Medo, Percepção de Risco e Uso de Preservativos Outros Idiomas

ID:
52013
Periódico:
Resumo:
O aumento do número de pessoas infectadas com o vírus HIV em muitas regiões brasileiras entre 2006 e 2016 mostra que houve uma redução nos comportamentos de prevenção da Aids. A fim de apoiar futuras campanhas de saúde, este trabalho teve como objetivo examinar a efetividade da manipulação do medo em uma propaganda e a importância do traço de personalidade Amabilidade na avaliação do risco de fazer sexo sem usar preservativo. Assim, realizamos um quaseexperimento com universitários de duas universidades brasileiras (N = 92), aleatoriamente divididos em dois grupos, submetidos a duas versões diferentes de um anúncio impresso, composto por uma mensagem escrita informando a taxa de infecção por HIV / Aids em todo o mundo, seguida ou não por duas imagens de pessoas com Aids, uma delas mostrando um paciente terminal. O nível do medo evocado, o risco percebido e o traço de Amabilidade do sujeito experimental foram medidos. Uma análise ANCOVA mostrou que o anúncio mais emocional (aquele com imagens) provocou mais medo nos entrevistados. Além disso, foi detectado um efeito estatisticamente significativo do medo na percepção de risco. No entanto, não houve relação entre Amabilidade e risco percebido.
Citação ABNT:
VEIGA, R. T.; HIGUCHI, A.; AVELAR, C. F. P. Medo, Percepção de Risco e Uso de Preservativos . Revista Pretexto, v. 19, n. 4, p. 63-75, 2018.
Citação APA:
Veiga, R. T., Higuchi, A., & Avelar, C. F. P. (2018). Medo, Percepção de Risco e Uso de Preservativos . Revista Pretexto, 19(4), 63-75.
DOI:
http://dx.doi.org/10.21714/pretexto.v19i4.5945
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/52013/medo--percepcao-de-risco-e-uso-de-preservativos-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AAKER, J. L.; WILLIAMS, P. Empathy versus pride: The influence of emotional appeals across cultures. Journal of Consumer Research, 25 (3), 241–261, 1998.

ALMADA, L. A neurociência afetiva como modelo explicativo das emoções básicas. Psicologia Argumento, 32 (79), 2014.

ANDREASEN, A. R. marketing social Marketing in the Social Change Marketplace. Journal of Public Policy & Marketing, 21(1), 3–13, 2002.

ANDREASEN, A. R. Social Marketing: Its definition and Domain. Journal of Public Policy & Marketing, 13(1), 108-114, 1994.

BASTOS, A.; COSTA, F.; VASCONCELOS, M.. Consumo de Bebidas Alcoólicas por Jovens: Implicações para o Marketing Social. REMark, 16 (4), 2017.

BAUMGARTNER, H. Toward a Personology of the Consumer. Journal of Consumer Research, 29(2), 286–292, 2002.

BLACKWELL, R. D.; MINIARD, P.; ENGEL, J. F. Comportamento do Consumidor. 9. ed. São Paulo: Thomson Learning, 2005.

CANOVA, F.; FARIA, R.S. Proteína Zenk e o condicionamento clássico do medo. Neurociências, 10 (1), 37-47, 2014.

CORR, Philip J.; MATTHEWS, Gerald. The Cambridge Handbook of Personality Psychology (1. publ. ed.). Cambridge, U.K.: Cambridge University Press, 2009.

COSTA, P. T.; McCRAE, R. R. The revised neo personality inventory (neo-pi-r). The SAGE Handbook of Personality Theory and Assessment, 2(2), 179-198, 2008.

CUNHA, B. G. F.; DIAS, M. R. Comunicações persuasivas e doação regular de sangue: um estudo experimental. Cadernos de Saúde Pública, 24, 1407-1418, 2008.

D'SOUZA, C.; TAY, R. Advertising implications and design of messages, Marketing Intelligence & Planning, 34 (4), 504522. 2016.

DAMÁSIO, A. O erro de Descartes: emoção, razão e o cérebro humano. Editora Companhia das Letras, 2012.

DEYOUNG, C. G., HIRSH, J. B., SHANE, M. S., PAPADEMETRIS, X., RAJEEVAN, N., & GRAY, J. R. Testing predictions from personality neuroscience: Brain structure and the big five. Psychological Science, 21(6), 820-828, 2010.

DIGMAN, J. M. Personality structure: Emergence of the five-factor model. Annual Review of Psychology, 41(1), 417-440, 1990.

DONOVAN, R.; HENLEY, N. Principles and practice of social marketing. Cambridge: Cambridge University Press, 2010.

FLORES-MENDOZA, C.; COLOM, R. Introdução à psicologia das diferenças individuais. Artmed Editora, 2009.

FRIEDMAN, H.; SCHUSTACK, M. Teorias da personalidade: da teoria clássica à pesquisa moderna. São Paulo: Prentice Hall, 2004.

GALLO, J. H. S. Gravidez na adolescência: a idade materna, consequências e repercussões. Revista Bioética, 19(1), 179–195, 2011.

GELUDA, K. et al. Quando um não quer, dois não brigam: um estudo sobre o não uso constante de preservativo masculino por adolescentes do Município do Rio de Janeiro, Brasil . Cadernos de Saúde Pública, 22 (8), 1671–1680, 2006.

GILES, M.; LIDDELL, C.; BYDAWELL, M. Condom use in African adolescents: The role of individual and group factors. Aids Care, 17 (6), 729–739, 2005.

