Accountability nos Atos da Administração Pública Federal Brasileira Outros Idiomas

ID:
52012
Periódico:
Resumo:
O objetivo desse artigo é identificar a utilização do termo “accountability” pela Administração Pública Federal brasileira ao longo do tempo. A coleta de dados ocorreu mediante busca por atos administrativos no portal da Imprensa Nacional, utilizando a palavra-chave “accountability”, e abrangeu todas as seções do Diário Oficial da União, de janeiro de 1990 a dezembro de 2017. Atos que tratam de accountability, mas não citam expressamente o termo não fizeram parte do escopo da pesquisa. Os 211 documentos encontrados foram avaliados por meio de análise de conteúdo diretiva. Observou-se uma crescente adoção do termo accountability na administração pública federal a partir de 2008, indicando um processo de significação desse termo. As definições superestimam a dimensão prestação de contas e negligenciam aspectos relativos a transparência. Observou-se também um descompasso entre os poderes na adoção desse termo, com maior concentração de atos no Poder Executivo e no Tribunal de Contas da União.
Citação ABNT:
BUTA, B. O.; TEIXEIRA, M. A. C.; SCHURGELIES, V. Accountability nos Atos da Administração Pública Federal Brasileira . Revista Pretexto, v. 19, n. 4, p. 46-62, 2018.
Citação APA:
Buta, B. O., Teixeira, M. A. C., & Schurgelies, V. (2018). Accountability nos Atos da Administração Pública Federal Brasileira . Revista Pretexto, 19(4), 46-62.
DOI:
http://dx.doi.org/10.21714/pretexto.v19i4.5715
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/52012/accountability-nos-atos-da-administracao-publica-federal-brasileira-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Abrucio, F. L., & Loureiro, M. R. (2004). Finanças Públicas, Democracia e Accountability. In: C. Biderman, & P. Arvate, Economia do Setor Público no Brasil (pp. 75-102). Rio de Janeiro: Elsevier.

Akutsu, L., & Pinho, J. G. (2002). Sociedade da informação, accountability e democracia delegativa: investigação em portais de governo no Brasil. Revista de Administração Pública, 36(5), 723-45.

Bakhtin, M. (1979). Marxismo e Filosofia da Linguagem. São Paulo: Hucitec.

Barthes, R., & Duisit, L. (1975). An Introduction to the Structural Analysis of Narrative. New Literary History, 6(2), 237-272.

Braga, L. V., & Gomes, R. C. (2016). Participação Eletrônica e suas Relações com Governo Eletrônico, Efetividade Governamental e Accountability. Organizações & Sociedade, 23(78), 487-506.

BRASIL. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília.

BRASIL. Presidência da República. (2002). Manual de redação da Presidência da República. Brasília: Presidência da República.

Campos, A. M. (1990). Accountability: quando poderemos traduzi-la para o português? Revista de Administração Pública, 24(2), 30-50.

Ceneviva, R., & Farah, M. F. (2012). Avaliação, informação e responsabilização no setor público. Revista de Administração Pública, 46(4), 993-1016.

Cezar, L. C., & Barbosa, T. R. C. (2016). Por uma Esfera Pública Efetivamente Publicizada: reflexões sobre a participação de gestores municipais na Política Nacional de Resíduos Sólidos. Pretexto, 17(1), 82-98.

Cruz, M. M., Silva, T. B., & Spinelli, M. (2016). O papel das controladorias locais no cumprimento da Lei de Acesso à Informação pelos municípios brasileiros. Cadernos EBAPE.BR, 14(3), 721-743.

Faria, F. d., & Streit, R. E. (2016). Governança em bancos centrais: um estudo comparativo das práticas de governança dos bancos centrais do Brasil, Canadá e Inglaterra. Revista de Administração Pública, 50(5), 765-794.

Gomes, E. G. (2015). Conselhos gestores de políticas públicas: aspectos teóricos sobre o potencial de controle social democrático e eficiente. Cadernos EBAPE.BR, 13(4), 894-909.

