23, 1999.

BERTAUX, D.; KOHLI, M. The life story approach: A continental view. Annual review of sociology, v. 10, n. 1, p. 215-237, 1984.

BOUILLOUD, J. P. A autobiografia: um desafio epistemológico. In: TAKEUTI, N.; NIEWIADOMSKI, C. (Org.). Reinvenções do sujeito social: teorias e práticas biográficas. Porto Alegre: Sulina, p. 33-60, 2009.

BOURDIEU, P. A ilusão biográfica. In: AMADO, J.; FERREIRA, M.M. (Org.). Usos e abusos da história oral. Rio de Janeiro: Editora da FGV, p.183-191, 1996.

BRASIL. Lei nº 9.474, de 22 de julho de 1997. Define mecanismos para a implementação do Estatuto dos Refugiados de 1951, e determina outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 22 jul. 1997. Disponível em Acesso em: janeiro de 2017.

BRASIL. Sistema de Refúgio brasileiro: desafios e perspectivas. In. Ministério da Justiça e Segurança Pública. CONARE. (2016). Disponível em: <> Acesso em: janeiro de 2017.

G1. Número de concessões de refúgio cai quase 30% em um ano. Disponível em . (2017). Acesso em: fevereiro de 2017.

GINZBURG, C. A micro-história e outros ensaios. Lisboa: DIFEL. 1989.

GUÉRIOS, P. R. O estudo de trajetórias de vida nas Ciências Sociais: trabalhando com as diferenças de escalas. Campos-Revista de Antropologia, v. 12, n. 1, p.9-29, 2011.

JUBILUT, L.L. Refugee law and protection in Brazil: a model in South America?. Journal of Refugee Studies, v. 19, n. 1, p. 22-44, 2006.

McADAMS, D. P. Narrating the self. In: KENYON, G., BIRREN, J.; RUTH, J.-E.; SCHROOTS, J.; SVENSSON, T. Aging and biography: Explorations in adult development, Nova York: Springer, p. 131-148, 1996.

QUEIROZ, M. I. P. Relatos orais: do “indizível” ao “dizível”. In: VON SIMSON, O.M (org.). Experimentos com histórias de vida (Itália-Brasil). São Paulo: Vértice, Editora Revista dos Tribunais, Enciclopédia Aberta de Ciências Sociais, v.5, 6880, 1988.

RIGOTTO, R. M. As técnicas de relatos orais e o estudo das representações sociais em saúde. Ciência & Saúde Coletiva, v. 3, p. 116-130, 1998.

RUDMIN, F. W. Critical history of the acculturation psychology of assimilation, separation, integration, and marginalization. Review of general psychology, v. 7, n. 1, p. 3, 2003.

SILVA, A.P.; BARROS, C.R., NOGUEIRA, M.L.M.; BARROS, V.A. "Conte-me sua história”: reflexões sobre o método de História de Vida. Mosaico: estudos em psicologia, v. 1, n. 1, 2007.

THOMAS, W. I.; ZNANIECKI, F.; STRÜBING, J. The polish peasant in Europe and America. Urbana: University of Illinois Press, 1984.

VILLEN, P. O trabalho forçadamente indocumentado e institucionalmente silenciado: a imigração dos “periféricos emergenciais” para o Brasil. Revista da ABET, v. 14, n. 2, p.186-198, 2016.

VILLEN, P. Qualificação da imigração no Brasil: um novo capítulo das políticas imigratórias?. RURISRevista do Centro de Estudos Rurais-UNICAMP, v. 6, n. 1, p.107-126, 2012.