GORDON, R.; MCDERMOTTA, L.; STEADA, M.; ANGUSA, K. The effectiveness of social marketing interventions for health improvement: What’s the evidence?. Public Health, 120, 1133-1139, 2006.

HAIR JUNIOR, J. F. et al. Análise multivariada de dados. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

HASTINGS, G.; SAREN, M. The critical contribution of social marketing: Theory and application. Marketing Theory, 3 (3), 305–322, 2003.

HASTINGS, G.; STEAD, M.; WEBB, J. Fear Appeals in Social Marketing: Strategic and Ethical Reasons for Concern. Psychology & Marketing, 21 (11), 961–986, 2004.

HILDEBRAND, D. F. N.; VELOSO, A. R. Fatores que influenciam o comportamento de consumo de preservativos por adolescentes. Brazilian Business Review, 9, 125-161, 2012.

JUNG, T.; BRANN, M. Analyzing the extended parallel process model and health belief model constructs in texting while driving: news coverage in leading US news media outlets. International Journal of Health Promotion and Education, 52(4), p. 210-221, 2014.

KOTLER, P.; LEE, N. Marketing no setor público: um guia para um desempenho mais eficaz. Porto Alegre: Bookman, 2008.

KOTLER, P.; ZALTMAN, G. Social Marketing: An Approach to Planned Social Change. Journal of Marketing, 35, 312,1971.

LAI, PO-HSIN et al. Integrating social marketing into sustainable resource management at Padre Island National Seashore: an attitude-based segmentation approach. Environmental management, 43 (6), 985-998, 2009.

LATOUR, M. S.; ROTFELD, H. J. There are Threats and (Maybe) Fear-Caused Arousal: Theory and Confusions of Appeals to Fear and Fear Arousal Itself. Journal of Advertining, 26, (3), 45–59, 1997.

LEFEBVRE, R. C. Social marketing and social change : strategies and tools for health, well-being, and the environment. 1. ed. San Francisco: Jossey-Bass, 2013.

MALHOTRA, N. Pesquisa de Marketing: uma orientação aplicada. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

MARTINS, L. B. M. et al. Fatores associados ao uso de preservativo masculino e ao conhecimento sobre DST/ Aids em adolescentes de escolas públicas e privadas do Município de São Paulo, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 22 (2), 315– 323, 2006.

MEIRA, P. R. S.; SANTOS, C. P. Programas de marketing social: proposição e exame de uma estrutura conceitual de avaliação de resultados. Revista de administração pública, 46, (2), 493-522, 2012.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Boletim epidemiológico HIV Aids. . [S.l.]: Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais, 2017. Disponível em .

MOTA, J. R. et al. Impacto do apelo ao medo nas embalagens do cigarro: a percepção de fumantes em relação às mensagens de advertência antitabagismo. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, 12 (2), 112-123, 2013.

MOWEN, J. C. The 3M model of motivation and personality: theory and empirical applications to consumer behavior. New York: Springer Science+Business Media, 2000.

MOWEN, J. C.; HARRIS, E. G.; BONE, S. A. Personality traits and fear response to print advertisements: theory and an empirical study. Psychology & Marketing, 21 (11), 927–943, 2004.

NETEMEYER, R. G.; BEARDEN, W. O.; SHARMA, S. Scaling Procedures: Issues and Applications. Sage Publications, 2003.

PEATTIE, Ken; PEATTIE, Sue. Social marketing: A pathway to consumption reduction?. Journal of Business Research, 62 (2), 260-268, 2009.

QUICK, B. L.; LAVOIE, N. R.; REYNOLDS-TYLUS, T.; MARTINEZ-GONZALEZ, A.; SKURKA, C. Examining Mechanisms Underlying Fear-Control in the Extended Parallel Process Model. Health Communication, 1-13, 2017.

ROCHA, J. C. et al. Panorama Nacional de Publicações em marketing social na Administração.Revista de Administração IMED, 7 (2), 227-253,2017. doi:https://doi.org/10.18256/2237-7956.2017.v7i2.2076.

ROGAN, J. C.; KESELMAN, H. J. Is the ANOVA F-test robust to variance heterogeneity when sample sizes are equal?: An investigation via a coefficient of variation. American Educational Research Journal, 14(4), 493-498, 1977.

RUCKER, D. D.; PETTY, R. E. Increasing the Effectiveness of Communications to Consumers: Recommendations Based on Elaboration Likelihood and Attitude Certainty Perspectives. Journal of Public Policy & Marketing, 25(1), 39–52, 2006.

SAGAZ, S. M.; LUCIETTO, D. A. marketing social Aplicado à Saúde Coletiva: Definições, Usos, Aplicações e Indicadores da Produção Científica Brasileira. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 10(3), 16-30, 2016.

SCHNEIDER, G; LUCE, F. B. Marketing social: abordagem histórica e desafios contemporâneos. Revista Brasileira de Marketing, 13(3), 125-137. 2014

SHETH, J. N.; FRAZIER, G. L. A Model of Strategy Mix Choice for Planned Social Change. Journal of Marketing, 46 (1), 15–26, 1982.

THAINIYOM, P.; ELDER, K. Emotional Appeals in HIV Prevention Campaigns: Unintended Stigma Effects. American Journal of Health Behaviour, 41(4), 390–400, 2017.

WETTSTEIN, D.; SUZANNE SUGGS, L.; LELLIG, C. Social marketing and alcohol misuse prevention in German-speaking countries. Journal of Social Marketing, 2 (3), 187-206, 2012.

WITTE, K.; ALLEN, M. A Meta-Analysis of Fear Appeals: Implications for Effective Public Health Campaigns. Health Education & Behavior, 27(5), 591–615, 2000.