Hsieh, H.-F., & Shannon, S. E. (2005). Three Approaches to Qualitative Content Analysis. Qualitative Health Research, 15(9), 1277-1288.

Inamine, R., Erdmann, R. H., & Marchi, J. J. (2012). Análise do sistema eletrônico de compras do governo federal brasileiro sob a perspectiva da criação de valor público. Revista de Administração RAUSP, 47(1), 124-139.

Jensen, M. C., & Meckling, W. H. (2008). Teoria da Firma: Comportamento dos Administradores, Custos de Agência e Estrutura de Propriedade. Revista de Administração de Empresas, 87-125.

Lashgari, M. (2004). Corporate Governance: theory and practice. The Journal of American Academy of Business, 46-51.

Medeiros, A. K., Crantschaninov, T. I., & Silva, F. C. (2013). Estudos sobre Accountability no Brasil: meta-análise de periódicos brasileiros das áreas de administração, administração pública, ciência política e ciências sociais. Revista de Administração Pública, 47(3), 745-775.

Mosher, F. C. (1968). Democracy and the Public Service. New York: Oxford University Press.

O'Donnell, G. (1991). Democracia Delegativa? Novos Estudos(31), 25-40.

Oliveira, A. (2012). Burocratas da linha de frente: executores e fazedores das políticas públicas. Revista de Administração Pública, 46(6), 1551-73.

Pinheiro, D. R. (2016). A legitimidade do controle social da gestão pública: uma resposta a Herbert Wechsler. Revista de Administração Pública, 50(5), 867-883.

Pinho, J. G., & Sacramento, A. S. (2009). Accountability: já podemos traduzi-la para o português? Revista de Administração Púbica, 1343-1368.

Quintão, C. M., & Carneiro, R. (2015). A tomada de contas especial como instrumento de controle e responsabilização. Revista de Administração Pública, 49(2), 473-491.

Raupp, F. M., & Pinho, J. G. (2013). Accountability em câmaras municipais: uma investigação em portais eletrônicos. Revista de Administração RAUSP, 48(4), 770-782.

Raupp, F. M., & Pinho, J. G. (2016). Review of passive transparency in Brasilian city councils. Revista de Administração -

RAUSP, 51, 288–298. Reis, A. F., Dacorso, A. R., & Tenório, F. G. (2015). Influência do uso de tecnologias de informação e comunicação na prestação de contas públicas municipais: um estudo de caso no Tribunal de Contas dos Municípios do Estado da Bahia. Revista de Administração Pública, 49(1), 231-251.

Ribeiro, H. C. M. (2016) Influência da Governança Corporativa nos Stakeholders das Entidades Esportivas. Pretexto, 17(3), 40-56.

Rocha, A. C. (2013). A realização da accountability em pareceres prévios do Tribunal de Contas de Santa Catarina. Revista de Administração Pública, 47(4), 901-25.

Sacramento, A. S., & Pinho, J. G. (2016). The process of implementing answerability in contemporary Brazil. Revista de Administração Pública, 50(2), 193-213.

Schedler, A. (1999). Conceptualizing Accountability. In: A. Schedler, L. Diamond, & M. F. Plattner, The Self-Restraining State: Power and Accountability in New Democracies (pp. 13-28). Boulder, Colorado: Lynne Rienner Publishers.

Schommer, P. C., Rocha, A. C., Spaniol, E. L., Dahmer, J., & Sousa, A. D. (nov-dez de 2015). Accountability and coproduction of information and control: social observatories and their relationship with government agencies. Revista de Administração Pública, 49(6), 1375-1400.

Silva, M. B. (2012). Mecanismos de participação e atuação de grupos de interesse no processo regulatório brasileiro: o caso da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Revista de Administração Pública, 46(4), 969-92.

Webster, J., & Watson, R. T. (2002). Analyzing the Past to Prepare for the Future: Writing a Literature Review. MIS Quarterly, 26(2), xiii-xxiii.

Williamson, O. E. (1996). Corporate Finance and Corporate Governance. In: O. E. Williamson, The Mechanisms of Governance (pp. 171-194). New York: Oxford University Press.